Pular para o conteúdo principal

Frau Liselotte

Trabalhava há pouco tempo em uma multinacional de origem alemã e, para crescer na organização, precisava aperfeiçoar meu alemão.  Pela indicação de amigos comuns, entrei em contato com uma senhora nascida na Alemanha, de origem judia, muito culta, conhecida como Frau Liselotte.
Conversamos, e ela se dispôs a vir dar as aulas que eu necessitava, na minha casa.  Eu a conhecia de vista. Ela era uma  figura singular: solteira, morena, alta, com cerca de 55 anos, nem feia nem bonita, magérrima, usava sempre os mesmos saia-casaquinho e penteado - estilo anos 50. Tinha o nariz adunco, e as pernas mais finas que já tive oportunidade de ver (de imaginar).
 Além das pernas serem finas, chamavam atenção também porque eram envolvidas com uma faixa de pano, de cima abaixo; essa faixa tinha cerca de uns dez centímetros de largura, e aparentava o que devia ser:  uma bandagem. Ninguém nunca se atreveu a perguntar porque ela a usava, nem eu.
Entretanto, o que era mais marcante na sua figura era como falava –  tinha um forte sotaque alemão, uma voz fina e autoritária, e suas palavras vinham acompanhadas de gotículas de saliva -  talvez pelo fato de ter a ‘língua-presa’. Suas perguntas pareciam afirmações - induziam a respostas que ela já conhecia, e as afirmações vinham em tom de comando - indiscutíveis.  
Tive poucas aulas com ela, e essas aulas, obviamente, não contribuíram quase nada para evolução do meu alemão. Depois, nunca mais a vi, e nem ouvi falar. Hoje, decorridas algumas décadas, fui levado a me lembrar dela. Lembrei-me porque, finalmente, depois de tanto tempo, consegui formular a resposta adequada para um de seus questionamentos.
 Desde muito jovem, estimulado pelo meu pai, adquiri o hábito da leitura que carrego até hoje.  Ao vir pela primeira vez na minha casa, Frau Liselotte se deparou com uma estante de livros que tomava praticamente toda a lateral da sala. Havia muitos livros ali. Então, ela olhou aquilo com seu olhar crítico e altivo – de quem sabe das coisas, de quem não tem dúvida nenhuma -, pegou e folheou alguns deles, e me fez a pergunta que parecia fundamental:
-   Você já leu todos esses livros?
A forma que perguntou, embora ela não tenha expressado, deixou evidente o que pensava:
-   Não acredito que você tenha lido todos esses livros!
Em seguida, abriu um dos livros, leu o título e me perguntou do que tratava, minha opinião sobre o tema, autor, etc.. Respeitosamente - ainda hoje me recrimino por isso - respondi, e continuei respondendo a tudo o que ela perguntava – sim, porque ela foi a fundo no livro. Depois, pegou outro, outro, até provar a sua pergunta afirmação...
Há pouco, lendo o livro de Nassim Nicholas Taleb, ‘O Cisne Negro’, experimentei um episódio de ‘L’espirit de l’escalier’ (*).  Fiquei sabendo que o escritor Umberto Eco é dono de uma vasta biblioteca pessoal – com cerca de 30 mil títulos -, e que divide os visitantes em duas categorias, de acordo com a reação que têm quando conhecem a sua biblioteca. A primeira é composta por aqueles que têm a seguinte fala:
 '- Uau! Signore professore dottore Eco, que biblioteca o senhor tem? Quantos desses livros o senhor leu?'
E a segunda, uma categoria muito pequena, por aqueles que entendem que uma biblioteca particular não é um apêndice para se elevar o próprio ego, mas que é, principalmente, uma ferramenta de pesquisa.
 Umberto Eco defende que os ‘livros lidos’ são muito menos valiosos do que os ‘não lidos’. A explicação é que, conforme você for envelhecendo, irá acumulando mais conhecimento e mais livros. Num determinado momento, o número crescente de livros não lidos nas prateleiras passarão a olhar para você ameaçadoramente. Porém, não irão amedrontá-lo. Nessa altura da vida, provavelmente você já estará consciente de que, quanto mais souber, maior será a pilha de livros não lidos.
Essa era a resposta que deveria ter dado para aquela jabiraca. Entretanto, naquela época, eu ainda não havia acumulado conhecimento suficiente, e nem tinha tantos livros não lidos...

(*) ‘L’espirit de l’escalier’ – literalmente: ‘O espírito da escada’. A expressão original foi   cunhada  por  Diderot e consta no seu livro ‘Paradoxe sur le comédien’. Aplica-se asituações em que  alguém, envolvido em uma discussão, de imediato não encontra respostaapropriada para algum comentário ou argumento do interlocutor. E, ao ir embora, ou, ao ‘estardescendo a escada’, a  resposta perfeita, a que decidiria a discussão, vem à sua mente. Mas,então,  já é tarde demais


(JA, Fev14)

Postagens mais visitadas deste blog

Grabovoi - O Poder dos Números

O Método Grabovoi  foi criado pelo cientista russo Grigori Grabovoi, após anos de estudos e pesquisas, sobre números e sua influência no nosso cérebro. Grigori descobriu que os números criam frequências que podem atuar em diversas áreas, desde sobrepeso até falta de concentração, tratamento para doenças, dedicação, e situações como perda de dinheiro. Os números atuam como uma ‘Código de desbloqueio’ dentro do nosso inconsciente, criando frequências vibratórias que atuam diretamente na área afetada e permitindo que o fluxo de informações flua livremente no nosso cérebro. Como funciona? As sequências são formadas por números que reúnem significados. As sequências podem ter  1, 7, 16, ou até 25 algarismos, e quanto mais números, mais específica é a ação da sequência. Os números devem ser lidos separadamente, por exemplo: 345682 Três, quatro, cinco, seis (sempre o número seis, não ‘meia’), oito, dois. Como praticar Você deve escolher uma das sequencias num

Thoth

Deus da lua, juiz dos mortos e deus do conhecimento e da escrita, Thoth (também Toth, ou Tot, cujo nome em egípcio é Djehuty) é um deus egípcio, representado com cabeça de íbis. É o deus do conhecimento, da sabedoria, da escrita, da música e da magia. Filho mais velho do deus do sol Rá, ou em alguns mitos nascido da cabeça de Set, era representado como um homem com a cabeça da ave íbis ou de um babuíno, seus animais sagrados.   Sendo o deus associado com o conhecimento secreto, Thoth ajudou no sepultamento de Osíris criando a primeira múmia. Era também o deus das palavras, da língua e posteriormente os gregos viam este deus egípcio como a fonte de toda a ciência, humana e divina, do Egito. O culto de Thoth situava-se na cidade de Khemenou, também referida pelos gregos como Hermópolis Magna, e agora conhecida pelo nome árabe Al Ashmunin. Inventor da escrita Segundo a tradição, transmitida também por Platão no diálogo Fedro, Thoth inventou a escrita egípc

Por que Jesus dobrou o lenço?

‘E que o lenço, que estivera sobre a cabeça de Jesus, não estava com os panos, mas enrolado num lugar à parte’.(João 20:7) Por que Jesus dobrou o lenço que cobria sua cabeça no sepulcro depois de sua ressurreição? Você já deteve sua atenção a esse detalhe? João 20:7 nos conta que aquele lenço que foi colocado sobre a face de Jesus não foi apenas deixado de lado como os lençóis no túmulo. A Bíblia reserva um versículo inteiro para nos contar que o lenço fora dobrado cuidadosamente e colocado na cabeceira do túmulo de pedra. Bem cedo pela manhã de domingo, Maria Madalena veio à tumba e descobriu que a pedra havia sido removida da entrada. Ela correu e encontrou Simão Pedro e outro discípulo, aquele que Jesus tanto amara. Disse ela: ‘Eles tiraram o corpo do Senhor e eu não sei para onde eles o levaram’. Pedro e o outro discípulo correram ao túmulo para ver. O outro discípulo passou à frente de Pedro e lá primeiro chegou. Ele parou e observou os lençóis lá,