Pular para o conteúdo principal

Revolução de 1924

Apesar das mortes e do sofrimento que causou, ela é chamada de 'Revolução Esquecida' -  100 anos de esquecimento

                            Civil ferido é transportado para o hospital militar - 7 de julho de 1924

Histórico

Revolta de 1924 em São Paulo (também chamada de Revolta Paulista, Revolução ou Movimento de 1924, Segundo 5 de Julho, e Rebelião de 1924 em São Paulo) foi um conflito brasileiro com características de guerra civil, deflagrado por militares tenentistas para derrubar o governo federal de Artur Bernardes.

Iniciado na cidade de São Paulo em 5 de julho, o movimento se expandiu para o  interior, e inspirou levantes em outros estados. O combate urbano concluiu numa vitória legalista em 28 de julho. A retirada dos rebeldes, até setembro, deu continuidade ao movimento com a Campanha do Paraná.

O núcleo conspiratório por trás da revolta era de oficiais do Exército, veteranos da ‘Revolta dos 18 do Forte’, de 1922, aos quais se associaram militares da Força Pública de São Paulo, baixas patentes e civis, todos inimigos do sistema político da República Velha.

Eles escolheram o general reformado Isidoro Dias Lopes como seu comandante, e planejaram um movimento de dimensão nacional, começando com a ocupação em poucas horas de São Paulo, cortando um dos braços das oligarquias que dominavam o país na política do café com leite.

O plano desandou, houve menos adesões do que o esperado, e os legalistas resistiram no centro da cidade até 8 de julho, quando o governador Carlos de Campos se retirou para a estação de Guaiaúna, na periferia.

O governo federal concentrou grande parte do poder de combate do país na cidade, com uma vantagem numérica de cinco para um, e começou uma reconquista pelos bairros operários, a leste e ao sul do centro, às ordens do general Eduardo Sócrates.

O maior parque industrial do país teve suas fábricas paralisadas pela luta, a mais intensa já travada dentro de uma cidade brasileira. Faltaram alimentos e, no vácuo de poder, começaram saques populares aos armazéns.

Os legalistas desferiram um bombardeio indiscriminado de artilharia, com pesados danos para as residências, indústrias e habitantes. Os civis foram a maioria dos mortos, e um terço dos habitantes se tornaram refugiados.

A elite econômica paulista, liderada por José Carlos de Macedo Soares, presidente da Associação Comercial, fez o possível para conservar suas propriedades, e a ordem na cidade. Temendo uma revolução social, ela influenciou o distanciamento dos líderes da revolta a movimentos operários, como os anarquistas, que haviam oferecido seu apoio; Macedo Soares e outros também tentaram, sem sucesso, intermediar um cessar-fogo.

Sem perspectivas de sucesso em batalha, os rebeldes ainda tinham uma rota de fuga para o território ocupado, de Campinas a Bauru, mas ela estava prestes a ser cortada por vitórias legalistas no eixo de Sorocaba.

O exército revolucionário escapou do cerco iminente e se transferiu para as  margens do rio Paraná. Após uma invasão frustrada ao sul de Mato Grosso (a Batalha de Três Lagoas), entrincheiraram-se no oeste do Paraná, onde se uniram a revoltosos do Rio Grande do Sul para formar a ‘Coluna Miguel Costa-Prestes’.

O governo restabeleceu o estado de sítio, e intensificou a repressão política, prenunciando o aparato que seria usado mais tarde pelo Estado Novo e pela ditadura militar; em São Paulo, criou-se uma ‘Delegacia de Ordem Política e Social’ (Deops).

Apesar da dimensão dos combates, da destruição causada e das consequências políticas, o movimento ganhou o apelido de ‘Revolução Esquecida’, e não tem comemorações públicas equivalentes às realizadas para a Revolução Constitucionalista de 1932.

Revolução Esquecida

A Revolução de 1924, a segunda rebelião tenentista da história do Brasil, que sucedeu ao episódio dos ‘18 do Forte’, no Rio de Janeiro, é considerada a maior batalha urbana das Américas. Não é à toa.

Em 28 dias de combate, mobilizou 18 mil homens do governo legal de Arthur Bernardes, e cerca de 6.000 rebeldes do Exército e da Força Pública (atual Polícia Militar), matando, de acordo com dados oficiais, 513 pessoas, ferindo 4.800, e causando um êxodo de quase 300 mil paulistanos —a população era de 700 mil— para outras cidades, para fugir do bombardeio. O armamento utilizado —canhões, tanques de guerra e aviões—, de origem francesa, era o mais moderno da época.

Apesar de sua magnitude e do sofrimento da população, em especial dos operários pobres, moradores de bairros como Mooca, Belenzinho, Cambuci e Brás, boa parte imigrantes italianos e espanhóis, a revolta ainda mantém o apelido de ‘Revolução Esquecida’.

E, de fato, se compararmos o episódio com outros semelhantes, como as revoluções de 1930 e 1932, chegaremos à conclusão de que ela é, de fato, colocada debaixo do tapete da história.

Ao se completar 100 anos de sua eclosão, em um distante 5 de julho, a Revolução de 1924 permanece perdida nas brumas da história. Nem o governo do estado —cujos soldados se rebelaram sob o comando do major de Cavalaria Miguel Costa— nem a prefeitura, em que o então prefeito Firmiano Pinto, cunhou a frase ‘serei o último habitante a deixar São Paulo, aconteça o que acontecer’, movimentam-se para promover algum evento para lembrar a efeméride. Somente a Assembleia Legislativa, por meio do deputado Maurici (PT), promoveram uma sessão solene para lembrar o episódio.

A sociedade civil tem feito algo. Na Mooca, um dos bairros mais atingidos pelo criminoso bombardeio terrificante —aquele cujo objetivo é aterrorizar a população, que viveu dias de Gaza naquela época—, a Universidade São Judas promoveu a série de palestras ‘Centenário da Revolução de 1924’. A Associação Comercial de São Paulo, que teve o então presidente, José Carlos de Macedo Soares, em luta para evitar o bombardeio indiscriminado à capital, o Instituto Histórico e Geográfico, a Associação dos Arquivistas Municipais, e a Paróquia Santa Ifigênia, que ainda tem em seu prédio marcas de tiros, também promoveram eventos para lembrar a revolta.

A depender do poder público, ao que parece, veremos cumprir a profecia do deputado João Simplício, aliado de Bernardes, que, em 1924, disse que a revolução seria esquecida por 100 anos. 


                               São Paulo (1924) – Tarsila do Amaral

Talvez, ainda haja tempo para resgatar esta história, para honrar a memória das vítimas - dois terços das quais civis, e responsabilizar os líderes políticos de então, em especial o presidente Arthur Bernardes e o governador do estado Carlos de Campos, pelos crimes de guerra cometidos durante o conflito. As leis da época já previam a responsabilização de governantes por crimes contra a humanidade.

Como lembrou o pensador irlandês Edmund Burke (1729-1797):

‘Um povo que não conhece sua história está condenado a repeti-la’.

 E, acrescentaria, repetindo-a, errando mais uma vez. 

 


Fonte: Moacir Assunção,  FSP  | WP

 

(JA, Jul24)

 

Postagens mais visitadas deste blog

Grabovoi - O Poder dos Números

O Método Grabovoi  foi criado pelo cientista russo Grigori Grabovoi, após anos de estudos e pesquisas, sobre números e sua influência no nosso cérebro. Grigori descobriu que os números criam frequências que podem atuar em diversas áreas, desde sobrepeso até falta de concentração, tratamento para doenças, dedicação, e situações como perda de dinheiro. Os números atuam como uma ‘Código de desbloqueio’ dentro do nosso inconsciente, criando frequências vibratórias que atuam diretamente na área afetada e permitindo que o fluxo de informações flua livremente no nosso cérebro. Como funciona? As sequências são formadas por números que reúnem significados. As sequências podem ter  1, 7, 16, ou até 25 algarismos, e quanto mais números, mais específica é a ação da sequência. Os números devem ser lidos separadamente, por exemplo: 345682 Três, quatro, cinco, seis (sempre o número seis, não ‘meia’), oito, dois. Como praticar Você deve escolher uma das sequencias num

Thoth

Deus da lua, juiz dos mortos e deus do conhecimento e da escrita, Thoth (também Toth, ou Tot, cujo nome em egípcio é Djehuty) é um deus egípcio, representado com cabeça de íbis. É o deus do conhecimento, da sabedoria, da escrita, da música e da magia. Filho mais velho do deus do sol Rá, ou em alguns mitos nascido da cabeça de Set, era representado como um homem com a cabeça da ave íbis ou de um babuíno, seus animais sagrados.   Sendo o deus associado com o conhecimento secreto, Thoth ajudou no sepultamento de Osíris criando a primeira múmia. Era também o deus das palavras, da língua e posteriormente os gregos viam este deus egípcio como a fonte de toda a ciência, humana e divina, do Egito. O culto de Thoth situava-se na cidade de Khemenou, também referida pelos gregos como Hermópolis Magna, e agora conhecida pelo nome árabe Al Ashmunin. Inventor da escrita Segundo a tradição, transmitida também por Platão no diálogo Fedro, Thoth inventou a escrita egípc

Energia, Frequência e Vibração

Na palavras de Nicolas Tesla, 1856-1943 , o inventor do rádio e da corrente alternada: ‘Se você quer descobrir os segredos do Universo, pense em termos de energia, frequência e vibração’. Tudo no universo é energia, manifestada através de vibração, produzida numa dada frequência, criando a matéria. No interior de cada átomo que compõe a matéria, existem apenas padrões vibracionais. A física quântica e relativística, que constituem a  física moderna, definem que vivemos num mundo de energias, frequência e vibrações, as  quais manifestam o mundo físico. Somos seres vibracionais. Cada vibração tem a sua frequência determinada pelo  que sentimos. No mundo ‘vibracional’ existem apenas duas espécies de vibrações: a positiva e a negativa. Qualquer sentimento resulta na emissão de uma vibração, em determinada frequência, que pode ser positiva ou negativa. A energia enviada para o universo encontra um campo de energia semelhante, onde ela é otimizada pelo conjunto. Essa campo respo