Pular para o conteúdo principal

Futebol Brasil

 

 

Falar sobre a atual fase da seleção brasileira de futebol não é falar apenas sobre futebol. O esporte que sempre foi a identidade brasileira no mundo, também reflete o comportamento do povo. A marchinha da copa de 62 dizia: ‘A taça do Mundo é nossa, com brasileiro não há quem possa...O Brasileiro lá no estrangeiro mostrou o futebol como é que é’. Este trecho aponta para o comportamento criativo e ousado do Brasileiro, que jogava confiante, que ia para ensinar, seguro do que faria.

Os jogadores, quase todos de origem humilde, enfrentavam dificuldades sociais na vida, precisavam vencer desafios, não se intimidavam com as adversidades, improvisavam para viver. E era exatamente isto o que Garrincha, Pelé, Didi e outros faziam em campo.

A seguir veio o improviso do Zico, o galo de Quintino, garoto do subúrbio. A autoconfiança e malandragem de Romário, a mesma que ele aplicava nas peladas que disputava na Vila da Penha. Depois, a objetividade e força do Ronaldo, a eficiência e seriedade do Rivaldo, e a molecagem autoconfiante do Ronaldinho Gaúcho. A disciplina objetiva do Kaká foi o último suspiro desta identidade.

Depois veio a geração Neymar, e agora a geração Vinícius Júnior. E esta fase marca não só a derrocada da Seleção Brasileira, como a perda da identidade de tudo o que a seleção era. Mas, como a identidade da seleção sempre esteve ligada ao que o povo era, não dá para achar que a geração Neymar e Vinícius Júnior é caso específico do futebol. Ela é um fenômeno comportamental.

Neymar, Vinícius Jr e Cia são jogadores que não precisaram lutar por nada. Bajulados por todos os lados, nunca precisaram exercitar a criatividade na vida. São bobos, fabricados. De longe, não transmitem a espontaneidade de Romário, Ronaldo, Bebeto. A criatividade que possuem foi toda direcionada às futilidades. Baladas, polêmicas, dancinhas, roupas, bobagens. E esse é justamente o comportamento deles em campo.

A geração Neymar e Vinícius Jr exerce sua habilidade em campo de forma fútil, sem objetividade, com inúmeros lances improdutivos. Neymar passou boa parte de sua carreira na seleção dando dribles e sofrendo faltas na linha lateral, na altura do meio de campo. As chuteiras coloridas, tatuagens em dia, cabelo também. E aquelas dancinhas ridículas também.

Assisti ontem ao jogo da Argentina contra o Equador. É um jogo de homens. As comemorações são de homens, há um sentimento de gana que é transmitido. Quando vejo a seleção brasileira, a impressão é de que se trata de um grupo de amigos adolescentes. Dancinhas ridículas, palhaçadas, e um monte de marmanjo de 30 anos passando a imagem de menino. Desestabilizados emocionalmente, choram à toa. Lembro-me das seleções que eram assim.

Colombianos gostavam desse negócio de cabelo colorido e dancinha. Sua seleção era engraçadinha, todo mundo curtia, mas ninguém levava a sério. O mesmo acontecia com Nigéria e outras. Hoje, todos pararam com isso, todos levam a sério o futebol, e o Brasil estacionou nessa adolescência mental. Insuportável ver Paquetá, Vinícius Jr e Cia. rebolando após um gol.

Agora, o pior. Neymar, Vinícius Jr e Cia. não vieram de outro Planeta. Eles são o extrato mais fiel do comportamento brasileiro atual. Disciplina nunca foi nosso ponto forte. E até mesmo o poder de improviso de antes, hoje foi todo direcionado para futilidades. É triste, mas a seleção brasileira representa o Brasil atual.



 Fonte: Thiago Dnardo

  

(JA, Jul24)

Postagens mais visitadas deste blog

Grabovoi - O Poder dos Números

O Método Grabovoi  foi criado pelo cientista russo Grigori Grabovoi, após anos de estudos e pesquisas, sobre números e sua influência no nosso cérebro. Grigori descobriu que os números criam frequências que podem atuar em diversas áreas, desde sobrepeso até falta de concentração, tratamento para doenças, dedicação, e situações como perda de dinheiro. Os números atuam como uma ‘Código de desbloqueio’ dentro do nosso inconsciente, criando frequências vibratórias que atuam diretamente na área afetada e permitindo que o fluxo de informações flua livremente no nosso cérebro. Como funciona? As sequências são formadas por números que reúnem significados. As sequências podem ter  1, 7, 16, ou até 25 algarismos, e quanto mais números, mais específica é a ação da sequência. Os números devem ser lidos separadamente, por exemplo: 345682 Três, quatro, cinco, seis (sempre o número seis, não ‘meia’), oito, dois. Como praticar Você deve escolher uma das sequencias num

Thoth

Deus da lua, juiz dos mortos e deus do conhecimento e da escrita, Thoth (também Toth, ou Tot, cujo nome em egípcio é Djehuty) é um deus egípcio, representado com cabeça de íbis. É o deus do conhecimento, da sabedoria, da escrita, da música e da magia. Filho mais velho do deus do sol Rá, ou em alguns mitos nascido da cabeça de Set, era representado como um homem com a cabeça da ave íbis ou de um babuíno, seus animais sagrados.   Sendo o deus associado com o conhecimento secreto, Thoth ajudou no sepultamento de Osíris criando a primeira múmia. Era também o deus das palavras, da língua e posteriormente os gregos viam este deus egípcio como a fonte de toda a ciência, humana e divina, do Egito. O culto de Thoth situava-se na cidade de Khemenou, também referida pelos gregos como Hermópolis Magna, e agora conhecida pelo nome árabe Al Ashmunin. Inventor da escrita Segundo a tradição, transmitida também por Platão no diálogo Fedro, Thoth inventou a escrita egípc

Energia, Frequência e Vibração

Na palavras de Nicolas Tesla, 1856-1943 , o inventor do rádio e da corrente alternada: ‘Se você quer descobrir os segredos do Universo, pense em termos de energia, frequência e vibração’. Tudo no universo é energia, manifestada através de vibração, produzida numa dada frequência, criando a matéria. No interior de cada átomo que compõe a matéria, existem apenas padrões vibracionais. A física quântica e relativística, que constituem a  física moderna, definem que vivemos num mundo de energias, frequência e vibrações, as  quais manifestam o mundo físico. Somos seres vibracionais. Cada vibração tem a sua frequência determinada pelo  que sentimos. No mundo ‘vibracional’ existem apenas duas espécies de vibrações: a positiva e a negativa. Qualquer sentimento resulta na emissão de uma vibração, em determinada frequência, que pode ser positiva ou negativa. A energia enviada para o universo encontra um campo de energia semelhante, onde ela é otimizada pelo conjunto. Essa campo respo