Pular para o conteúdo principal

O Outro é o seu Reflexo

 

Realidade  Refletida

“Tudo o que te incomoda em mim, na verdade existe em você, e só te incomoda porque é um reflexo do que há em você. Eu sirvo como um espelho para o que você não quer enxergar, e assumir em você mesmo.”

Pode ser difícil encarar essa verdade; por outro lado, pode ser uma forma de encontrar uma solução.

Ver em nós a razão que nos leva a ficar irritados, magoados ou desequilibrados com o outro que demonstra, é uma tarefa árdua porque exige uma análise verdadeira, e um olhar sincero, para se despir do orgulho, e enfrentar nossos monstros internos.

Entretanto, essa é a única maneira real de lidar com o que nos incomoda: partindo para a ação, atuando em nosso mundo e não no do outro.

Alterando a realidade incômoda

Ao invés de achar que o outro é culpado, olhar para si mesmo e perceber que o que você faz alimenta aquela situação. Qual a sua responsabilidade em cada situação que você vive? Especialmente, nas que te trazem desconforto ou incomodidade?

É possível que você descubra que pequenos posicionamentos e mudanças de pensamentos podem resolver o problema.

O que você vê no outro é sempre um reflexo seu, porque só te incomoda no outro o que tem ressonância em você.

Isso acontece em função da projeção psicológica, um mecanismo de defesa por meio do qual atribuímos a outras pessoas nossos sentimentos, pensamentos, crenças, ou até mesmo ações próprias, que são inaceitáveis para nós.

Esse mecanismo começa atuar durante experiências que nos trazem algum tipo de conflito emocional, ou nos momentos em que nos sentimentos ameaçados, tanto interiormente quando exteriormente. Quando nossa mente entende que existe uma ameaça para nossa integridade, tanto física quanto emocional, esta emite um sinal de rejeição para o exterior, projetando essas características, e atribuindo as mesmas a um objeto ou sujeito externo, que não nós mesmos.

Poder de Atuação

Isso torna tão fácil culpar os outros, delegar toda a responsabilidade, trazendo por um momento um certo alívio pela isenção de culpa. Mas isso dura o curto período, até você se deparar com aquela pessoa ou situação novamente. O espelho continua a refletir o seu interior, enquanto você não ousar modificá-lo.

Funciona assim: imagine-se olhando para um espelho e se sentindo incomodado com a cor dos seus cabelos. Onde você deve aplicar a tinta? No reflexo ou em você?

Estar consciente de que tudo o que nos incomoda no outro é um reflexo de algo que existe em nós, nos devolve o poder de atuação.

Eu posso modificar a mim e mudar o reflexo que encontro por ai, mas não posso modificar o outro. Mas enquanto eu culpabilizar o outro, não há nada que eu possa fazer.

A boa notícia é que isso funciona para coisas positivas também, você só consegue reconhecer no outro aquilo que você conhece. Então, se você reconhece valores, atitudes positivas, comportamentos assertivos e outras coisas boas em alguém, é porque tudo isso existe em você.

Por isso trabalhe em duas frentes:

A.     Identifique, avalie e transforme em você o que te incomoda no outro;

B.     Aumente seu foco no positivo para aumentar seu nível de satisfação em relação a pessoas e situações.

Ninguém é tão errado que te isente de culpa, e não existe situação tão negativa que não se possa ver ao menos um ponto positivo, ou de aprendizado.

Use tudo como um grande espelho para transformar em você o que precisa ser trabalhado ao seu redor.

Não importa a situação, sua responsabilidade sempre estará presente, assim como o seu poder de solução.

 

 

Fonte: Manuela Duarte  |  CoachIn

 

(JA, Mar21)

 


Postagens mais visitadas deste blog

Grabovoi - O Poder dos Números

O Método Grabovoi  foi criado pelo cientista russo Grigori Grabovoi, após anos de estudos e pesquisas, sobre números e sua influência no nosso cérebro. Grigori descobriu que os números criam frequências que podem atuar em diversas áreas, desde sobrepeso até falta de concentração, tratamento para doenças, dedicação, e situações como perda de dinheiro. Os números atuam como uma ‘Código de desbloqueio’ dentro do nosso inconsciente, criando frequências vibratórias que atuam diretamente na área afetada e permitindo que o fluxo de informações flua livremente no nosso cérebro. Como funciona? As sequências são formadas por números que reúnem significados. As sequências podem ter  1, 7, 16, ou até 25 algarismos, e quanto mais números, mais específica é a ação da sequência. Os números devem ser lidos separadamente, por exemplo: 345682 Três, quatro, cinco, seis (sempre o número seis, não ‘meia’), oito, dois. Como praticar Você deve escolher uma das sequencias num

Thoth

Deus da lua, juiz dos mortos e deus do conhecimento e da escrita, Thoth (também Toth, ou Tot, cujo nome em egípcio é Djehuty) é um deus egípcio, representado com cabeça de íbis. É o deus do conhecimento, da sabedoria, da escrita, da música e da magia. Filho mais velho do deus do sol Rá, ou em alguns mitos nascido da cabeça de Set, era representado como um homem com a cabeça da ave íbis ou de um babuíno, seus animais sagrados.   Sendo o deus associado com o conhecimento secreto, Thoth ajudou no sepultamento de Osíris criando a primeira múmia. Era também o deus das palavras, da língua e posteriormente os gregos viam este deus egípcio como a fonte de toda a ciência, humana e divina, do Egito. O culto de Thoth situava-se na cidade de Khemenou, também referida pelos gregos como Hermópolis Magna, e agora conhecida pelo nome árabe Al Ashmunin. Inventor da escrita Segundo a tradição, transmitida também por Platão no diálogo Fedro, Thoth inventou a escrita egípc

Por que Jesus dobrou o lenço?

‘E que o lenço, que estivera sobre a cabeça de Jesus, não estava com os panos, mas enrolado num lugar à parte’.(João 20:7) Por que Jesus dobrou o lenço que cobria sua cabeça no sepulcro depois de sua ressurreição? Você já deteve sua atenção a esse detalhe? João 20:7 nos conta que aquele lenço que foi colocado sobre a face de Jesus não foi apenas deixado de lado como os lençóis no túmulo. A Bíblia reserva um versículo inteiro para nos contar que o lenço fora dobrado cuidadosamente e colocado na cabeceira do túmulo de pedra. Bem cedo pela manhã de domingo, Maria Madalena veio à tumba e descobriu que a pedra havia sido removida da entrada. Ela correu e encontrou Simão Pedro e outro discípulo, aquele que Jesus tanto amara. Disse ela: ‘Eles tiraram o corpo do Senhor e eu não sei para onde eles o levaram’. Pedro e o outro discípulo correram ao túmulo para ver. O outro discípulo passou à frente de Pedro e lá primeiro chegou. Ele parou e observou os lençóis lá,