Pular para o conteúdo principal

Perspectiva

 

Às vezes consigo olhar a minha realidade atual com os olhos do passado.

Para aquele garoto que fui, nada do que sou, tenho hoje,  faz sentido. Como vim parar aqui? Não tem nada a ver com aquele jovem. Ele só tinha sonhos, ainda não muito definidos. Sabia que se se empenhasse, se dedicasse, iria conseguir alcançar alguma coisa. Mas na época nunca conseguia definir exatamente o quê.

Sabia que queria reconhecimento, respeito, estabilidade, capacidade financeira, mas não tinha ideia de como.

Hoje, olhando ao meu redor, vejo que tenho um pouco de tudo isso que queria, mas que nunca havia imaginado como seria.

O garoto do passado ficaria estarrecido se, naquela época, essa que é minha realidade atual fosse colocada para ele como meta de vida. Não vou conseguir! Isso é impossível!

Mas consegui, foi possível. Até recentemente, nunca olhei para trás. Olhei sempre para o que poderia vir em seguida, para o que teria que fazer para realizar.  Aos poucos, com dificuldade, trabalho persistência, fui conseguindo alcançar. Para mim isso é espetacular. 

Entretanto, é espetacular só para mim. Para os demais, para aqueles que compartilham a minha vida nesta fase, não há mérito nenhum. Do ponto de vista deles, sou uma pessoa normal. Aliás, abaixo do normal pois tenho inúmeros defeitos, sendo que um deles é atual autoestima, supervalorizada.   

E interessante esse pensamento porque eles, pelo simples fato de participarem desta minha realidade deveriam se sentir supervalorizados também. Afinal, fazem parte de uma vida de alguém que se superou, que foi além do previsto, do que naturalmente seria possível.  

Mas compreendo. Certamente cada um deles tem a sua própria história, seus próprios sonhos. E neles, não são coadjuvantes, são os protagonistas.

Concluí que o mais adequado é que eu assuma um papel mais secundário, dar espaço para eles agir como julgarem melhor, conseguir se superar, alcançar aquilo que devem merecer.

Nessa parte lembro sempre de meu pai. Ele, em determinadas situações, não criticava minhas falas, meus atos. Creio que nesses momentos, embora considerasse que o que eu pretendia fazer ou tivesse feito não era o correto, entendia que não iria adiantar aconselhar, recomendar, recriminar. Que era preciso dar tempo para eu mesmo descobrir,  reconhecer e aprender com o erro - como aconteceu, algumas vezes anos depois, até mesmo após a sua morte. Eu o admiro por isso, pela sua sabedoria, paciência, generosidade.    

Chegando nos meus 80 anos, quando o corpo sente os efeitos do tempo acumulado, aceito que a minha época de lutar para realizar está acabando. A minha capacidade, força de interferência, nestas alturas já está no nível mínimo.

Com esse pensamento, procuro incentivar, a apoiar, raramente criticando, aqueles com os quais convivo. Procuro dar espaço para eles seguirem suas próprias intuições, decisões pessoais, deixando  o tempo passar, que as coisas se acomodem, desejando que todos realizem o seu destino naturalmente, da melhor maneira possível. 

Espero que eles, ao chegarem à minha idade, possam olhar para trás e sentir o que eu senti, e poderem concluir também: 

‘Fiz muito mais do que imaginava poder conseguir’.

Obrigado a todos que me ajudaram na minha formação, que acreditaram no meu potencial, que me apoiaram e incentivaram - principalmente nos momentos mais difíceis, decisivos, enfim aos que participaram de alguma forma na construção da minha história, mesmo que inconscientemente, e também aos que conseguiram ler este texto até o fim.

 

 

(JA, Nov20)

Postagens mais visitadas deste blog

Grabovoi - O Poder dos Números

O Método Grabovoi  foi criado pelo cientista russo Grigori Grabovoi, após anos de estudos e pesquisas, sobre números e sua influência no nosso cérebro. Grigori descobriu que os números criam frequências que podem atuar em diversas áreas, desde sobrepeso até falta de concentração, tratamento para doenças, dedicação, e situações como perda de dinheiro. Os números atuam como uma ‘Código de desbloqueio’ dentro do nosso inconsciente, criando frequências vibratórias que atuam diretamente na área afetada e permitindo que o fluxo de informações flua livremente no nosso cérebro. Como funciona? As sequências são formadas por números que reúnem significados. As sequências podem ter  1, 7, 16, ou até 25 algarismos, e quanto mais números, mais específica é a ação da sequência. Os números devem ser lidos separadamente, por exemplo: 345682 Três, quatro, cinco, seis (sempre o número seis, não ‘meia’), oito, dois. Como praticar Você deve escolher uma das sequencias num

Thoth

Deus da lua, juiz dos mortos e deus do conhecimento e da escrita, Thoth (também Toth, ou Tot, cujo nome em egípcio é Djehuty) é um deus egípcio, representado com cabeça de íbis. É o deus do conhecimento, da sabedoria, da escrita, da música e da magia. Filho mais velho do deus do sol Rá, ou em alguns mitos nascido da cabeça de Set, era representado como um homem com a cabeça da ave íbis ou de um babuíno, seus animais sagrados.   Sendo o deus associado com o conhecimento secreto, Thoth ajudou no sepultamento de Osíris criando a primeira múmia. Era também o deus das palavras, da língua e posteriormente os gregos viam este deus egípcio como a fonte de toda a ciência, humana e divina, do Egito. O culto de Thoth situava-se na cidade de Khemenou, também referida pelos gregos como Hermópolis Magna, e agora conhecida pelo nome árabe Al Ashmunin. Inventor da escrita Segundo a tradição, transmitida também por Platão no diálogo Fedro, Thoth inventou a escrita egípc

Por que Jesus dobrou o lenço?

‘E que o lenço, que estivera sobre a cabeça de Jesus, não estava com os panos, mas enrolado num lugar à parte’.(João 20:7) Por que Jesus dobrou o lenço que cobria sua cabeça no sepulcro depois de sua ressurreição? Você já deteve sua atenção a esse detalhe? João 20:7 nos conta que aquele lenço que foi colocado sobre a face de Jesus não foi apenas deixado de lado como os lençóis no túmulo. A Bíblia reserva um versículo inteiro para nos contar que o lenço fora dobrado cuidadosamente e colocado na cabeceira do túmulo de pedra. Bem cedo pela manhã de domingo, Maria Madalena veio à tumba e descobriu que a pedra havia sido removida da entrada. Ela correu e encontrou Simão Pedro e outro discípulo, aquele que Jesus tanto amara. Disse ela: ‘Eles tiraram o corpo do Senhor e eu não sei para onde eles o levaram’. Pedro e o outro discípulo correram ao túmulo para ver. O outro discípulo passou à frente de Pedro e lá primeiro chegou. Ele parou e observou os lençóis lá,