Pular para o conteúdo principal

Hiroshima

 

Às 5 horas, naquele 6 de agosto, há exatos 75 anos, o pastor metodista Kiyoshi Tanimoto já estava desperto, e estava ajudando o amigo Matsuo a levar uma pequena carreta de pertences ˗ cadeiras, roupas etc. ˗ para guardá-los na casa de um empresário conhecido, ao abrigo dos bombardeios.

Enquanto empurravam a carreta até o bairro de Koi, em colina distante do centro, escutaram o alarme de ataque aéreo ˗ habituados, prosseguiram. Mas quando acabavam de chegar, às 8h10, aterrorizaram-se com um fulgurante clarão sobre Hiroshima inteira.

Estando longe do epicentro, puderam reagir. Enquanto Matsuo mergulhava nas colchas empilhadas ali, Tanimoto, entre rochas do jardim, se protegia da saraivada de tijolos e madeiras. Quando saiu, viu a casa do empresário derrubada. Uma nuvem de poeira e fumaça escurecia Hiroshima, mas da colina se avistavam incêndios por toda parte. Árvores desfolhadas, troncos chamuscados.

Tentando voltar para casa, Tanimoto cruzou com incontáveis feridos. Em farrapos ou praticamente nus, sobrancelhas queimadas, pele se soltando do rosto ou das mãos. Uma procissão de fantasmas cabisbaixos, silenciosos, inexpressivos. Mesmo baqueados, muitos auxiliavam acompanhantes em condições ainda piores.

Ruínas o impediriam de prosseguir. Desceu então até o rio Ota, um dos que atravessam a cidade. Fugindo dos incêndios, muitos tinham ido ˗ ou sido levados ˗ para as margens e o parque adjacente.

Na falta de médicos, Tanimoto, com um grupo de jesuítas, se desdobraria confortando feridos. Encontrou uma pequena jangada. Sem remos, mas com uma vara para impulsionar, passou o resto do dia transportando vítimas até uma unidade de atendimento. Chocado com a visão das chagas, repetia incessantemente para si: ‘São seres humanos’. 

Meses depois, escreveria: ‘Pela meia-noite, parei na margem. Esgueirando-me entre  feridos prostrados no solo, eu levava um balde de água e lhes oferecia numa caneca. Eles aceitavam, agradecidos. Ninguém gritava nem se lamentava. Na manhã seguinte, muitos estavam mortos. Morreram em silêncio’.

Os cinco dias seguintes, passou inteiros no parque, atendendo feridos e desabrigados. No dia 15, nas ruínas da estação ferroviária, acompanharia a multidão em lágrimas escutando, pelo alto-falante, o Imperador reconhecer a derrota.

Com 40 graus de febre, atribuída a radiações, Tanimoto ficaria um mês acamado, e mais outro convalescendo. Ao voltar, retomou o trabalho pastoral, numa tenda improvisada. Quando obtinha recursos, ia reconstruindo a igreja. Muito tempo depois, ainda continuava enfraquecido. 

Essa história está no livro ‘Hiroshima’, do jornalista americano John Hersey, originalmente uma reportagem de 1946. Há também as de mais cinco sobreviventes, como o jovem médico Terufumi Sasaki. Em 1986, Hersey foi reencontrá-los. Cada um seguira sua vida, com diferentes sequelas da tragédia, mas todos com superações.

Tanimoto havia estudado teologia nos Estados Unidos. Fluente no inglês, tinha amigos americanos e se vestia à ocidental, o que chegara a despertar suspeitas.

Depois de restabelecer contatos nos Estados Unidos, percorreu o país em 1948/49 angariando recursos para a igreja. Surgiu-lhe então a ideia de criar em Hiroshima um centro de estudos dedicado ao banimento das armas atômicas e à paz mundial.

No regresso, apresentou seu plano às autoridades, que não se interessaram. O Japão permanecia sob tutela americana, e o General MacArthur, comandante militar, proibira que se divulgassem as consequências das explosões nucleares.

Embora o Parlamento tivesse aprovado a construção de um memorial em Hiroshima, as autoridades japonesas receavam complicações com aquele centro da paz que Tanimoto propunha.

Mas ele tinha prestígio entre os metodistas, e com os donativos recebidos em novas viagens, conseguiu finalmente fundar o centro, sediando-o em sua própria igreja. 

Capitão Robert A. Lewis, copiloto do avião Enola Gay que lançou a primeira bomba atômica sobre a cidade japonesa de Hiroshima

Certa vez na Califórnia, comparecendo a uma emissora de TV para o que seria uma entrevista, foi surpreendido com um programa ‘Esta É Sua Vida’. Apareceram antigos colegas e amigos. Para seu assombro, os produtores também chamaram Robert Lewis, copiloto do avião da bomba atômica ˗ o sensacionalismo falava mais alto que a delicadeza. Titubeando nas palavras - teria bebido -, Lewis relembrou o episódio e estendeu a mão a Tanimoto que, fiel a seu código de urbanidade, conteve o mal-estar e não a recusou. 

Museu do Memorial da Paz de Hiroshima

Anos mais tarde, com a construção de monumentos comemorativos no Parque, inclusive o Museu, as conferências sobre a paz entraram no calendário de Hiroshima. Tanimoto, porém, acabou relegado à margem desse movimento ˗ viajando seguidamente ao estrangeiro, estivera ausente em etapas decisivas. Além disso, o status de pastor cristão incomodava alguns militantes. Mas, com o tempo, muitos iriam reconhecer seu pioneirismo, perseverança e coragem no enfrentamento das restrições.

Ante a tragédia de Hiroshima, não é difícil imaginar, como diria o poeta Virgílio:  ‘Sunt lacrimae rerum’. Nos grandes infortúnios, até os seres inanimados parecem chorar. 

Parque Memorial da Paz de Hiroshima

Parque Memorial da Paz de Hiroshima é um parque memorial localizado no centro de Hiroshima, dedicado ao legado de Hiroshima como a primeira cidade do mundo a sofrer um ataque nuclear e as vítimas que foram atingidas de forma direta ou indireta pela bomba, cujas estimativas somam cerca de 166.000 pessoas.

O parque está localizado onde era um grande centro comercial e residencial que se transformou em um grande campo criado pela explosão. Todos os anos acontece no parque a Cerimônia do Memorial de Paz de Hiroshima, em 06 de agosto, mesmo dia do bombardeamento.

O propósito do Parque Memorial da Paz não é somente lembrar as vítimas, mas também, manter a lembrança dos horrores do ataque nuclear e defender a paz mundial.


                                                                   

 

Fonte:  A.C. Boa Nova,  AMDG   |  WP


(JA, Ago20)

 



Postagens mais visitadas deste blog

Grabovoi - O Poder dos Números

O Método Grabovoi  foi criado pelo cientista russo Grigori Grabovoi, após anos de estudos e pesquisas, sobre números e sua influência no nosso cérebro. Grigori descobriu que os números criam frequências que podem atuar em diversas áreas, desde sobrepeso até falta de concentração, tratamento para doenças, dedicação, e situações como perda de dinheiro. Os números atuam como uma ‘Código de desbloqueio’ dentro do nosso inconsciente, criando frequências vibratórias que atuam diretamente na área afetada e permitindo que o fluxo de informações flua livremente no nosso cérebro. Como funciona? As sequências são formadas por números que reúnem significados. As sequências podem ter  1, 7, 16, ou até 25 algarismos, e quanto mais números, mais específica é a ação da sequência. Os números devem ser lidos separadamente, por exemplo: 345682 Três, quatro, cinco, seis (sempre o número seis, não ‘meia’), oito, dois. Como praticar Você deve escolher uma das sequencias num

Thoth

Deus da lua, juiz dos mortos e deus do conhecimento e da escrita, Thoth (também Toth, ou Tot, cujo nome em egípcio é Djehuty) é um deus egípcio, representado com cabeça de íbis. É o deus do conhecimento, da sabedoria, da escrita, da música e da magia. Filho mais velho do deus do sol Rá, ou em alguns mitos nascido da cabeça de Set, era representado como um homem com a cabeça da ave íbis ou de um babuíno, seus animais sagrados.   Sendo o deus associado com o conhecimento secreto, Thoth ajudou no sepultamento de Osíris criando a primeira múmia. Era também o deus das palavras, da língua e posteriormente os gregos viam este deus egípcio como a fonte de toda a ciência, humana e divina, do Egito. O culto de Thoth situava-se na cidade de Khemenou, também referida pelos gregos como Hermópolis Magna, e agora conhecida pelo nome árabe Al Ashmunin. Inventor da escrita Segundo a tradição, transmitida também por Platão no diálogo Fedro, Thoth inventou a escrita egípc

Por que Jesus dobrou o lenço?

‘E que o lenço, que estivera sobre a cabeça de Jesus, não estava com os panos, mas enrolado num lugar à parte’.(João 20:7) Por que Jesus dobrou o lenço que cobria sua cabeça no sepulcro depois de sua ressurreição? Você já deteve sua atenção a esse detalhe? João 20:7 nos conta que aquele lenço que foi colocado sobre a face de Jesus não foi apenas deixado de lado como os lençóis no túmulo. A Bíblia reserva um versículo inteiro para nos contar que o lenço fora dobrado cuidadosamente e colocado na cabeceira do túmulo de pedra. Bem cedo pela manhã de domingo, Maria Madalena veio à tumba e descobriu que a pedra havia sido removida da entrada. Ela correu e encontrou Simão Pedro e outro discípulo, aquele que Jesus tanto amara. Disse ela: ‘Eles tiraram o corpo do Senhor e eu não sei para onde eles o levaram’. Pedro e o outro discípulo correram ao túmulo para ver. O outro discípulo passou à frente de Pedro e lá primeiro chegou. Ele parou e observou os lençóis lá,