Pular para o conteúdo principal

Formatura de diplomandos da ESAN – 1972

 

A Escola Superior de Administração de Empresas – ESAN, da Ação Social Padre Saboia de Medeiros, realizou no dia 28 de março de 1973 as solenidades de formatura de seus alunos, bacharéis de administração de empresas de 1972.

A programação teve início às 9h30, com uma missa na Catedral Metropolitana, oficializada por D. Benedito de Ulhoa Cintra, vigário geral de São Paulo. Além dos 98 formandos e seus familiares, estiveram presentes na cerimônia religiosa várias autoridades, diretores e profissionais da ESAN, entre eles o paraninfo da turma, prof. Nello Ferrentini.

Terminada a missa, D. Benedito dirigiu uma mensagem aos formandos:

‘O que eu tenho a dizer a vocês é breve, e gostaria que guardassem para sempre em seus corações, como uma mensagem de Deus, e não minha. Eu desejo que na vida profissional vocês tenham sempre dois pontos de honra. Em primeiro lugar, trabalhar para a implantação da Justiça, em todos os lugares onde ela possa ser exercida., não apenas nos tribunais. Em segundo  lugar, eu peço a vocês que sejam os mensageiros da Paz e do Amor, e evitem toda a violência. Enquanto o mundo não tiver apóstolos da fraternidade entre os homens, a Paz não será atingida’.

A formatura prosseguiu às 21h, com a solenidade de colação de grau, realizada no TUCA (Teatro de Universidade Católica de São Paulo). 

Estiveram presentes, entre outras, as seguintes autoridades: secretário dos Transportes, dr. Paulo Maluf, patrono dos bacharéis; prof. Nello Ferrentini, paraninfo da turma; prof. Otto Costa, diretor; Victor David, presidente da ordem e sindicato dos economistas de São Paulo; major Virgílio dos Santos Pereira Monteiro, representante do general Humberto de Souza Mello, comandante do IIº Exército; e o diretor da Faculdade de Administração de Santana, prof. Edgar de Souza; além de diversos professores.

A cerimônia teve início com a execução do Hino Nacional pela Banda da Polícia Militar. Após breves palavras do prof. Otto Costa, o bacharel Juarez de Alvarenga Massarioli fez a leitura do juramento prestado por toda turma. Logo após, houve a entrega dos diplomas, efetuada pelo diretor, pelo paraninfo, e pelo patrono. 


‘Vendo a programação desta festividade, a da nossa colação e grau, considerei que, como toda boa programação, caberia bem uma mensagem ao mercado consumidor. E é isso que vou fazer. Vou apresentar para os senhores, com a sua licença, um pequeno comercial’.

Assim iniciou o orador da turma, Juarez de Alvarenga Massarioli a sua saudação, apresentando os administradores de empresa como um produto lançado no mercado há alguns anos, com êxito total.

‘Fomos preparados para exercer as mais variadas atividades em empresas’, prosseguiu o orador, ‘tais como: planejar, coordenar, prever, organizar. Somos práticos e eficientes. Nossa principal característica é o bom senso.

... Temos uma característica especialíssima: à medida em que somos colados em ação, vamos desenvolvendo mais a nossa capacidade de execução e análise, e diminuindo sensivelmente a nossa margem de erros. Por essa razão, quando ainda não fomos aplicados, somos adquiridos a preço relativamente baixo, se comparado com o nosso potencial. Dessa forma, com o uso, vamos nos valorizando progressivamente, em benefício dos nossos consumidores, e em nosso próprio.

Em benefício dos nossos consumidores porque nos tornamos mais eficientes, e em nosso próprio porque, embora sejamos um produto, temos amor próprio e ambições: realizamo-nos à medida em que nos tornamos mais úteis, produtivos, e temos consciência de que poderemos nos valorizar, a tal ponto que teremos condições para dar oportunidade a outros administradores de empresa serem aplicados,  se valorizarem, e se realizarem sob nossa orientação’.

Após a fala do orador, discursou o paraninfo prof. Nello Ferrentini, e, em seguida, o patrono, dr. Paulo Salim Maluf, saudando os formandos, novos administradores de empresa, esse contingente que, a serviço do nosso país, logo estarão trabalhando para o melhor bem estar futuro do nosso povo.



Escola Superior de Administração de Negócios – ESAN


1941

A primeira das instituições criadas por Pe. Roberto Sabóia de Medeiros foi a antiga Escola Superior de Administração de Negócios de São Paulo - ESAN/SP. Por não existir nenhuma Faculdade desse tipo no Brasil, Pe. Sabóia usou como modelo a ‘Graduate School of Business Administration’ da Universidade de Harvard. Com isso, a ESAN/SP marcou o início formal dos estudos específicos de Administração no Brasil.

1961

Em 28 de janeiro de 1961, o então Presidente da República Juscelino Kubitschek de Oliveira assinou o decreto que tornou a ESAN a primeira Escola Superior de Administração de Empresas do país a ser reconhecida e oficializada pelos poderes públicos. O mesmo decreto reconheceu a validade dos diplomas dos alunos formados a partir de 1941.

2002

Dentro de uma proposta de integração e de agregação de competências, visando a excelência de seus cursos, as instituições FEI, FCI e ESAN foram transformadas no Centro Universitário da FEI, conforme aprovação do MEC, através da Portaria nº 2574, de 4 de dezembro de 2001.

Ao tornar-se um centro universitário, passou a integrar, sob uma única reitoria, as seguintes escolas e institutos, antes administrativamente independentes:

Faculdade de Engenharia Industrial - FEI (fundada em 1946)

Escola Superior de Administração de Negócios de São Paulo - ESAN/SP (fundada em 1941)

Escola Superior de Administração de Negócios de São Bernardo do Campo - ESAN/SBC (fundada em 1965)

Faculdade de Informática - FCI (fundada em 1999)

Instituto de Pesquisas e Estudos Industriais - IPEI (fundado em 1975)

Instituto de Especialização em Ciências Administrativas e Tecnológicas - IECAT (fundado em 1982)

Possui 12 departamentos acadêmicos, sendo 6 voltados a engenharia, 2 a ciências exatas, 1 a computação, 1 a administração e mais 2 a ciências sociais e jurídicas.




Fonte:  Diário Popular, 30-Mar73   |  Portal FEI

 

(JA, Ago20)

 


Postagens mais visitadas deste blog

Grabovoi - O Poder dos Números

O Método Grabovoi  foi criado pelo cientista russo Grigori Grabovoi, após anos de estudos e pesquisas, sobre números e sua influência no nosso cérebro. Grigori descobriu que os números criam frequências que podem atuar em diversas áreas, desde sobrepeso até falta de concentração, tratamento para doenças, dedicação, e situações como perda de dinheiro. Os números atuam como uma ‘Código de desbloqueio’ dentro do nosso inconsciente, criando frequências vibratórias que atuam diretamente na área afetada e permitindo que o fluxo de informações flua livremente no nosso cérebro. Como funciona? As sequências são formadas por números que reúnem significados. As sequências podem ter  1, 7, 16, ou até 25 algarismos, e quanto mais números, mais específica é a ação da sequência. Os números devem ser lidos separadamente, por exemplo: 345682 Três, quatro, cinco, seis (sempre o número seis, não ‘meia’), oito, dois. Como praticar Você deve escolher uma das sequencias num

Thoth

Deus da lua, juiz dos mortos e deus do conhecimento e da escrita, Thoth (também Toth, ou Tot, cujo nome em egípcio é Djehuty) é um deus egípcio, representado com cabeça de íbis. É o deus do conhecimento, da sabedoria, da escrita, da música e da magia. Filho mais velho do deus do sol Rá, ou em alguns mitos nascido da cabeça de Set, era representado como um homem com a cabeça da ave íbis ou de um babuíno, seus animais sagrados.   Sendo o deus associado com o conhecimento secreto, Thoth ajudou no sepultamento de Osíris criando a primeira múmia. Era também o deus das palavras, da língua e posteriormente os gregos viam este deus egípcio como a fonte de toda a ciência, humana e divina, do Egito. O culto de Thoth situava-se na cidade de Khemenou, também referida pelos gregos como Hermópolis Magna, e agora conhecida pelo nome árabe Al Ashmunin. Inventor da escrita Segundo a tradição, transmitida também por Platão no diálogo Fedro, Thoth inventou a escrita egípc

Por que Jesus dobrou o lenço?

‘E que o lenço, que estivera sobre a cabeça de Jesus, não estava com os panos, mas enrolado num lugar à parte’.(João 20:7) Por que Jesus dobrou o lenço que cobria sua cabeça no sepulcro depois de sua ressurreição? Você já deteve sua atenção a esse detalhe? João 20:7 nos conta que aquele lenço que foi colocado sobre a face de Jesus não foi apenas deixado de lado como os lençóis no túmulo. A Bíblia reserva um versículo inteiro para nos contar que o lenço fora dobrado cuidadosamente e colocado na cabeceira do túmulo de pedra. Bem cedo pela manhã de domingo, Maria Madalena veio à tumba e descobriu que a pedra havia sido removida da entrada. Ela correu e encontrou Simão Pedro e outro discípulo, aquele que Jesus tanto amara. Disse ela: ‘Eles tiraram o corpo do Senhor e eu não sei para onde eles o levaram’. Pedro e o outro discípulo correram ao túmulo para ver. O outro discípulo passou à frente de Pedro e lá primeiro chegou. Ele parou e observou os lençóis lá,