Pular para o conteúdo principal

Escrever

 

Desde criança, incentivado principalmente pelo meu pai, desenvolvi  o hábito de leitura. Em decorrência, comecei a escrever particularmente, e, com o passar do tempo, até profissionalmente.  Quando adolescente, tive oportunidade de fazer um teste vocacional, e o resultado deu ‘Jornalismo’.  Por isso ou por aquilo, não segui essa orientação, mas acabei exercendo funções de trabalho muito relacionadas com a escrita.

Atualmente, tenho três blogs, cada um relacionado a um assunto, que frequentemente alimento com minhas matérias.

Custou, mas cheguei à conclusão que, mais difícil do que escrever, é conseguir que as pessoas leiam o que você escreveu, entrem no conteúdo, apreciem, aproveitem.  

A partir de então, passei a me preocupar, não só com o que eu gostaria de expor, mas também com o que despertaria interesse no público. Afinal, escrever para você mesmo é um prazer egoísta, quase sem sentido. Por outro lado, na minha idade, passou a fazer algum sentido, uma vez que quando você escreve registra seus pensamentos, sentimentos, os  quais, de outra forma, com o passar do tempo, você acabaria por perder. E, naturalmente, existem fatos, sentimentos, que importam, faz bem  registrar e poder relembrar, ter sempre presentes.

A preocupação e o empenho em despertar o interesse público não é uma coisa simples.  O que parece evidente, muitas vezes não funciona.  Por exemplo, recentemente escrevi a história de uma grande e bem sucedida organização empresarial brasileira que, não por acaso, é onde minha filha trabalha. Publiquei, informei a ela, e não tive retorno. De outra feita, escrevi sobre a imigração árabe no Brasil, um tema que interessa e, frequentemente, é alvo de comentários por parte de minha esposa. Publiquei, informei, e não tive retorno.

É, não é fácil.  Mas, independentemente da falta de interesse, é importante para mim, e vou continuar a escrever, mesmo que ninguém se interesse, ou leia. Eu leio o que escrevo. 


(JA, Ago20)


Postagens mais visitadas deste blog

Grabovoi - O Poder dos Números

O Método Grabovoi  foi criado pelo cientista russo Grigori Grabovoi, após anos de estudos e pesquisas, sobre números e sua influência no nosso cérebro. Grigori descobriu que os números criam frequências que podem atuar em diversas áreas, desde sobrepeso até falta de concentração, tratamento para doenças, dedicação, e situações como perda de dinheiro. Os números atuam como uma ‘Código de desbloqueio’ dentro do nosso inconsciente, criando frequências vibratórias que atuam diretamente na área afetada e permitindo que o fluxo de informações flua livremente no nosso cérebro. Como funciona? As sequências são formadas por números que reúnem significados. As sequências podem ter  1, 7, 16, ou até 25 algarismos, e quanto mais números, mais específica é a ação da sequência. Os números devem ser lidos separadamente, por exemplo: 345682 Três, quatro, cinco, seis (sempre o número seis, não ‘meia’), oito, dois. Como praticar Você deve escolher uma das sequencias num

Thoth

Deus da lua, juiz dos mortos e deus do conhecimento e da escrita, Thoth (também Toth, ou Tot, cujo nome em egípcio é Djehuty) é um deus egípcio, representado com cabeça de íbis. É o deus do conhecimento, da sabedoria, da escrita, da música e da magia. Filho mais velho do deus do sol Rá, ou em alguns mitos nascido da cabeça de Set, era representado como um homem com a cabeça da ave íbis ou de um babuíno, seus animais sagrados.   Sendo o deus associado com o conhecimento secreto, Thoth ajudou no sepultamento de Osíris criando a primeira múmia. Era também o deus das palavras, da língua e posteriormente os gregos viam este deus egípcio como a fonte de toda a ciência, humana e divina, do Egito. O culto de Thoth situava-se na cidade de Khemenou, também referida pelos gregos como Hermópolis Magna, e agora conhecida pelo nome árabe Al Ashmunin. Inventor da escrita Segundo a tradição, transmitida também por Platão no diálogo Fedro, Thoth inventou a escrita egípc

Por que Jesus dobrou o lenço?

‘E que o lenço, que estivera sobre a cabeça de Jesus, não estava com os panos, mas enrolado num lugar à parte’.(João 20:7) Por que Jesus dobrou o lenço que cobria sua cabeça no sepulcro depois de sua ressurreição? Você já deteve sua atenção a esse detalhe? João 20:7 nos conta que aquele lenço que foi colocado sobre a face de Jesus não foi apenas deixado de lado como os lençóis no túmulo. A Bíblia reserva um versículo inteiro para nos contar que o lenço fora dobrado cuidadosamente e colocado na cabeceira do túmulo de pedra. Bem cedo pela manhã de domingo, Maria Madalena veio à tumba e descobriu que a pedra havia sido removida da entrada. Ela correu e encontrou Simão Pedro e outro discípulo, aquele que Jesus tanto amara. Disse ela: ‘Eles tiraram o corpo do Senhor e eu não sei para onde eles o levaram’. Pedro e o outro discípulo correram ao túmulo para ver. O outro discípulo passou à frente de Pedro e lá primeiro chegou. Ele parou e observou os lençóis lá,