Pular para o conteúdo principal

Benito Mussolini

No último dia 27 de Julho, seria aniversário de Benito Mussolini, nascido em 1883. Não que devêssemos cantar parabéns, mas certas histórias merecem lembrança, pelo menos como alertas.

No início do século XX, o jovem Benito militava no Partido Socialista e professava um ateísmo provocador. Ante espectadores perplexos, desafiava Deus a provar sua existência fulminando-o com um raio. Como sabemos, a sugestão não foi atendida, e, nesse caso, atrevo-me a discordar dos desígnios do Altíssimo.

Prestigiado entre os socialistas, Mussolini foi diretor do ‘Avanti!’, jornal partidário. Na Primeira Guerra Mundial, porém, experimentaria uma reviravolta: contrário ao pacifismo do Partido, desentendeu-se com a direção, e foi expulso. Lançou então um jornal independente, ‘Il Popolo d’Italia’, preconizando a guerra. Não tardaria a abraçar a extrema-direita, chefiando o movimento fascista.

Surgidos em 1919, os fascistas cresceram rapidamente, impulsionados pela instabilidade social e política da Itália pós-guerra. Também se valeram do ressentimento contra os antigos aliados, que não teriam recompensado devidamente a participação italiana na guerra.  

Copiando a retórica aprendida no socialismo, Mussolini atacava a exploração capitalista. Mas também conclamava as pessoas a rejeitarem as esquerdas, bem como o falatório da política parlamentar. Convocava os italianos de todas as classes a formarem uma frente patriótica contra as ameaças externas, para restaurar no país as glórias passadas; o mito de origem era a Roma imperial. Ele próprio, com liderança magnética e oratória teatral, comandaria a jornada para esse futuro grandioso.

No começo da década de 1920, os socialistas eram o principal partido político italiano. À direita, porém, cresciam os fascistas, que aliás organizavam milícias para atacar fisicamente os adversários. Entre esses dois polos, as demais forças políticas estavam divididas, incapazes de acordo. Havia liberais que, não querendo seus rivais no poder, preferiam que Mussolini o assumisse ‘transitoriamente’. A ‘transição’ iria durar mais de vinte anos.

Na polarização, muitos enxergavam no fascismo a opção para evitar o socialismo, além de preservar a monarquia, as tradições e os valores cristãos. Nessa ocasião, Mussolini já engavetara as antigas falas anticlericais, e procurava atrair simpatias dos conservadores. Anos depois, comentaria que, para acumular poder, é preciso fazer como quem, pouco a pouco, depena uma galinha: escutando-se apenas um cacarejo por vez, o processo corre o mais discreto possível. Que ninguém se queixe de falta de aviso...

Em 1922, Mussolini conseguiu que o rei o nomeasse Primeiro-Ministro. Com sucessivas manobras, não tardaria a assumir poderes ditatoriais. Diferentemente, porém, da direita tradicional, o fascismo trazia, como novidade, a mobilização das massas em apoio ao ‘Duce’. 


Eleito Papa naquele mesmo ano, Pio XI se alegraria de ver o governo italiano tomando várias medidas para cultivar boas relações com a Igreja Católica. Chegaria a chamar Mussolini de ‘homem enviado pela Providência’. Foi em 1929, quando a Itália firmou com a Santa Sé o Tratado de Latrão, resolvendo uma questão pendente havia décadas. 

O país adotou o catolicismo como religião oficial’ e indenizou largamente a Igreja pelos territórios perdidos em 1870. Criou-se também o Estado do Vaticano, curioso país de 49 hectares (bem menos que o Parque do Flamengo ou o Ibirapuera).


Pio XI acabaria se desiludindo do fascismo italiano, sobretudo quando este se aproximou da Alemanha nazista, assimilando características suas: exacerbação do nacionalismo e do  endeusamento do líder, belicismo, racismo, perseguições aos judeus. Em 1939, quando morreu, já se tornara cada vez mais crítico do regime, mas a Cúria Romana, controlada por cardeais simpáticos ao fascismo, impediu que sua posição viesse a público.

Em junho de 1940, Mussolini anunciou que também a Itália declarava guerra contra ‘as democracias plutocráticas e reacionárias do Ocidente’. Nos combates, morreriam 400 mil italianos, a maioria em terras soviéticas.

No final de abril de 1945, quando a derrota era iminente, guerrilheiros antifascistas barraram, perto do Lago de Como, o comboio alemão em que Mussolini, disfarçado, fugia para os Alpes. Prenderam-no e acabaram por fuzilá-lo. Exposto numa praça de Milão, seu corpo seria pisoteado por uma multidão em fúria e, posteriormente, dependurado de cabeça para baixo. A popularidade de antes já se desvanecera, e nem mesmo adiantaram as vitórias em duas Copas do Mundo.

Mas o fascismo, tal como certos vírus, volta e meia reaparece, e ainda hoje há quem aceite flertar com ele. E até quem se ponha a listar pessoas com o suposto defeito de serem antifascistas.

 


Fonte:  A.C. Boa Nova   |  AMDG

 

(JA, Ago20)

 

Postagens mais visitadas deste blog

Grabovoi - O Poder dos Números

O Método Grabovoi  foi criado pelo cientista russo Grigori Grabovoi, após anos de estudos e pesquisas, sobre números e sua influência no nosso cérebro. Grigori descobriu que os números criam frequências que podem atuar em diversas áreas, desde sobrepeso até falta de concentração, tratamento para doenças, dedicação, e situações como perda de dinheiro. Os números atuam como uma ‘Código de desbloqueio’ dentro do nosso inconsciente, criando frequências vibratórias que atuam diretamente na área afetada e permitindo que o fluxo de informações flua livremente no nosso cérebro. Como funciona? As sequências são formadas por números que reúnem significados. As sequências podem ter  1, 7, 16, ou até 25 algarismos, e quanto mais números, mais específica é a ação da sequência. Os números devem ser lidos separadamente, por exemplo: 345682 Três, quatro, cinco, seis (sempre o número seis, não ‘meia’), oito, dois. Como praticar Você deve escolher uma das sequencias num

Thoth

Deus da lua, juiz dos mortos e deus do conhecimento e da escrita, Thoth (também Toth, ou Tot, cujo nome em egípcio é Djehuty) é um deus egípcio, representado com cabeça de íbis. É o deus do conhecimento, da sabedoria, da escrita, da música e da magia. Filho mais velho do deus do sol Rá, ou em alguns mitos nascido da cabeça de Set, era representado como um homem com a cabeça da ave íbis ou de um babuíno, seus animais sagrados.   Sendo o deus associado com o conhecimento secreto, Thoth ajudou no sepultamento de Osíris criando a primeira múmia. Era também o deus das palavras, da língua e posteriormente os gregos viam este deus egípcio como a fonte de toda a ciência, humana e divina, do Egito. O culto de Thoth situava-se na cidade de Khemenou, também referida pelos gregos como Hermópolis Magna, e agora conhecida pelo nome árabe Al Ashmunin. Inventor da escrita Segundo a tradição, transmitida também por Platão no diálogo Fedro, Thoth inventou a escrita egípc

Por que Jesus dobrou o lenço?

‘E que o lenço, que estivera sobre a cabeça de Jesus, não estava com os panos, mas enrolado num lugar à parte’.(João 20:7) Por que Jesus dobrou o lenço que cobria sua cabeça no sepulcro depois de sua ressurreição? Você já deteve sua atenção a esse detalhe? João 20:7 nos conta que aquele lenço que foi colocado sobre a face de Jesus não foi apenas deixado de lado como os lençóis no túmulo. A Bíblia reserva um versículo inteiro para nos contar que o lenço fora dobrado cuidadosamente e colocado na cabeceira do túmulo de pedra. Bem cedo pela manhã de domingo, Maria Madalena veio à tumba e descobriu que a pedra havia sido removida da entrada. Ela correu e encontrou Simão Pedro e outro discípulo, aquele que Jesus tanto amara. Disse ela: ‘Eles tiraram o corpo do Senhor e eu não sei para onde eles o levaram’. Pedro e o outro discípulo correram ao túmulo para ver. O outro discípulo passou à frente de Pedro e lá primeiro chegou. Ele parou e observou os lençóis lá,