Pular para o conteúdo principal

Luz no fim do túnel





O título não está errado, mas não irei me referir a luz no fim do túnel, e sim ao tipo de luz que iremos encontrar no fim do túnel, quando pudermos sair dos esconderijos.

Vamos chegar lá mudados? Alguns, sim outros não. Esta crise serviu para enxergar outros paradigmas. Seja na forma do relacionamento entre as pessoas, seja na forma de conduzir os negócios.

Novos Paradigmas

Aquela história de ser pontual ao no trabalho, fazer hora extra, serões e por aí vai, mudou, agora as pessoas deverão saber se relacionar distantes uma das outras e de fato passar a entregar o que lhe foi dado como meta no prazo definido.

Procrastinar, será crime inafiançável. O chefe não será mais um cara legal, que ouve o acolhe o time, deverá ter competência de saber motivar, mandar, saber medir resultados, sem estar perto deles.

Assim, escolher colaboradores que não dependam dele para resolver o assunto, não importando onde a pessoa está fisicamente, será o seu grande desafio. As fofocas, intrigas que tanto contaminam o ambiente corporativo, vão acabar. Quem dependia disso para sobreviver, esqueça, escolha outras armas. Todo mundo conhece alguém que vivia disso, não estou certo?

Home Office

Não tenha dúvida de que a forma de trabalho irá mudar, ou já mudou definitivamente nestes últimos dois meses. Neste período chegou-se à conclusão que juntar gente em um lugar é caro, e nem sempre produtivo. Assim, deveremos esperar que o home office, ou qualquer outro nome que se dará ao trabalho remoto, passará a ser definitivo. Não existirá mais escritórios bacanas sofisticados. No máximo, serão espaços compartilhados, para showroom de produtos, estação de trabalho apenas para quem chegar primeiro, sem personalização, ou foto da família. Não haverá espaços para todos ao mesmo tempo.

O profissional que não souber criar conexões, trabalhar distante dos seus colegas e clientes, não irá sobreviver quando encontrar a luz do fim do túnel.

Competências

Disciplina, objetividade, automotivação, pro atividade e, principalmente, coragem para tomar decisões, serão as competências exigidas daqui para a frente.

O verdadeiro ‘Business Developer’ deverá desenvolver suas habilidades de persuasão, muito mais focada nas pesquisas e investigações prévias sobre seu cliente (interno ou externo), do que, gestos e expressões corporais que, de modos característicos, expressam sentimentos, concepções ou posicionamentos internos, para então definir sua estratégia. Lembre-se que o cliente também estará longe também com seus novos paradigmas.

Pessoal

A empresa não precisará mais de muitos profissionais com custos fixos. Poderá encontrá-los online, e contratá-los, seja por demanda, seja pela expertise, sem a necessidade de investir na formação e políticas de remuneração, ou mesmo com custos de supervisão da equipe. Enfim, esta pandemia e a quarentena fez nossos olhos se abrirem para isso,  serviu para mostrar o quanto se gastava em tempo e dinheiro com os modelos convencionais da relação de trabalho.

Aprendemos também, neste sufoco de isolamento de ‘grana curta’, longe dos contatos físicos, que nos basta apenas o essencial; o resto, não é necessário. Supérfluos agora serão de fato supérfluos, não terão mais espaço na vida das pessoas.

Portanto a partir de agora tudo que for ofertado deverá ter um propósito prático, que crie valor, não mais relacionado a status ou exibicionismo - incluo neste rol o modelo de network tradicional, como almoços, jantares, festas ou oficinas corporativas. Mudou a forma de se relacionar profissionalmente. Quem de fato tem acesso às pessoas certas, farão a diferença.

Nova forma de negócios

Negócios vão mudar. Entramos, à força e de cabeça, na era da transformação digital.  Quem não estiver 100% online, não vai sobreviver.

Shoppings Centers deverão se reinventar e boutiques de bairros, irão sumir - pois neste período ficaram fechados e ninguém precisou deles para viver.

Canais de TV por assinatura também – por que precisamos de 200 canais, se apenas 3 ou 4 é o suficiente? Precisaremos sim, de conexão rápida e eficiente, que permita que nos conectemos uns aos outros de maneira simples e desburocratizada. As pessoas reaprenderam a ficar em casa, este será o foco.

Restaurantes aprenderam a duras penas que o serviço de delivery agora é o que permitirá a sua sobrevivência. E, além disso, as vendas por aplicativos expõe a comparações imediatas de preço e produto, fazendo com que os comerciantes tenham que trabalhar sempre se diversificando e se diferenciando. Mas o outro lado da moeda é que, de fato, serão mais rentáveis.

Na área da educação, outro desafio. Todo o modelo pedagógico era baseado na presença e interação do aluno com o professor, e a classe. Talvez este setor ainda sobreviva uma pouco mais de tempo, sem mudar, mas, inevitavelmente, deverão repensar seus métodos e conceitos, principalmente de avaliação e objetividade para transferência de conhecimentos. As crianças estão em casa e aprendendo.

Este período deve ter sido útil para entender e avaliar os modelos - o que deu certo e o que não deu, e mudar o plano, se for o caso.

Na saúde, por outro lado, houve uma super valorização do profissional da saúde. Nunca as pessoas ficaram tão dependentes e gratos com eles. Porém, como todo o negócio, deverão também rever seus conceitos. 

A telemedicina hoje é uma realidade. Ela antes foi combatida pelo lobby corporativista, e pelos riscos que isso trará ao modelo de atendimento ambulatorial vigente. Antes da pandemia, se buscava um pronto socorro, e agora foi testado que um contato virtual com o médico também resolve. O problema é que, quando se visita um Pronto Socorro, os protocolos exigem que os médicos do estabelecimento esgotem toda as possibilidades de risco com aquele paciente. 

Sem exagerar, acabam por fazer uma tomografia craniana, mesmo que a queixa do paciente tenha sido uma torção do pé. O custo com a consulta virtual será de pelo menos 10 vezes menor. Entende-se agora o motivo de tanta resistência.

Por fim, os negócios dos autônomos e profissionais liberais, também mudam. Agora, o contato com seus clientes é feito por Skype, Zoon, entre outras ferramentas de conexão. Paralelamente, aumenta o ganho em escala e o alcance de seu público, pois deslocamento para visitas personalizadas torna-se desnecessário,  reduzindo custo e tempo, do profissional e de seu cliente. O desafio é sempre gerar valor, de modo a manter sua clientela. A palavra-chave é entregar o que foi prometido.

Comportamento

A cascata de eventos que experimentamos atualmente, traz de reboque um grande aglomerado de forças que procuram desequilibrar o estado emocional e, por extensão, o nosso comportamento. As soluções, tanto as verdadeiras quanto as falsas, estão expostas na vitrina para um público sedento de soluções mágicas.

É preciso se preparar para um darwinismo profissional, ou seja, quem estiver preparado, sobreviverá. Viveremos uma nova era, é hora de se adequar a esta nova realidade.

Enfim, é hora de tirar os projetos da gaveta, começar fazer aquilo que antes não tínhamos  coragem. É hora de construir elevadores, pois muita gente vai cair no poço da nova realidade, e quem chegar lá primeiro, escolherá os melhores clientes.






Fonte: Valter Hime



(JA, Abr20)





Postagens mais visitadas deste blog

Grabovoi - O Poder dos Números

O Método Grabovoi  foi criado pelo cientista russo Grigori Grabovoi, após anos de estudos e pesquisas, sobre números e sua influência no nosso cérebro. Grigori descobriu que os números criam frequências que podem atuar em diversas áreas, desde sobrepeso até falta de concentração, tratamento para doenças, dedicação, e situações como perda de dinheiro. Os números atuam como uma ‘Código de desbloqueio’ dentro do nosso inconsciente, criando frequências vibratórias que atuam diretamente na área afetada e permitindo que o fluxo de informações flua livremente no nosso cérebro. Como funciona? As sequências são formadas por números que reúnem significados. As sequências podem ter  1, 7, 16, ou até 25 algarismos, e quanto mais números, mais específica é a ação da sequência. Os números devem ser lidos separadamente, por exemplo: 345682 Três, quatro, cinco, seis (sempre o número seis, não ‘meia’), oito, dois. Como praticar Você deve escolher uma das sequencias num

Thoth

Deus da lua, juiz dos mortos e deus do conhecimento e da escrita, Thoth (também Toth, ou Tot, cujo nome em egípcio é Djehuty) é um deus egípcio, representado com cabeça de íbis. É o deus do conhecimento, da sabedoria, da escrita, da música e da magia. Filho mais velho do deus do sol Rá, ou em alguns mitos nascido da cabeça de Set, era representado como um homem com a cabeça da ave íbis ou de um babuíno, seus animais sagrados.   Sendo o deus associado com o conhecimento secreto, Thoth ajudou no sepultamento de Osíris criando a primeira múmia. Era também o deus das palavras, da língua e posteriormente os gregos viam este deus egípcio como a fonte de toda a ciência, humana e divina, do Egito. O culto de Thoth situava-se na cidade de Khemenou, também referida pelos gregos como Hermópolis Magna, e agora conhecida pelo nome árabe Al Ashmunin. Inventor da escrita Segundo a tradição, transmitida também por Platão no diálogo Fedro, Thoth inventou a escrita egípc

Por que Jesus dobrou o lenço?

‘E que o lenço, que estivera sobre a cabeça de Jesus, não estava com os panos, mas enrolado num lugar à parte’.(João 20:7) Por que Jesus dobrou o lenço que cobria sua cabeça no sepulcro depois de sua ressurreição? Você já deteve sua atenção a esse detalhe? João 20:7 nos conta que aquele lenço que foi colocado sobre a face de Jesus não foi apenas deixado de lado como os lençóis no túmulo. A Bíblia reserva um versículo inteiro para nos contar que o lenço fora dobrado cuidadosamente e colocado na cabeceira do túmulo de pedra. Bem cedo pela manhã de domingo, Maria Madalena veio à tumba e descobriu que a pedra havia sido removida da entrada. Ela correu e encontrou Simão Pedro e outro discípulo, aquele que Jesus tanto amara. Disse ela: ‘Eles tiraram o corpo do Senhor e eu não sei para onde eles o levaram’. Pedro e o outro discípulo correram ao túmulo para ver. O outro discípulo passou à frente de Pedro e lá primeiro chegou. Ele parou e observou os lençóis lá,