Pular para o conteúdo principal

Família Imperial, após proclamação da República



 Governo Deodoro antecipou expulsão de d. Pedro 2º com medo de reações populares pró-imperador. Banimento vigorou até 1920


Imperador D. Pedro 2º, em Lisboa, ~1876


Às 3h do dia 17 de novembro de 1889, um domingo, d. Pedro 2º e a família imperial deixaram o Rio de Janeiro de forma discreta, sem muitas testemunhas.

A República, proclamada em um golpe no dia 15, havia determinado o exílio imediato dos Braganças, comunicado a eles por oficiais subalternos.


Família Imperial reunida na escadaria do palácio Isabel, Petrópolis-RJ, 1889


O último imperador achou que teria tempo de acompanhar a missa dominical das 11h na igreja do Carmo, mas o medo de reações populares antecipou o plano do governo.

O isolamento da família imperial não era novo, vide a perda de apoio de setores importantes como a elite cafeicultora, a Igreja e o Exército.

‘A monarquia demorou muito para abolir a escravidão e quando o fez já era tarde demais. Essa demora —nunca se faz a história do se— custou muito a Pedro 2º’, diz a historiadora Lilia Schwarz, autora de ‘As Barbas do Imperador’.



Princesa Isabel, RJ, ~1870


Embora a assinatura da Lei Áurea, que aboliu a escravatura em
1888, tenha conquistado popularidade para a Coroa, especialmente à princesa Isabel, o espírito do tempo, em um continente de repúblicas e presidentes, falou mais alto.

A decisão do exílio, apesar de garantir que não houvesse reação contra a República, também deu a ela um fantasma. O imperador foi embora, mas nunca abdicou oficialmente do trono.





A decisão de Pedro 2º de não aceitar as compensações e pensões que a República oferecia, a morte da imperatriz Teresa Cristina 21 dias depois do desembarque em Portugal, e a sua própria morte, dois anos depois, em um quarto de hotel em Paris, ajudariam a compor o mito do imperador mártir e injustiçado.

O funeral dele, em 1891, foi de chefe de Estado. Duas bandeiras do Império cobriam o corpo e havia um pacote de terra do Brasil que ele pedira que fosse posto em seu caixão. A imprensa europeia falava do imperador ‘culto, gentil e indulgente’. Era a máxima do ‘rei morto, viva o rei’.


Princesa Isabel e conde d'Eu no exílio, Castelo d'Eu, França, 1919


Embora a figura dele fosse a referência do Império, Isabel seguiu em cena. Segundo o historiador e pesquisador da USP Carlos Rogerio Lima Júnior, a última princesa imperial mantinha correspondência com monarquistas que ficaram no Brasil. Tirava fotos e as transformava em postais que enviava ao país.

Apesar disso, rejeitou a proposta de mandar o filho mais velho, Pedro, para tentar a restauração em um momento de revoltas civis no Brasil, por volta de 1893.

No exílio, os Orleans e Bragança conviviam com nobres a quem eram ligados por sangue e casamento. A família era mantida graças a uma pensão recebida pelo conde D’Eu —ele era filho do duque de Némours, e neto do rei Louis Philippe 1º da França.

Em 1905, Gastão, o conde, comprou de um primo o Castelo D’Eu, construído no século 16 na cidade de mesmo nome na região da Normandia, norte da França. 

Lá, a família instalou quadros, peças, documentos e a biblioteca que levou do Brasil. Alguns dos objetos, como quadros e cerâmicas indígenas, seguem no Museu Louis-Philippe, aberto no local em 1973.

Em 1908, Pedro, filho de Isabel, resolveu renunciar ao trono que já não tinha para se casar com Elisabeth Dobrzensky de Dobrzenicz, filha de conde sem título nobre, e Isabel comunicou ao sobrinho em Portugal, d. Manuel 2º, que a sucessão ao trono brasileiro ficaria com o segundo filho, Luís.

Um ano antes, Luís tentou voltar ao Brasil —sem sucesso, pois em 1907 ainda vigorava o banimento à família. Em cartas, ele questionou a decisão do governo que não o deixou desembarcar do navio, já que era seu irmão o sucessor, e não ele. Falou também como isso demonstrava que a república ainda os temia.

‘O que chama atenção é o esforço dele. Veio ao Brasil, escreveu um livro chamado ‘Sob o Cruzeiro do Sul’, tentou ser membro da Academia Brasileira de Letras, se aproximou de figuras como Euclydes da Cunha. Não é uma figura insana, um rei que sonha’, afirma Lima Júnior.


Conde d'Eu com uniforme da Cruz Vermelha, Castelo d'Eu, norte França, ~1918


A Primeira Guerra Mundial, 1914-1918, mudou a história. Em 1918, Antônio, o mais novo dos três filhos da princesa Isabel, que lutou pelo Exército britânico, morreu em um acidente aéreo. Dois anos depois foi a vez do herdeiro Luís, vítima de complicações de uma doença adquirida na guerra.

Naquele mesmo ano, 1920, o presidente Epitácio Pessoa revogou o banimento à família imperial. No ano seguinte, o conde d’Eu e Pedro voltaram ao Brasil com os corpos de d. Pedro 2º e Teresa Cristina para serem enterrados no país, antes das comemorações do centenário da Independência. Meses depois, morreu na França a princesa Isabel.

‘O exílio da nossa família é o maior exílio político da história brasileira. Não teve [Luís Carlos] Prestes, [Miguel] Arraes, [Fernando] Gabeira, [Leonel] Brizola, ninguém teve exílio de 31 anos e por lei. Era o medo da popularidade de d. Pedro 2º no Brasil’, diz João Henrique de Orleans e Bragança, o d. Joãozinho, trineto do último imperador.

Uma parte dos descendentes de Isabel voltou ao país. Tanto d. João, neto de Pedro, como o primo dele, d. Bertrand, do ramo da família que descende de d. Luís e se coloca como titular da Casa Imperial, respondem que a decisão de seus pais nascidos fora do Brasil, de voltar, foi baseada no senso de dever com o país.


Chateau d'Eu

O Castelo D’Eu ficaria com a família até os anos 1950, quando foi comprado pelo empresário Assis Chateaubriand. Chatô planejava instalar no local a Fundação Dom Pedro 2º, que ofereceria bolsas a brasileiros que escrevessem teses sobre história do Brasil. Não vingou, e o magnata vendeu o castelo para a cidade francesa.

Passados 130 anos da expulsão, d. Pedro 2º está hoje no mausoléu em Petrópolis (RJ), inaugurado por Getúlio Vargas em 1939. Na mesma cidade, parte de seus trinetos recebe o laudêmio —2,5% do valor da venda de imóveis na região central do município— como compensação pelas terras nunca compradas da família.



Paço Imperial


Dentro desse prédio ocorreram muitos acontecimentos marcantes para a história do Brasil. Foi lá que D. Pedro I decidiu ficar no brasil e não voltar a Portugal – Dia do Fico. Lá também a Princesa Isabel assinou a Lei Áurea. Pesquisas dizem que o paço foi o primeiro local da América Latina a ser fotografado, 1840.



Fonte:  Fernanda Canofre   |   FSP



(JA, Nov19)



Postagens mais visitadas deste blog

Grabovoi - O Poder dos Números

O Método Grabovoi  foi criado pelo cientista russo Grigori Grabovoi, após anos de estudos e pesquisas, sobre números e sua influência no nosso cérebro. Grigori descobriu que os números criam frequências que podem atuar em diversas áreas, desde sobrepeso até falta de concentração, tratamento para doenças, dedicação, e situações como perda de dinheiro. Os números atuam como uma ‘Código de desbloqueio’ dentro do nosso inconsciente, criando frequências vibratórias que atuam diretamente na área afetada e permitindo que o fluxo de informações flua livremente no nosso cérebro. Como funciona? As sequências são formadas por números que reúnem significados. As sequências podem ter  1, 7, 16, ou até 25 algarismos, e quanto mais números, mais específica é a ação da sequência. Os números devem ser lidos separadamente, por exemplo: 345682 Três, quatro, cinco, seis (sempre o número seis, não ‘meia’), oito, dois. Como praticar Você deve escolher uma das sequencias num

Thoth

Deus da lua, juiz dos mortos e deus do conhecimento e da escrita, Thoth (também Toth, ou Tot, cujo nome em egípcio é Djehuty) é um deus egípcio, representado com cabeça de íbis. É o deus do conhecimento, da sabedoria, da escrita, da música e da magia. Filho mais velho do deus do sol Rá, ou em alguns mitos nascido da cabeça de Set, era representado como um homem com a cabeça da ave íbis ou de um babuíno, seus animais sagrados.   Sendo o deus associado com o conhecimento secreto, Thoth ajudou no sepultamento de Osíris criando a primeira múmia. Era também o deus das palavras, da língua e posteriormente os gregos viam este deus egípcio como a fonte de toda a ciência, humana e divina, do Egito. O culto de Thoth situava-se na cidade de Khemenou, também referida pelos gregos como Hermópolis Magna, e agora conhecida pelo nome árabe Al Ashmunin. Inventor da escrita Segundo a tradição, transmitida também por Platão no diálogo Fedro, Thoth inventou a escrita egípc

Por que Jesus dobrou o lenço?

‘E que o lenço, que estivera sobre a cabeça de Jesus, não estava com os panos, mas enrolado num lugar à parte’.(João 20:7) Por que Jesus dobrou o lenço que cobria sua cabeça no sepulcro depois de sua ressurreição? Você já deteve sua atenção a esse detalhe? João 20:7 nos conta que aquele lenço que foi colocado sobre a face de Jesus não foi apenas deixado de lado como os lençóis no túmulo. A Bíblia reserva um versículo inteiro para nos contar que o lenço fora dobrado cuidadosamente e colocado na cabeceira do túmulo de pedra. Bem cedo pela manhã de domingo, Maria Madalena veio à tumba e descobriu que a pedra havia sido removida da entrada. Ela correu e encontrou Simão Pedro e outro discípulo, aquele que Jesus tanto amara. Disse ela: ‘Eles tiraram o corpo do Senhor e eu não sei para onde eles o levaram’. Pedro e o outro discípulo correram ao túmulo para ver. O outro discípulo passou à frente de Pedro e lá primeiro chegou. Ele parou e observou os lençóis lá,