Pular para o conteúdo principal

Exercício invisível do poder




O foco do poder não está na política, mas na economia. Quem comanda a sociedade é o complexo financeiro-empresarial com dimensões globais, observando conformações específicas locais. Portanto, os donos do poder não são os políticos. Estes são apenas instrumentos dos verdadeiros donos do poder.

Os verdadeiros protagonistas do exercício do poder são invisíveis. O que vemos, na verdade é uma narrativa fantasiosa construída de forma planejada para ter aparência de realidade, criando a sensação de participação consciente e cidadã dos que se informam pelos meios de comunicação tradicionais.


Atualmente, na média, os grandes meios de comunicação não se constituem mais em órgãos de ‘imprensa’, ou seja, instituições autônomas, que atuam com objetivo de divulgar notícias, de forma independente. Eles podem ter sido comprados ou cooptados por interesses de grandes conglomerados econômicos, e passado a integrar o complexo financeiro-empresarial que comanda o poder invisível. E assim sendo, a participar do exercício invisível do poder, utilizando seus recursos de formação de consciência e opinião.


Os verdadeiros donos do poder não apoiam partidos ou políticos específicos. Sua tática é apoiar quem lhes convém naquele momento, e destruir quem lhes estorva. Isso pode mudar de acordo com a conjuntura. O exercício real do poder não tem partido - sua única ideologia é a supremacia do mercado e do lucro.


O complexo financeiro-empresarial pode apostar ora em Lula, ora em um político do PSDB, ora em Temer, ora em um aventureiro qualquer da política. E pode destruir qualquer um desses de acordo com sua conveniência. 


Por conta disso, o exercício do poder no campo subjetivo, expressado pela mídia corporativa, em um momento demoniza Lula, em outro Dilma, e logo depois Cunha, Temer, Aécio, etc. Tudo faz parte de um grande jogo estratégico, precedido de cuidadosas análises das condições objetivas e subjetivas da conjuntura.


O complexo financeiro-empresarial não tem opção partidária, não veste nenhuma camisa na política, nem defende pessoas. Sua intenção é tornar as leis e a administração do país totalmente favoráveis para as suas metas que visam a  maximização dos lucros.


Assim, os donos do poder não querem um governo ou outro à toa: eles querem, na conjuntura atual, que seja implantada a reforma na previdência, o fim das leis trabalhistas, a manutenção do congelamento do orçamento primário, os cortes de gastos sociais para arcar com o serviço da dívida, que ocorram as privatizações, e que os tributos para os mais ricos seja aliviado. 


Se a conjuntura indicar que Temer não é o melhor para isso, não hesitarão em rifá-lo. A única coisa que não querem é que o povo brasileiro decida sobre o destino de seu país, para não correrem o risco de serem contrariados, afastados do seu objetivo. 


Portanto, cada notícia é um lance no jogo. Cada escândalo é um movimento tático. Analisar a conjuntura não é ler notícia. É especular sobre a estratégia que justifica cada movimento tático do complexo financeiro-empresarial (do qual a mídia faz parte) que está ocorrendo, para poder reagir também de maneira estratégica.


A queda de Temer pode ser uma coisa boa. Mas seria apenas um movimento tático em uma estratégia mais ampla de quem comanda o poder. O que realmente importa é o que virá depois.


Lembremo-nos: eles procuram ser mais espertos do que o povo, que deve ser conduzido, enganado. Caso contrário, não poderão controlar o país, serem donos do  poder. 






Base: artigo de Maurício Abdalla,  professor de filosofia na Universidade Federal do Espírito Santo  |   Le Monde, Diplomatique



(JA, Mai18)

Postagens mais visitadas deste blog

Grabovoi - O Poder dos Números

O Método Grabovoi  foi criado pelo cientista russo Grigori Grabovoi, após anos de estudos e pesquisas, sobre números e sua influência no nosso cérebro. Grigori descobriu que os números criam frequências que podem atuar em diversas áreas, desde sobrepeso até falta de concentração, tratamento para doenças, dedicação, e situações como perda de dinheiro. Os números atuam como uma ‘Código de desbloqueio’ dentro do nosso inconsciente, criando frequências vibratórias que atuam diretamente na área afetada e permitindo que o fluxo de informações flua livremente no nosso cérebro. Como funciona? As sequências são formadas por números que reúnem significados. As sequências podem ter  1, 7, 16, ou até 25 algarismos, e quanto mais números, mais específica é a ação da sequência. Os números devem ser lidos separadamente, por exemplo: 345682 Três, quatro, cinco, seis (sempre o número seis, não ‘meia’), oito, dois. Como praticar Você deve escolher uma das sequencias num

Thoth

Deus da lua, juiz dos mortos e deus do conhecimento e da escrita, Thoth (também Toth, ou Tot, cujo nome em egípcio é Djehuty) é um deus egípcio, representado com cabeça de íbis. É o deus do conhecimento, da sabedoria, da escrita, da música e da magia. Filho mais velho do deus do sol Rá, ou em alguns mitos nascido da cabeça de Set, era representado como um homem com a cabeça da ave íbis ou de um babuíno, seus animais sagrados.   Sendo o deus associado com o conhecimento secreto, Thoth ajudou no sepultamento de Osíris criando a primeira múmia. Era também o deus das palavras, da língua e posteriormente os gregos viam este deus egípcio como a fonte de toda a ciência, humana e divina, do Egito. O culto de Thoth situava-se na cidade de Khemenou, também referida pelos gregos como Hermópolis Magna, e agora conhecida pelo nome árabe Al Ashmunin. Inventor da escrita Segundo a tradição, transmitida também por Platão no diálogo Fedro, Thoth inventou a escrita egípc

Por que Jesus dobrou o lenço?

‘E que o lenço, que estivera sobre a cabeça de Jesus, não estava com os panos, mas enrolado num lugar à parte’.(João 20:7) Por que Jesus dobrou o lenço que cobria sua cabeça no sepulcro depois de sua ressurreição? Você já deteve sua atenção a esse detalhe? João 20:7 nos conta que aquele lenço que foi colocado sobre a face de Jesus não foi apenas deixado de lado como os lençóis no túmulo. A Bíblia reserva um versículo inteiro para nos contar que o lenço fora dobrado cuidadosamente e colocado na cabeceira do túmulo de pedra. Bem cedo pela manhã de domingo, Maria Madalena veio à tumba e descobriu que a pedra havia sido removida da entrada. Ela correu e encontrou Simão Pedro e outro discípulo, aquele que Jesus tanto amara. Disse ela: ‘Eles tiraram o corpo do Senhor e eu não sei para onde eles o levaram’. Pedro e o outro discípulo correram ao túmulo para ver. O outro discípulo passou à frente de Pedro e lá primeiro chegou. Ele parou e observou os lençóis lá,