Pular para o conteúdo principal

Tão longe, mas tão perto...


Eles trabalhavam na mesma empresa. Ela, Luisa,  era uma jovem, secretária-executiva, muito bonita e eficiente. Ele, Peter,  um executivo de meia-idade, bem sucedido, vindo da matriz, do exterior. Ela o achava interessante, mas não tinha nem como se aproximar dele, tamanha a distância que os separavam: nível hierárquico, cultura, relações...
 Eventualmente, a empresa proporcionou um curso de especialização para os funcionários no qual, por coincidência, tanto ela como ele eram participantes. Então, tiveram oportunidade de se conhecerem melhor, de se relacionarem socialmente. Ela, embora se sentisse atraída, manteve posição, não abrindo espaço para uma maior aproximação. Ele entretanto, sentindo-se atraído também, a procurou e criou oportunidades para se conhecerem melhor, para se relacionarem fora do ambiente de trabalho. Ela, sentindo-se lisonjeada, aceitou.
Peter era alguém que chamava atenção pela sua boa aparência, modo correto de se vestir, posição, simpatia.  Pouco a pouco foi conquistando o coração da Luisa.  Ela foi conhecendo seus amigos, e ele também os dela.  Convidado, foi à casa dela onde conheceu sua filha de 6 anos. Ele, embora não tivesse filhos, adorava crianças, e não teve dificuldade nenhuma em conquistar, ser aceito por aquele serzinho.
Encontravam-se umas duas vezes por semana, e nos fins de semana.  Em uma ocasião tiraram alguns dias de férias e foram para uma pousado litorânea. Ainda sem cumprir os dias programados para ficarem na pousada, ela começou a sentir fortes dores no abdômen. Resolveram voltar para levantar a causa dessas dores com um especialista, e realizar o procedimento médico que fosse indicado. Ele a acompanhou e ficou com ela durante cerca de uma semana – o tempo  que ela teve que ficar internada no hospital. Acabou não sendo nada grave, mas aquela foi uma prova de interesse genuíno que acabou por conquistar o coração de Luisa.
Algum tempo depois, de comum acordo, ela se mudou para o apartamento dele. Estava indo tudo bem, até que ela passou a perceber que, talvez por traços culturais de origem, ele havia sido e era muito próximo de outras mulheres. Ela ficou indignada por ele não ter dito nada a ela dos relacionamentos anteriores, principalmente porque, algumas daqueles mulheres do passado dele eram suas conhecidas. Peter, racionalizou dizendo que não havia dito nada por falta de oportunidade, mesmo porque, eram relações vencidas. Quanto aos contatos mais recentes,  considerava natural, tanto que contava para ela – fomos almoçar juntos; no passado namorei  fulana de tal que por coincidência encontrei ontem a noite;... Isso era de tal forma contra a sua natureza que, por mais que quisesse entender, não conseguia, não aceitava.
A coisa continuou até que ela acabou por concluir que não poderia jogar todas as suas fichas nesse relacionamento, para não se decepcionar muito mais, lá na frente.  Colocou a situação para ele que entendeu seus motivos, e resolveram que o melhor nesse caso, era que cada um seguisse o seu caminho. Oportunamente ele recebeu uma oferta para voltar para a matriz no exterior e, por conta da situação, aceitou.  Ela o acompanhou até o aeroporto e ele lhe disse que gostaria de sempre manter contato, insistiu com ela para ir visitá-lo... Na hora da partida, por alguma crença pessoal, pediu que ela não ficasse olhando para ele enquanto estivesse caminhando na direção ao portão de embarque do seu avião.
Naquele dia Luisa voltou para o apartamento; viu algumas roupas deixadas por ele, e nelas sentiu o seu cheiro característico. Ele nem tinha ido embora e ela já estava com saudade... Reiniciou a sua vida, Recebeu algumas cartas dele, escreveu outras – ambos jurando amor eterno...  Na tentativa de minimizar a dor da perda, ela, dentro das possibilidades, foi a todos os lugares significativos onde tinham estado juntos. Reviveu aqueles momentos, passo a passo - os olhares, pensamentos, as falas, fotos...-, voltando no tempo.  Nessas ocasiões, se sentia estranhamente feliz, como se tivesse reencontrado o seu amor.
O tempo foi passando, as cartas se espaçando, até que pararam de vez.  E ela seguiu sua vida - novo emprego, novo relacionamento,..,  como ele também deve ter seguido a sua.
Porém, aquele sentimento do passado persiste ainda, independentemente da sua vontade.  A lembrança do que passou e do que poderia ter sido, permanece, como uma brasa latente, resultado de uma grande fogueira cujas chamas, eventual e momentaneamente, se apagaram. Basta ver alguém parecido, alguém como  ele era naquela época, que ela ainda vai conferir se seria ele mesmo. Claro que não é;  mesmo porque o tempo passou para ele também. O interessante é que Luisa tem a percepção de que Peter deve sentir o mesmo que ela, até hoje.
É..., a vida tem algumas regras que não conseguimos alterar.  Aparentemente, deve estar definido que devamos passar por algumas experiências e situações. E, nesse caso, por mais que tentemos evitar, por melhores que sejam as nossas intenções e ações, acabam por acontecer. Por outro lado, Luisa não se arrepende de nada do aconteceu: ganhou experiência, viveu momentos que deixaram alegria, e colecionou lembranças maravilhosas, que permanecem até hoje compondo positivamente o seu universo pessoal.
E, assim, eles ainda permanecem, tão longe, mas tão perto...

(JA, Dez14)

Postagens mais visitadas deste blog

Grabovoi - O Poder dos Números

O Método Grabovoi  foi criado pelo cientista russo Grigori Grabovoi, após anos de estudos e pesquisas, sobre números e sua influência no nosso cérebro. Grigori descobriu que os números criam frequências que podem atuar em diversas áreas, desde sobrepeso até falta de concentração, tratamento para doenças, dedicação, e situações como perda de dinheiro. Os números atuam como uma ‘Código de desbloqueio’ dentro do nosso inconsciente, criando frequências vibratórias que atuam diretamente na área afetada e permitindo que o fluxo de informações flua livremente no nosso cérebro. Como funciona? As sequências são formadas por números que reúnem significados. As sequências podem ter  1, 7, 16, ou até 25 algarismos, e quanto mais números, mais específica é a ação da sequência. Os números devem ser lidos separadamente, por exemplo: 345682 Três, quatro, cinco, seis (sempre o número seis, não ‘meia’), oito, dois. Como praticar Você deve escolher uma das sequencias num

Thoth

Deus da lua, juiz dos mortos e deus do conhecimento e da escrita, Thoth (também Toth, ou Tot, cujo nome em egípcio é Djehuty) é um deus egípcio, representado com cabeça de íbis. É o deus do conhecimento, da sabedoria, da escrita, da música e da magia. Filho mais velho do deus do sol Rá, ou em alguns mitos nascido da cabeça de Set, era representado como um homem com a cabeça da ave íbis ou de um babuíno, seus animais sagrados.   Sendo o deus associado com o conhecimento secreto, Thoth ajudou no sepultamento de Osíris criando a primeira múmia. Era também o deus das palavras, da língua e posteriormente os gregos viam este deus egípcio como a fonte de toda a ciência, humana e divina, do Egito. O culto de Thoth situava-se na cidade de Khemenou, também referida pelos gregos como Hermópolis Magna, e agora conhecida pelo nome árabe Al Ashmunin. Inventor da escrita Segundo a tradição, transmitida também por Platão no diálogo Fedro, Thoth inventou a escrita egípc

Por que Jesus dobrou o lenço?

‘E que o lenço, que estivera sobre a cabeça de Jesus, não estava com os panos, mas enrolado num lugar à parte’.(João 20:7) Por que Jesus dobrou o lenço que cobria sua cabeça no sepulcro depois de sua ressurreição? Você já deteve sua atenção a esse detalhe? João 20:7 nos conta que aquele lenço que foi colocado sobre a face de Jesus não foi apenas deixado de lado como os lençóis no túmulo. A Bíblia reserva um versículo inteiro para nos contar que o lenço fora dobrado cuidadosamente e colocado na cabeceira do túmulo de pedra. Bem cedo pela manhã de domingo, Maria Madalena veio à tumba e descobriu que a pedra havia sido removida da entrada. Ela correu e encontrou Simão Pedro e outro discípulo, aquele que Jesus tanto amara. Disse ela: ‘Eles tiraram o corpo do Senhor e eu não sei para onde eles o levaram’. Pedro e o outro discípulo correram ao túmulo para ver. O outro discípulo passou à frente de Pedro e lá primeiro chegou. Ele parou e observou os lençóis lá,