Pular para o conteúdo principal

Imperialismo

 


Pode ser que estejamos vendo a crise na Ucrânia pelo prisma da política de superpotências, quando o enquadramento mais adequado seria o do imperialismo.

A União Soviética foi o último grande império multinacional da história. Os esforços de controle de Moscou foram atitudes de uma ex-superpotência humilhada pelo próprio declínio, tentando se agarrar a algum símbolo de grandeza.

Na história, todos os processos de derrocada de impérios foram acompanhados de esforços das potências imperiais de manter seus territórios conquistados. A França travou guerras brutais na Argélia e no Vietnã, e os britânicos mataram mais de 10 mil pessoas no Quênia durante a Revolta dos Mau-Mau. As potências imperiais fizeram isso simplesmente porque, sob sua visão, a ideia de ser uma superpotência na arena internacional exigia que elas mantivessem esses ‘prêmios’ coloniais.

Observadas através desse prisma, as ações da Rússia na Ucrânia são previsíveis. Após um período de fraqueza, nos anos 90, quando mesmo assim a Rússia travou uma guerra sangrenta na Tchetchênia, Moscou estabeleceu para si a meta de retomar suas ex-colônias mais queridas. Putin descreve a Ucrânia como parte inseparável da Rússia, de maneira muito semelhante à que a França descrevia a Argélia, na década de 50. Essa causa, de manter a Argélia como parte da França, foi popular entre muitos nacionalistas franceses.

Há apenas um problema, naquela época e hoje. Os argelinos, como os ucranianos de hoje, não tinham nenhuma vontade de continuar colonizados. Essa resistência popular é o elemento-chave de uma narrativa que negligenciamos.

Seja lá o que for que Washington, Londres, Berlim e Moscou possam ter decidido em suas ilustres salas de reunião, as pessoas que habitam o ex-império soviético quiseram se associar política, militar, econômica e culturalmente com o Ocidente. E estão dispostas a fazer o necessário para alcançar isso.

A vasta maioria dos países que compuseram a esfera soviética ˗ muitos integrados ao território e à jurisdição da União Soviética ˗ ficou traumatizada com a experiência. Esses países tiveram suas existências militar, política, econômica e cultural dominadas por Moscou por décadas. Estavam desesperados para se libertar.  

Então, quando contarmos a história da Rússia, não devemos esquecer de incluir o desejo da Ucrânia, sua determinação, de ser livre e independente ˗ e de lutar e morrer por isso, pois é este o verdadeiro condutor desta história.

 


Fonte: Fareed Zakaria, Washington Post | A.C. Boa Nova

 

(JA, Abr22)

 


 

Postagens mais visitadas deste blog

Grabovoi - O Poder dos Números

O Método Grabovoi  foi criado pelo cientista russo Grigori Grabovoi, após anos de estudos e pesquisas, sobre números e sua influência no nosso cérebro. Grigori descobriu que os números criam frequências que podem atuar em diversas áreas, desde sobrepeso até falta de concentração, tratamento para doenças, dedicação, e situações como perda de dinheiro. Os números atuam como uma ‘Código de desbloqueio’ dentro do nosso inconsciente, criando frequências vibratórias que atuam diretamente na área afetada e permitindo que o fluxo de informações flua livremente no nosso cérebro. Como funciona? As sequências são formadas por números que reúnem significados. As sequências podem ter  1, 7, 16, ou até 25 algarismos, e quanto mais números, mais específica é a ação da sequência. Os números devem ser lidos separadamente, por exemplo: 345682 Três, quatro, cinco, seis (sempre o número seis, não ‘meia’), oito, dois. Como praticar Você deve escolher uma das sequencias num

Thoth

Deus da lua, juiz dos mortos e deus do conhecimento e da escrita, Thoth (também Toth, ou Tot, cujo nome em egípcio é Djehuty) é um deus egípcio, representado com cabeça de íbis. É o deus do conhecimento, da sabedoria, da escrita, da música e da magia. Filho mais velho do deus do sol Rá, ou em alguns mitos nascido da cabeça de Set, era representado como um homem com a cabeça da ave íbis ou de um babuíno, seus animais sagrados.   Sendo o deus associado com o conhecimento secreto, Thoth ajudou no sepultamento de Osíris criando a primeira múmia. Era também o deus das palavras, da língua e posteriormente os gregos viam este deus egípcio como a fonte de toda a ciência, humana e divina, do Egito. O culto de Thoth situava-se na cidade de Khemenou, também referida pelos gregos como Hermópolis Magna, e agora conhecida pelo nome árabe Al Ashmunin. Inventor da escrita Segundo a tradição, transmitida também por Platão no diálogo Fedro, Thoth inventou a escrita egípc

Por que Jesus dobrou o lenço?

‘E que o lenço, que estivera sobre a cabeça de Jesus, não estava com os panos, mas enrolado num lugar à parte’.(João 20:7) Por que Jesus dobrou o lenço que cobria sua cabeça no sepulcro depois de sua ressurreição? Você já deteve sua atenção a esse detalhe? João 20:7 nos conta que aquele lenço que foi colocado sobre a face de Jesus não foi apenas deixado de lado como os lençóis no túmulo. A Bíblia reserva um versículo inteiro para nos contar que o lenço fora dobrado cuidadosamente e colocado na cabeceira do túmulo de pedra. Bem cedo pela manhã de domingo, Maria Madalena veio à tumba e descobriu que a pedra havia sido removida da entrada. Ela correu e encontrou Simão Pedro e outro discípulo, aquele que Jesus tanto amara. Disse ela: ‘Eles tiraram o corpo do Senhor e eu não sei para onde eles o levaram’. Pedro e o outro discípulo correram ao túmulo para ver. O outro discípulo passou à frente de Pedro e lá primeiro chegou. Ele parou e observou os lençóis lá,