Pular para o conteúdo principal

Hospital Dom Alvarenga


Dom Alvarenga

Dom Alvarenga nasceu em 22 de abril de 1836, em São Paulo. Era filho do casal Tomé de Alvarenga e Josefina Maria das Dores de Alvarenga. Dedicado por seus virtuosos pais ao estado sacerdotal, começou a se preparar para o sacerdócio aos 12 anos de idade, sendo admitido também ao coro da Catedral da Sé.

Matriculou-se nas aulas de latim, cantochão e música, sendo promovido a capelão-cantor, no ano de 1854. Estudou teologia, moral e dogmática, além de outras matérias teológicas, na Catedral, nos cursos criados por dom Antônio Joaquim de Melo.

Foi ordenado por Dom Antônio Joaquim de Melo, em Itu, a 25 de março de 1860. Após a ordenação, foi nomeado para servir nas paróquias de Taubaté, Casa Branca e Mogi das Cruzes.

Em 1870 foi nomeado cônego.

Em 1877 elaborou os novos estatutos do Recolhimento de Santa Teresa.

Foi abolicionista, apoiando todos os empreendimentos em favor desse movimento. 

Dom Alvarenga, 11º Bispo Diocesano, 1899-1903

Episcopado

Foi sido indicado bispo do Maranhão por Dom Pedro II, Imperador de Brasil. Aos 41 anos, em 21 de setembro de 1877, foi confirmado, pelo Papa Pio IX.

Foi sagrado bispo, em São Paulo, no dia 31 de março de 1878, sendo consagrado por Dom Lino Deodato Rodrigues de Carvalho. Por vinte anos serviu a Igreja no Maranhão, até que, a 28 de novembro de 1898, foi indicado para a Sé de São Paulo. Já tendo a saúde debilitada, tomou posse a 25 de março de 1899, aos 63 anos.

Atividade e contribuições

Dom Antônio Cândido Alvarenga assumiu a diocese de São Paulo no auge da riqueza do café, sendo que a cidade e o Estado passavam por grandes transformações. Inúmeras cidades foram surgindo no entorno e, com isto, a necessidade de assistência espiritual também aumentava, o que causou grande preocupação em Dom Antônio.

Em 1901, o bispo promoveu o Primeiro Congresso Diocesano de São Paulo, como o objetivo de levar maior conhecimento cultural e religioso aos súditos diocesanos menos favorecidos. 


 

Dom Antônio Cândido foi bispo de São Paulo até 1 de abril de 1903, quando veio a falecer, aos sessenta e sete anos. Seu lema:

Respice Stella Voca Mariam’

(Olha a Estrela e chama por Maria)

Hospital Dom Alvarenga

A pedido do Conde José Vicente de Azevedo, que era seu amigo e admirador, em 1937, a Direção da Clínica Infantil do Ipiranga nomeou suas novas instalações, que seriam construídas na área por ele doada, como ‘Hospital Dom Antônio Candido de Alvarenga’. 

 


A origem do Hospital Dom Alvarenga teve início em 2 de janeiro de 1932, quando o acesso a tratamentos de saúde no Brasil ainda era muito restrito, especialmente para a população de baixa renda.

Os níveis de mortalidade infantil eram elevados, e o atendimento público era realizado principalmente pelas Santas Casas de Misericórdia, e por poucas maternidades e clínicas criadas por idealistas, como foi a Clínica Infantil do Ipiranga, atual Hospital Dom Alvarenga.

 

  

 

 

A Instituição surgiu a partir do sonho de duas senhoras que buscavam uma sociedade mais justa e igualitária: Maria Carmelita Vicente de Azevedo Barbosa de Oliveira (filha do casal Conde José Vicente de Azevedo e Condessa Maria Cândida Bueno Lopes Oliveira de Azevedo), e Dulce Barbosa de Almeida, que se aliaram ao jovem médico pediatra Dr. Augusto Gomes de Mattos. Nascia assim, em uma pequena garagem alugada da capital paulista, a Clínica Infantil do Ipiranga, nome pelo qual o Hospital ainda hoje é conhecido.

 

  


A determinação dos fundadores, porém, não era condizente com o reduzido espaço. Assim, os pais de Maria Carmelita, os beneméritos Conde José Vicente de Azevedo e Condessa Maria Cândida Bueno Lopes de Oliveira Azevedo, resolveram contribuir com duas doações de terrenos na Avenida Nazaré (em 1936 e 1938), que somaram 50 mil metros quadrados.

O novo complexo foi inaugurado em 1944 e batizado de Hospital Dom Antonio de Alvarenga, em homenagem ao bispo de mesmo nome, conhecido como ‘Bispo Caridosíssimo’ em virtude de suas diversas ações sociais.

Já na segunda metade do século 20, a Instituição era referência em pediatria, contribuindo para a capacitação e formação acadêmica qualificada de grande número de médicos que nela realizaram residência. O antigo Centro de Estudos Pediátricos também era destaque, visitado por médicos e cientistas de todo o mundo, entre eles Dr. Albert Sabin.

No ano de 1966, o Hospital passou a contar com a direção dos padres da Sociedade Beneficente São Camilo, gestão que ocorreu até o ano de 1996.

A partir de 2003, a Instituição mudou sua razão social para Associação Beneficente Nossa Senhora de Nazaré – Abensena, que atende sob duas denominações: Hospital Dom Alvarenga e Clínica Infantil do Ipiranga.

Em razão da rica arquitetura de sua sede, a Instituição foi reconhecida como um dos monumentos do bairro do Ipiranga, e seu prédio foi tombado pelo Conselho Municipal de Preservação do Patrimônio Histórico, Cultural e Ambiental da Cidade de São Paulo (Conpresp).

Com o passar dos anos e aprimoramentos constantes, pacientes particulares e de convênios de saúde usufruem um excelente nível de atendimento, com segurança e conforto. O resultado dessa demanda garante as atividades filantrópicas do Hospital Dom Alvarenga: o atendimento gratuito por meio do Termo de Parceria com a Secretaria Municipal de Saúde da Prefeitura de São Paulo, e a manutenção do Programa Saúde e Alegria que, desde 2003, é dedicado ao atendimento médico multidisciplinar, preventivo, sendo 100% gratuito para crianças de 0 a 12 anos com dificuldades socioeconômicas. 

 

Fonte:Av. Nazaré, 1361 - Ipiranga-SP   | WP 

 

(JA, Mar22)

 


Postagens mais visitadas deste blog

Grabovoi - O Poder dos Números

O Método Grabovoi  foi criado pelo cientista russo Grigori Grabovoi, após anos de estudos e pesquisas, sobre números e sua influência no nosso cérebro. Grigori descobriu que os números criam frequências que podem atuar em diversas áreas, desde sobrepeso até falta de concentração, tratamento para doenças, dedicação, e situações como perda de dinheiro. Os números atuam como uma ‘Código de desbloqueio’ dentro do nosso inconsciente, criando frequências vibratórias que atuam diretamente na área afetada e permitindo que o fluxo de informações flua livremente no nosso cérebro. Como funciona? As sequências são formadas por números que reúnem significados. As sequências podem ter  1, 7, 16, ou até 25 algarismos, e quanto mais números, mais específica é a ação da sequência. Os números devem ser lidos separadamente, por exemplo: 345682 Três, quatro, cinco, seis (sempre o número seis, não ‘meia’), oito, dois. Como praticar Você deve escolher uma das sequencias num

Thoth

Deus da lua, juiz dos mortos e deus do conhecimento e da escrita, Thoth (também Toth, ou Tot, cujo nome em egípcio é Djehuty) é um deus egípcio, representado com cabeça de íbis. É o deus do conhecimento, da sabedoria, da escrita, da música e da magia. Filho mais velho do deus do sol Rá, ou em alguns mitos nascido da cabeça de Set, era representado como um homem com a cabeça da ave íbis ou de um babuíno, seus animais sagrados.   Sendo o deus associado com o conhecimento secreto, Thoth ajudou no sepultamento de Osíris criando a primeira múmia. Era também o deus das palavras, da língua e posteriormente os gregos viam este deus egípcio como a fonte de toda a ciência, humana e divina, do Egito. O culto de Thoth situava-se na cidade de Khemenou, também referida pelos gregos como Hermópolis Magna, e agora conhecida pelo nome árabe Al Ashmunin. Inventor da escrita Segundo a tradição, transmitida também por Platão no diálogo Fedro, Thoth inventou a escrita egípc

Por que Jesus dobrou o lenço?

‘E que o lenço, que estivera sobre a cabeça de Jesus, não estava com os panos, mas enrolado num lugar à parte’.(João 20:7) Por que Jesus dobrou o lenço que cobria sua cabeça no sepulcro depois de sua ressurreição? Você já deteve sua atenção a esse detalhe? João 20:7 nos conta que aquele lenço que foi colocado sobre a face de Jesus não foi apenas deixado de lado como os lençóis no túmulo. A Bíblia reserva um versículo inteiro para nos contar que o lenço fora dobrado cuidadosamente e colocado na cabeceira do túmulo de pedra. Bem cedo pela manhã de domingo, Maria Madalena veio à tumba e descobriu que a pedra havia sido removida da entrada. Ela correu e encontrou Simão Pedro e outro discípulo, aquele que Jesus tanto amara. Disse ela: ‘Eles tiraram o corpo do Senhor e eu não sei para onde eles o levaram’. Pedro e o outro discípulo correram ao túmulo para ver. O outro discípulo passou à frente de Pedro e lá primeiro chegou. Ele parou e observou os lençóis lá,