Pular para o conteúdo principal

Se não tem remédio, diga umas palavras de consolo

 

Como outros colégios jesuítas, o Anchieta, de Friburgo, tinha sua enfermaria a cargo de um irmão coadjutor. Cabia-lhe ministrar primeiros cuidados, e avaliar se convinha recorrer ao médico.

Certa vez, enquanto esperava para ser atendido, vi no balcão um manual com instruções sobre o socorro a diferentes mazelas, listadas em ordem alfabética. Intrigado, comecei a folheá-lo. Na letra C, encontrei:

‘Calvície: Não tem remédio. Dizer umas palavras de consolo’.

Com o passar dos anos, aprendi que há mais coisas sem remédio ˗ e sem a compensação de que ‘é dos carecas que elas gostam mais’. É o caso da teimosia. 

Ultimamente, tenho visto numerosas manifestações com repetida e sistemática negação da realidade dos fatos. Inútil mostrar ou argumentar: dali a pouco, a lengalenga estará de volta. Relaciono aqui alguns exemplos ˗ aliás, maus exemplos! Trata-se daqueles que, entre outras, têm algumas destas atitudes: 

  • negam o aquecimento global e a responsabilidade que as atividades humanas têm sobre ele
  • negam que esteja aumentando o desmatamento na Amazônia
  • subestimam o número de mortes da Covid-19 no Brasil
  • ainda acreditam no ‘tratamento precoce’, na cloroquina, e panaceias semelhantes
  • são contramedidas profiláticas, como máscaras, e medidas de distanciamento social
  • opõem-se à obrigatoriedade da vacina
  • acreditam que o governo federal combateu adequadamente a pandemia, e só não fez mais porque o STF o teria impedido
  • acreditam que o governo federal se empenhou na rápida obtenção de vacinas
  • consideram, em nome da liberdade de expressão, que teria sido descabida a punição de Roberto Jefferson por ter incitado a ‘colocar para fora na bala (...) aqueles 11 malandros que se fantasiaram de ministros do Supremo’
  • também veem exagero em casos semelhantes, embora não tenham achado nada demais quando André Mendonça, então ministro da Justiça, abriu investigação contra um sociólogo por declarar que Bolsonaro ‘não vale um pequi roído’; e nem quando o Procurador Augusto Aras processou um colunista da Folha que o chamara de ‘servo do Presidente’.

Quando tomo posição sobre esses e outros assuntos, esforço-me para explicitar minhas razões, deixá-las claras. Para a maioria dos meus amigos, tal cuidado nem seria necessário.

No outro extremo, encontram-se aqueles para quem nenhuma dessas argumentações adianta, de tal modo eles estão cristalizados em suas posições. São casos em que não vejo remédio, mas sempre estarei disponível para dizer palavras de consolo.

                                                     

Fonte: A. C. Boa Nova

 

(JA, Ago21)

 

Postagens mais visitadas deste blog

Grabovoi - O Poder dos Números

O Método Grabovoi  foi criado pelo cientista russo Grigori Grabovoi, após anos de estudos e pesquisas, sobre números e sua influência no nosso cérebro. Grigori descobriu que os números criam frequências que podem atuar em diversas áreas, desde sobrepeso até falta de concentração, tratamento para doenças, dedicação, e situações como perda de dinheiro. Os números atuam como uma ‘Código de desbloqueio’ dentro do nosso inconsciente, criando frequências vibratórias que atuam diretamente na área afetada e permitindo que o fluxo de informações flua livremente no nosso cérebro. Como funciona? As sequências são formadas por números que reúnem significados. As sequências podem ter  1, 7, 16, ou até 25 algarismos, e quanto mais números, mais específica é a ação da sequência. Os números devem ser lidos separadamente, por exemplo: 345682 Três, quatro, cinco, seis (sempre o número seis, não ‘meia’), oito, dois. Como praticar Você deve escolher uma das sequencias num

Thoth

Deus da lua, juiz dos mortos e deus do conhecimento e da escrita, Thoth (também Toth, ou Tot, cujo nome em egípcio é Djehuty) é um deus egípcio, representado com cabeça de íbis. É o deus do conhecimento, da sabedoria, da escrita, da música e da magia. Filho mais velho do deus do sol Rá, ou em alguns mitos nascido da cabeça de Set, era representado como um homem com a cabeça da ave íbis ou de um babuíno, seus animais sagrados.   Sendo o deus associado com o conhecimento secreto, Thoth ajudou no sepultamento de Osíris criando a primeira múmia. Era também o deus das palavras, da língua e posteriormente os gregos viam este deus egípcio como a fonte de toda a ciência, humana e divina, do Egito. O culto de Thoth situava-se na cidade de Khemenou, também referida pelos gregos como Hermópolis Magna, e agora conhecida pelo nome árabe Al Ashmunin. Inventor da escrita Segundo a tradição, transmitida também por Platão no diálogo Fedro, Thoth inventou a escrita egípc

Por que Jesus dobrou o lenço?

‘E que o lenço, que estivera sobre a cabeça de Jesus, não estava com os panos, mas enrolado num lugar à parte’.(João 20:7) Por que Jesus dobrou o lenço que cobria sua cabeça no sepulcro depois de sua ressurreição? Você já deteve sua atenção a esse detalhe? João 20:7 nos conta que aquele lenço que foi colocado sobre a face de Jesus não foi apenas deixado de lado como os lençóis no túmulo. A Bíblia reserva um versículo inteiro para nos contar que o lenço fora dobrado cuidadosamente e colocado na cabeceira do túmulo de pedra. Bem cedo pela manhã de domingo, Maria Madalena veio à tumba e descobriu que a pedra havia sido removida da entrada. Ela correu e encontrou Simão Pedro e outro discípulo, aquele que Jesus tanto amara. Disse ela: ‘Eles tiraram o corpo do Senhor e eu não sei para onde eles o levaram’. Pedro e o outro discípulo correram ao túmulo para ver. O outro discípulo passou à frente de Pedro e lá primeiro chegou. Ele parou e observou os lençóis lá,