Pular para o conteúdo principal

Vida Iluminada

 

Durante nossa vida temos oportunidade de conhecer, conviver, com uma infinidade de pessoas. Cada uma delas, à sua maneira, nos ilumina. Umas mais, outras menos, umas positiva, outras negativamente, dependendo da época, dos nossos sentimentos, das nossas necessidades e crenças.

Portanto, todas as pessoas com quem nos relacionamos nos passam alguma luz, o que varia é o tipo de energia que passam, seu brilho, sua intensidade.

Com o passar do tempo, aquelas que mais nos influenciaram permanecem, mantêm o seu brilho; as demais vão perdendo a força, até desaparecerem.

Sempre poderemos rever nossas relações (nossos pais, irmãos, parentes, professores, colegas de escola, chefias e colegas de trabalho, amigos, etc.) e sentir o seu brilho, sua influência, independentemente do tempo passado, deles ainda conviverem conosco, ou não.   

As pessoas que nos influenciam positivamente são aquelas relacionadas com o que acreditamos, pensamos, precisamos, na época em que convivemos. E vale o contrário. Então, elas nos iluminam intensamente.

As relações cujas luzes ainda conseguem de alguma forma iluminar positivamente a nossa vida, influenciar o que pensamos, sentimos, são facilmente detectadas, e merecem toda nossa atenção. São especiais. Devemos cuidar para mantê-las acesas para  melhor poder usufruir do que elas nos projetam, da sua influência. Elas nos ajudarão a encontrar nosso melhor caminho.

As relações cujas luzes têm o poder de nos influenciar negativamente, devemos procurar uma maneira de anulá-las. Isso é possível pela compreensão, perdão, ou pela descoberta de luzes e energias positivas que elas, inexplicavelmente, conseguiram gerar. Então, aos poucos, elas irão perdendo a sua força original, iluminando cada vez menos, dando espaço para que as luzes positivas prevaleçam.

 

 

Relatos


1-      Mãe poderosa

Ele teve uma mãe que era uma mulher poderosa.  Vinha de uma família abastada que, por diversos motivos, perdeu tudo. Desde pequena ela foi à luta, trabalhou, estudou, se casou, criou família. 

Em diversas situações viu sua mãe sair a campo para defender suas crenças. Seu espírito forte a protegia; ela sempre saia  vencedora.

Embora com poucos recursos, conseguiu colocar seus filhos nas melhores escolas, a frequentar bons ambientes, até se formarem, entrarem e conquistarem um bom posicionamento no mercado de trabalho.  Incutiu neles uma elevada autoestima, e a importância de um bom relacionamento, familiar e social.

Hoje, passados muitos anos da sua morte, ainda sente a força da sua luz, que o ilumina intensamente. Ela sempre é incluída, e o aconselha na tomada de suas decisões mais importantes. Nunca deixou de estar presente na sua vida.

 


2-      1º Emprego 

Ao ingressar na vida profissional teve oportunidade de ir trabalhar numa agência bancária de bairro de um grande banco.  Seus colegas eram bem mais velhos que ele, tinham uma posição mais elevada, mas sempre o trataram amigavelmente.  A figura que mais o marcou foi a do gerente da agência. Ele exercia uma liderança natural, era justo, participativo e atuante. Quando surgia um problema, independente de quem o causou, colocava a solução como prioridade, até conseguir resolvê-lo. 

Embora tenha trabalhado lá por pouco tempo – menos de um ano -, a luz daquela figura o iluminou pelo resto de sua vida profissional, o acompanhou e influenciou positivamente seu comportamento.

 


3-      Amigo Providencial 

Ele e (1) se conheceram num ambiente de trabalho. Tinham atividades distintas na mesma empresa, mas relacionadas, o que implicava num contato frequente. Aos poucos foram desenvolvendo uma amizade extratrabalho, que incluía viagens, festas, etc. 

Passado alguns anos (1) foi convidado a ir trabalhar numa grande empresa multinacional por um antigo chefe comum (2), que já trabalhava lá.  Posteriormente (2), influenciado por (1), também o convidou para ir trabalhar junto com eles.  

Lá ele se deu muito bem, e teve oportunidade de crescer, promoções, etc. Posteriormente, (1) e (2) saíram da empresa em busca de evolução profissional.    

Num determinado dia, (1) o convidou para ir trabalhar com ele na empresa onde estava atualmente, onde tinha o cargo de Diretor.  Foi um convite providencial.  Na empresa onde estava havia chegado numa posição onde não teria mais como crescer e, provavelmente, logo, seria dispensado.  Aproveitou a oportunidade, conseguiu um bom acordo financeiro para sair - considerando que estava atendendo a um desejo da diretoria-, e foi para o novo emprego. 

Lá se deu muito bem, a ponto de que quando (1) saiu para montar seu próprio negócio, ele foi indicado e convidado para assumir seu posto, passando então a fazer parte da direção da empresa. 

A partir daí, apesar das dificuldades profissionais, naturais devido à posição que ocupava, passou a se sentir estabilizado, bem recompensado, realizado. 

Embora (1) já tenha falecido, sua luz sempre o ilumina e o orienta, como exemplo de um companheiro leal e amigo. 

 

 

4-      Pai Ciente 

Ele era um homem simples que, através da sua Inteligência, simpatia, conseguiu ser bem sucedido, se destacar na sua profissão.  Casou-se com uma mulher especial -bonita, bom caráter, de personalidade forte, boa formação-, e, com a chegada dos filhos, constituiu família. Sempre foi um ótimo mantenedor, jamais trazendo problemas de trabalho para casa. Conseguia que todos vivessem bem, em harmonia, num clima de tranquilidade. 

Com base na sua simpatia natural, não discordava ou discutia com  pessoas que tinham  opiniões formadas divergentes das dele, ou pessoas que o julgavam, indevida, erroneamente. 

Já avançado em idade, foi recriminado por seu filho mais velho por ter gasto uma quantia que eventualmente ganhou na compra de móveis novos para sua casa. ‘O último dinheiro que você pôde receber, e gasta tudo com supérfluos. Deveria ter guardado para uma situação de emergência.’, disse-lhe o filho.

Numa outra ocasião, quando chegou na casa do filho, situada num condomínio de luxo, num bairro nobre, o Porteiro avisou o filho da chegada do pai.  ‘Por que você não me informou que viria? Teria enviado um carro para apanhá-lo, trazê-lo. Não é conveniente para mim que os serviçais vejam você chegando aqui dessa forma, à pé...’

O pai apenas ouviu, não respondeu. A essa e a outras recriminações do tipo.

Passados alguns anos, após a morte do pai, o filho refletindo concluiu que, por várias vezes, havia sido injusto com ele. Arrependeu-se e passou a valorizá-lo ainda mais, pela sua tolerância, sabedoria.

A partir daí, iluminado pela ‘luz’ gerada pelo comportamento de seu pai, passou a adotá-lo na relação com seus próprios filhos adultos, evitando assim discussões inúteis, ressentimentos desnecessários.

Passou a confiar mais nos bons sentimentos, boas intenções, e inteligência deles.  Tem certeza que lá na frente, eles sentirão o mesmo que ele sentiu em relação ao seu pai, criando assim uma reação em cadeia que os iluminará, e aos seus descendentes, enriquecendo suas personalidades, extraindo o melhor de cada um.

 

 

  

5-      Dependente Arrogante 

Ele era o caçula de uma grande família. Após seu pai ter perdido todo seu patrimônio num empreendimento que fracassou, e morrido em seguida, seus irmãos mais velhos saíram de casa - cada um foi cuidar de sua vida. Ficou ele, a mãe e as irmãs. A mãe logo veio a falecer também, e ele acabou sendo criado pelas irmãs. 

Desde pequeno tinha um gênio difícil - era arrogante e prepotente. As irmãs começaram a trabalhar como costureiras para se manter, e ele as ajudava, aprendendo assim a profissão que teve até o fim da vida. 

Na sua fase adulta era independente – tinha sua oficina de trabalho, mantinha um apartamento como residência. Nunca se casou, provavelmente devido ao seu gênio difícil, e por ter uma tendência homossexual nunca liberada por conta da sua formação religiosa. Participava de algumas associações da igreja católica, onde sempre encontrava motivo para dar vazão à sua revolta interior latente. 

Frequentemente visitava suas irmãs, nessas alturas já casadas, com  família constituída, e sempre encontrava motivos para recriminá-las, por isso ou aquilo, o que fazia aos berros. 

Quando se tornou mais dependente devido à idade, o marido de uma de suas irmãs, começou a olhar por ele, a cuidar para que não lhe faltasse nada.  O filho desse homem uma dia questionou o pai: ‘Pai, por que você cuida do meu tio? Ele é um FDP!’ Ao que o pai respondeu: ‘ Ele não é um FDP. É um coitado!’ 

Quando o pai desse rapaz morreu, em consideração à sua memória, passou a cuidar do tio, pagando o aluguel do apartamento onde ele morava,  visitando-o uma vez por semana para saber se tudo bem, do que estava precisando. 

Um dia, atravessando uma rua, o tio foi atropelado. O motorista o levou a um hospital, onde foi cuidado, e avisou o sobrinho.  Ele foi ao hospital e assumiu a situação.  O motorista que causou o acidente, mais tarde, o procurou para saber, dentro das circunstâncias, se tudo bem, o que foi confirmado. 

O sobrinho chegou à conclusão que, a partir de então, o tio não teria mais condições de viver sozinho. Após consultar a sua esposa, o levou para sua casa, e o instalou num cômodo exclusivo. 

Logo o tio conseguiu conquistar a antipatia de todos, e os empregados se negaram a continuar cuidando dele.  O sobrinho então resolveu que melhor seria instalá-lo num Residencial para Idosos, acostumados a tratar pessoas com deficiências e comportamento difícil.  Lá o visitava semanalmente, e ouvia suas críticas ao serviço, a este ou àquele colega. 

Passados alguns anos, o tio veio a falecer. O sobrinho cuidou do funeral, do qual foi o único participante.

A partir de então, o simples fato de passar em frente ao prédio onde ficava apartamento onde ele morou, o incomodava -  parecia que o local gerava uma energia, uma luz negativa. 

Começou a refletir sobre isso e chegou à conclusão de que realmente tudo relacionado ao seu tio irradiava uma luz, uma energia negativa. Entretanto, simultaneamente, gerou várias luzes positivas: a das irmãs que cuidaram dele, a do seu pai que também passou a cuidar dele, a do atropelador que socorreu a vítima, a dele mesmo que assumiu o papel de cuidador que havia sido do seu pai, entre outros. 

As luzes positivas geradas por conta desse homem totalmente negativo, tiveram o poder de iluminar positivamente algumas pessoas, bem como as que conviviam com elas, ou souberam do fato. Isso vem confirmar o ditado: 

‘O bem sempre prevalece sobre o mal.’


Conclusão 

Durante a nossa existência, para seguir o melhor caminho, devemos sempre procurar ignorar as luzes negativas que eventualmente surgem, e  nos concentrarmos nas positivas, independentemente da sua origem.  

 

 

 

(JA, Fev21)


 

Postagens mais visitadas deste blog

Grabovoi - O Poder dos Números

O Método Grabovoi  foi criado pelo cientista russo Grigori Grabovoi, após anos de estudos e pesquisas, sobre números e sua influência no nosso cérebro. Grigori descobriu que os números criam frequências que podem atuar em diversas áreas, desde sobrepeso até falta de concentração, tratamento para doenças, dedicação, e situações como perda de dinheiro. Os números atuam como uma ‘Código de desbloqueio’ dentro do nosso inconsciente, criando frequências vibratórias que atuam diretamente na área afetada e permitindo que o fluxo de informações flua livremente no nosso cérebro. Como funciona? As sequências são formadas por números que reúnem significados. As sequências podem ter  1, 7, 16, ou até 25 algarismos, e quanto mais números, mais específica é a ação da sequência. Os números devem ser lidos separadamente, por exemplo: 345682 Três, quatro, cinco, seis (sempre o número seis, não ‘meia’), oito, dois. Como praticar Você deve escolher uma das sequencias num

Thoth

Deus da lua, juiz dos mortos e deus do conhecimento e da escrita, Thoth (também Toth, ou Tot, cujo nome em egípcio é Djehuty) é um deus egípcio, representado com cabeça de íbis. É o deus do conhecimento, da sabedoria, da escrita, da música e da magia. Filho mais velho do deus do sol Rá, ou em alguns mitos nascido da cabeça de Set, era representado como um homem com a cabeça da ave íbis ou de um babuíno, seus animais sagrados.   Sendo o deus associado com o conhecimento secreto, Thoth ajudou no sepultamento de Osíris criando a primeira múmia. Era também o deus das palavras, da língua e posteriormente os gregos viam este deus egípcio como a fonte de toda a ciência, humana e divina, do Egito. O culto de Thoth situava-se na cidade de Khemenou, também referida pelos gregos como Hermópolis Magna, e agora conhecida pelo nome árabe Al Ashmunin. Inventor da escrita Segundo a tradição, transmitida também por Platão no diálogo Fedro, Thoth inventou a escrita egípc

Por que Jesus dobrou o lenço?

‘E que o lenço, que estivera sobre a cabeça de Jesus, não estava com os panos, mas enrolado num lugar à parte’.(João 20:7) Por que Jesus dobrou o lenço que cobria sua cabeça no sepulcro depois de sua ressurreição? Você já deteve sua atenção a esse detalhe? João 20:7 nos conta que aquele lenço que foi colocado sobre a face de Jesus não foi apenas deixado de lado como os lençóis no túmulo. A Bíblia reserva um versículo inteiro para nos contar que o lenço fora dobrado cuidadosamente e colocado na cabeceira do túmulo de pedra. Bem cedo pela manhã de domingo, Maria Madalena veio à tumba e descobriu que a pedra havia sido removida da entrada. Ela correu e encontrou Simão Pedro e outro discípulo, aquele que Jesus tanto amara. Disse ela: ‘Eles tiraram o corpo do Senhor e eu não sei para onde eles o levaram’. Pedro e o outro discípulo correram ao túmulo para ver. O outro discípulo passou à frente de Pedro e lá primeiro chegou. Ele parou e observou os lençóis lá,