Pular para o conteúdo principal

Há Vida além do Circo







O palhaço se sentiu prestigiado, engrandecido, forte, com os aplausos da plateia que ria de suas caretas, de seu linguajar chulo, de suas frases sem sentido, de suas bravatas. O público acreditou que, de tão absurdas as falas do bufão, tratavam-se de brincadeiras, de piadas de mau gosto, de pura encenação cômica.

Mas o palhaço não estava para brincadeiras, falava sério, seu discurso significava exatamente o que ele queria dizer, não era zombaria, não era mofa, não era pilhéria, e a empolgação da audiência o autorizava a crer que ela concordava com suas palavras.

O palhaço distribuía piadas e pão e as pessoas pareciam se sentir saciadas, parecia que isso lhes bastava. O truão se sentiu grande, achou que era o dono do circo, que possuía a consciência da plateia, que a tinha como refém.

Então, resolveu apoderar-se do circo, transformá-lo em um picadeiro no qual seria o único astro, de onde ouviria eternamente os aplausos do público a seus atos insensatos, a suas atitudes grotescas, a suas palhaçadas desengraçadas.

E as pessoas riam, achavam graça das atitudes bufas, do comportamento desarrazoado, dos atos agressivos, do malabarismo de sua lógica. Achavam-no caricato, simplório; não atinavam com as reais intenções do palhaço.

Apoderando-se do circo, o histrião passou a saquear as bilheterias; enriqueceu; enriqueceu sua trupe; enalteceu, prestigiou, financiou palhaços internacionais de laia semelhante à sua.

Não cuidou do circo. A lona rasgou-se, a estrutura ficou corroída, as tábuas do palco apodreceram, os equipamentos se arruinaram, as arquibancadas ruíram. Para que conservar o circo? Ele era o senhor do circo, o circo lhe pertencia, a plateia o adorava...

Então, o palhaço avançou mais uma vez sobre as bilheterias, esgotou-as quase completamente, construiu doze novos picadeiros pelo país afora e, cinicamente, os ofereceu ao público como uma grande pilhéria, aliás, sua maior piada.





A visão dos novos picadeiros provocou como que uma epifania coletiva. A plateia se deu conta de que por anos havia sido ludibriada pelo palhaço. Comparou a miséria de sua tenda com a suntuosidade presunçosa, descabida, arrogante, agressiva dos novos picadeiros.

E deixou de rir. Percebeu que era possível viver em um circo comparável aos do primeiro mundo, sobejavam recursos nas bilheterias, na plateia havia pessoas capazes de realizarem a transformação. Dependia apenas dela, de sua vontade, exigir, liderar, realizar as mudanças.

E saiu às ruas rugindo, expressando seu rancor, seu desprezo pelo palhaço, pela sua trupe e por tudo o que eles representam.

Agora que a fantasia se rasgou, que a máscara caiu, o palhaço desapareceu, está escondido em seu camarim, refugiado no interior de algum trailer, torcendo para que o furor se amenize, para que o clamor se cale, e ele possa voltar ao picadeiro ainda mais poderoso.

O poder é nosso, e este é o momento para se afastar de vez o palhaço.







Fonte:  Gabriel T. Fernandes  |  Quase ao Acaso



(JA, Jul19) 


Postagens mais visitadas deste blog

Grabovoi - O Poder dos Números

O Método Grabovoi  foi criado pelo cientista russo Grigori Grabovoi, após anos de estudos e pesquisas, sobre números e sua influência no nosso cérebro. Grigori descobriu que os números criam frequências que podem atuar em diversas áreas, desde sobrepeso até falta de concentração, tratamento para doenças, dedicação, e situações como perda de dinheiro. Os números atuam como uma ‘Código de desbloqueio’ dentro do nosso inconsciente, criando frequências vibratórias que atuam diretamente na área afetada e permitindo que o fluxo de informações flua livremente no nosso cérebro. Como funciona? As sequências são formadas por números que reúnem significados. As sequências podem ter  1, 7, 16, ou até 25 algarismos, e quanto mais números, mais específica é a ação da sequência. Os números devem ser lidos separadamente, por exemplo: 345682 Três, quatro, cinco, seis (sempre o número seis, não ‘meia’), oito, dois. Como praticar Você deve escolher uma das sequencias num

Thoth

Deus da lua, juiz dos mortos e deus do conhecimento e da escrita, Thoth (também Toth, ou Tot, cujo nome em egípcio é Djehuty) é um deus egípcio, representado com cabeça de íbis. É o deus do conhecimento, da sabedoria, da escrita, da música e da magia. Filho mais velho do deus do sol Rá, ou em alguns mitos nascido da cabeça de Set, era representado como um homem com a cabeça da ave íbis ou de um babuíno, seus animais sagrados.   Sendo o deus associado com o conhecimento secreto, Thoth ajudou no sepultamento de Osíris criando a primeira múmia. Era também o deus das palavras, da língua e posteriormente os gregos viam este deus egípcio como a fonte de toda a ciência, humana e divina, do Egito. O culto de Thoth situava-se na cidade de Khemenou, também referida pelos gregos como Hermópolis Magna, e agora conhecida pelo nome árabe Al Ashmunin. Inventor da escrita Segundo a tradição, transmitida também por Platão no diálogo Fedro, Thoth inventou a escrita egípc

Por que Jesus dobrou o lenço?

‘E que o lenço, que estivera sobre a cabeça de Jesus, não estava com os panos, mas enrolado num lugar à parte’.(João 20:7) Por que Jesus dobrou o lenço que cobria sua cabeça no sepulcro depois de sua ressurreição? Você já deteve sua atenção a esse detalhe? João 20:7 nos conta que aquele lenço que foi colocado sobre a face de Jesus não foi apenas deixado de lado como os lençóis no túmulo. A Bíblia reserva um versículo inteiro para nos contar que o lenço fora dobrado cuidadosamente e colocado na cabeceira do túmulo de pedra. Bem cedo pela manhã de domingo, Maria Madalena veio à tumba e descobriu que a pedra havia sido removida da entrada. Ela correu e encontrou Simão Pedro e outro discípulo, aquele que Jesus tanto amara. Disse ela: ‘Eles tiraram o corpo do Senhor e eu não sei para onde eles o levaram’. Pedro e o outro discípulo correram ao túmulo para ver. O outro discípulo passou à frente de Pedro e lá primeiro chegou. Ele parou e observou os lençóis lá,