Pular para o conteúdo principal

Riscos de um incêndio no passado e uma faixa pedindo intervenção militar



Protesto de caminhoneiros merece o nosso respeito, mas pedido para volta dos militares, não

Em 1933, o Reichstag, então sede do Parlamento alemão, foi incendiado. Até hoje, não se sabe ao certo quem o incendiou, mas as consequências são bem conhecidas. Esse ato de terror trouxe o início da política de emergência naquele país e, já no dia seguinte, um decreto suspendeu os direitos básicos de todos os cidadãos alemães, autorizando sua detenção preventiva pela polícia em qualquer circunstância.
A sequência, conta a história, reflete alguns dos momentos mais tristes do país e do mundo. 
O partido nazista teve vitória retumbante nas eleições e, pouco depois, uma legislação foi passada autorizando Hitler a governar por decreto, dado o ‘caos’ instalado pelo criminoso incêndio. Depois disso, culpabilizou os judeus por parte dos problemas vividos pelos alemães, no que resultou no assassinato de mais de 6 milhões de pessoas, entre as quais um milhão de crianças.
Segundo Timothy Snyder, em livro publicado recentemente no Brasil, ‘Sobre a Tirania, 20 lições do século 20’, há aprendizados a extrair desse triste episódio. 
‘Quando o impensável ocorre’, diz ele, ‘fique calmo... lembre que os autoritários exploram tais eventos para consolidar poder. O súbito desastre demanda o fim de controles, a dissolução da oposição, a supressão da liberdade de expressão, o direito a julgamento justo e aí vai’, e assim morrem as democracias...
Vivemos um momento delicado. A paralisação dos caminhoneiros tem demandas justas e merece nosso respeito. A faixa colocada em vários locais de manifestação clamando por ‘intervenção militar já’, não.

Bloqueio na Régis Bitencourt. Na pista, caminhoneiros escreveram:’Queremos Intervenção Militar' 

É triste a história de governos autoritários. Clamamos por eles quando achamos que há situações inadministráveis, quando queremos ordem, fim da corrupção ou vedar o acesso ao poder de governos dos quais discordamos, mas, pouco depois, a liberdade desaparece e curiosamente seus apoiadores se tornam também vítimas do arbítrio, como ilustra bem a história da ditadura no Chile e no Brasil.  

A questão da corrupção é mais complicada. Talvez seja fácil dizer que não houve corrupção no regime militar, pois a imprensa não noticiava, dada a censura. Mas a corrupção é endêmica em nosso país e continuou, sim, durante a ditadura, tanto em grandes contratos quanto na burocracia que permeava o dia a dia do cidadão: para tirar carteira de identidade, carta de motorista, passaporte, pagava-se uma ‘taxa’ extralegal.
Precisamos ter o difícil trabalho de construir uma democracia que funcione. Isso significa não apenas escolher bons e competentes candidatos para governos, mas bons parlamentares que se dissociem da corrupção e proponham políticas públicas sólidas.




                                          

Texto: Claudia Costin, professora visitante de Harvard. Foi diretora de Educação do Banco Mundial e ministra da Administração   |   FSP



(JA, Jun18)

Postagens mais visitadas deste blog

Grabovoi - O Poder dos Números

O Método Grabovoi  foi criado pelo cientista russo Grigori Grabovoi, após anos de estudos e pesquisas, sobre números e sua influência no nosso cérebro. Grigori descobriu que os números criam frequências que podem atuar em diversas áreas, desde sobrepeso até falta de concentração, tratamento para doenças, dedicação, e situações como perda de dinheiro. Os números atuam como uma ‘Código de desbloqueio’ dentro do nosso inconsciente, criando frequências vibratórias que atuam diretamente na área afetada e permitindo que o fluxo de informações flua livremente no nosso cérebro. Como funciona? As sequências são formadas por números que reúnem significados. As sequências podem ter  1, 7, 16, ou até 25 algarismos, e quanto mais números, mais específica é a ação da sequência. Os números devem ser lidos separadamente, por exemplo: 345682 Três, quatro, cinco, seis (sempre o número seis, não ‘meia’), oito, dois. Como praticar Você deve escolher uma das sequencias num

Thoth

Deus da lua, juiz dos mortos e deus do conhecimento e da escrita, Thoth (também Toth, ou Tot, cujo nome em egípcio é Djehuty) é um deus egípcio, representado com cabeça de íbis. É o deus do conhecimento, da sabedoria, da escrita, da música e da magia. Filho mais velho do deus do sol Rá, ou em alguns mitos nascido da cabeça de Set, era representado como um homem com a cabeça da ave íbis ou de um babuíno, seus animais sagrados.   Sendo o deus associado com o conhecimento secreto, Thoth ajudou no sepultamento de Osíris criando a primeira múmia. Era também o deus das palavras, da língua e posteriormente os gregos viam este deus egípcio como a fonte de toda a ciência, humana e divina, do Egito. O culto de Thoth situava-se na cidade de Khemenou, também referida pelos gregos como Hermópolis Magna, e agora conhecida pelo nome árabe Al Ashmunin. Inventor da escrita Segundo a tradição, transmitida também por Platão no diálogo Fedro, Thoth inventou a escrita egípc

Por que Jesus dobrou o lenço?

‘E que o lenço, que estivera sobre a cabeça de Jesus, não estava com os panos, mas enrolado num lugar à parte’.(João 20:7) Por que Jesus dobrou o lenço que cobria sua cabeça no sepulcro depois de sua ressurreição? Você já deteve sua atenção a esse detalhe? João 20:7 nos conta que aquele lenço que foi colocado sobre a face de Jesus não foi apenas deixado de lado como os lençóis no túmulo. A Bíblia reserva um versículo inteiro para nos contar que o lenço fora dobrado cuidadosamente e colocado na cabeceira do túmulo de pedra. Bem cedo pela manhã de domingo, Maria Madalena veio à tumba e descobriu que a pedra havia sido removida da entrada. Ela correu e encontrou Simão Pedro e outro discípulo, aquele que Jesus tanto amara. Disse ela: ‘Eles tiraram o corpo do Senhor e eu não sei para onde eles o levaram’. Pedro e o outro discípulo correram ao túmulo para ver. O outro discípulo passou à frente de Pedro e lá primeiro chegou. Ele parou e observou os lençóis lá,