Pular para o conteúdo principal

Maurice



Vou falar de um gato que tive e já não tenho, mas que, a salvo da mudança, que tudo aniquila, subsiste imutável naquelas perpétuas saudades já cantadas por um poeta nosso.
Chamava-se Maurice, pois a cor de sua pelagem lembrava-me o cabelo do jovem ator que, pouco antes, protagonizara o filme de igual nome, baseado no romance de E.M. Foster; e apareceu-me, num fim de primavera, entre o mato que crescia em meu quintal. Arisco – e com excelentes razões para sê-lo, como vim a descobrir – esquivo a qualquer contato humano, da distância a que me achava pude ver-lhe a cabeça e o dorso rajado de um vívido amarelo-laranja, que brilhava entre as ervas escuras germinadas a esmo. Em lugar da cauda, um pequeno toco ensanguentado falava-me em silêncio de um acidente ainda recente.

Levei-lhe comida, a mesma que comiam minhas três gatas, deixando-a a certa distância da touceira de onde me espreitava, e logo me afastei. Ele veio e comeu.

Na tarde seguinte, mais ou menos à mesma hora, lá estava ele no mesmo lugar. Saudamo-nos com o olhar. Levei-lhe a comida e ele comeu.
Não contei as vezes em que este ritual se repetiu: dias? semanas? A pouco e pouco eu ia deixando a comida mais e mais perto de onde ele se quedava. Um dia ele veio comer ao pé de mim. Acariciei o seu dorso de leve, e ele não fugiu. Mais alguns dias e consegui pô-lo numa cestinha e levá-lo a um veterinário.

Maurice viveu conosco por seis anos. A partir do momento em que vim a merecer-lhe a confiança, ele se rendeu de todo em todo, com o rematado abandono de uma criança, com a entrega sem limites de um cachorro. Eu sei e muitos sabem, por experiência, que não somos nós que escolhemos nossos bichos: são eles que nos escolhem e que nos têm. E o Maurice me escolheu, disto dando tais mostras que, se os gatos falassem língua humana, jamais lhe ocorreria dizer-me ‘Eu sou o teu gato’, senão ‘Tu és o meu homem’. Encontrava o caminho do meu colo, nas longas tardes do Arizona, e lá se deixava ficar enquanto eu lia, certo de que lhe não haveriam de faltar as carícias a que fazia jus. E, sem nunca ter ouvido falar dos gatos de Baudelaire, mais de uma vez, retraídas as garras, veio estender-se sobre o peito do amigo reclinado.
Morreu num fim de primavera, ou começo de verão. Acometera-o uma doença degenerativa dos rins, que provocava uma sede abrasadora e insaciável. Uma das únicas fotos que dele ficaram mostra-o, no quintal de casa, debruçando-se em busca de alguma água que beber no fundo de meu regador. O veterinário ainda propôs-me fazer-lhe um transplante de rim mas, para tanto, seria necessário buscar um gato são, em algum abrigo da Humane Society, e subtrair-lhe um dos rins. Rejeitei o alvitre. Trouxe o meu Maurice de volta para casa e fiz o que pude para aliviar-lhe os últimos dias. Ao levantar-me, certa manhã ensolarada, encontrei-o morto e já rígido, na pequena cama que lhe improvisara na cozinha.

Está enterrado no quintal de minha antiga casa de Tucson. Uma camisa de seu homem serviu-lhe de mortalha.


Texto: Sérgio de Carvalho Pachá,   AMDG


(JA, Mar18)


Postagens mais visitadas deste blog

Grabovoi - O Poder dos Números

O Método Grabovoi  foi criado pelo cientista russo Grigori Grabovoi, após anos de estudos e pesquisas, sobre números e sua influência no nosso cérebro. Grigori descobriu que os números criam frequências que podem atuar em diversas áreas, desde sobrepeso até falta de concentração, tratamento para doenças, dedicação, e situações como perda de dinheiro. Os números atuam como uma ‘Código de desbloqueio’ dentro do nosso inconsciente, criando frequências vibratórias que atuam diretamente na área afetada e permitindo que o fluxo de informações flua livremente no nosso cérebro. Como funciona? As sequências são formadas por números que reúnem significados. As sequências podem ter  1, 7, 16, ou até 25 algarismos, e quanto mais números, mais específica é a ação da sequência. Os números devem ser lidos separadamente, por exemplo: 345682 Três, quatro, cinco, seis (sempre o número seis, não ‘meia’), oito, dois. Como praticar Você deve escolher uma das sequencias num

Thoth

Deus da lua, juiz dos mortos e deus do conhecimento e da escrita, Thoth (também Toth, ou Tot, cujo nome em egípcio é Djehuty) é um deus egípcio, representado com cabeça de íbis. É o deus do conhecimento, da sabedoria, da escrita, da música e da magia. Filho mais velho do deus do sol Rá, ou em alguns mitos nascido da cabeça de Set, era representado como um homem com a cabeça da ave íbis ou de um babuíno, seus animais sagrados.   Sendo o deus associado com o conhecimento secreto, Thoth ajudou no sepultamento de Osíris criando a primeira múmia. Era também o deus das palavras, da língua e posteriormente os gregos viam este deus egípcio como a fonte de toda a ciência, humana e divina, do Egito. O culto de Thoth situava-se na cidade de Khemenou, também referida pelos gregos como Hermópolis Magna, e agora conhecida pelo nome árabe Al Ashmunin. Inventor da escrita Segundo a tradição, transmitida também por Platão no diálogo Fedro, Thoth inventou a escrita egípc

Por que Jesus dobrou o lenço?

‘E que o lenço, que estivera sobre a cabeça de Jesus, não estava com os panos, mas enrolado num lugar à parte’.(João 20:7) Por que Jesus dobrou o lenço que cobria sua cabeça no sepulcro depois de sua ressurreição? Você já deteve sua atenção a esse detalhe? João 20:7 nos conta que aquele lenço que foi colocado sobre a face de Jesus não foi apenas deixado de lado como os lençóis no túmulo. A Bíblia reserva um versículo inteiro para nos contar que o lenço fora dobrado cuidadosamente e colocado na cabeceira do túmulo de pedra. Bem cedo pela manhã de domingo, Maria Madalena veio à tumba e descobriu que a pedra havia sido removida da entrada. Ela correu e encontrou Simão Pedro e outro discípulo, aquele que Jesus tanto amara. Disse ela: ‘Eles tiraram o corpo do Senhor e eu não sei para onde eles o levaram’. Pedro e o outro discípulo correram ao túmulo para ver. O outro discípulo passou à frente de Pedro e lá primeiro chegou. Ele parou e observou os lençóis lá,