Pular para o conteúdo principal

Juarez, Juarez Távora


Juarez




Durante toda minha vida fui questionado sobre a origem de meu nome: Juarez.
Numa ocasião, um eventual companheiro perguntou por que  eu, embora casado, usava a aliança de casamento na mão direita. Para não ter que dar explicações a quase um estranho –o motivo verdadeiro era que eu havia machucado meu dedo anular da mão esquerda-, disse a ele que  usava assim porque era costume na Alemanha. Ele sorrindo comentou: ‘Na Alemanha? Mas você? Com esse nome mexicano?’

A colocação dele era válida considerando que estávamos no Brasil, e que o nome ‘Juarez’, embora de origem espanhola, tendo como variante ‘Suárez’, é o sobrenome do grande revolucionário mexicano Benito Juarez. E, por conta disso, nomeia diversas cidades mexicanas: Ciudad Juárez, Naucalpan de Juárez,, Acapulco de Juárez, Benito Juarez, Oaxaca de Juárez, Chicoloapan de Juárez, Xicotepec de Juárez, Amecameca de Juárez, e Jiquilpan de Juárez.
Recentemente estava almoçando num restaurante – num desses quiosques  beira mar – e o gerente do local veio me atender.  Muito educado, apresentou-se, e eu lhe disse o meu nome. Ele falava com um carregado sotaque português e usava uma bermuda – muito apropriado, considerando o local e o clima. Notei que ele tinha tatuado na barriga de uma das suas pernas o símbolo do Corinthians – o time de futebol. Quando terminei, ele me acompanhou até a saída. Durante o percurso, perguntei se ele era português, considerando seu sotaque. Ele disse que sim. Então, aproveitei para matar a minha curiosidade, e quis saber porque ele usava aquele símbolo tatuado na perna. Ele sorriu, e disse que em Portugal era torcedor do Benfica e que, quando chegou aqui no Brasil, identificou muito do seu time no espírito corintiano. Já que lhe dei liberdade, ele me perguntou: ‘Por que o senhor, que evidentemente é brasileiro, tem esse nome ‘Juarez’. Não é um nome mexicano/espanhol?

Eu lhe respondi, como passei a fazer recentemente quando questionado sobre a origem do meu nome – hoje pouco usual pois, atualmente, corresponde apenas 1,71% do total de registros; entre 1960-1970, chegou a 29,15% -, que meus pais escolheram esse nome por ser o de um militar e político brasileiro, que eles admiravam na época: Juarez Távora. Ele, de 1922 a 1967, participou de movimentos que influenciaram a vida política nacional.
Não faz muito tempo, procurei conhecer melhor a vida do homem que, além de ter influenciado muita coisa neste país, influenciou também a escolha do meu nome. E, como resultado da minha pesquisa, transcrevo abaixo o que poderia ser considerado um breve relato do seu ativismo, da sua vida. 


***


Juarez Távora




Juarez Fernandes do Nascimento Távora nasce no Ceará, na fazenda do Embargo, entre Aracati e Crato, em 1898. Durante sua vida veio a ser um militar e político  brasileiro. Figura destacada do tenentismo, toma parte, desde 1922, de movimentos que influenciaram a vida política nacional. 
Estuda na Escola Militar do Realengo, no Rio de Janeiro, e torna-se aspirante em 1919. Três anos mais tarde toma parte no levante contra o presidente Epitácio Pessoa. Em 1924 participa do movimento revolucionário paulista contra o presidente Artur Bernardes. Em 1926 integra-se à Coluna Prestes. É preso em combate, e libertado no governo Washington Luís.

Comanda as forças nordestinas que apoiam Getúlio Vargas (1930). Ganha o apelido de ‘Vice-Rei do Norte’. Participa da repressão à Revolução Constitucionalista de 1932.



Juarez Távora, Getúlio Vargas e o então interventor da Bahia, Juracy Magalhães, um ano após a vitória da Revolução de 1930

Durante a Era Vargas, foi ministro da Agricultura de 22 de novembro de 1932 até 24 de julho de 1934. Foi também ministro dos Transportes nos governos de Getúlio Vargas, de 4 a 5 de novembro de 1930.  Juarez e Juracy romperam com Getúlio depois do Golpe de 1937.

Como coronel, na década de 1940, foi adido militar no Chile. Foi comandante da Escola Superior de Guerra, entre 11 de dezembro de 1952 e 20 de agosto de 1954. Em janeiro de 1954 foi eleito vice-presidente do Clube Militar, ao mesmo tempo que apoiava o movimento que exigia a renúncia de Vargas.

Após o suicídio do presidente, assumiu a chefia do Gabinete Militar do governo de Café Filho. Permaneceu nesse posto até abril do ano seguinte, quando foi lançado candidato a presidente da República pela UDN. As eleições realizadas no mês de outubro deram a vitória, no entanto, a Juscelino Kubitscheck, lançado pelo Partido Social Democrático (PSD) e pelo Partido Trabalhista Brasileiro (PTB).


Em 1962 se elegeu deputado federal pelo estado da Guanabara, com 33.361 votos, tornando-se o quinto mais bem votado do estado naquele pleito, fazendo parte da 42.ª legislatura da Câmara dos Deputados, que iniciava em 1963 e expirava em 1967.
Como deputado atuou na oposição ao governo do presidente João Goulart, e apoiou o golpe militar que o afastou da presidência, em março de 1964, embora não tenha participado diretamente das articulações.Candidato à Presidência da República no ano seguinte, 1964, ficou em 2º lugar com 3 votos, perdendo para Castelo Branco (361 votos recebidos) e estando à frente do ex-presidente Eurico Gaspar Dutra (2 votos recebidos).

No Governo Castelo Branco foi ministro dos Transportes, de 15 de abril de 1964 a 15 de março de 1967.Defendia a posição que ficou conhecida como entreguista em relação à exploração de petróleo no Brasil, tendo sido o principal líder dos que se opunham à criação da Petrobras. 

Faleceu em 1975, no Rio de Janeiro.




(JA, Mar18)

Postagens mais visitadas deste blog

Grabovoi - O Poder dos Números

O Método Grabovoi  foi criado pelo cientista russo Grigori Grabovoi, após anos de estudos e pesquisas, sobre números e sua influência no nosso cérebro. Grigori descobriu que os números criam frequências que podem atuar em diversas áreas, desde sobrepeso até falta de concentração, tratamento para doenças, dedicação, e situações como perda de dinheiro. Os números atuam como uma ‘Código de desbloqueio’ dentro do nosso inconsciente, criando frequências vibratórias que atuam diretamente na área afetada e permitindo que o fluxo de informações flua livremente no nosso cérebro. Como funciona? As sequências são formadas por números que reúnem significados. As sequências podem ter  1, 7, 16, ou até 25 algarismos, e quanto mais números, mais específica é a ação da sequência. Os números devem ser lidos separadamente, por exemplo: 345682 Três, quatro, cinco, seis (sempre o número seis, não ‘meia’), oito, dois. Como praticar Você deve escolher uma das sequencias num

Thoth

Deus da lua, juiz dos mortos e deus do conhecimento e da escrita, Thoth (também Toth, ou Tot, cujo nome em egípcio é Djehuty) é um deus egípcio, representado com cabeça de íbis. É o deus do conhecimento, da sabedoria, da escrita, da música e da magia. Filho mais velho do deus do sol Rá, ou em alguns mitos nascido da cabeça de Set, era representado como um homem com a cabeça da ave íbis ou de um babuíno, seus animais sagrados.   Sendo o deus associado com o conhecimento secreto, Thoth ajudou no sepultamento de Osíris criando a primeira múmia. Era também o deus das palavras, da língua e posteriormente os gregos viam este deus egípcio como a fonte de toda a ciência, humana e divina, do Egito. O culto de Thoth situava-se na cidade de Khemenou, também referida pelos gregos como Hermópolis Magna, e agora conhecida pelo nome árabe Al Ashmunin. Inventor da escrita Segundo a tradição, transmitida também por Platão no diálogo Fedro, Thoth inventou a escrita egípc

Por que Jesus dobrou o lenço?

‘E que o lenço, que estivera sobre a cabeça de Jesus, não estava com os panos, mas enrolado num lugar à parte’.(João 20:7) Por que Jesus dobrou o lenço que cobria sua cabeça no sepulcro depois de sua ressurreição? Você já deteve sua atenção a esse detalhe? João 20:7 nos conta que aquele lenço que foi colocado sobre a face de Jesus não foi apenas deixado de lado como os lençóis no túmulo. A Bíblia reserva um versículo inteiro para nos contar que o lenço fora dobrado cuidadosamente e colocado na cabeceira do túmulo de pedra. Bem cedo pela manhã de domingo, Maria Madalena veio à tumba e descobriu que a pedra havia sido removida da entrada. Ela correu e encontrou Simão Pedro e outro discípulo, aquele que Jesus tanto amara. Disse ela: ‘Eles tiraram o corpo do Senhor e eu não sei para onde eles o levaram’. Pedro e o outro discípulo correram ao túmulo para ver. O outro discípulo passou à frente de Pedro e lá primeiro chegou. Ele parou e observou os lençóis lá,