Pular para o conteúdo principal

A Páscoa vem chegando e com isso...



O simpático coelhinho foi incorporado à Páscoa por meio de contos criados no velho continente. Uma das narrativas mais conhecidas do mundo conta que uma mulher pobre escondeu ovos coloridos num ninho para entregá-los aos filhos na manhã da festividade religiosa. Contudo, quando as crianças descobriram o lugar, um grande coelho passou rapidamente e espalhou os presentinhos, dando aos pequenos a ilusão de que o bicho carregava e distribuía os ovos.

Outra versão ganhou força no continente americano com a imigração alemã, no século 18. Para os alemães, à época, era muito comum esconder ovos de galinha pintados à mão em grandes quintais para as crianças os encontrarem. Agitados com a movimentação dos pequenos, os coelhos que ali viviam saltavam de suas tocas. Com o tempo, os adultos uniram os ovos e os coelhos numa história, dizendo aos filhos que os animais tinham trazido os presentes de Páscoa.

Muito mais que um alegre carregador de ovos, para a religião cristã o coelho se tornou símbolo da ressurreição. No hemisfério Norte, ele hiberna dentro de sua toca durante o inverno e desaparece das vistas. No fim da estação, portanto no período da Páscoa, o coelho é o primeiro animal a sair do abrigo.

Já nos países do hemisfério Sul, como o Brasil, por não haver a hibernação, a explicação esbarra na rápida reprodução, tornando-se um símbolo de fertilidade, fielmente ligado com a tradição religiosa. O Luteranismo acentuou mais a tradição do coelho da Páscoa, enquanto a tradição católica usou o símbolo do ovo..

Não é difícil perceber isso na prática. Imagine, por exemplo, a cara de seu companheiro (a) chegando com um ovo de presente para você e recebendo, em troca, um sacão cheio de barras de chocolate. Boas chances de a reação dele ou dela não ser das melhores quando você disser:

 – Oi, amor, feliz Páscoa! Economizei uma baita grana e ainda consegui mais chocolate para você!

Por falar em ‘baita grana’, por que os ovos são tão mais caros do que a simples caixa de bombons de chocolate?

Ok, mas isso ainda não encerra a questão. Por que, então, a competição entre produtores de ovos não faz com que o preço diminua?

Você pode argumentar: há poucas empresas de chocolate no mercado e, dessa maneira, não temos muita competição. Mas, convenhamos, a tecnologia de produzir chocolates não é tão complicada assim. Outros produtores poderiam invadir o mercado em busca de lucros, o que acirraria a competição e reduziria os preços. E não é isso o que observamos.

Possível explicação: as pessoas não querem arriscar, preferem comprar uma marca na qual confiam. Como sabemos, é uma circunstância especial em que se presenteia uma pessoa querida. Você poderia até optar por uma nova marca que acabou de entrar no mercado. Mas e se o chocolate for ruim? As marcas tradicionais, que povoam comerciais, todo mundo mais ou menos já conhece o sabor.

Lembre-se: o presente não é para você, é para outra pessoa. Isso faz toda a diferença na hora de fazer uma compra.

Há outro ponto a ser analisado, mais relacionado aos ovos de páscoa comprados para a criançada. Pequenos e pequenas estão mais interessados no personagem que é tema do ovo e nos brinquedos que vêm junto. Para muitos deles, o chocolate em si pouco importa.

Vá lá, para fazer um ovo, ‘basta’ derreter o chocolate, colocar numa forma, esperar esfriar e embrulhar num papel bonito. Será que nos dias de hoje, nos daríamos a este trabalho?



Texto:  Thomaz Caspary



(JA, Mar18)

Postagens mais visitadas deste blog

Grabovoi - O Poder dos Números

O Método Grabovoi  foi criado pelo cientista russo Grigori Grabovoi, após anos de estudos e pesquisas, sobre números e sua influência no nosso cérebro. Grigori descobriu que os números criam frequências que podem atuar em diversas áreas, desde sobrepeso até falta de concentração, tratamento para doenças, dedicação, e situações como perda de dinheiro. Os números atuam como uma ‘Código de desbloqueio’ dentro do nosso inconsciente, criando frequências vibratórias que atuam diretamente na área afetada e permitindo que o fluxo de informações flua livremente no nosso cérebro. Como funciona? As sequências são formadas por números que reúnem significados. As sequências podem ter  1, 7, 16, ou até 25 algarismos, e quanto mais números, mais específica é a ação da sequência. Os números devem ser lidos separadamente, por exemplo: 345682 Três, quatro, cinco, seis (sempre o número seis, não ‘meia’), oito, dois. Como praticar Você deve escolher uma das sequencias num

Thoth

Deus da lua, juiz dos mortos e deus do conhecimento e da escrita, Thoth (também Toth, ou Tot, cujo nome em egípcio é Djehuty) é um deus egípcio, representado com cabeça de íbis. É o deus do conhecimento, da sabedoria, da escrita, da música e da magia. Filho mais velho do deus do sol Rá, ou em alguns mitos nascido da cabeça de Set, era representado como um homem com a cabeça da ave íbis ou de um babuíno, seus animais sagrados.   Sendo o deus associado com o conhecimento secreto, Thoth ajudou no sepultamento de Osíris criando a primeira múmia. Era também o deus das palavras, da língua e posteriormente os gregos viam este deus egípcio como a fonte de toda a ciência, humana e divina, do Egito. O culto de Thoth situava-se na cidade de Khemenou, também referida pelos gregos como Hermópolis Magna, e agora conhecida pelo nome árabe Al Ashmunin. Inventor da escrita Segundo a tradição, transmitida também por Platão no diálogo Fedro, Thoth inventou a escrita egípc

Por que Jesus dobrou o lenço?

‘E que o lenço, que estivera sobre a cabeça de Jesus, não estava com os panos, mas enrolado num lugar à parte’.(João 20:7) Por que Jesus dobrou o lenço que cobria sua cabeça no sepulcro depois de sua ressurreição? Você já deteve sua atenção a esse detalhe? João 20:7 nos conta que aquele lenço que foi colocado sobre a face de Jesus não foi apenas deixado de lado como os lençóis no túmulo. A Bíblia reserva um versículo inteiro para nos contar que o lenço fora dobrado cuidadosamente e colocado na cabeceira do túmulo de pedra. Bem cedo pela manhã de domingo, Maria Madalena veio à tumba e descobriu que a pedra havia sido removida da entrada. Ela correu e encontrou Simão Pedro e outro discípulo, aquele que Jesus tanto amara. Disse ela: ‘Eles tiraram o corpo do Senhor e eu não sei para onde eles o levaram’. Pedro e o outro discípulo correram ao túmulo para ver. O outro discípulo passou à frente de Pedro e lá primeiro chegou. Ele parou e observou os lençóis lá,