Pular para o conteúdo principal

Para seu trabalho ser notado




Em 2007, Steve Martin esteve no show de Charlie Rose .
Para aqueles que não sabem, Martin começou como um comediante e, mais tarde, fez uma carreira abrangendo televisão, filmes, música e até mesmo escrever.  Ele é conhecido por seu estilo casual e excêntrico.
Ele recentemente lançou ‘Born Standing Up’ , um livro de memórias muito pessoal, e a conversa com Rose centrou-se em como Martin acabou por estar pela primeira vez em um palco, os relacionamentos em sua vida, e o resto de sua carreira.
A entrevista é tocante e engraçada, mas talvez seja mais fascinante quando Rose pede a Martin para explicar o seguinte:
‘Alguém já se levantou na audiência e perguntou-lhe como se tornar bem sucedido, e você disse que temos que ser inegavelmente bom em algo’.
Martin olha para ele por um segundo, acena um pouco, e depois compartilha:
‘Bem, as pessoas sempre me perguntam como você faz isso no show business, ou o que quer que seja. O que sempre digo a eles, o que venho dizendo já há muitos anos, mas que ninguém nunca toma nota, porque não é a resposta que queriam ouvir. O que eles querem ouvir é: 'Veja como você obtém um agente, aqui está como você deve escrever um script... Mas sempre digo: Seja tão bom que não poderão ignorá-lo'.
Simples e um pouco óbvio, mas também muito profundo.
Você não pode criticar esse conselho. De fato, Cal Newport escreveu um livro exatamente sobre esse tópico, argumentando que desenvolver habilidades e se otimizar para ser bom em algo, é um caminho de carreira muito melhor do que esperar reconhecimento por aquilo que você faz normalmente.
Dito isto, acho que isso pode ser complementado.
As Limitações do Bom
O mundo em que vivemos hoje é fortemente ditado pela economia da atenção.
Há muito mais estímulos em nosso meio ambiente do que em qualquer ponto da história. Nossos sentidos são constantemente bombardeados por chamadas, ruídos, tentando atrair nossa atenção.
Isto é particularmente importante na internet, onde a quantidade de informações e dados produzidos continua a crescer exponencialmente. Mas, a realidade digital está longe de ser o único lugar onde isso é verdade.
Pense nos edifícios, propagandas e atrações das médias e grandes cidades do mundo, e compare isso como deve ter sido há 50, a 100 anos. É bem provável que  você nem as reconhecesse.
Como resultado de com tanta concorrência pela nossa atenção, é que o engajamento dedicado é um prêmio. Na verdade, para muitas empresas, nossa atenção é a métrica mais valiosa para avaliar esse engajamento, e esse fato estimulou um ciclo com ainda mais ruído.
Embora seja verdade que o mercado recompensa o que é bom e valioso, ao longo do tempo, com o aumento do ruído, esse período de tempo está ficando cada vez mais longo.
Nas palavras do lendário economista John Maynard Keynes,
‘Os mercados podem permanecer irracionais, muito mais do que você e eu podemos permanecer solventes’.
De uma maneira mais ampla, ser bom sozinho não é suficiente. Vivemos em um mundo onde ser capaz de sinalizar a competência é quase tão importante como ser de fato.
Comercializar-se de alguma forma é uma necessidade.
O Poder do Interessante
Os melhores comerciantes do mundo, não se dizem comerciantes.
Eles lhe contam uma história, envolvem você com entusiasmo genuíno e,  principalmente, tratam você como o ser humano que você é, em vez de um número.
Porém, isso vai além Fazer essas coisas o levará longe, mas mesmo assim, em um mundo ruidoso, há uma qualidade particular que recompensa mais algumas pessoas do que outras. É por isso que todos devem procurar capitalizar suas competências.
Com certeza, táticas e hacks muitas vezes funcionam para que alguém possa prestar atenção a você, mas construir confiança a longo prazo, em sua competência, demanda mais do que isso. É preciso despertar um certo grau de interesse.
O termo interessante é bastante amplo, mas essa é exatamente a sua força neste caso.
Para obter a atenção que você merece não só precisa ser ‘tão bom’ que não possa ser ignorado. Mas, precisa ser também tão ‘interessante’ que não possa ser ignorado.
Interessante é o que faz você parar e olhar duas vezes. Interessante é o que o inspira a cavar mais fundo. Interessante é como você se destaca no barulho do entorno.
Depois de capturar o interesse, sua competência pode fazer o trabalho para você.
A beleza de usar esse termo é que ele descreve uma saída que sempre recebe uma resposta, mas pode ser realizada através de uma infinidade de entradas.
Você não precisa saber as profundezas de cada hack de marketing no livro, nem está limitado às circunstâncias. Tudo o que você precisa fazer é otimizar o que está vendendo, despertando curiosidade, seja por você mesmo, ou pelo produto.
Na maioria das vezes, isso é feito capitalizando o que o torna único.
O mundo fica fácil
O que falamos é relevante para as carreiras. Entretanto, tem uma abrangência muito mais ampla do que isso, se afrouxarmos um pouco nossas definições.
A maioria das pessoas tem uma visão muito limitada de marketing porque, muitas vezes, foram forçados ou enganados, tiveram seu tempo roubado.
Quando você realmente definir marketing, descobrirá que é consiste apenas, através da psicologia, em conseguir que alguém lhe dê um momento de atenção. Nada mais, nada menos.
Quando você está fazendo uma apresentação, no trabalho ou na escola, você está fazendo o marketing.
Quando você está em um bar, com a esperança de fazer contato visual, você está fazendo o marketing.
Quando você está contando a alguém uma história pessoal, você está fazendo o marketing.
Em cada um desses casos, você está lutando não só pelo tempo de alguém, mas também pela atenção, com a esperança e a possibilidade de algo mais.
A única maneira de conseguir que eles lhe deem algo mais, no entanto - seja seu dinheiro, sua empresa ou sua empatia - é fazer algo que os faça dar uma segunda olhada. Algo que os faça parar.
O quão bom você é em algo, nem sempre é visível no primeiro olhar. Para que alguém dedique o tempo necessário para que possam perceber sua competência, você deve adicionar um pouco de intriga.

  Seja tão interessante, de tal forma  que não possa ser ignorado.

Texto: Zat Rana   |   Medium


(JA, Jan18)

Postagens mais visitadas deste blog

Grabovoi - O Poder dos Números

O Método Grabovoi  foi criado pelo cientista russo Grigori Grabovoi, após anos de estudos e pesquisas, sobre números e sua influência no nosso cérebro. Grigori descobriu que os números criam frequências que podem atuar em diversas áreas, desde sobrepeso até falta de concentração, tratamento para doenças, dedicação, e situações como perda de dinheiro. Os números atuam como uma ‘Código de desbloqueio’ dentro do nosso inconsciente, criando frequências vibratórias que atuam diretamente na área afetada e permitindo que o fluxo de informações flua livremente no nosso cérebro. Como funciona? As sequências são formadas por números que reúnem significados. As sequências podem ter  1, 7, 16, ou até 25 algarismos, e quanto mais números, mais específica é a ação da sequência. Os números devem ser lidos separadamente, por exemplo: 345682 Três, quatro, cinco, seis (sempre o número seis, não ‘meia’), oito, dois. Como praticar Você deve escolher uma das sequencias num

Thoth

Deus da lua, juiz dos mortos e deus do conhecimento e da escrita, Thoth (também Toth, ou Tot, cujo nome em egípcio é Djehuty) é um deus egípcio, representado com cabeça de íbis. É o deus do conhecimento, da sabedoria, da escrita, da música e da magia. Filho mais velho do deus do sol Rá, ou em alguns mitos nascido da cabeça de Set, era representado como um homem com a cabeça da ave íbis ou de um babuíno, seus animais sagrados.   Sendo o deus associado com o conhecimento secreto, Thoth ajudou no sepultamento de Osíris criando a primeira múmia. Era também o deus das palavras, da língua e posteriormente os gregos viam este deus egípcio como a fonte de toda a ciência, humana e divina, do Egito. O culto de Thoth situava-se na cidade de Khemenou, também referida pelos gregos como Hermópolis Magna, e agora conhecida pelo nome árabe Al Ashmunin. Inventor da escrita Segundo a tradição, transmitida também por Platão no diálogo Fedro, Thoth inventou a escrita egípc

Por que Jesus dobrou o lenço?

‘E que o lenço, que estivera sobre a cabeça de Jesus, não estava com os panos, mas enrolado num lugar à parte’.(João 20:7) Por que Jesus dobrou o lenço que cobria sua cabeça no sepulcro depois de sua ressurreição? Você já deteve sua atenção a esse detalhe? João 20:7 nos conta que aquele lenço que foi colocado sobre a face de Jesus não foi apenas deixado de lado como os lençóis no túmulo. A Bíblia reserva um versículo inteiro para nos contar que o lenço fora dobrado cuidadosamente e colocado na cabeceira do túmulo de pedra. Bem cedo pela manhã de domingo, Maria Madalena veio à tumba e descobriu que a pedra havia sido removida da entrada. Ela correu e encontrou Simão Pedro e outro discípulo, aquele que Jesus tanto amara. Disse ela: ‘Eles tiraram o corpo do Senhor e eu não sei para onde eles o levaram’. Pedro e o outro discípulo correram ao túmulo para ver. O outro discípulo passou à frente de Pedro e lá primeiro chegou. Ele parou e observou os lençóis lá,