Pular para o conteúdo principal

Momentos Passados


Viajamos para o Rio de Janeiro num grupo de 5 colegas por ocasião do encerramento do nosso Ensino Médio – todos cursamos a mesma classe, por três anos, do Colégio Alexandre de Gusmão, no bairro do Ipiranga, em São Paulo. Conseguimos autorização para pernoitar no Rio, por uns dias, no Colégio Santo Ignácio, administrado pelos mesmo padres jesuítas do Colégio São Luiz, aqui de São Paulo, e do Anchieta, de Nova Friburgo, meus conhecidos.
Ao chegar no Colégio, um grupo de alunos do Santo Ignácio, que sabia da nossa vinda, já estava nos esperando para jogar futebol no campo do Colégio, que, naquela época, estranhamente,  tinha uma árvore plantada bem no meio. Deram azar – nosso grupo vinha jogando futebol de salão já há alguns anos, todos os sábados, na casa de um dos nossos colegas, o Renato Paraventi, que ficava no bairro Paraíso. Quem está acostumado a jogar futebol de salão, que demanda um jogo rápido, quase sem espaço, quando joga num campo maior leva vantagem – parece que tudo fica mais fácil.  E foi o que aconteceu – ganhamos de lavada.  
Ao término do jogo, nos socializamos com eles. Perguntamos o que tinha de bom para se fazer na cidade. Um deles deu um palpite, mas logo interrompeu e disse : ‘Lá é legal, mas é muito caro’. O Ignaldo, nosso companheiro, muito metido disse: ‘Nós perguntamos o que tinha de bom, não qual é o preço!’ Pronto, confirmou a fama de superior, de esnobe, que os paulistas tinham no Rio, naquela época. Fim da socialização.
Saímos um dia para passear, e conhecemos, no transporte público, duas moças. Elas nos convidaram para ir a um show do Cauby Peixoto que seria apresentado no auditório de da rede Globo TV local.  Fomos no horário informado, e, como elas haviam dito, eram dançarinas do corpo de baile do programa.  Mais tarde, conversando, elas nos convidaram para, à noite, ir tomar café no apartamento delas.
Saímos dali e começou a discussão entre os 5 para definir quem iria no apartamento – afinal elas eram duas. Este, afirmou que teria direito porque puxou conversa com as moças, aquele porque foi ele que deu a ideia,... Enfim, não chegamos a nenhum acordo e fomos todos os 5. 
Lá chegando, tocamos a campainha. Um garoto abriu a porta e, de lá de dentro, ouvimos a voz de um homem, perguntando quem era.  Mais tarde viemos a saber que a ‘moça’ mais velha era a mãe da mais nova, que o garoto era seu filho também, e que o homem era seu marido. O convite era para tomar café mesmo. Cariocas sendo simpáticas com uns paulistas meio perdidos... Ignaldo disse que naquele dia conseguiu o telefone da mais nova, e que, depois, combinaram um encontro, e que saíram.  Mas, ninguém acredita, até hoje.

Imagem: Eu e meu amigo Ignaldo Loureiro Filho, Rio de Janeiro, Corcovado, 1963.


(JA, Jan18)


Postagens mais visitadas deste blog

Grabovoi - O Poder dos Números

O Método Grabovoi  foi criado pelo cientista russo Grigori Grabovoi, após anos de estudos e pesquisas, sobre números e sua influência no nosso cérebro. Grigori descobriu que os números criam frequências que podem atuar em diversas áreas, desde sobrepeso até falta de concentração, tratamento para doenças, dedicação, e situações como perda de dinheiro. Os números atuam como uma ‘Código de desbloqueio’ dentro do nosso inconsciente, criando frequências vibratórias que atuam diretamente na área afetada e permitindo que o fluxo de informações flua livremente no nosso cérebro. Como funciona? As sequências são formadas por números que reúnem significados. As sequências podem ter  1, 7, 16, ou até 25 algarismos, e quanto mais números, mais específica é a ação da sequência. Os números devem ser lidos separadamente, por exemplo: 345682 Três, quatro, cinco, seis (sempre o número seis, não ‘meia’), oito, dois. Como praticar Você deve escolher uma das sequencias num

Thoth

Deus da lua, juiz dos mortos e deus do conhecimento e da escrita, Thoth (também Toth, ou Tot, cujo nome em egípcio é Djehuty) é um deus egípcio, representado com cabeça de íbis. É o deus do conhecimento, da sabedoria, da escrita, da música e da magia. Filho mais velho do deus do sol Rá, ou em alguns mitos nascido da cabeça de Set, era representado como um homem com a cabeça da ave íbis ou de um babuíno, seus animais sagrados.   Sendo o deus associado com o conhecimento secreto, Thoth ajudou no sepultamento de Osíris criando a primeira múmia. Era também o deus das palavras, da língua e posteriormente os gregos viam este deus egípcio como a fonte de toda a ciência, humana e divina, do Egito. O culto de Thoth situava-se na cidade de Khemenou, também referida pelos gregos como Hermópolis Magna, e agora conhecida pelo nome árabe Al Ashmunin. Inventor da escrita Segundo a tradição, transmitida também por Platão no diálogo Fedro, Thoth inventou a escrita egípc

Por que Jesus dobrou o lenço?

‘E que o lenço, que estivera sobre a cabeça de Jesus, não estava com os panos, mas enrolado num lugar à parte’.(João 20:7) Por que Jesus dobrou o lenço que cobria sua cabeça no sepulcro depois de sua ressurreição? Você já deteve sua atenção a esse detalhe? João 20:7 nos conta que aquele lenço que foi colocado sobre a face de Jesus não foi apenas deixado de lado como os lençóis no túmulo. A Bíblia reserva um versículo inteiro para nos contar que o lenço fora dobrado cuidadosamente e colocado na cabeceira do túmulo de pedra. Bem cedo pela manhã de domingo, Maria Madalena veio à tumba e descobriu que a pedra havia sido removida da entrada. Ela correu e encontrou Simão Pedro e outro discípulo, aquele que Jesus tanto amara. Disse ela: ‘Eles tiraram o corpo do Senhor e eu não sei para onde eles o levaram’. Pedro e o outro discípulo correram ao túmulo para ver. O outro discípulo passou à frente de Pedro e lá primeiro chegou. Ele parou e observou os lençóis lá,