Pular para o conteúdo principal

África Ensina



A propósito do comentário feito por Donald Trump lamentando que os Estados Unidos estivessem atraindo imigrantes de ‘shithole countries’ -países de merda, como o Haiti  e nações africanas, quando seria preferível receber noruegueses. Não consigo imaginar o que levaria um norueguês, nos dias de hoje, a querer emigrar para a terra do Tio Sam. 

Quanto à África, Botsuana, país africano de apenas 2 milhões de habitantes, dá ao mundo lições de diplomacia. Diante da recente grosseria de Mr. Trump, seu governo não se calou, como os de outros países, mas tampouco se pôs a vociferar: simplesmente solicitou ao embaixador americano que esclarecesse se os Estados Unidos consideram seu país um ‘shithole’. Bem que o homem do Tweeter poderia aprender relações internacionais com eles.
Em vários aspectos, aliás, os Estados Unidos -e, é claro, também o Brasil- teriam o que aprender com a experiência de países africanos. Em sua última coluna no New York Times, Nicholas Kristoff dá  exemplos:
 ➤    Em Serra Leoa, um programa de governo lançado em 2010 garante cuidados gratuitos de saúde para crianças abaixo de cinco anos, bem como para grávidas e lactantes, incluindo cuidados pré-natais e partos.
➤     Em Ruanda, praticamente todas a meninas e adolescentes são vacinadas contra o HPV, e se espera que o câncer cervical esteja erradicado até 2020.
➤    Na Nigéria, 93% das casas recebem sal iodizado, de modo a prevenir o hipertireoidismo -nos Estados Unidos, é pouco mais da metade.
➤    Nos países ao sul do Saara, a proporção do aleitamento materno nos seis primeiros                  meses de vida é de 42% -(praticamente igual à brasileira, enquanto nos Estados Unidos          fica em  apenas 20%. Em Ruanda, atinge impressionantes 87%.
 ➤ Não são raros os africanos poliglotas. No Quênia, por exemplo, são muitos os que                   transitam    em três línguas: além do idioma tribal, falam o suaíli -muito comum no leste       da África- e o inglês. Os Estados Unidos, como o Brasil, estão cheios de monoglotas.
Em contraste com outras partes do mundo, o Uganda aceitou mais de um milhão de refugiados do Sudão. E o Níger, país pequeno, acolheu 165 mil refugiados da Nigéria que haviam sido vítimas dos ataques do Boko Haram.
Como qualquer parte do mundo, a África tem seus problemas. Mas há muita gente batalhando para lidar com eles.
Enquanto sonham com seus noruegueses, Mr. Trump e sua gente não enxergam as reais contribuição dos imigrantes vindos de países pobres. E nem gestos heroicos, como o de Emmanuel Mensah, jovem soldado nascido em Gana. Num incêndio ocorrido no Bronx, Nova York, no final de dezembro, ele entrou quatro vezes no prédio em chamas para retirar pessoas que estavam lá dentro. Na quarta, não conseguiu sair e foi uma das doze vítimas fatais do incêndio.

Botsuana

Botsuana decuplicou o PIB nas últimas quatro décadas. Sua renda per capita, em medida que compara os poderes de compra, ultrapassou a brasileira em 2014 e não vai parar tão cedo de abrir distância.

A pequena nação mediterrânea do sul da África, com 2 milhões de habitantes, pratica versões dos regimes abertos e competitivos na política e na economia em modo estável há 50 anos. O baixo nível da corrupção percebida indica boa adesão ao primado da lei.


Texto:  A.C. Bôa Nova   |   AMDG


(JA, Jan18)

Postagens mais visitadas deste blog

Grabovoi - O Poder dos Números

O Método Grabovoi  foi criado pelo cientista russo Grigori Grabovoi, após anos de estudos e pesquisas, sobre números e sua influência no nosso cérebro. Grigori descobriu que os números criam frequências que podem atuar em diversas áreas, desde sobrepeso até falta de concentração, tratamento para doenças, dedicação, e situações como perda de dinheiro. Os números atuam como uma ‘Código de desbloqueio’ dentro do nosso inconsciente, criando frequências vibratórias que atuam diretamente na área afetada e permitindo que o fluxo de informações flua livremente no nosso cérebro. Como funciona? As sequências são formadas por números que reúnem significados. As sequências podem ter  1, 7, 16, ou até 25 algarismos, e quanto mais números, mais específica é a ação da sequência. Os números devem ser lidos separadamente, por exemplo: 345682 Três, quatro, cinco, seis (sempre o número seis, não ‘meia’), oito, dois. Como praticar Você deve escolher uma das sequencias num

Thoth

Deus da lua, juiz dos mortos e deus do conhecimento e da escrita, Thoth (também Toth, ou Tot, cujo nome em egípcio é Djehuty) é um deus egípcio, representado com cabeça de íbis. É o deus do conhecimento, da sabedoria, da escrita, da música e da magia. Filho mais velho do deus do sol Rá, ou em alguns mitos nascido da cabeça de Set, era representado como um homem com a cabeça da ave íbis ou de um babuíno, seus animais sagrados.   Sendo o deus associado com o conhecimento secreto, Thoth ajudou no sepultamento de Osíris criando a primeira múmia. Era também o deus das palavras, da língua e posteriormente os gregos viam este deus egípcio como a fonte de toda a ciência, humana e divina, do Egito. O culto de Thoth situava-se na cidade de Khemenou, também referida pelos gregos como Hermópolis Magna, e agora conhecida pelo nome árabe Al Ashmunin. Inventor da escrita Segundo a tradição, transmitida também por Platão no diálogo Fedro, Thoth inventou a escrita egípc

Por que Jesus dobrou o lenço?

‘E que o lenço, que estivera sobre a cabeça de Jesus, não estava com os panos, mas enrolado num lugar à parte’.(João 20:7) Por que Jesus dobrou o lenço que cobria sua cabeça no sepulcro depois de sua ressurreição? Você já deteve sua atenção a esse detalhe? João 20:7 nos conta que aquele lenço que foi colocado sobre a face de Jesus não foi apenas deixado de lado como os lençóis no túmulo. A Bíblia reserva um versículo inteiro para nos contar que o lenço fora dobrado cuidadosamente e colocado na cabeceira do túmulo de pedra. Bem cedo pela manhã de domingo, Maria Madalena veio à tumba e descobriu que a pedra havia sido removida da entrada. Ela correu e encontrou Simão Pedro e outro discípulo, aquele que Jesus tanto amara. Disse ela: ‘Eles tiraram o corpo do Senhor e eu não sei para onde eles o levaram’. Pedro e o outro discípulo correram ao túmulo para ver. O outro discípulo passou à frente de Pedro e lá primeiro chegou. Ele parou e observou os lençóis lá,