Pular para o conteúdo principal

Saudade Comum



Eles se conheceram durante um curso de especialização profissional. Naqueles poucos dias, se aproximaram, descobriram afinidades, começaram a se falar, a se encontrar fora do ambiente do curso, e se apaixonaram.

O sentimento que cada um tinha pelo outro era algo muito diferente de tudo que já haviam sentido até então, em termos de qualidade e de intensidade. Ambos não eram mais tão jovens. Tinham em torno de 35 anos, haviam sido casados, tinham filhos, enfim cada um tinha uma história de vida quase completa.
Inicialmente, a paixão deles era tão intensa que não conseguiam deixar de um pensar no outro, estivessem onde estivessem.  Imaginavam como seria se o outro estivesse ali ao seu lado, qual seria sua reação, o que diria, o seu olhar, o seu sorriso... Eles se completavam, supriam as carências e potencializavam as qualidades, talentos, um do outro.
Seus programas eram quase iguais aos da maioria dos namorados. Por exemplo:
“Eles ainda estavam bem no início do namoro. Ela foi passar o fim de semana na casa de uns amigos numa cidade litorânea próxima. Ele pensou em visitá-la, conversaram, e  ela concordou.  Pela manhã encontrou o grupo na praia. Ela o apresentou para seus amigos dizendo: ‘- Este é o meu homem!’ Meio inusitado e, mesmo sendo explicável pela falta de completo domínio do idioma português e dos costumes coloquiais do país, por parte dela. Ess fala o surpreendeu, o deixou super orgulhoso. Afinal, quem havia dito isso era uma mulher extremamente bonita e articulada. Ficou registrado.”
"Num sábado pela manhã, ele a convidou para fazer um passeio. Encontraram-se, e sem qualquer planejamento prévio, ou portando roupas adequadas, pegaram a estrada e seguiram rumo ao litoral. Cerca de uma hora e meia depois, chegaram a uma pequena cidade, e se instalaram num hotelzinho ‘pé na areia’. Tomaram um lanche, andaram pela praia com as calças arregaçadas para não molhar. Mais tarde, almoçaram frutos do mar - típicos da região,  e descansaram. À noitinha, voltaram. Foi um dia lindo e marcante na vida deles: pelo inusitado e pelos momentos prazerosos que puderam desfrutar juntos.”
Viveram em casas separadas  por quase um ano e, no final desse primeiro ano passaram a viver juntos. Ele se instalou no apartamento dela, enquanto providenciava um outro, mais adequado.  Foi então, que num determinado dia, Alex descobriu que  Berthe não havia lhe contado todas as coisas importantes da sua vida passada. Aquilo o surpreendeu, magoou. Primeiro porque, inicialmente, ele lhe havia pedido que ela lhe contasse tudo do que julgasse importante ele saber. E, em segundo, porque o que ele ficou sabendo, tinha a ver com um relacionamento anterior dela. Isso não teria pesado tanto, não fosse o fato da pessoa envolvida ser alguém com a qual ele se relacionava até então, social e profissionalmente. O fato de o seu conhecido saber mais do que ele, num assunto tão pessoal, íntimo, o incomodou muito. 
Refletindo, chegou à conclusão que aquilo havia acontecido, seria possível acontecer outras vezes, pois, embora ela tivesse se desculpado, não havia dado tanta importância ao assunto quanto ele - talvez por uma questão cultural, costumes diferentes, sabe-se lá. E, pensando assim, conhecendo-se como se conhecia, concluiu que a vida em comum com ela seria inviável. Perdera a confiança e, daí para frente, sempre teria dúvida quanto ao seu comportamento, à sua sinceridade. Resolveu abortar o projeto de uma nova residência comum.  
Mais tarde, conversaram sobre, e concluíram que, diante de como ele se sentia, principalmente, a separação seria a melhor opção.  Ela, que há anos estava postergando o retorno ao seu país de origem, resolveu que agora seria o momento ideal.
No dia da partida dela, ele foi levá-la ao Aeroporto. Despediram-se e, no portão de embarque, ela o fez prometer que não iria esquecê-la, que iria manter contato,... Pediu que, quando ele fosse embora, não olhasse para trás, para ela. E foi o que ele fez.
Alex voltou para o apartamento que habitavam, que ele havia ficado de devolver para o locatário, e reparou que ela havia deixado algumas peças de roupa jogadas ao lado da cama. Ele as pegou na mão, e sentiu aquele seu perfume caraterístico, especial. Despediu-se das roupas da mesma forma como se despediu dela, e partiu. Partiu para sua nova vida.
Não se sentia revoltado; sentia-se lesado por tido que abrir mão de algo que considerava tão precioso. Ela lhe faria muita falta. Embora tivesse consciência que havia feito o que deveria, não se sentia tranquilo.
Decidiu que, a partir de então, revisitaria todos os lugares em que esteve com ela enquanto estiveram juntos: restaurantes, bares, hotéis, viagens, amigos comuns, ... Fez uma programação e foi a esses lugares e, em cada um, sentiu fortemente a presença dela. Relembrava os momentos em que estiveram ali, e, ao final, se despedia, como se colocasse aqueles momentos passados numa caixa de recordações. Fez isso durante meses. Foi trabalhoso, penoso, mas serviu como que para exorcizá-la da sua vida, libertá-lo.
A partir daí, mais tranquilo, seguiu reconstruindo sua vida.
Ocasionalmente se falaram por telefone, ou através de mensagens escritas.  Nesses contatos ficava evidente a falta que um fazia para o outro, uma saudade comum, uma tristeza assumida parte a parte.
Com o passar do tempo esses contatos foram rareando, até cessarem completamente.
Hoje, passados tantos anos, eles, embora ausentes, distantes, ainda se sentem unidos. Eventualmente ainda se reencontram mentalmente, independentemente do tempo e do espaço.


(JA, Out15)

Postagens mais visitadas deste blog

Grabovoi - O Poder dos Números

O Método Grabovoi  foi criado pelo cientista russo Grigori Grabovoi, após anos de estudos e pesquisas, sobre números e sua influência no nosso cérebro. Grigori descobriu que os números criam frequências que podem atuar em diversas áreas, desde sobrepeso até falta de concentração, tratamento para doenças, dedicação, e situações como perda de dinheiro. Os números atuam como uma ‘Código de desbloqueio’ dentro do nosso inconsciente, criando frequências vibratórias que atuam diretamente na área afetada e permitindo que o fluxo de informações flua livremente no nosso cérebro. Como funciona? As sequências são formadas por números que reúnem significados. As sequências podem ter  1, 7, 16, ou até 25 algarismos, e quanto mais números, mais específica é a ação da sequência. Os números devem ser lidos separadamente, por exemplo: 345682 Três, quatro, cinco, seis (sempre o número seis, não ‘meia’), oito, dois. Como praticar Você deve escolher uma das sequencias num

Thoth

Deus da lua, juiz dos mortos e deus do conhecimento e da escrita, Thoth (também Toth, ou Tot, cujo nome em egípcio é Djehuty) é um deus egípcio, representado com cabeça de íbis. É o deus do conhecimento, da sabedoria, da escrita, da música e da magia. Filho mais velho do deus do sol Rá, ou em alguns mitos nascido da cabeça de Set, era representado como um homem com a cabeça da ave íbis ou de um babuíno, seus animais sagrados.   Sendo o deus associado com o conhecimento secreto, Thoth ajudou no sepultamento de Osíris criando a primeira múmia. Era também o deus das palavras, da língua e posteriormente os gregos viam este deus egípcio como a fonte de toda a ciência, humana e divina, do Egito. O culto de Thoth situava-se na cidade de Khemenou, também referida pelos gregos como Hermópolis Magna, e agora conhecida pelo nome árabe Al Ashmunin. Inventor da escrita Segundo a tradição, transmitida também por Platão no diálogo Fedro, Thoth inventou a escrita egípc

Por que Jesus dobrou o lenço?

‘E que o lenço, que estivera sobre a cabeça de Jesus, não estava com os panos, mas enrolado num lugar à parte’.(João 20:7) Por que Jesus dobrou o lenço que cobria sua cabeça no sepulcro depois de sua ressurreição? Você já deteve sua atenção a esse detalhe? João 20:7 nos conta que aquele lenço que foi colocado sobre a face de Jesus não foi apenas deixado de lado como os lençóis no túmulo. A Bíblia reserva um versículo inteiro para nos contar que o lenço fora dobrado cuidadosamente e colocado na cabeceira do túmulo de pedra. Bem cedo pela manhã de domingo, Maria Madalena veio à tumba e descobriu que a pedra havia sido removida da entrada. Ela correu e encontrou Simão Pedro e outro discípulo, aquele que Jesus tanto amara. Disse ela: ‘Eles tiraram o corpo do Senhor e eu não sei para onde eles o levaram’. Pedro e o outro discípulo correram ao túmulo para ver. O outro discípulo passou à frente de Pedro e lá primeiro chegou. Ele parou e observou os lençóis lá,