Pular para o conteúdo principal

Fila do Ser


Luisa nasceu num lar  de pessoas simples, mas de boa formação, trabalhadores - como também foram seus demais ascendentes, imigrantes.  Seus pais sempre a incentivaram a estudar: ‘O estudo é a única forma de superação para pessoas como nós’, era uma fala recorrente.
Ocasionalmente, Luisa ficou doente. Foi diagnosticada como tendo apendicite. Teve que ser internada e ser submetida a uma cirurgia corretiva. Correu tudo bem, e, depois de alguns dias, teve alta do hospital e logo se recuperou. Entretanto, aqueles dias em que esteve no hospital foram decisivos para o seu futuro. Lá ela teve oportunidade de conversar bastante com o médico que a tratou, com as enfermeiras, e com os demais funcionários com os quais teve contato. Ficou fascinada com aquele ambiente de trabalho, com a proposta e dedicação profissional daquelas pessoas. 
Tudo aquilo acabou por influenciá-la na escolha de sua futura profissão. Decidiu então que seria médica, e passou a dedicar todos seus esforços nesse sentido. 
E foi assim que aconteceu. Hoje Luisa é uma médica, teve papel significativo na vida de inúmeros pacientes, alunos, e na sua comunidade.
Seus filhos foram criados num ambiente familiar grandemente influenciado pelos conhecimentos e experiência que Luisa veio acumulando no decorrer dos anos, e pela energia gerada pelas suas atitudes.
Assim, seus filhos, seus pacientes, seus alunos, cada qual acabava por levar alguma coisa do que ela pensava, acreditava, pregava, queria, propunha. Eles, no seu dia a dia, às vezes inconscientemente, agiam como seus apóstolos, divulgando as suas causas, que acabaram assumindo como suas também.  
Naturalmente eles influenciaram outras pessoas, que por sua vez influenciaram outras, e assim sucessivamente.
Ela não sabe, mas, provavelmente, as suas causas contribuíram para a  composição de outras,  mais evoluídas, completas, abrangentes, numa contínua evolução que ninguém sabe onde poderá chegar. Mas, como tudo que existe tiveram o seu momento inicial, terão um meio, e um fim.
Quanto mais a ‘causa’ atender  às expectativas das pessoas, mais aceita ela será, mais adeptos conquistará, e poderá criar um caminho pelo qual trilharão milhares de seres. É a isso que se dá o nome de ‘Fila do Ser’.
‘Fila do Ser’ é uma teoria que prevê que cada pessoa não é única, sozinha. Prevê que todos estão interligados de certa forma, e não por uma questão de parentesco, mas por ideais comuns. Cada pessoa, dependendo dos caminhos que percorrer, acaba por ser influenciada e influenciar a vida (o destino) de outras pessoas. A história registra várias ‘filas’ famosas pela sua dimensão e pela influência que acabaram tendo na vida dos participantes e também na dos seus descendentes.  Por exemplo, a Revolução Francesa, quando os cidadãos comuns se revoltaram contra a nobreza que os explorava; na 2ª Guerra Mundial, quando os alemães desafiaram o mundo tentando impor a sua suposta superioridade racial e militar;  no Brasil de 2002, quando trabalhadores acabaram por assumir posições de comando no país, antes ocupadas exclusivamente por empresários, pela elite mais culta e abastada.  Cada fila tem um prazo de validade, e cada qual cumpre o seu papel numa determinada época, transformando a cultura tradicional, quase sempre acrescentando, ajudando seus integrantes no processo contínuo de superação, não apenas individual mas, principalmente,  coletivo.
Portanto, não basta agir de acordo com a sua consciência, com aquilo que acredita ser o certo. Por uma questão de coerência, como fez a Luisa, seria conveniente se empenhar em  divulgar a sua crença, influenciar aqueles que conseguir alcançar, conquistá-los para a sua proposta,  batalhar para fazer prevalecer o que considerar como sendo o certo, o melhor para você, para os seus, para todos. Enfim,  participar da ‘Fila do Ser’ que eleger. Afinal, essa participação será a sua contribuição para a construção do futuro que acredita ser o melhor, e que poderá vir a ser o dos seus descendentes. 
Projetando o resultado dessas filas, não é difícil imaginar que, o finalmente, resulte numa fila única, com um objetivo depurado, testado, que terá como destino a superação da humanidade, que estará então entrando numa nova e melhor dimensão.   Para a humanidade de então, a atual parecerá pré-histórica. Os problemas que enfrentamos hoje, nossas carências, parecerão ridículos para eles, de tão fácil solução. Porém, isso é uma visão romântica do futuro. Sabemos que, historicamente, nunca houve um destino final, definitivo.  O chegar normalmente marca o início de um novo recomeço. E assim, sempre haverá necessidade e possibilidade de superação, de melhoria. O que irá variar é o tipo das carências, das soluções necessárias.
Luisa, agora na velhice,  olha para sua família, para aquilo que construiu, e se sente em paz, feliz. Sente-se como alguém que, conscientemente, tomou partido, se empenhou em fazer prevalecer o que pensava, acreditava,  e que, de certa maneira, venceu. Embora os resultados nunca sejam ideais, definitivos, pelo menos participou das ‘Filas do Ser’ em que acreditou, e que ajudou a fazer prevalecer.



(JA, Mai15)

Postagens mais visitadas deste blog

Grabovoi - O Poder dos Números

O Método Grabovoi  foi criado pelo cientista russo Grigori Grabovoi, após anos de estudos e pesquisas, sobre números e sua influência no nosso cérebro. Grigori descobriu que os números criam frequências que podem atuar em diversas áreas, desde sobrepeso até falta de concentração, tratamento para doenças, dedicação, e situações como perda de dinheiro. Os números atuam como uma ‘Código de desbloqueio’ dentro do nosso inconsciente, criando frequências vibratórias que atuam diretamente na área afetada e permitindo que o fluxo de informações flua livremente no nosso cérebro. Como funciona? As sequências são formadas por números que reúnem significados. As sequências podem ter  1, 7, 16, ou até 25 algarismos, e quanto mais números, mais específica é a ação da sequência. Os números devem ser lidos separadamente, por exemplo: 345682 Três, quatro, cinco, seis (sempre o número seis, não ‘meia’), oito, dois. Como praticar Você deve escolher uma das sequencias num

Thoth

Deus da lua, juiz dos mortos e deus do conhecimento e da escrita, Thoth (também Toth, ou Tot, cujo nome em egípcio é Djehuty) é um deus egípcio, representado com cabeça de íbis. É o deus do conhecimento, da sabedoria, da escrita, da música e da magia. Filho mais velho do deus do sol Rá, ou em alguns mitos nascido da cabeça de Set, era representado como um homem com a cabeça da ave íbis ou de um babuíno, seus animais sagrados.   Sendo o deus associado com o conhecimento secreto, Thoth ajudou no sepultamento de Osíris criando a primeira múmia. Era também o deus das palavras, da língua e posteriormente os gregos viam este deus egípcio como a fonte de toda a ciência, humana e divina, do Egito. O culto de Thoth situava-se na cidade de Khemenou, também referida pelos gregos como Hermópolis Magna, e agora conhecida pelo nome árabe Al Ashmunin. Inventor da escrita Segundo a tradição, transmitida também por Platão no diálogo Fedro, Thoth inventou a escrita egípc

Por que Jesus dobrou o lenço?

‘E que o lenço, que estivera sobre a cabeça de Jesus, não estava com os panos, mas enrolado num lugar à parte’.(João 20:7) Por que Jesus dobrou o lenço que cobria sua cabeça no sepulcro depois de sua ressurreição? Você já deteve sua atenção a esse detalhe? João 20:7 nos conta que aquele lenço que foi colocado sobre a face de Jesus não foi apenas deixado de lado como os lençóis no túmulo. A Bíblia reserva um versículo inteiro para nos contar que o lenço fora dobrado cuidadosamente e colocado na cabeceira do túmulo de pedra. Bem cedo pela manhã de domingo, Maria Madalena veio à tumba e descobriu que a pedra havia sido removida da entrada. Ela correu e encontrou Simão Pedro e outro discípulo, aquele que Jesus tanto amara. Disse ela: ‘Eles tiraram o corpo do Senhor e eu não sei para onde eles o levaram’. Pedro e o outro discípulo correram ao túmulo para ver. O outro discípulo passou à frente de Pedro e lá primeiro chegou. Ele parou e observou os lençóis lá,