Pular para o conteúdo principal

Costureira dos Contos de Fada


A. Era uma moça que morava numa zona rural  na região centro-oeste do Brasil.  Tinha 13 irmãos, sendo ela uma das mais velhas. Vivian numa grande fazenda, junto com seus pais. Algum dos irmãos tinham ido para a cidade mais desenvolvida  do país na época, para poderem cursar uma faculdade - ensino superior.  Ela, como as demais mulheres, de acordo com o costume de então, ficavam em casa cuidando das lides domésticas.
Seu pai constantemente fazia viagens à cavalo, levando gado, auxiliado por tropeiros,  para os grandes abatedouros.  Numa determinada viagem, os bois contraíram uma doença desconhecida e foram morrendo, pouco a pouco. Apesar do esforço, dele e de toda equipe de peões que o acompanhava, não conseguiu levar a manada até o seu destino -  todos os bois morreram antes. O prejuízo foi tão grande que ele ficou muito abalado com o ocorrido e, na viagem de volta para casa, sofreu de um mal súbito, à beira de um riacho, e veio a falecer.
Como era costume, quando ele e a equipe viajavam, as moças e a mãe vinham ficar na casa que tinham na cidade, pois a fazenda ficava num local ermo e, com a ausência dos homens, desprotegida.  Elas receberam a notícia do ocorrido nessa casa. Foi um desespero e tristeza muito grandes.  Mas, como as mulheres desse tempo estavam acostumadas com os revezes da vida, resolveram voltar para a fazenda e tocar o negócio da melhor maneira possível.  Chegando lá, tiveram outra surpresa desagradável: a fazenda havia sido invadida e roubada! Os ladrões, provavelmente sabendo que não havia ninguém na propriedade,  a invadiram e levaram tudo de valor que conseguiram achar: joias, pratarias, objetos de arte, ... No meio da confusão que deixaram, as moças encontraram uma máquina de costura que havia ficado escondida sob um amontoado de tralhas jogadas.
Levaram essa máquina para a casa da cidade. E, como tinham conhecimento de corte e costura, começaram a costurar para fora. Por serem muito conhecidas na cidade e pela qualidade do serviço, logo ganharam uma grande freguesia. O dinheiro que apuravam com esse trabalho serviu para a subsistência do grupo.
Com o passar dos anos, as moças foram se casando, os rapazes que se formaram foram exercer sua profissão. Apenas A. continuou costurando. Ela, num determinado momento de sua vida havia se apaixonado por um rapaz. Entretanto, por isso ou por aquilo, o romance não foi para frente. A partir daí, desiludida, decidiu que jamais se casaria com outra pessoa. Foi o que aconteceu. E ela foi envelhecendo, costurando sempre.  



Certo dia ela recebeu uma  cartinha que aparentemente vinha de um lugar muito distante, considerando a quantidade de selos do envelope. O local de remessa não estava especificado, mas era algo como ‘Real Dreams’ – deveria ser de algum lugar próximo ao Reino Unido, talvez... A carta dizia que a conheciam: sua história, o tipo de pessoa, de profissional que ela era,  e a qualidade do seu serviço. Solicitavam a confecção de um traje para uma jovem que  iria se casar com um príncipe. Enviavam junto um breve relato da vida da moça para ela formar conceito e poder idealizar a roupa ideal, dado o evento e as circunstâncias.
A. estranhou muito. Primeiro porque não conhecida o remetente, e segundo porque apenas descreviam a moça, sem especificar como queriam o traje - diziam apenas que era para a cerimônia de um casamento real  e que, portanto, deveria ser muito bonito. Só não poderia ser muito sofisticado, enfeitado, considerando o perfil da moça, que era simples, como relatado no resumo:
“A princesa se chamava Aurora. Era bonita, boa, gentil e caridosa, os súditos a adoravam. Era filha única de um casal e, tanto ela, como os reis, e os súditos, vítimas de uma maldição, haviam  ficado inconscientes por cem anos, até que ela foi encontrada por um príncipe. O príncipe, vendo a princesa tão bela, com os cabelos soltos, espalhados nos travesseiros, o rosto rosado e risonho, ficou deslumbrado. Logo que se recobrou, inclinou-se e lhe deu um beijo. Aurora despertou para a vida, bem como todos no reino. O príncipe, encantado com a graça da moça, mais tarde, a pediu em casamento. Ela, por sua vez, já estava então apaixonada pelo seu valente salvador, e naturalmente, aceitou."  O vestido que estavam solicitando era para esse evento.
A. lendo o relato, ficou muito comovida e ao mesmo tempo envaidecida por ter sido a escolhida para confeccionar o vestido de noiva para a princesa, protagonista dessa história.  Imediatamente  respondeu que aceitava o encargo, e que o vestido ficaria pronto o quanto antes. E assim foi. O vestido ficou lindo e, tanto a princesa como o príncipe, e convidados, elogiaram muito o efeito que ajudou a causar, e a recompensaram regiamente. Justo ela que nunca havia se casado, acabara por participar de um casamento de conto de fadas.  
O jovem casal, a partir daí, teve uma vida próspera e venturosa. Viveram felizes para sempre, como se diz.


Passado um tempo,  A. recebeu uma outra correspondência pedindo uma outra encomenda extraordinária. A carta fora remetida de ‘Never Land’ - um nome muito estranho -,  por um jovem chamado Peter. Ele disse que conhecia a sua fama de costureira mágica, e que precisava de sua ajuda. Ele pretendia dar de presente para uma sua companheira de aventuras, chamada ‘Smallbell’, como prova de amizade e reconhecimento pelos seus bons trabalhos, um roupa adequada para ela. Ela era minúscula – tinha cerca de 50cm de altura -,  a aparência e as proporções de uma linda  moça, e voava como uma libélula (...). A. ficou então imaginando como poderia ser essa roupa, até que teve uma ideia. Escreveu para Peter aceitando o encargo e informando que ficaria pronto no prazo de 10 dias. E assim foi.  
Smallbell ficou super feliz com o presente, e  desejou para A. uma vida plena de amor e de paz, e que ela sempre poderia contar com a sua ajuda se precisasse ir para algum lugar. Peter e todos os demais companheiros, inclusive os que moravam longe de Never Land (Wendy, João e Miguel e Naná)  também gostaram, e elogiaram o serviço. Peter também recompensou A., fantasticamente, como tudo o que fazia.


E A. durante toda sua vida, que parece não acabar mais – hoje ela já tem 276 anos -, continua a atender esses eventuais pedidos incríveis.  Por exemplo, recebeu um pedido, de um tal de Mr. Habbit, para confeccionar um vestido especial para uma menina chamada Alice, que vivia num reino extraordinário.  A carta dizia que, certa ocasião, ela estava no jardim, ouvindo uma história que a sua irmã mais velha lhe contava quando, de repente, viu passar um coelho branco, muito bem vestido e de luvas brancas! Alice correu atrás dele tentando alcançá-lo,  mas o coelho rapidamente desapareceu pelo chão. Alice o seguiu e descobriu que, ali onde ele desaparecera, junto a uma árvore, havia um buraco fundo. Entrou por esse buraco e deu num túnel; seguiu em frente e acabou encontrar esse reino onde está, e onde já viveu inúmeras aventuras. Agora, ela quer voltar para casa, e precisa se apresentar o melhor possível para reencontrar sua família e amigos. Mais uma vez, A. se prontificou a fazer, e assim vem sendo até hoje, estória após estória.  
  


Ela não sabe se, como, e quando, essas estórias e pedidos vão acabar.  Mas, pela experiência acumulada, acha que nunca. Embora 'nunca' seja uma palavra muito forte para esse tipo de pessoas, personagens de contos de fada, como ela, talvez, nestas alturas, também tenha passado a ser.  





(JA, Fev15)

Postagens mais visitadas deste blog

Grabovoi - O Poder dos Números

O Método Grabovoi  foi criado pelo cientista russo Grigori Grabovoi, após anos de estudos e pesquisas, sobre números e sua influência no nosso cérebro. Grigori descobriu que os números criam frequências que podem atuar em diversas áreas, desde sobrepeso até falta de concentração, tratamento para doenças, dedicação, e situações como perda de dinheiro. Os números atuam como uma ‘Código de desbloqueio’ dentro do nosso inconsciente, criando frequências vibratórias que atuam diretamente na área afetada e permitindo que o fluxo de informações flua livremente no nosso cérebro. Como funciona? As sequências são formadas por números que reúnem significados. As sequências podem ter  1, 7, 16, ou até 25 algarismos, e quanto mais números, mais específica é a ação da sequência. Os números devem ser lidos separadamente, por exemplo: 345682 Três, quatro, cinco, seis (sempre o número seis, não ‘meia’), oito, dois. Como praticar Você deve escolher uma das sequencias num

Thoth

Deus da lua, juiz dos mortos e deus do conhecimento e da escrita, Thoth (também Toth, ou Tot, cujo nome em egípcio é Djehuty) é um deus egípcio, representado com cabeça de íbis. É o deus do conhecimento, da sabedoria, da escrita, da música e da magia. Filho mais velho do deus do sol Rá, ou em alguns mitos nascido da cabeça de Set, era representado como um homem com a cabeça da ave íbis ou de um babuíno, seus animais sagrados.   Sendo o deus associado com o conhecimento secreto, Thoth ajudou no sepultamento de Osíris criando a primeira múmia. Era também o deus das palavras, da língua e posteriormente os gregos viam este deus egípcio como a fonte de toda a ciência, humana e divina, do Egito. O culto de Thoth situava-se na cidade de Khemenou, também referida pelos gregos como Hermópolis Magna, e agora conhecida pelo nome árabe Al Ashmunin. Inventor da escrita Segundo a tradição, transmitida também por Platão no diálogo Fedro, Thoth inventou a escrita egípc

Por que Jesus dobrou o lenço?

‘E que o lenço, que estivera sobre a cabeça de Jesus, não estava com os panos, mas enrolado num lugar à parte’.(João 20:7) Por que Jesus dobrou o lenço que cobria sua cabeça no sepulcro depois de sua ressurreição? Você já deteve sua atenção a esse detalhe? João 20:7 nos conta que aquele lenço que foi colocado sobre a face de Jesus não foi apenas deixado de lado como os lençóis no túmulo. A Bíblia reserva um versículo inteiro para nos contar que o lenço fora dobrado cuidadosamente e colocado na cabeceira do túmulo de pedra. Bem cedo pela manhã de domingo, Maria Madalena veio à tumba e descobriu que a pedra havia sido removida da entrada. Ela correu e encontrou Simão Pedro e outro discípulo, aquele que Jesus tanto amara. Disse ela: ‘Eles tiraram o corpo do Senhor e eu não sei para onde eles o levaram’. Pedro e o outro discípulo correram ao túmulo para ver. O outro discípulo passou à frente de Pedro e lá primeiro chegou. Ele parou e observou os lençóis lá,