Pular para o conteúdo principal

Sorrindo para a Vida


M. vivia jogado pelas ruas da cidade. Sujo, maltrapilho, sem saber de onde viria a próxima refeição. Dormia em qualquer lugar, quando  e como podia.  Era um solitário. Primeiro por não ter o que falar com os seus iguais, pois  não se se sentia parte deles. E, em segundo, por uma questão de segurança – não confiava em ninguém igual a ele.
O estar ali foi uma contingência acidental. Antes disso era um profissional liberal, empresário, casado, com filhos. Tinha então várias propriedades, conquistadas ao longo de anos e anos de trabalho.
De repente, sua vida começou a desmoronar. Tudo começou quando, por conta de uma mudança inesperada de mercado, parou de vender seus produtos, e teve que encerrar o negócio, sua maior fonte de renda.  A concorrência surgiu com produtos produzidos através de  uma nova tecnologia, mais baratos e eficazes do que aqueles que ele comercializava, então... Não sabe até hoje se  a causa foi uma falha estratégica – por não ter previsto ou produzido a mudança –,  ou se foi resistente a ela.  
E, como uma coisa puxa outra, como se diz, a sua ‘casa caiu’. A família não aceitou a redução do padrão de vida a que estava acostumada, e ele, durante um tempo se viu levado a manter o padrão antigo. Entretanto, ele não tinha condições para isso.  Como era fácil de imaginar, chegou uma hora em que não conseguiu mais. Endividado, foi perdendo tudo o que tinha. Inicialmente, a família o renegou; depois os amigos e conhecidos. E, meio que de repente, se viu sozinho, como está ainda hoje, anos depois.
Num determinado dia, um senhor de boa aparência e simpático, lhe deu uma esmola, sem ter sido solicitado. No outro dia, lhe trouxe e ofereceu um lanche. E, no dia seguinte, uma muda de roupas. Todos os dias, a partir daí, lhe oferecia alguma coisa.
Até que, quando teve oportunidade, M. lhe perguntou qual era o seu nome. Era S.. Perguntou também por que ele o estava ajudando.  S. respondeu que nem sempre a vida dele foi como era hoje. Ele também já tinha tido seus momentos de baixa. E o que o ajudou a superar essa fase foram basicamente duas coisas:
  1. A consciência de que estava na situação em que se encontrava porque havia alguma coisa errada no seu comportamento. Isso o levou a procurar responder à pergunta: ‘Aonde foi que eu errei?’. Chegou à várias respostas, e escolheu uma, a que lhe pareceu a mais correta.  A partir de então, procurou ‘Retificar’ - promover uma mudança interior, uma transformação.
  2. Exemplificar. Procurar fazer da sua vida um exemplo a ser seguido por quem tivesse oportunidade de se relacionar com ele. Dar sempre o melhor de si, colocar amor no que fizesse, buscando constantemente  crescimento, evolução.  E, além disso:  ter fé, confiança;  perdoar sempre – a si mesmo e aos outros.

Aquelas palavras marcaram M. profundamente, e ele começou a refletir sobre elas. Chegou à conclusão que, em determinado momento, havia perdido a confiança em si mesmo e nos outros. E que, além disso, havia aceitado a derrota, se acomodado.  Acordou da letargia de tantos anos e resolveu reagir.
Oportunamente, pediu a S. que o ajudasse a ficar mais apresentável para poder arranjar um emprego, por mais simples que fosse, para retomar a escalada da sua vida interrompida, para seguir seu  melhor caminho possível.
S. o levou à sua casa e, após ter lhe proporcionado a oportunidade de tomar um longo banho, de fazer a barba após anos,  de vestir roupas adequadas, e de comer uma refeição decente,  lhe ofereceu um emprego no seu negócio.  Ele tinha uma grande cadeia de lojas que comercializava eletrodomésticos.
Assim, M. começou a trabalhar. E, seguindo as regras que S. lhe havia passado - que havia observado para conseguir a própria superação (1 e 2) -, e utilizando a sua experiência anterior, logo se destacou, e fez por merecer o cargo de confiança que a empresa lhe ofereceu. 
M. olha agora para o que conquistou, compara a sua vida atual com a anterior, e sorri agradecido.  Sabe que sorrindo para a vida,  a vida vai lhe sorrir de volta, com tudo o que isso significa.
Além disso, seguindo do exemplo de S., pretende, assim que tiver oportunidade, fazer o mesmo o que S. fez com ele, ajudando a algum ‘desgraçado’, como ele foi por um tempo, a se motivar, a ter atitude e fé para se transformar, se recompor

Oração de São Francisco de Assis
Senhor: Fazei de mim um instrumento de vossa Paz. Onde houver Ódio, que eu leve o Amor. Onde houver Ofensa, que eu leve o Perdão. Onde houver Discórdia, que eu leve a União. Onde houver Dúvida, que eu leve a Fé. Onde houver Erro, que eu leve a Verdade. Onde houver Desespero, que eu leve a Esperança. Onde houver Tristeza, que eu leve a Alegria. Onde houver Trevas, que eu leve a Luz! Ó Mestre, fazei que eu procure mais consolar, do que ser consolado;  compreender, do que ser compreendido; amar, do que ser amado. Pois é dando que se recebe, perdoando que se é perdoado, e é morrendo que se vive para a vida eterna!  Amém.
(A Oração da Paz, também denominada de Oração de São Francisco, é uma oração de origem anônima que costuma ser atribuída popularmente a São Francisco de Assis. Foi escrita no início do século XX, tendo aparecido inicialmente em 1912 num boletim espiritual em Paris, França. Em 1916 foi impressa em Roma numa folha, em que num verso estava a oração, e no outro verso da folha uma estampa de São Francisco. Por esta associação, e pelo fato de que o texto reflete muito bem o franciscanismo, esta oração começou a ser divulgada como se fosse de autoria do próprio santo)


(JA, Jan15)

Postagens mais visitadas deste blog

Grabovoi - O Poder dos Números

O Método Grabovoi  foi criado pelo cientista russo Grigori Grabovoi, após anos de estudos e pesquisas, sobre números e sua influência no nosso cérebro. Grigori descobriu que os números criam frequências que podem atuar em diversas áreas, desde sobrepeso até falta de concentração, tratamento para doenças, dedicação, e situações como perda de dinheiro. Os números atuam como uma ‘Código de desbloqueio’ dentro do nosso inconsciente, criando frequências vibratórias que atuam diretamente na área afetada e permitindo que o fluxo de informações flua livremente no nosso cérebro. Como funciona? As sequências são formadas por números que reúnem significados. As sequências podem ter  1, 7, 16, ou até 25 algarismos, e quanto mais números, mais específica é a ação da sequência. Os números devem ser lidos separadamente, por exemplo: 345682 Três, quatro, cinco, seis (sempre o número seis, não ‘meia’), oito, dois. Como praticar Você deve escolher uma das sequencias num

Thoth

Deus da lua, juiz dos mortos e deus do conhecimento e da escrita, Thoth (também Toth, ou Tot, cujo nome em egípcio é Djehuty) é um deus egípcio, representado com cabeça de íbis. É o deus do conhecimento, da sabedoria, da escrita, da música e da magia. Filho mais velho do deus do sol Rá, ou em alguns mitos nascido da cabeça de Set, era representado como um homem com a cabeça da ave íbis ou de um babuíno, seus animais sagrados.   Sendo o deus associado com o conhecimento secreto, Thoth ajudou no sepultamento de Osíris criando a primeira múmia. Era também o deus das palavras, da língua e posteriormente os gregos viam este deus egípcio como a fonte de toda a ciência, humana e divina, do Egito. O culto de Thoth situava-se na cidade de Khemenou, também referida pelos gregos como Hermópolis Magna, e agora conhecida pelo nome árabe Al Ashmunin. Inventor da escrita Segundo a tradição, transmitida também por Platão no diálogo Fedro, Thoth inventou a escrita egípc

Por que Jesus dobrou o lenço?

‘E que o lenço, que estivera sobre a cabeça de Jesus, não estava com os panos, mas enrolado num lugar à parte’.(João 20:7) Por que Jesus dobrou o lenço que cobria sua cabeça no sepulcro depois de sua ressurreição? Você já deteve sua atenção a esse detalhe? João 20:7 nos conta que aquele lenço que foi colocado sobre a face de Jesus não foi apenas deixado de lado como os lençóis no túmulo. A Bíblia reserva um versículo inteiro para nos contar que o lenço fora dobrado cuidadosamente e colocado na cabeceira do túmulo de pedra. Bem cedo pela manhã de domingo, Maria Madalena veio à tumba e descobriu que a pedra havia sido removida da entrada. Ela correu e encontrou Simão Pedro e outro discípulo, aquele que Jesus tanto amara. Disse ela: ‘Eles tiraram o corpo do Senhor e eu não sei para onde eles o levaram’. Pedro e o outro discípulo correram ao túmulo para ver. O outro discípulo passou à frente de Pedro e lá primeiro chegou. Ele parou e observou os lençóis lá,