Pular para o conteúdo principal

Cronologia de uma vida

 

Os acontecimentos ao longo de uma existência humana determinam quem foi a pessoa: sua origem, relacionamentos, descendência, educação, trabalho, realizações, e eventual reconhecimento.

Neste estudo avaliamos especificamente a vida de um homem, JA, atualmente com 74 anos. Relatamos os principais acontecimentos da sua vida, por década, tipo, bem como o significado e peso dessas ocorrências. 

Nesse início de vida estão registrados seu nascimento, bem como de o da sua 2ª esposa, e o início de sua educação Fundamental.  Nada a destacar. Observar que tanto os eventos relacionados à Família como o de Educação são equivalentes. 

Nesta década prevalece o item educação - Concluiu o Ensino Fundamental e Médio (parcial). Destaca-se o tempo em que teve oportunidade de frequentar o Colégio Anchieta, em Nova Friburgo, na condição de aluno interno. Esse período, embora de apenas dois anos foi muito significativo para ele; foi a primeira vez que se afastou da família e que teve que se adaptar a um novo ambiente. Pode-se dizer que a educação lá recebida o preparou para a sua vida profissional. Lá lhe foram atribuídas várias incumbências gerenciais e administrativas dentro do grupo no qual estava inserido, o que permitiu que ganhasse experiência social e de desempenho.

Em 1963, aos 16 anos, conseguiu seu primeiro emprego, na área administrativa de uma indústria, a Cia. T. Janer. Naquele ambiente, teve ideia de como funciona a relação funcional e hierárquica nas empresas, o que foi muito útil para os próximos desafios que teria que enfrentar nessa parte. Em seguida, teve oportunidade e partiu para o 2º emprego, agora voltado para área financeira, no Banco Mercantil de São Paulo. 

Nesse período o que mais se destaca é o seu primeiro casamento, que lhe deu estabilidade e incentivo para realizar o que tinha que ser feito.  Foi então que concluiu o ensino médio e superior, formando-se em Administração de Empresas.

Nos primeiros anos trabalhou na área bancária – inicialmente no Banco Mercantil de São Paulo e, posteriormente, no Banco de Boston. Nesse último tinha atribuição de consultar e relatar a situação financeira de empresas de diversos ramos para dar subsídios para a direção decidir sobre o interesse, a concessão ou não de empréstimos.  

Além disso, teve a oportunidade de conhecer a atividade de uma área que existia nesse banco, o Departamento de Organização e Métodos - O&M, que lhe despertou interesse. Como não conseguiu ser transferido para lá, procurou e encontrou uma empresa que oferecia essa possiblidade.  Era uma empresa do ramo comercial, a Eletro Radiobraz. Lá ficou por cerca de 3 anos, até conseguir ser admitido numa multinacional alemã, a Mercedes-Benz do Brasil, na mesma função.

Nesse período, conseguiu realizar suas primeiras aquisições imobiliárias que, no futuro, iriam subsidiar as próximas aquisições.

Nesses anos continuou trabalhando na Mercedes Bens do Brasil, onde, além de ter trabalhado no setor de O&M como analista, passou a ser o responsável pelo Planejamento de Escritórios – definição de localização, layout e moveis e equipamentos. Mais tarde, agora como executivo, chefiou do Departamento de Administração – ADM da empresa. Tinha sob sua responsabilidade:

o   Veículos da empresa – aquisição, abastecimento, manutenção e venda (a frota tinha cerca 500 veículos)

o   Motoristas – definição de atribuições (eram cerca de 70)

o   Transporte de Pessoal (cerca de 11 mil funcionários utilizavam diariamente o transporte de ônibus fretados para vir para empresa e voltar para suas residências)

o   Comunicação - Central Telefônica, Telex

o   Impressão – Gráfica Central; Xerox - aquisição, distribuição, manutenção e alimentação de máquinas para os diversos setores, conforme necessidade.  

o   Material e Móveis de Escritório - Compra, Armazenamento e Distribuição

Esse período ficou caracterizado pelas negociação de vários imóveis, sendo que um deles foi um dos mais significativos da sua vida – a casa da Granja Viana.

Entretanto, o mais caracterizou essa década foi o nascimento de sua primeira filha, Renata.

Esta década teve eventos muito importantes que acabaram por definir momentos muito significativos:

Trabalho - mudança de emprego, da MBB para o Mater Dei, que seria o último emprego fixo de sua vida.

Bens imóveis - venda da casa da Granja Viana, e compra da casa da Poetisa Colombina. 

Pessoal - Além disso, foi nesse período que foi formalizado o divórcio do 1º casamento, e quando se casou pela 2ª vez. Como fruto desse casamento, nasceram sua segunda e terceira filhas.

Considera o nascimento dessas duas filhas, juntamente com a primeira, suas realizações mais importantes, pois serão elas que darão continuidade à sua existência, a tudo o que conseguiu construir e influir de alguma forma.

Na vida profissional abriu sua própria empresa de consultoria administrativa.

E com relação aos bens-imóveis, houve a venda da casa da Poetisa Colombina que serviu para compor recursos necessários para compra da casa da Rua Ana Vieira de Carvalho (GVL) que, no finalmente, passaria a ser sua maior fonte de rendimento nos últimos anos de sua vida. Nessa época também comprou terreno e construiu uma casa em Tabatinga, Caraguatatuba, que seria onde passaria a viver após a locação da casa da Ana Vieira de Carvalho. 

Nesta década deixou de trabalhar para um empregador, e passou a prestar serviço através de sua própria empresa, a Thoth Consultoria.  

No campo pessoal ocorreu o falecimento de sua mãe e o nascimento de suas duas netas. 

Também foi quando recebeu as duas maiores homenagens de sua vida: o título de ‘Comendador’ pela ABACH – Academia Brasileira de Arte Cultura e História, por mérito profissional na área da educação, e o Prêmio Sindi-Clube ‘Literatura nos Clubes Paulistanos 2012 pelo conto ‘A Soberba’, de sua autoria. 

Esta década, ainda não concluída, registrou, no âmbito pessoal, a morte da Dona Gesilda, sua sogra. A casa onde ela residia foi vendida e 50% do valor da venda ficou como herança para sua filha (2ª esposa), montante que tem servido de apoio para o casal nos momentos de maior necessidade financeira.     

Décadas mais produtivas

As décadas mais produtivas foram a 3ª, 4ª, e 6ª, com 17%, 16% e 17%, do total geral de eventos, respectivamente.

Na 3ª. ocorreram 10 eventos, sendo 2 relacionados ao Trabalho, 3 à Educação, 4 a Bens Imóveis, e 1 à Família.

Na 4ª. ocorreram 9 eventos, sendo 6 relacionados a Bens Imóveis, 2 à Família, e 1 ao Trabalho.

Na 6ª. 10 eventos, sendo 6 relacionados a Bens-Imóveis e 4 a Trabalho.

Entretanto, a década que ele mais valoriza é a 5ª. Essa década, embora não tenha sido a mais importante em termos de quantidade de eventos (8 eventos, 14%), foi a mais significativa, tanto no âmbito Pessoal (divórcio 1º casamento, 2º casamento, nascimento de duas filhas), como no de Trabalho (foi admitido no seu último emprego, onde trabalharia por 23 anos), e no de Bens-Imóveis (vendeu a casa da Granja que lhe permitiria no futuro comprar a casa do Morumbi – Ana Vieira de Carvalho)


Entre os eventos os que mais se destacaram estão os relacionados a Bens-Imóveis (31%) e, na sequência Trabalho (26%), Família (21%), e Educação (19%)

Esse resultado tem lógica pois a Educação foi que abriu as portas para o Trabalho, que por sua vez viabilizou a compra dos Bens-Imóveis, e ambos vieram dar suporte à formação e manutenção da Família. Reconhecimento foi decorrente. 

 


Mais detalhes sobre a vida de JA, constam na matéria 'Caminhos Percorridos', publicada neste mesmo portal, que pode ser acessada pelo login

      http://www.umacoisapuxaoutra.com/2020/10/caminhos-percorridos.html


(JA, Abr22)


 




Postagens mais visitadas deste blog

Grabovoi - O Poder dos Números

O Método Grabovoi  foi criado pelo cientista russo Grigori Grabovoi, após anos de estudos e pesquisas, sobre números e sua influência no nosso cérebro. Grigori descobriu que os números criam frequências que podem atuar em diversas áreas, desde sobrepeso até falta de concentração, tratamento para doenças, dedicação, e situações como perda de dinheiro. Os números atuam como uma ‘Código de desbloqueio’ dentro do nosso inconsciente, criando frequências vibratórias que atuam diretamente na área afetada e permitindo que o fluxo de informações flua livremente no nosso cérebro. Como funciona? As sequências são formadas por números que reúnem significados. As sequências podem ter  1, 7, 16, ou até 25 algarismos, e quanto mais números, mais específica é a ação da sequência. Os números devem ser lidos separadamente, por exemplo: 345682 Três, quatro, cinco, seis (sempre o número seis, não ‘meia’), oito, dois. Como praticar Você deve escolher uma das sequencias num

Thoth

Deus da lua, juiz dos mortos e deus do conhecimento e da escrita, Thoth (também Toth, ou Tot, cujo nome em egípcio é Djehuty) é um deus egípcio, representado com cabeça de íbis. É o deus do conhecimento, da sabedoria, da escrita, da música e da magia. Filho mais velho do deus do sol Rá, ou em alguns mitos nascido da cabeça de Set, era representado como um homem com a cabeça da ave íbis ou de um babuíno, seus animais sagrados.   Sendo o deus associado com o conhecimento secreto, Thoth ajudou no sepultamento de Osíris criando a primeira múmia. Era também o deus das palavras, da língua e posteriormente os gregos viam este deus egípcio como a fonte de toda a ciência, humana e divina, do Egito. O culto de Thoth situava-se na cidade de Khemenou, também referida pelos gregos como Hermópolis Magna, e agora conhecida pelo nome árabe Al Ashmunin. Inventor da escrita Segundo a tradição, transmitida também por Platão no diálogo Fedro, Thoth inventou a escrita egípc

Por que Jesus dobrou o lenço?

‘E que o lenço, que estivera sobre a cabeça de Jesus, não estava com os panos, mas enrolado num lugar à parte’.(João 20:7) Por que Jesus dobrou o lenço que cobria sua cabeça no sepulcro depois de sua ressurreição? Você já deteve sua atenção a esse detalhe? João 20:7 nos conta que aquele lenço que foi colocado sobre a face de Jesus não foi apenas deixado de lado como os lençóis no túmulo. A Bíblia reserva um versículo inteiro para nos contar que o lenço fora dobrado cuidadosamente e colocado na cabeceira do túmulo de pedra. Bem cedo pela manhã de domingo, Maria Madalena veio à tumba e descobriu que a pedra havia sido removida da entrada. Ela correu e encontrou Simão Pedro e outro discípulo, aquele que Jesus tanto amara. Disse ela: ‘Eles tiraram o corpo do Senhor e eu não sei para onde eles o levaram’. Pedro e o outro discípulo correram ao túmulo para ver. O outro discípulo passou à frente de Pedro e lá primeiro chegou. Ele parou e observou os lençóis lá,