Pular para o conteúdo principal

Caminhos Percorridos

A história de JA, alguém que foi levado a se superar, em cada fase de sua vida.

                                                        

 

1-     Prólogo

JA, o protagonista da história relatada a seguir, observou que, depois de quase oito décadas de vida, muitos fatos e pessoas que foram importantes para ele nesse período, foram sendo relegados ao esquecimento.

Com o intuito de preservar essas lembranças, resolveu registrá-las. Interessante que, no decorrer do processo, muitas passagens foram tomando corpo, reaparecendo na sua memória, com o mesmo significado que tiveram na época em que ocorreram.

Além disso, JA, com base na suas experiências, desenvolveu uma teoria que considera que os seres humanos, ao nascer, são portadores de uma carga genética física (DNA), e de uma carga energética gerada pelos seus antepassados, decorrente das experiências, conhecimentos, emoções, ambiente em que viveram, etc..

De acordo com sua teoria, essas cargas herdadas (física e energética), entre outras coisas, influenciam e dirigem o indivíduo a percorrer este ou aquele caminho, ao longo da sua vida. Os recursos da sua época, e as suas próprias experiências, acabam por compor, a determinar, o indivíduo que ele passa a ser.

Esse seu ‘ser’, de alguma forma, sempre irá influenciar outras pessoas, interferir na realidade - tanto durante a sua vida, como após o seu passamento.

Foi refletindo sobre essa capacidade de influenciar, que decidiu fazer o registro das passagens mais significativas da sua vida. Concluiu que esse registro, além de valorizar e otimizar o aproveitamento das suas  experiências, facilitaria esse processo. 

2-     Origem 

 

Os pais de JA eram Sr. Angelin e Dona. Filinha. Eles haviam nascido no interior do Estado de São Paulo, no final da segunda década do século 20.

A família dela tinha uma propriedade rural próxima à cidade de Barretos. Eram em muitos irmãos. Oportunamente, o pai dela, comandando uma comitiva de vaqueiros fez uma viagem a cavalo para  levar uma boiada para vender numa região próxima. 

A família, mãe e irmãos, enquanto isso, por segurança, foram ficar na casa que tinham na cidade de Penápolis. Durante a viagem, alguns vaqueiros da comitiva pegaram algum tipo de vírus, provavelmente da 'Gripe Espanhola', e vieram a falecer.

Num determinado momento, tentaram atravessar um rio largo, com forte correnteza, e perderam muitos animais. Ele, desesperado, vendo que estava perdendo tudo o que tinha investido, sofreu um derrame e foi levado para a fazenda, onde veio a falecer alguns anos depois, após um segundo derrame.

A mãe e as filhas mais velhas e um dos irmãos, começaram então a costurar para fora para sobreviver. A fazenda que naquela época, como as demais da região, não tinha o devido registro em cartório, e acabou sendo ‘administrada’ por um dos tios que assumiu a propriedade, o controle dos negócios, contratando alguns dos filhos do falecido como empregados.

Filinha, inicialmente morou na casa de um irmão mais velho, casado, ajudando nas tarefas domésticas. Mais tarde, começou a costurar com a mãe e irmãos. Cheia de iniciativa, algum tempo depois, veio sozinha para São Paulo capital, a procura de trabalho. Arranjou um emprego como enfermeira estagiária. Em seguida, teve a oportunidade, e começou a trabalhar no recém inaugurado Hospital das Clínicas, onde fez um curso profissionalizante, conseguindo então se formar como Técnica em Enfermagem.

Angelin era filho de pais da 2ª geração de imigrantes italianos que, vindos da Itália, inicialmente, foram trabalhar na lavoura no interior de São Paulo. Emilio, seu pai, por isto ou por aquilo, acabou deixando a agricultura de lado, e passou a trabalhar como motorista de ‘Táxi’, numa pequena cidade próxima a Catanduva – Elisiário. Muito bem relacionado e querido, acabou sendo eleito prefeito dessa cidade por um determinado período.  Um dos irmãos do Angelin tinha se tornado alfaiate e, ele, por seu intermédio, aprendeu a profissão.

Querendo mais da vida, acabou vindo para São Paulo, onde, depois de várias tentativas de trabalho, se encontrou na profissão de ‘Barbeiro’.  Trabalhou em alguns dos salões mais famosos da cidade - anos mais tarde acabou se tornando proprietário de um deles, na Rua Barão Paranapiacaba, no centro de São Paulo, e passou a frequentar o Clube Tietê, onde jogava Futebol e praticava Remo.

Ocasionalmente, Filinha e Angelin se conheceram e, no prazo de mais ou menos um ano, acabaram se casando.

 

 

Um ano mais tarde, 1947, nasceu seu primeiro filho, JA, no Hospital Leão XIII, no bairro do Ipiranga. E, oito anos depois, em 1955, o segundo.


Eles, embora vivessem sem luxo, sempre conseguiram residir em casas boas e bem localizadas; uma ou duas vezes por ano, faziam viagens para visitar os familiares no interior; e conseguiram dar estudo de um bom nível para seus dois filhos. Ambos se formaram, também constituíram família, compraram seus móveis e imóveis e, fizeram o mesmo com os filhos deles. 

Quanto a ela, embora a partir de determinada época tenha passado a sofrer de uma dor de cabeça crônica, sempre foi uma mulher forte, determinada.

Ele se recorda de uma passagem marcante envolvendo sua mãe. Eles moravam no Ipiranga – na Rua Maurício de Castilho, onde havia, quase ao lado da casa, a sede  um Clube Esportivo de futebol. Ali se reuniam grupos de jovens, entre as idas e vindas dos jogos.

Ocasionalmente, ocorreu uma briga entre eles, de tal monta que o pessoal saiu para a rua em altos brados. Dona. Filinha, ao ouvir, ver aquilo, não teve dúvida – saiu e, entre berros e gestos, apartou a briga e dispersou a turma.

Tinha também um lado generoso e solidário marcante. Por exemplo, sua casa sempre esteve aberta para os parentes jovens do interior que, como ela no início, buscavam uma oportunidade de emprego, de crescimento na capital.  Uma de suas irmãs viveu na sua casa durante toda a vida, depois de vir do interior para a capital.

Ele, mais calmo e tolerante, sempre foi um homem responsável e bem humorado. Nunca deixou faltar nada em casa, dentro das suas possibilidades. Não reclamava de nada e, quando foi necessário, sem que os filhos ficassem sabendo, tomava alguma iniciativa para superar o problema, e restabelecer o equilíbrio doméstico. 

Apesar de ser um homem sem educação formal, gostava muito de ler e passou isso para seus filhos. Inicialmente, uma vez por semana, trazia a nova edição de alguma das revistas em quadrinhos que os filhos gostavam: ‘Tarzan’, ‘Mickey Mouse’,.. e, com eles sentados ao seu lado, lia os diálogos, mostrando as figuras.   Mais tarde, por exemplo, fez assinatura junto a uma editora que, mensalmente, passou a enviar um novo livro para sua casa, com histórias que despertavam o interesse dos jovens: ‘Ilha do Tesouro’, ‘Capitão Gancho’,...

Valorizavam muito a vida em família. Todos os fins de semanas havia encontros entre os parentes. Todos se frequentavam, se ajudavam, participavam dos problemas e alegrias um do outro. Atualmente, observa que há um declínio desse hábito que, quem como ele teve oportunidade de praticar, valoriza muito.  Hoje as pessoas, independentemente da frequência com que acessam as redes sociais, vivem mais isoladas, têm uma vida mais solitária. Poderíamos dizer que a maioria sofre de falta de amor, que era abundante no passado.

Ela, muito religiosa, sempre se relacionou bem com os representantes da igreja, e, através deles, nos momentos certos, sempre conseguiu colocar seus filhos nos melhores colégios particulares católicos, provavelmente mediante a obtenção de um desconto significativo, considerando suas limitações -  nunca comentado.

Foram sócios do Clube Atlético Ipiranga e, mais tarde ainda, através do JA, do Paineiras do Morumby. 

Com o passar do tempo, a chama que lhes dava energia e motivação, foi se apagando, até que, quando tinham cerca de 80 anos, se apagou de vez.

Seus filhos, hoje, lamentam não terem conversado mais com eles, terem tido oportunidade de conhecer mais detalhes da sua história, reconhecido mais o seu valor enquanto vivos. Mas, a forma de ser deles parecia tão natural, que os filhos não imaginavam então que pais pudessem ser diferentes. E como podem...

Se fosse para resumir a vida desse casal em algumas palavras, poderíamos dizer: ‘Foram pessoas que se destacaram pelo seu Ânimo, Iniciativa, Responsabilidade, Trabalho, Coragem, Idealismo e Solidariedade’. Serviram de exemplo positivo para mais de uma geração, e merecem todo o nosso respeito.  

“Os pais nunca morrem, apenas ficam invisíveis.”

3-     Família 

Com o passar dos anos, sua vida familiar foi sendo enriquecida. 

1º Casamento 

 

Em 1969 casou-se com a sua ex-colega do Ensino Médio, que então trabalhava no Banco Holandês Unido. Ambos trabalhavam e, assim, a possibilidade de aumentar a família foi sendo postergada por anos, até que, em 1980, nasceu sua filha. 

Então, eles moravam num apartamento no Butantã, próximo da Cidade Universitária, e, logo em seguida, mudaram-se para a Granja Viana, para uma casa espaçosa, situada num Condomínio bem estruturado, o Residence Park.

 

JA com a filha no Residence Park – Granja Viana, 1983


Aos poucos, as dificuldades para criação da criança – já que ambos continuaram trabalhando, foram sendo superadas.

Quando a filha atingiu a idade escolar, foi matriculada num colégio tradicional de São Paulo, o Colégio Rio Branco, na unidade que havia sido instalada recentemente na região.  Por coincidência, anos mais tarde, ao visitar o Colégio, JA ficou surpreso ao ver uma placa, com o nome dela, destacando o fato de ter sido a primeira aluna ali matriculada.  

Entretanto, após17 anos de casados, por diversos motivos, o casal se separou formalmente, mediante um divórcio amigável.   

A ex-esposa e filha continuaram morando na mesma casa por alguns anos, até haver necessidade de se transferirem para Santa Catarina, Joinville, por motivo de trabalho da mãe. 

 

 

A filha continuou estudando, até se formar em Direito.  Hoje está casada, mora o Rio de Janeiro, e tem duas filhas. 



2º Casamento 


Anos mais tarde, oportunamente conheceu aquela que viria a ser sua 2ª esposa. Casaram-se em 1989. Naquele ano nasceu a 1ª filha do casal e, 4 anos depois, em 1993, a 2ª filha. 

São sócios de um clube tradicional da cidade de São Paulo, o Clube Paineiras do Morumbi-CPM. Lá as crianças frequentaram a ‘Escolinha de Esportes’, fizeram amizades. Para facilitar, no ano 2000, a família acabou indo morar numa casa situada praticamente ao lado do Clube. 

Conselheiro

Desde então, JA participa ativamente da vida do CPM,  sendo que, em 2015, foi eleito e passou a participar como Conselheiro do seu Conselho Deliberativo.  

Eleições Conselho Diretivo Paineiras,  Chapa Paineiras ldeal,   Ago15

Coral

JA também fez parte  do Coral do Clube Paineiras, e teve oportunidade de participar de diversos eventos. 


Coral  Coral  Coral Paineiras, 2016




Revista Paineiras Comemorativa 60 anos do Clube, depoimento JA, Ago20 

 


As meninas cresceram, cursaram boas faculdades, e hoje estão trabalhando na sua área de formação. 



 



4-     Formação 

Na época em que começou a frequentar a escola, sua família residia no bairro do Ipiranga, próximo ao Museu Paulista (Museu do Ipiranga). Inicialmente, foi aluno do Colégio São José, onde fez o curso Fundamental 1 (antigo Primário). Depois, o São Francisco Xavier, onde iniciou o Fundamental 2 (antigo Ginásio). Esses colégios ficavam na região em que residia, o que permitia que ele fosse e voltasse a pé.

Naquela época era normal andar 20/30m nos deslocamentos. Os caminhos de então ficaram bem registrados na sua memória porque, obrigatoriamente, passavam pelos  belos jardins do Museu.

O Colégio Cardeal Motta, administrado pelo famoso Pe. Balint, fundador do Circulo Operário do Ipiranga, ficava mais próximo da casa. Entretanto, não foi uma opção viável devido ao alto valor da mensalidade.

Todos os domingos de manhã acompanhava os pais para assistir a uma missa que era celebrada na Igreja católica Santa Cândida -  na época essa igreja era integrada ao edifício do Colégio Cardeal Motta. Por conta dessas idas à missa, e através da sua mãe, ficou conhecendo o Pe. Balint, e convidado a ajudar na celebração das cerimônias como ‘coroinha’, o que ele fez durante algum tempo.

O Colégio São Francisco Xavier era administrado pelos padres Jesuítas. Dona Filinha os conheceu e colocou para eles a possibilidade do filho seguir a carreira sacerdotal.   Assim, através da indicação desses padres, conseguiu uma bolsa de estudos, e a sua transferência para o Colégio Anchieta, de Nova Friburgo, como aluno interno.

Na época foi uma escolha muito acertada, considerando que a situação na casa da família não era boa, devido a saúde precária da mãe. Ela sofria constantes e fortes dores de cabeça (enxaquecas), que a deixavam de cama, por um dia ou dois, a cada semana. 

Colégio Anchieta 

 

Sua passagem pelo Colégio Anchieta, embora tenha durando pouco tempo - cerca de três anos, marcaram a sua vida profundamente.

Independentemente do cunho religioso, que era pregado através das missas e orações diárias, ele teve uma sólida formação cultural  - as aulas eram ministradas por professores altamente qualificados e, já naquela época,  eram em período integral. Também ali aprendeu a viver em sociedade comunitária: seus mestres e companheiros eram originários de diversas regiões do país, aprendeu a ser independente, a respeitar normas e horários. 

Além disso, aprendeu a assumir responsabilidades e a desempenhar funções gerenciais, comerciais e administrativas. 


Durante determinado período foi nomeado Diretor Esportivo – encarregado de administrar os campeonatos internos de futebol dos alunos de sua faixa etária – os ‘Menores’. Isso implicava definir tabelas, arbitragem, acompanhar resultados, etc.

Numa outra época, foi designado encarregado da venda de material escolar para os alunos -  administrava o estoque, controlava as vendas, prestava contas, fazia encomendas para suprimento.

Eventualmente, foi designado como ‘Bedel’ de uma de suas turmas -  sua função era ser o interlocutor entre os alunos e a administração pedagógica para dirimir dúvidas, resolver problemas.

Passou também  a fazer parte de uma associação religiosa para jovens, chamada ‘Cruzada Eucarística’. Nela atingiu o nível de ‘General’ -  um dos mais altos.

 

JA no Colégio Anchieta, Nova Friburgo

Além disso, a prática intensiva e variada de esportes o ajudou a se desenvolver, manter-se bem fisicamente, e a ser competitivo em tudo o que fazia. Sempre se destacou.

A cada 6 meses, saia daquela rotina, e vinha de Nova Friburgo a São Paulo, visitar a família por uns dias.

Ele não tinha consciência, mas estava sendo preparado para a vida.

Passados cerca de três anos, ficou claro para os padres que ele não tinha vocação religiosa, e ele foi orientado a voltar definitivamente para São Paulo.


Colégio Alexandre de Gusmão

Voltando para São Paulo se matriculou no curso noturno do Colégio Alexandre de Gusmão, onde concluiu o Ensino Fundamental,  e cursou o Ensino Médio.

Entre seus amigos de então, um eles, o R. Paraventi, morava uma casa no Paraíso – próximo do atual Shopping Paulista e do Hospital Beneficência Portuguesa.  Nos fundos da casa havia um campo de futebol de salão. Quase todos os sábados o grupo de amigos da escola, JA entre eles,  encontravam-se ali pela manhã, com R. Paraventi e irmãos, para jogar. O pai do R. Paraventi ficava assistindo o jogo dos jovens, de uma sacada, sentado numa grande mesa posta  com refrigerantes, café e bolo, preparados  para a turma após o jogo. 


Colégio Santo Inácio-RJ

Numa época de férias escolares, JA conseguiu junto aos padres jesuítas, seus conhecidos, hospedagem por uns dias para esse grupo de amigos no Colégio Santo Inácio, no Rio de Janeiro.  Lá chegando eles já eram esperados por alguns alunos do colégio, que imediatamente os convidaram para jogar futebol. Mal sabiam eles que esse grupo jogava junto já há muito tempo, e que, além disso, jogavam futebol de salão, e quem joga futebol de salão tem mais facilidade para jogar futebol ‘de campo'.  Ganharam fácil.

Após o jogo JA perguntou paras os inacianos se eles teriam alguma sugestão sobre o que fazer na cidade mais tarde. Alguém lançou uma ideia, mas um outro colocou: ‘Mas isso é muito caro!’. Ao que um do grupo visitante retrucou: ‘Mas nós não perguntamos o preço!’ Ficou claro o porquê da fama de ‘metidos’ que os paulistas têm junto aos cariocas.

Numa outra ocasião, numa caminhada pela cidade, conheceram umas moças, muito bonitas e simpáticas. Elas disseram a eles que trabalham num canal de TV, onde eram dançarinas, e que estavam indo para a apresentação de um show. Perguntaram então se eles não queriam ir também.  É claro que aceitaram.  Era um show onde se apresentou o famoso cantor Cauby Peixoto.

Mais tarde, após o show, elas convidaram o pessoal para ir na casa delas no dia seguinte, à noite, para ‘tomar um café’. Eles aceitaram prontamente. 

Eles voltaram para o alojamento e, como elas eram apenas duas, consideraram que seria exagero ir o grupo todo na casa delas -  afinal eles estavam em seis. Começou então uma discussão para definir quem iria: - Fui eu que as vi primeiro!  - Fui eu que me aproximei e puxei assunto. - Foi comigo que a mais nova conversou mais.  Enfim, não chegaram a nenhuma conclusão e, no dia seguinte, acabaram indo todos.

Lá chegando, tocaram a campainha e foram atendidos por uma criança, que imediatamente chamou o pai, que veio em seguida.  Resumindo, o convite era para tomar café mesmo. A mais velha era mãe da mais nova, a criança era seu filho, e o homem marido.

 


Escola Superior de Administração de Negócios – ESAN 

No ano seguinte à conclusão do Ensino Médio, prestou vestibular e conseguiu entrar na Escola Superior de Administração de Negócios de São Paulo - ESAN/SP. 

Matriculou-se no horário noturno porque precisava trabalhar durante o dia para cobrir suas despesas, e pagar a mensalidade. 

A ESAN, a  primeira das instituições do Pe. Roberto Saboia de Medeiros, foi criada em 1941. Por não existir nenhuma Faculdade desse tipo no Brasil, Pe. Saboia usou como modelo a ‘Graduate School of Business Administration’, da Universidade de Harvard. Com isso, a ESAN-SP marcou o início formal dos estudos específicos de Administração no Brasil. 

Em 28 de janeiro de 1961, o então Presidente da República, Juscelino Kubitschek de Oliveira assinou o decreto que tornou a ESAN a primeira Escola Superior de Administração de Empresas do país a ser reconhecida, e oficializada pelos poderes públicos. O mesmo decreto reconheceu a validade dos diplomas dos alunos formados a partir de 1941. 

JA se recorda que num determinado ano, ficou sem conseguir pagar a faculdade por alguns meses. O secretário da ESAN era um seu conhecido do passado - o Ir. Custódio, ex funcionário do Colégio Anchieta onde, entre outras coisas, exercia a função de fotógrafo – aliás foi ele que tirou a foto de JA postada o capitulo Colégio Anchieta, tirada durante sua participação numa prova oral-, foi solidário e conseguiu segurar o débito por um determinado tempo. 

Entretanto, como o atraso se tornou recorrente, o Diretor da Faculdade foi colocado a par. Ele chamou JA para uma entrevista, ouviu as explicações, e lhe deu um prazo para pagamento que, caso não cumprido, impediria sua participação nas provas do final do ano e consequente reprovação.  

JA não se desesperou, acreditava que encontraria uma solução, como sempre encontrava nas horas mais difíceis. E encontrou. 

Soube através de alguém que um terreno havia sido colocado à venda e soube que alguém queria comprar um terreno com aquelas características. Sem conhecer o terreno, nem vendedor, nem o provável comprador, intermediou o negócio que acabou se concretizando, e rendendo uma comissão praticamente equivalente ao valor que devia pagar para a faculdade. Pagou, fez os exames finais daquele ano, passou e continuou. Nunca deixou de agradecer ao ‘Universo’ por ter lhe proporcionado uma saída tão oportuna.  

 

Na formatura da faculdade foi escolhido, e discursou em nome da sua turma - os novos administradores de empresa. 

Após graduado, fez diversos cursos de especialização, sendo um deles na Fundação Getúlio Vargas SPFGV (Extensão Universitária em Informática e Administração). Um dos seus professores nesse curso foi o Prof. Claude Machiline. 

Professor Claude Machline 

Ele era professor bem-humorado, inspirador e humilde. Esses foram alguns dos adjetivos usados por ex-alunos e colegas para descrever o engenheiro Claude Machline, um dos fundadores da Escola de Administração de Empresas da FGV. 

Nascido no Rio de Janeiro em 1922, passou a maior parte da infância em Paris. A mãe era francesa e o pai, ucraniano. Quando eclodiu a Segunda Guerra Mundial (1939-45), a família retornou para o Brasil. 

Autodidata, aprendeu português na viagem de navio para a América, lendo livros. Já sabia alemão, por causa de uma babá, e francês. Mais tarde, aprendeu a falar inglês. 

Formou-se engenheiro químico pela Universidade Federal do Rio de Janeiro-URFJ, e fez mestrado e doutorado nas universidades americanas Michigan State, e Stanford. 

Na época, JA trabalhava como analista organizacional administrativo numa multinacional alemã, a Mercedes-Benz do Brasil, e tinha a pretensão de implantar na área de produção da fábrica algumas das técnicas que teve oportunidade de aprender e a desenvolver na área administrativa. 

Machline ouviu suas ideias e, humilde e simpaticamente, se interessou. JA organizou uma visita dele à fábrica.  Visitaram a linha de produção, almoxarifados, etc. Ele quis saber de tudo um pouco – os sistemas, processos, controles, etc. Em seguida, participou de um almoço com JA e o Diretor da área dele na empresa. 

Infelizmente, independentemente da assessoria muito gentil  e útil do Professor Machline, o projeto de JA não foi para frente porque, na mesma época, chegou da Alemanha uma pessoa vinculada à área de produção, com um  projeto semelhante ao que ele propunha, já testado na matriz, e, naturalmente, foi o que foi considerado, implantado. 

Anos mais tarde, JA o reencontrou, e ele se lembrou da passagem. Simpaticamente agradeceu muito a oportunidade que teve então, de conhecer mais de perto o funcionamento produtivo de uma grande multinacional. 

5-     Vida Profissional

Quando voltou para São Paulo, vindo de Nova Friburgo, passou a estudar à noite, e, através de seu padrinho P. Nunes, arrumou seu primeiro emprego. Foi na Cia. T. Janer. Lá começou a sua vida profissional, como auxiliar de escritório. 

Em seguida, meses mais tarde, através de um parente de sua mãe, conseguiu emprego no Banco Mercantil de São Paulo. Passou a trabalhar numa agência, no mesmo bairro onde morava, Ipiranga, onde teve oportunidade de conhecer a rotina bancária, e de conviver com funcionários de todos os níveis, além dos clientes. 

Através do pai de uma colega do Ensino Médio do Colégio Alexandre de Gusmão –ela que se tornaria a sua primeira esposa, anos mais tarde-, conseguiu emprego num banco internacional, o Bank Boston, cuja sede paulista ficava na Av. Libero Badaró, em São Paulo. Lá exerceu a função de ‘Informante Comercial’. 

Sua função era obter informações para os gerentes, sobre os clientes que solicitavam empréstimo. A maior parte do dia passava fazendo serviço externo - visitava outros bancos, clientes ou fornecedores do solicitante, pedindo informações sobre eles. Na outra parte do dia, passava redigindo relatórios, informando o resultado de suas pesquisas.  

Boston Bank, JA com amigo Ary, 1968 

A experiência adquirida na estratégia que desenvolveu para obtenção dos dados, e nos contatos que teve que fazer, foram muito úteis para o resto de sua vida profissional.  

Dois fatos foram marcantes nesse emprego: 

a)     Num determinado dia, seu gerente solicitou que ele ficasse à disposição de determinada pessoa, um americano que estava visitando o banco. O visitante solicitava informações do tipo: ‘Quero informações sobre todas as empresas fabricantes de eletrodomésticos, com base em São Paulo.’ 

Todas as 6ªs feiras o americano ia para ao Rio de Janeiro e voltava na 2ª feira seguinte, para continuar o trabalho.   

Ele nunca disse quem era, nem porque necessitava daquelas informações - JA nunca perguntou.  Foi assim durante cerca de 4 meses. Depois dele ter ido embora, JA ficou sabendo, através de outras pessoas,  que ele era um Senador americano, de Boston, que estava aqui no Brasil interessado em avaliar o potencial das empresas brasileiras, especialmente as paulistas, com o propósito de desenvolver um programa comercial entre os dois países. 

b)    Havia no banco um departamento chamado ‘Organização e Métodos – O&M’. Nesse departamento trabalhavam algumas pessoas com as quais JA  fez amizade. Eram pessoas um pouco mais velhas que ele, que passavam confiança e conhecimento – ele as admirava. 

O departamento de O&M realizava estudos que visavam (re)definir as atribuições dos diversos setores do banco, responsabilidades, e a otimizar a burocracia administrava. 

Os analistas, como eram chamados esses funcionários, dependendo do objetivo do seu estudo, faziam levantamento, propostas e redigiam Normas e Diretivas Administrativas que, após aprovadas pela direção da O&M e pelos responsáveis pelas áreas envolvidas,  passavam a ser seguidas. Aparentemente, os funcionários, seus conhecidos,  estavam a par de todos os processos existentes, eram influentes, e respeitados nas diversas áreas do banco. 

Ficou interessado em trabalhar com eles. Afinal, tinha facilidade de contato, prática e talento para redação.  Entretanto, isso não foi possível. Quando questionado sobre a possibilidade, o Diretor deles informou que ali só trabalhavam pessoas já formadas em ‘Administração de Empresas’ ou ‘Economia’, originários das melhores faculdades do país. E esse não era o seu caso. Ainda estava no 2º ano da faculdade de Administração de Empresas, e a sua faculdade não estava entre as que mais se destacavam no cenário.  


Arnaldo Madeira, 1940-

Anos mais tarde, um desses analistas de O&M do banco, o Arnaldo Madeira, foi o fundador do Partido Social Democrata do Brasil - PSDB. Participou como candidato em diversas eleições, foi eleito e  exerceu mandatos como  vereador da cidade de São Paulo (de 1983 a 1995), e como deputado federal (de 1995 a 2011).  

Entre os colegas de sua turma da faculdade havia um que trabalhava na Eletroradiobraz, no Departamento de Organização e Métodos - DOM.  Esse departamento executava as mesmas atividades que despertaram seu interesse no Boston Bank, onde trabalhava. Por não conseguir  transferência para esse o setor no banco, tentou por várias vezes, até conseguir, uma entrevista de emprego na Eletroradiobraz. 

A partir de outubro de 1969, cursando o último ano da faculdade, passou a trabalhar nessa empresa, na área que pretendia. 

 


O colega de faculdade de JA que trabalhava na Eletroradiobraz, J. G. Martinez, por coincidência (ou não) era chefe de um dos setores do departamento de O&M - exatamente na área onde ele pretendia trabalhar. Finalmente, conseguiu a vaga, saiu do banco, e passou a trabalhar na ‘Eletro’.  

A Eletroradiobraz nasceu nos anos 40, no Bairro do Brás, na Av. Rangel Pestana, próximo da estação ferroviária e da Confeitaria Colombo, no Largo da Concordia, na cidade de São Paulo. 

Inicialmente ela surgiu como um ponto de consertos de rádios e outros pequenos eletrodomésticos, como ferro de passar, liquidificadores, entre outros. 

O inicio do negócio foi dado pelo Sr. Ayme Taub e sua esposa Anita Taub, os quais tinham um casal de filhos, Carlos Taub e Sarah Taub. 

Com o passar do tempo o filho Carlos Taub procurou diversificar o negócio de seu pai, dando inicio a venda de eletrodomésticos e, em seguida, confecções - especialmente ternos e acessórios. A partir desta iniciativa começou haver um crescimento comercial e estrutural. 

A loja de consertos deu lugar no mesmo endereço a um prédio de sete andares que passou a abrigar uma moderna loja tipo magazine (alguns a conheciam como loja vitrine), com vários departamentos interligados internamente por passarelas, que facilitavam e criavam clima para desfile de modas e outros eventos. 

Até meados de 1967, a estrutura administrativa da Eletroradiobraz era familiar. Com o crescimento dos negócios a empresa foi sendo profissionalizada com a contratação de executivos específicos para cada área da empresa, porem sempre mantendo em sua estrutura os funcionários que colaboraram para o crescimento empresarial da organização. 

A Eletroradiobraz contava na época também com um grande depósito no bairro do Tatuapé, e posteriormente na via Anhanguera, que podia ser visto da rodovia, de onde saiam seus Caminhões Chevrolet amarelo e azul para entregar as mercadorias vendidas nas lojas. 

A empresa matinha também para seus funcionários uma colônia de férias, na Praia Grande, São Paulo. 

No inicio dos anos 70, transferiu a sua estrutura administrativa para o Largo Santa Cecilia, no prédio anteriormente ocupado pelas Lojas Clipper, loja tradicional em São Paulo nos moldes dos atuais magazines. 

Um pouco antes dos anos 70, o ramo de supermercado já era uma realidade, e crescia a necessidade de se atender a crescente demanda populacional pelo sistema de auto serviço. Aos poucos, a Eletroradiobraz também expandiu suas atividades para esse segmento chegando a ter oito lojas. 

 

 

Em 1971 a Eletroradiobraz inaugurou o seu primeiro hipermercado, com a denominação de ‘Baleia’, no Bairro da Agua Branca, em São Paulo - no prédio anteriormente ocupado pela Eucatex. A definição de Hiper para aquela época era que se dizia que, em um único ponto de venda, se podia encontrar do alfinete ao avião. 

O nome ‘Baleia’ foi escolhido porque já existia o Jumbo (antecessor do Extra) o primeiro hipermercado do Brasil que foi inaugurado em Santo André, município de São Paulo, também em 1971  pertencente ao Grupo Pão de Açúcar. 

A empresa, tanto para os supermercados e hipermercados, contratava assessoria de executivos americanos aposentados, com vasta experiência nesse segmento como, por exemplo, nos Estados Unidos entre outros países. 

Na Eletroradiobraz JA, que havia acabado de concluir a faculdade, começou a exercer as função de analista de O&M, inicialmente como trainee e depois, Junior e, finalmente, como Senior. 

Sua maior experiência foi na área de suprimento, armazenamento e entrega de produtos vendidos pelas lojas.  Nos finais de ano, considerando o grande aumento do volume de vendas, a empresa alugava e passava a utilizar um espaço adicional para armazenamento.  Alugava um depósito na Vila Carioca, em São Paulo. 

 JA, numa dessas ocasiões foi encarregado de administrar esse depósito: quadro de pessoal, frota de veículos, segurança, recebimento de produtos, armazenamento, controle de estoque, separação e entrega. 

Num desses dias choveu torrencialmente na região, e ocorreu uma grande inundação.  A água começou a entrar no depósito e ameaçava molhar os móveis e eletrodomésticos.  JA foi pesquisar o porquê da inundação, e verificou que a água da chuva não estava escoando porque havia sido bloqueada pelo vizinho - uma área ocupada por uma montadora de automóveis. 

Ele, no meio daquela chuvarada, foi falar com o responsável pelo local.  Ele estava sentado em cima de uns sacos de areia para impedir que fossem retirados. Os sacos tinham sido colocados ali justamente para bloquear o fluxo de escoamento da água.  Independentemente dos apelos indignados de JA, o responsável se recusou a desobstruir para dar vazão à água.  Argumentou que tinha uma caldeira em funcionamento no local e que, se a água invadisse a área, ela explodiria.  Em contrapartida, forneceu caminhões, pessoal e espaço para guarda do que houvesse no depósito, para evitar a perda. 

JA, por telefone, colocou a ideia para seu Diretor, Sr. J. Casoy. Após a sua concordância e preparativos, iniciou a transferência. Foi tudo salvo.  No início do processo, preocupado com a volta para casa, ele havia deixado sua roupa na carroceria de um caminhão, para ficar mais à vontade para ajudar no trabalho. Infelizmente, no meio da confusão, acabou por perdê-la. Naquela noite chegou tarde em casa, molhado, sem sapatos, e usando uma  roupa emprestada. 

Participou da criação do depósito na via Anhanguera, e ativamente no planejamento e execução da transferência da estrutura administrativa da empresa, do Largo da Concórdia para o Largo Santa Cecilia, também em São Paulo, tendo sido elogiado por isso. 

Nesse trabalho de transferência dos escritórios JA:

o    Levantou todos os móveis e equipamentos existentes nos escritórios;

o    Distribuiu o espaço da nova sede entre os diversos departamentos/setores, considerando seu tamanho e atividade;

o    Projetou o layout de cada área, considerando e prevendo a localização de seus móveis e equipamentos;

o    Organizou o fluxo da transferência utilizando caminhões – definiu a ordem de saída/entrada, a carga de cada caminhão, o pessoal e as viagens necessárias para execução.

o    Orientou o pessoal envolvido sobre o que deveria ser feito. 

No dia e horário definidos, a mudança foi realizada. Uma passagem interessante desse evento foi que haviam sido previstas 150 viagens para realização da transferência. Entretanto, por qualquer motivo, ao final, verificou-se que a última viagem seria a 149. JA não concordou; dividiu a carga dessa última viagem em duas. Assim, a mudança foi realizada com 150 viagens, como previsto.  

Dois anos mais tarde, em 1972, seu colega saiu da Eletroradiobraz e passou a trabalhar na Mercedes-Benz do Brasil, em São Bernardo do Campo. Não passou muito tempo, ele convidou um outro colega de JA,  que também trabalhava na Eletroradiobraz, o P. Astolfo, para ser funcionário da MBB na mesma área. E, em seguida, também convidou JA.


Mercedes Benz do Brasil


 

Na MBB, onde trabalhou de  1972 a 1988,  exerceu inicialmente a função de Analista de Organização e Métodos. Nessa função teve oportunidade de conhecer quase todas áreas da empresa, em especial a Financeira e a de RH. 

Depois de alguns anos, foi designado chefe do setor responsável pelo Planejamento de Escritórios da empresa.  Cuidava da definição de espaços, mobiliário, etc. 

Era uma área muito ativa considerando que, na época, estava sendo implantado o conceito de centralização administrativa, abrindo espaços comuns nos escritórios, e unificando a operação de algumas funções que antes eram individuais, tipo secretariado.  

Participou do planejamento e implantação da área administrativa da unidade da MBB-Campinas, no Distrito Industrial, nas proximidades do aeroporto de Viracopos. 

Essa unidade tinha como finalidade de concentrar as atividades de pós-venda da Empresa, a começar pela área de Assistência Técnica, que prestava suporte à clientes e concessionários no Brasil, e também nos diversos países para onde exportava. 

A Central de Distribuição e Logística de Peças era a maior da Mercedes-Benz fora da Alemanha. Eram 80.000m², com um estoque de 10 milhões de peças, e distribuição de 3 milhões de peças por mês. 

Em Campinas estavam concentradas também as atividades de Global Training, que promovia treinamentos para clientes, concessionários e equipes da própria empresa, bem como a Central de Relacionamento com o Cliente, que oferecia suporte, tanto para veículos comerciais, como para automóveis da marca. 

Essa planta da Mercedes-Benz do Brasil contava ainda com a linha de produção de peças remanufaturadas RENOV, como motores, câmbios, embreagens e outros itens, alternativa que vinham sendo cada vez mais utilizada pelos clientes para renovar seus veículos. 

Na época imaginou a possibilidade de vir trabalhar na unidade Campinas, tanto que comprou um terreno na proximidade, na área conhecida como Mosteiro de Itaici. Era um bairro, no município de Indaiatuba, entre as cidades de Campinas e São Paulo.  Era um local privilegiado – ficava no alto, tinha uma linda vista, não havia vento – ali escutava-se o silêncio, como ele dizia. Talvez essas características tenham influenciado a escolha do local para implantação do Aeroporto Internacional de Viracopos, que ficava próximo. 

Ele se lembra, fazendo graça,  que havia comentado com os colegas que, com a compra desse terreno, onde planejava construir sua residência, havia  começado a realizar um sonho. O sonho era ter uma casa, num lugar como aquele - silencioso, agradável, e possuir uma fábrica de veículos instalada nos fundos do seu quintal. 

Anos mais tarde, como essa transferência não se concretizou e, esse terreno, foi utilizado como parte de pagamento de uma casa que adquiriu na Granja Viana, onde, anos mais tarde, passou a morar. 

Posteriormente, foi promovido a chefe do Departamento de Administração-ADM, responsável pela administração pela: 

o     Comunicação da empresa (telefonia, telex, correio interno);

o   Veículos e Motoristas – cerca de 300 automóveis (compra, distribuição, venda, licenciamento, manutenção e abastecimento), sendo 50 deles MB importados,  e 50 motoristas;  

o    Transporte de cerca de 11 mil funcionários da residência para o trabalho e vice-versa  (contratação, definição de rotas, designação dos funcionários por ônibus/viagem, administração e controle da prestação do serviço. e pagamento das empresas de ônibus contratadas);

o Compra, guarda e distribuição de suprimento de material, móveis e equipamentos, de escritório. 

Naqueles anos o Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, região onde se situava a fábrica, promovia campanhas reivindicatórias junto à administração da empresa. Seus dirigentes, incluindo o Sr. Luiz Inácio da Silva, presidente do Sindicato, e futuro presidente do Brasil, ficavam no pátio, no horário da saída dos ônibus que levavam os funcionários de volta para casa, colocando-os a par dos movimentos e reinvindicações, muitas vezes os incitando à fazer greve para conseguir que fossem atendidas.  

Numa dessa oportunidades, JA que tinha entre suas funções o transporte de funcionários, acompanhou o Sr. Luiz Adelar Scheuer, Diretor das Relações Institucionais da Empresa,  em cada ônibus estacionado, antes da partida, onde foi explicado aos passageiros/funcionários o posicionamento da empresa em relação às reivindicações, com o propósito de conter/minimizar o movimento grevista. 

Foi uma época muito produtiva na sua vida profissional – ganhou experiência e, confiança. 

Em 1988, com a previsão do encerramento da participação da MBB na Sociedade Técnica de Fundições – Sofunge,  e de suas atividades, JA soube que seu diretor pretendia convidar um executivo daquela empresa para assumir o seu lugar na MBB.  


P. Astolfo e Marisa Costa, padrinhos da 1ª filha JA, e a mãe

Naquela época, aquele seu ex-colega da Eletroradiobraz e da MBB, P. Astolfo, que agora também era padrinho da sua filha do 1º casamento,  trabalhava na área de educação, e era Diretor Financeiro de um colégio no Jardim Paulistano, em São Paulo, o Colégio Mater Dei. Oportunamente, ele o convidou para trabalhar com ele. 

JA aproveitou a oportunidade, conseguiu um bom acordo financeiro na MBB e saiu da empresa.  

Como parte do acordo conseguiu um automóvel da marca Mercedes-Benz, além do  um outro, veículo nacional, de seu uso, concedido por conta de seu nível na empresa.  O MB era veículo especial porque, meses antes, com a liberação da importação da veículos, os carros importados mais antigos- que haviam sido comprados junto aos consulados, seriam substituídos por novos, e vendidos.

 Haviam cinco unidades na frota de carros MB Série 250, sendo que foi decidido que quatro deles, os mais antigos, deveriam ser vendidos.  


 

Antes da venda, JA providenciou junto a oficina / concessionária de carros MB, existente na fábrica, que  as melhores peças e acessórios fossem transferidos / substituídos  dos 4 veículos que seriam vendidos, pelos equivalentes do 5º veículo – aquele que permaneceria. Aproveitou que o carro já estivesse na oficina, e solicitou que também fosse feita a substituição do revestimento de couro dos assentos que já estava meio gasto. Para tanto foi importado um revestimento original, na cor branca, de acordo com o modelo do carro. 

Entretanto, uma decisão posterior definiu que aquele 5º veículo também deveria ser vendido.  JA viu nisso uma oportunidade, e conseguiu que esse carro fizesse parte do acordo do seu desligamento da empresa. 

O carro MB mencionado fez parte da história de JA também por outro motivo. 

Utilizava o MB quando conheceu a sua futura esposa e, posteriormente, quando conheceu a mãe dela, que o recebeu muito bem, e mais tarde o elogiou para a filha – a marca do veículo deve ter ajudado nessa parte.  Mais tarde, depois de casados, a esposa comentou com ele, fazendo graça, que deveria reclamar no Procon (Programa de Proteção e Defesa do Consumidor) por ter sido ‘vítima de propaganda enganosa’. 

Em seguida, foi trabalhar no Colégio Mater Dei, na área financeira, como Gerente de  Controladoria.  

 

 

Fundado em 1962, em São Paulo, o Colégio Mater Dei tem cursos que vão,  desde da Educação Infantil até o Ensino Médio.  Em 1984 abriu uma unidade em São José dos Campos. 

Sua proposta sempre foi criar e manter um ambiente adequado para a aprendizagem, baseado no desenvolvimento de hábitos de estudo, e na construção pedagógica de conhecimentos sólidos nas diversas áreas e disciplinas, bem como com a inserção futura destes jovens no mercado de trabalho. 

JA desempenhou a função de Controller de 1989 até 1995, quando, com a saída da instituição do P. Astolfo que havia adquirido seu próprio colégio, o substituiu, sendo promovido a Diretor Financeiro do grupo. 

Em 2002 foi transferido para a unidade de São José dos Campos, como Diretor Administrativo. 

Global Program

Durante a sua gestão teve oportunidade de implantar na unidade, em parceria com a Câmara Americana do Comercio - AMCHAM, o Global Program.  


 

O Global Program é um programa de ensino internacional, que promove o multiculturalismo, a cidadania, a fluência e a proficiência na Língua Inglesa, por meio de um ensino com grade curricular acadêmica americana e, ainda, pela aquisição de conhecimentos contemporâneos. 

Ao final do curso, o aluno recebe o certificado brasileiro de conclusão, e o histórico do currículo da escola americana e, assim, pode cursar escolas em qualquer parte do mundo. 

Todas as matérias são ensinadas em Inglês, seguindo os padrões e parâmetros curriculares exigidos internacionalmente. Entre as matérias lecionadas estão: Leitura e Linguística e Estudos Sociais e Ciências. Todos os materiais são adquiridos das principais fornecedoras de livros de colégios públicos e privados americanos. 

Esse programa foi um sucesso em São José dos Campos. Isso era esperado,  considerando que a cidade tem inúmeros estrangeiros trabalhando nas empresas instaladas na região e que, eventualmente, são remanejados para outros países. Então, eles têm interesse que seus filhos tenham um currículo escolar reconhecido no mundo inteiro, para facilitar o processo, ou para estarem preparados para cursar alguma faculdade no exterior. 

Web Controll

Durante os anos que esteve nessa unidade teve oportunidade de implantar um sistema administrativo informatizado que previa entre outros controle de estoque, recebimentos e pagamentos,  que veio facilitar enormemente o trabalho.

Posteriormente, tanto o ‘Global Program’, como o programa administrativo informatizado, foram implantados na unidade de São Paulo.

Alimentação Terceirizada

Lembrou-se que inicialmente teve dificuldade em administrar a prestação de serviço de alimentação (cantina e restaurante) para alunos e funcionários. Tinha dificuldade para controle de estoque, do resultado financeiro, da qualidade do serviço, etc.  Então, estudou a possibilidade de terceirizar o serviço. Avaliou diversas empresas interessadas, e concluiu contratando uma empresa especializada para executar essas atividades. O acordo previa que 10% da receita mensal – controlada através do sistema administrativo informatizado do Colégio,  fosse paga a título de ‘aluguel’. 

Mais tarde, pode constatar que foi uma decisão acertadíssima, considerando o resultado financeiro, e que o sistema anterior, por desconhecimento, não estava observando adequadamente a legislação vigente que tratava do assunto.  

Além disso, a nutricionista do empresa contratada, passou a discorrer / ensinar para os alunos o conceito de ‘Alimentação Saudável’. Muito conveniente, considerando que, se a contratada ensinava o que era alimentação saudável, não poderia fornecer o que não fosse.   Isso, aliado ao fato de que cada turma de alunos cuidava de uma horta na área da escola, cuja produção era entregue a eles para levarem para suas casas. Os alunos acabavam passando para sua família o que aprenderam no Colégio nessa parte.  Isso surpreendia os pais, resultando num marketing muito positivo para o Colégio.

Academia de Natação 

 Num outra ocasião, passaram a considerar um risco para os alunos a existência de uma piscina na área da escola. Apesar do controle, havia sempre a possibilidade de um eventual acidente, principalmente com os mais novos. 

Então, o Colégio fez um convênio com uma academia de natação existente na vizinhança, e passou a transportar os alunos para as aulas -  ida e volta, nos horários marcados. A piscina antiga do colégio foi aterrada. Outra vez a terceirização se mostrou mais conveniente – além de dispor de treinadores especializados, a academia proporcionava temperatura da água e piscinas adequadas para cada faixa etária, coisa que no colégio era impossível. 

Água de Reuso 

Oportunamente foi construída na área do Colégio uma caixa de água subterrânea de 10 mil litros, para captação da água da chuva. A água dessa caixa passou a ser reutilizada para regar canteiros, lavagem de pisos, e descarga dos banheiros. Com essa iniciativa o Colégio estava ensinando cidadania,  dando o exemplo. 

Infestação de Aranhas



Num determinado momento houve uma infestação de aranhas na área não construída do Colégio, principalmente onde havia vegetação.  A área era muito extensa – o terreno tem no total cerca de 24 mil m², e, considerando a dificuldade para capturá-las, que não era saudável fazer uma dedetização muito agressiva – afinal os alunos frequentavam esses espaços, e não se poderia correr o risco de contaminação-, foi encontrada uma solução muito prática e eficaz.  

O colégio adquiriu Galinhas de Angola que ficavam presas durante o dia – em horário de aula e eram soltas à noite para percorrer os espaços abertos. As Galinhas de Angola se alimentavam com as aranhas e outros insetos, e acabaram com a infestação. Posteriormente foram mantidas,  para evitar o risco de reincidência. 


JA trabalhou no Mater Dei até meados de 2011. Segue abaixo suas considerações a respeito, feitas logo a seguir do desligamento.


 



Tendo saído do Colégio Mater Dei, JA passou a trabalhar período integral como Consultor Empresarial, pela na própria empresa, fundada já nos anos 2000, a Thoth Serviços de Informática e Documentos Ltda. ME. 

O Mater Dei cumpriu o acordo financeiro feito e, tendo passado cerca de 10 anos do desligamento, JA tem conseguido cumprir seus compromissos e a manter seu padrão de vida, com base no que consegue auferir como consultor, e com o rendimento do aluguel de alguns de seus imóveis. 

Recentemente, dois desses imóveis foram desalugados, cada um por um motivo, sendo que um deles é o proporcionava a maior parte da  receita familiar. A situação seria crítica, considerando que a poupança que dispunha era muito pequena.

Entretanto, oportunamente, um imóvel que pertencia à família da sua esposa foi vendido, e o dinheiro a que ela tinha direito foi recebido, e parte dele serviu para ajudar na superação, suprimento financeiro, até a relocação dos imóveis.


Esposa de JA e sua mãe, Dona Gesilda

O imóvel vendido era utilizado como moradia pela sua sogra e genro. Com o falecimento da Dona Gesilda, há cerca de dois anos, JA colocou que seria interessante que providenciassem a venda. Foi informado que isso estava totalmente fora de questão, pois ele – o genro, pretendia continuar morando ali. Tudo bem. Passados esses dois anos, foi informado pelo genro que uma construtora tinha intenção de implantar um empreendimento na região, e que, por conta disso, precisava adquirir o terreno onde estava a casa. A oferta foi muito boa. O genro consultou a irmã, e acabaram por aceitar. 

A venda e o recebimento do pagamento foi providencial. Mais uma vez o destino conspirou a seu favor, considerando a situação financeira naquele momento, prejudicada pelo dificuldade em alugar os imóveis desocupados,  que continuou pelos 6 meses seguintes. Certamente seus ‘anjos da guarda’ estavam atentos, e, como sempre,  ajudaram nessa hora de dificuldade. 


 

6-     Realizações 

Quando do 1º casamento JA e esposa foram morar num pequeno apartamento na Aclimação, na Rua José Getúlio.  Era um local, próximo do centro de São Paulo, e que disponibilizava linha de ônibus para todos os pontos da cidade, inclusive para o Largo da Concórdia, onde então trabalhava. 





 

Algum tempo depois, quando JA já trabalhava na MBB, adquiriam, mediante financiamento a longo prazo e módicas prestações, um apartamento no Moinho Velho, no início da Via Anchieta (Km 5) . Morar ali era muito conveniente porque a fábrica ficava próxima, no Km 16 dessa via. 

Na época o grupo de de moradores que administrava esse prédio, embora recebesse normalmente o pagamento mensal do condomínio, deixou de pagar as contas devidas.  JA ficou indignado e resolveu sair dali.  Alugaram uma casa, numa vila, próximo da Igreja São Judas, no Jabaquara, e se transferiram para lá.  

Encontrou um parente da esposa que estava precisando de moradia, para ele e família. Ofereceu o apartamento  com a condição de que ele pagasse as prestações restantes do financiamento. Aceitou, e mudaram-se para lá. Entretanto, passados alguns meses, verificou que ele não estava pagando. JA, indignado outra vez, exigiu que saíssem do apartamento e, oportunamente, o vendeu. 

Com o dinheiro da venda, conseguiu financiar, agora a curto prazo, a compra de um apartamento no Butantã, na Av. Caxingui, próximo da Cidade Universitária e do início da Rodovia Raposo Tavares.  




  

 

Casa Lagoinha – Ubatuba-SP

Na sequência, como indicado no gráfico acima, aproveitaram uma oportunidade e compraram uma casa em Ubatuba, Praia da Lagoinha. Mais tarde comprou o terreno vizinho, quando foi colocado à venda, criando a possibilidade de aumentar a área da casa. Comprou também um terreno em Campinas, próximo do Mosteiro de Itaici, do aeroporto de Viracopos, e da unidade que a MBB estava sendo instalada próximo dali. 



JA, agora no seu 2º casamento, morava de com a esposa num apartamento alugado na Rua Dumont Villares, no bairro do Morumbi. Tomou conhecimento de uma apartamento à venda, cujo valor estava dentro de suas possibilidades, também no bairro do Morumbi – Vila Andrade, num condomínio de prédios, próximo ao Shopping Jardim Sul. Comprou esse apartamento e mudou com a família para lá. Ao invés de aluguel, agora pagava uma prestação mensal. 

Como seus pais moravam de aluguel, num outro bairro de São Paulo, conseguiu também comprar uma pequena casa para eles.  A casa se situava na proximidade do apartamento. 

Essa localização era interessante, primeiro porque era próxima de onde ele morava, e depois porque seu pai, principalmente, frequentava o Clube Paineiras – que ficava na região, na condição de dependente de JA. Lá ele jogava bocha quase que diariamente, e fez ali muitas amizades. Após mais de uma década de seu falecimento, de vez em quando algumas pessoas ainda perguntam a JA sobre seu pai. 

No meio tempo, com a transferência da 1ª esposa e filha para Joinville, Santa Catarina, por motivo de trabalho, JA ficou encarregado da venda da casa da Granja Viana.  Nesse período, passou a cuidar da manutenção do imóvel, procurando despertar maior interesse dos candidatos. Como a venda estava difícil, imaginou até a possibilidade de comprar a parte da ex-esposa, e vir morar ali, com sua nova família. 

Mas, afinal, conseguiu vendê-la por um bom preço. Uma parte veio em dinheiro e a outra na forma de um imóvel – uma casa no Butantã.   

O dinheiro foi para a ex-esposa que aplicou na compra de uma casa em Joinville, bem situada, num terreno de cerca de 2000m², com uma área construída talvez maior do que a da casa da Granja Viana.  

A casa que veio como parte de pagamento ficou para JA. Era uma casa com uma aparência simples vista de frente, mas muito espaçosa. A suíte máster tinha uma grande banheira com hidromassagem no banheiro, e dispunha de uma sala de TV. Na área externa, uma churrasqueira. Junto à cozinha, espaço para copa. Na sala de estar, uma  lareira. Tinha três quartos, sendo que um deles com um grande terraço, com cerca de 8m de comprimento,  com vista para rua. 

Além disso, o recebimento dessa casa foi muito oportuno. Sua filha mais nova, já maiorzinha, agora precisava de uma quarto exclusivo, o que era impossível no apartamento onde moravam. 

JA se recorda que quando recebeu a notícia de que o negócio tinha se concretizado, estava caminhando junto da sua esposa, no Clube Paineiras, e da  grande satisfação que sentiu naquele momento.  

Mudaram-se para a casa no Butantã, e alugaram o apartamento do Morumbi. 

Então, seus pais que nunca ficavam no mesmo lugar por muito tempo, resolveram que gostariam também de morar em Joinville.  JA comprou uma pequena casa para eles na cidade, para onde se transferiram e se deram muito bem. Vendeu a casa onde moraram anteriormente

Alguns anos depois, seus pais se mudaram de Joinville-SC para Penápolis-SP, onde residiam alguns parentes da mãe dele - sim eles continuaram mudando. 

JA permaneceu com o imóvel de Joinville porque tinha informação de que a MBB instalaria uma fábrica na região e, naturalmente, devido ao aumento da procura, o imóvel seria mais valorizado. Entretanto, a instalação não ocorreu e, algum tempo depois,  ele o vendeu.     

Em Penápolis seus pais viveram uma vida tranquila, apoiados por uma sobrinha da mãe dele que anos antes havia sido ajudada pela Dna. Filinha  quando veio para São Paulo, numa  tentativa de se estabelecer nessa cidade. Em Penápolis seus pais sempre moraram em uma casa alugada por JA –sim ele agora não comprou, até falecerem,  anos depois - primeiro o pai, depois a mãe. 


 

Apartamento Moema 


Av. Chibarás,   Apartamento 

Enquanto moravam de aluguel na Av. Dr. Dumont Villares, pensando em ter um imóvel próprio, JA, dentro de suas possibilidades comprou um pequeno apartamento em Moema, na Av. Chibarás, próximo ao largo de Moema, com a intenção de vendê-lo depois para que, com o que fosse auferido, pudesse viabilizar a compra de um maior. 

Entretanto, isso não foi possível devido ao  fato de que o valor da prestação, por conta da  alta inflação monetária na época, subia desproporcionalmente aos seus rendimentos.  Esse apartamento passou a ser alugado para ajudar a pagar as prestações. 


Escritório Rua Iguatemi


Thoth, Escritório Thoth, Rua Iguatemi 

Um dos inquilinos do apartamento do Morumbi, Vila Andrade, fez uma oferta para compra. JA consultou um seu conhecido que trabalhava no ramo imobiliário, que considerou boa a proposta. JA aceitou e, através desse mesmo conhecido, adquiriu um escritório na Rua Iguatemi, próxima à Av. Faria Lima - uma das vias comerciais mais valorizadas de São Paulo, e instalou ali a sede do escritório da sua empresa de consultoria empresarial, a Thoth, até sua venda em 2019.


Gold Village

 

JA e família viveram por alguns anos na casa do Butantã. As crianças começaram a frequentar o Clube Paineiras quase diariamente, levadas pela mãe.  Numa dessas idas, ficaram conhecendo um condomínio, o Gold Village,  que ficava numa rua próxima do Clube, e que tinha casas à venda. 


A esposa e filhas levaram JA para conhecer o Condomínio e a casa.  Ele achou tudo ótimo – a casa, as áreas comuns, a localização.  Entretanto, no carro, quando estavam voltando para casa, ao ser  questionado se iria comprar a casa, respondeu: ‘Não! O valor é muito elevado’.  Lembra-se até hoje desse momento, quando então, sua filha mais nova, com 5 anos de idade, lhe disse: 

“Se você quer, você irá conseguir.” 

Essa fala, principalmente partindo de uma criança,  o fez reconsiderar a decisão, e tentar fazer o negócio. 

Descobriu que o construtor do condomínio, que ainda tinha algumas casas a venda no local, estava passando por dificuldades financeiras, e precisava urgentemente de dinheiro. Então, ofereceu a casa do Butantã, por um valor acima do de mercado, como parte do pagamento; uma parte – a entrada, a ser paga diretamente por ele, em algumas vezes; e a outra, através de um financiamento bancário. 

Sua proposta foi aceita e o negócio concretizado. 

Alguns meses depois o proprietário o procurou perguntando se ele  poderia antecipar o pagamento do saldo da entrada. JA aproveitando a oportunidade fez uma oferta para quitação com um valor inferior a 50% do ainda devido. A proposta foi aceita, atendendo ambas as partes. Por isso e por aquilo, quando finalmente acabou de pagar o financiamento bancário, e recebeu a escritura definitiva do imóvel, ficou claro para ele que, realmente, 

‘Querer é Poder’ 

Síndico 

No condomínio, numa determinada época foi eleito como síndico e durante o seu mandato desenvolveu um projeto para adaptação de uma das áreas comuns sub aproveitada  para sala de jogos e festas voltados para   crianças. 

Pesquisa 

Mesmo após ter deixado de exercer a função de síndico, continuou batalhando pelos interesses dos moradores.  Através de uma sua conhecida que tinha uma empresa especializada em pesquisa, procurou saber quais as expectativas dos moradores com relação ao condomínio. Apresentou o resultado dessa pesquisa em uma assembleia. Esse resultado era eminentemente técnico, não tinha nada a ver com qualquer um dos grupos políticos ou de interesse. 

O resultado apontou as 5 maiores expectativa dos moradores, por ordem de interesse.  As cinco próximas gestões do condomínio não tiveram opção senão procurar atender às expectativas elencadas, em benefício de toda a comunidade. 

Associação de Moradores

 

 

Ainda, durante o seu mandato, devido ao aumento da criminalidade na região, fez gestões junto à subprefeitura do Butantã para aumento do policiamento local.  

Na época foi criada a Associação dos Moradores Cidade Jardim Panorama - AMCJP, para representar e procurar atender os moradores da região. Ele foi eleito seu presidente. Durante seu mandato, juntamente com representantes do Clube Paineiras do Morumbi, vizinho, e empresas da região, continuou a efetuar gestões junto aos órgãos públicos para contenção do aumento/transferência da pequena favela próxima, prevenção e redução da criminalidade na região.   Sua pretensão foi atendida, tanto que posteriormente foi instalada na área uma grande escola particular, de origem americana,  reconhecida internacionalmente.  

  

Costa Verde Tabatinga 

Visitando a praia da Lagoinha, Ubatuba-SP, onde ficava sua casa da praia que fora vendida, e onde seus primos tinham residência, resolveu comprar um terreno que estava em oferta, num local bom, por um valor que considerou razoável. 

 

Um dia, a seu pedido, sua esposa veio a Ubatuba para verificar junto à Prefeitura se a documentação e impostos do terreno estavam em ordem.  Durante a viagem, passou pelo Condomínio Costa Verde Tabatinga e resolveu dar uma parada ali para conhecê-lo. Adorou o local – a praia, a infraestrutura do Condomínio, etc. 

Um corretor de imóveis que tinha um escritório ali mostrou a ela alguns terrenos que estavam à venda. Ela se interessou, e ligou para colocar JA a par da sua descoberta. JA foi visitar o local na próxima semana e também gostou - nem se comparava com o da Lagoinha – o preço era quase o mesmo e era muito melhor. Houve uma negociação, e acabaram comprando um terreno onde, algum tempo depois, durante dois anos,  construíram a casa onde moram atualmente. 

Implantação da Praça

 

Depois que construíram a casa observaram que, ao lado dela havia uma área não cuidada, onde o mato crescia à vontade. Ficava na confluência de duas ruas, e tinha  o formato de uma praça. 

Passados alguns anos, JA idealizou e implantou no local um ajardinamento planejado prevendo a plantação de árvores frutíferas, e iluminação.  JA, e um vizinho procurado por ele,  financiaram a implantação, bem como a manutenção do local Após dois anos, passaram a responsabilidade de manutenção para a administração do Condomínio. 

Canalização do Córrego

 

Na rua lateral da casa, no limite com a área externa, havia um córrego que servia também para descarte de água pluvial. Na maior parte do tempo não havia vazamento significativo, e a água ficava praticamente parada, o que favorecia a criação no local de mosquitos e outros bichos. 

JA solicitou junto à administração a canalização do córrego no percurso indicado na cor verde clara do mapa - canto superior direito, e foi atendido. Entretanto, a canalização não foi exclusiva para a área solicitada – foi estendida, como também indicado, incluindo toda a extensão do  córrego na lateral direita do Condomínio, prevendo o seu descarte na área externa, em esgoto público. 

Igreja São Judas

 

JA soube através de um seu funcionário que na área externa do condomínio, na direção de sua casa, estava sendo construída uma igrejinha prevista para ser a sede da paróquia da região.  Foi visitar a obra e a achou simples demais, modelo 'casa geminada’, embora implantada num  terreno de bom tamanho.  Então pediu ao arquiteto que construiu a sua casa que desenvolvesse um esboço projeto para a igreja, que deveria ser em estilo colonial, para ser implantada no centro do terreno, com uma praça no entorno. Ele fez. 

Através do seu funcionário que também era Tesoureiro da paróquia, convidou o padre responsável pelo espaço para vir a sua casa, conhecer o projeto. Ele veio, JA apresentou, ele gostou.  JA colocou para ele que, através de seu conhecimento, poderia arrecadar o dinheiro e ajuda necessários para realização. Porém, colocou uma condição:  que a administração do dinheiro e gastos ficasse sob sua responsabilidade. O padre não concordou com essa condição, absolutamente: ‘E se as outras paróquias sob minha jurisdição precisarem de apoio financeiro?’  JA disse que isso seria um outro problema, e que não poderiam misturar as coisas. Foi o fim do projeto. O padre não aceitou, foi embora, e concluiu a construção da forma precária prevista inicialmente.  

Anos mais tarde, JA tinha um devedor com dificuldade para pagar uma dívida. Essa pessoa era um artista – produzia esculturas. JA então, sem outra alternativa para receber o devido, propôs que ele pagasse através de uma obra de arte de sua produção.  Ele perguntou qual tema que despertava seu interesse e JA respondeu: ‘Uma imagem de São Judas, o santo das causas perdidas, e de devoção da minha mãe’, pensando em instalá-la na igrejinha próxima, já mencionada, que agora estava operando.  

Um belo dia, um sábado pela manhã, foi feita a entrega da imagem do Santo, com cerca de 2,5m de altura, trazida por um caminhão, vinda de São José dos Campos.  JA nesse momento estava num bar próximo da igreja, tomando o café da manhã.  O motorista pediu ajuda para descarregar a imagem na igreja e, prontamente, os clientes do bar se ofereceram. O pessoal do bar ficou então sabendo da doação de JA para a comunidade, e o cumprimentaram pela ação,  admirados e agradecidos. 

Anos mais tarde, no caixa de um Super Mercado da região, JA recebeu um panfleto de propaganda da 'Igrejinha' – que nunca frequentou, convidando as pessoas para assistirem as missas dominicais.  Foi então que tomou conhecimento:  a igreja havia sido nomeada como  ‘Igreja São Judas’.  

Hoje a imagem doada está implantada na entrada da Igreja.  

7-     Reconhecimento 

Comendador 

                      

Em 2009 ganhou a ‘Medalha Mérito Profissional em Educação’, grau 'Comendador'  da Academia Brasileira de Arte e Cultura e História, na sua sede, na ‘Casa da Fazenda’, Morumbi-SP. 

http://www.umacoisapuxaoutra.com/2017/10/casa-da-fazenda-do-morumbi.html

 

Prêmio SindiClube - ‘Crônica do Ano’ 

Ganhou o ‘Prêmio Crônica’ no Concurso Literário Sindi-Clube de 2012. Sua crônica tinha como título ‘A Soberba’, foi publicada em livro e no seu Portal – link abaixo. 





8-     Comunicação 


 

Desde criança, incentivado principalmente pelo pai, JA desenvolveu  o hábito de leitura. Em decorrência, começou a escrever particularmente e, com o passar do tempo, até profissionalmente. 

Quando adolescente, teve oportunidade de fazer um teste vocacional, e o resultado deu ‘Jornalismo’.  Por isso ou por aquilo, não seguiu essa orientação, mas profissionalmente acabou por exercer funções muito relacionadas com a escrita. 

Atualmente, continua escrevendo. Tem três Portais, cada um relacionado a um assunto, que frequentemente alimenta com suas matérias. 

Demorou, mas chegou à conclusão de que, mais difícil do que escrever, é conseguir que as pessoas leiam o que você escreveu, entrem no conteúdo, apreciem, aproveitem.  

A partir de então, passou a me preocupar, não só com o que gostaria de expor, mas também com o que despertaria interesse no público. Afinal, escrever para ele mesmo seria um prazer egoísta, quase sem sentido. 

Por outro lado, na sua idade, passou a fazer algum sentido, uma vez que quando se escreve registra seus pensamentos, sentimentos, os  quais, de outra forma, com o passar do tempo, acabaria por perder. E, naturalmente, existem fatos, sentimentos, que importam, que faz bem registrar, poder relembrar, ter sempre presente, poder compartilhar com outras pessoas. 

A preocupação e o empenho em despertar o interesse público não é uma coisa simples.  O que parece evidente, muitas vezes não funciona.  Por exemplo, recentemente escreveu a história de uma grande e bem sucedida organização empresarial brasileira que, não por acaso, é onde um amigo trabalha. Publicou, informou a ele, e não teve retorno. De outra feita, escreveu sobre a imigração árabe no Brasil, um tema que interessa e, frequentemente, é alvo de comentários por parte de uma amiga, de origem libanesa. Publicou, informou, e não teve retorno. Escreveu sobre os eventos mais significativos da sua vida. Antes da publicação, encaminhou para as pessoas mencionadas, pedindo avaliação, comentários - também não teve retorno. 

É, não é fácil.  Mas, independentemente da falta de interesse, escrever é importante para ele, e vai continuar - mesmo que ninguém leia.  Percebeu que 

'Escrever faz com que  os sentimentos envolvidos, conforme  são  registrados, criem uma energia própria, e passem a fazer parte da realidade atual'. 

 

Portais 

JA criou e administra três portais:

 

 

     Uma Coisa Puxa Outra - UCPO             http://www.umacoisapuxaoutra.com/

 

 

     Só Artesão & Cia. - SOART   http://www.soartesao.com/


     Terceira Idade Conectada - TIC      https://terceiraidadeconectada.com/ 


Cada um deles atende a uma finalidade: 

UCPO  - Nele posta crônicas de assuntos diversos que, de alguma forma despertaram interesse ou curiosidade, que o levaram a escrever/discorrer sobre.  

SOART – Esse portal, na época em que foi criado tinha a finalidade fazer marketing dos trabalhos artesanais e artísticos produzidos por sua esposa, e de artistas associados convidados. Os associados tinham, cada qual, seu espaço, e ali, como numa loja, expunham seus trabalhos. 

As lojas eram dispostas, como num shopping, em alamedas, por tipo de produto. Os clientes entravam no portal, escolhiam o tipo de obra de seu interesse, e entravam na alameda específica do produto pretendido, e escolhiam que pretendiam conhecer / comprar. 

Entretanto, quando a sua esposa deixou de fazer trabalhos com fins comerciais, houve uma mudança. O portal deixou de fazer publicidade e comercializar obras de arte amadoras, e passou a fazer postagens informativas relacionadas com arte consagrada – pintura, artesanato, edificação, escultura, vitrais, joalheria, artistas, etc. 

TIC – É um portal voltado para pessoas 50+.  Trata de assuntos relacionados com o envelhecimento. Posta matérias relativas aos cuidados que se devem ter com idosos - saúde, família, relacionamentos, comportamento, etc. 

A ideia básica é mostrar que, independentemente da idade, essas pessoas ainda tem direito de se atualizarem, viver essa fase de sua vida com saúde, expectativas, dignidade, e ainda serem produtivas. 

Não raro ele se sensibiliza quando uma postagem atinge 80, 90 mil pessoas. Se emociona pelo fato de poder e estar contribuindo para que tanta gente possa ser orientada para aproveitar da melhor maneira  o tempo de vida que ainda lhes resta. Além disso, considerando sua idade atual, essas informações também são úteis para ele. 


 

9-     Conclusão 

JA, ao terminar o relato das fases de sua vida, dos seus momentos que mais marcantes significativos, se sentiu meio deprimido: 

‘Mas, só isso?!. Não consegui fazer nada que pudesse mudar para melhor a vida do povo da minha cidade, do meu país, do meu planeta?’.  

Mas depois, refletindo, concluiu que fazer algo excepcionalmente bom é uma exceção, ao alcance de poucos. E que, se cada um fizer o seu melhor possível, certamente estará contribuindo para mudar para melhor a realidade de toda a humanidade. 


 

 

 

(JA, Out20)

 




Postagens mais visitadas deste blog

Grabovoi - O Poder dos Números

O Método Grabovoi  foi criado pelo cientista russo Grigori Grabovoi, após anos de estudos e pesquisas, sobre números e sua influência no nosso cérebro. Grigori descobriu que os números criam frequências que podem atuar em diversas áreas, desde sobrepeso até falta de concentração, tratamento para doenças, dedicação, e situações como perda de dinheiro. Os números atuam como uma ‘Código de desbloqueio’ dentro do nosso inconsciente, criando frequências vibratórias que atuam diretamente na área afetada e permitindo que o fluxo de informações flua livremente no nosso cérebro. Como funciona? As sequências são formadas por números que reúnem significados. As sequências podem ter  1, 7, 16, ou até 25 algarismos, e quanto mais números, mais específica é a ação da sequência. Os números devem ser lidos separadamente, por exemplo: 345682 Três, quatro, cinco, seis (sempre o número seis, não ‘meia’), oito, dois. Como praticar Você deve escolher uma das sequencias num

Thoth

Deus da lua, juiz dos mortos e deus do conhecimento e da escrita, Thoth (também Toth, ou Tot, cujo nome em egípcio é Djehuty) é um deus egípcio, representado com cabeça de íbis. É o deus do conhecimento, da sabedoria, da escrita, da música e da magia. Filho mais velho do deus do sol Rá, ou em alguns mitos nascido da cabeça de Set, era representado como um homem com a cabeça da ave íbis ou de um babuíno, seus animais sagrados.   Sendo o deus associado com o conhecimento secreto, Thoth ajudou no sepultamento de Osíris criando a primeira múmia. Era também o deus das palavras, da língua e posteriormente os gregos viam este deus egípcio como a fonte de toda a ciência, humana e divina, do Egito. O culto de Thoth situava-se na cidade de Khemenou, também referida pelos gregos como Hermópolis Magna, e agora conhecida pelo nome árabe Al Ashmunin. Inventor da escrita Segundo a tradição, transmitida também por Platão no diálogo Fedro, Thoth inventou a escrita egípc

Por que Jesus dobrou o lenço?

‘E que o lenço, que estivera sobre a cabeça de Jesus, não estava com os panos, mas enrolado num lugar à parte’.(João 20:7) Por que Jesus dobrou o lenço que cobria sua cabeça no sepulcro depois de sua ressurreição? Você já deteve sua atenção a esse detalhe? João 20:7 nos conta que aquele lenço que foi colocado sobre a face de Jesus não foi apenas deixado de lado como os lençóis no túmulo. A Bíblia reserva um versículo inteiro para nos contar que o lenço fora dobrado cuidadosamente e colocado na cabeceira do túmulo de pedra. Bem cedo pela manhã de domingo, Maria Madalena veio à tumba e descobriu que a pedra havia sido removida da entrada. Ela correu e encontrou Simão Pedro e outro discípulo, aquele que Jesus tanto amara. Disse ela: ‘Eles tiraram o corpo do Senhor e eu não sei para onde eles o levaram’. Pedro e o outro discípulo correram ao túmulo para ver. O outro discípulo passou à frente de Pedro e lá primeiro chegou. Ele parou e observou os lençóis lá,