Pular para o conteúdo principal

Soberba

Outro dia, vendo uma entrevista de uma dessas atrizes globais da hora, registrei uma fala que achei importante. Ela disse que, atualmente, a soberba é moda, é "IN", como se diz, e que todos estão deslumbrados consigo mesmo. Que as pessoas se olham no espelho e dizem: “- Se eu não fosse eu mesmo, eu me casaria comigo”. Ora, isso tudo seria uma grande besteira, se não tivesse uma boa dose de verdade.
Recentemente, estive numa loja, numa ótica, naquele encontro anual - no meu caso bianual, com a receitinha na mão para atualizar os meus óculos. Naquela conversa importantíssima com o atendente para escolha de armação, lentes etc., uma deslumbrada entrou na loja. Ela se colocou entre mim e o moço, com seus sapatos de bicos finos, que faziam com que seus pés se interpusessem entre ela e aquilo que ela ignorava, e, com uns decibéis acima do convencional, com um tom de voz impositivo, começou a interrogá-lo sobre um determinado óculos de sol, da grife tal, como se eu não existisse.
Como um jogador de futebol ou de basquete, usei meu corpo para proteger a "bola", e me posicionei entre ela e o rapaz, continuando a falar sobre o que estava falando antes da intempestiva entrada dela em cena - imagino que minhas costas ficaram a poucos centímetros da dita. Funcionou, porque após ele ter pedido um ‘minutinho’, que já estava acabando de atender, ela recuou, sentou-se numa poltrona, e aguardou a sua vez.
Fiquei indignado com o comportamento: “Porque ela se julgava no direito de ter prioridade no atendimento, sendo que eu já estava lá?” É simples: ela se acha melhor, com mais direitos do que os outros. É a isto que se chama soberba.
Na filosofia budista tibetana existe uma figura chamada "espelho cósmico". Explica que todos os pensamentos e ações dos seres geram uma energia que é projetada, e retorna para todos. Isto explicaria porque, de um momento para o outro, todos começam a achar interessante o mesmo tipo de carro, a terem o mesmos pensamentos sobre este e aquele assunto, terem os mesmos critérios, a gostarem dos mesmos artistas, roupas etc. Explica ainda porque algumas invenções ocorram em lugares distintos do planeta, quase que simultaneamente, mesmo antes da recente facilidade de comunicação. 
Dentro deste contexto, entendo que, atualmente, passou a existir um comportamento comum para um significativo grupo de pessoas: a febre do culto a si mesmo. A explicação seria o fato de que as pessoas investem tanto nelas - tratamentos de beleza, fitness, acumulação de riqueza, dinheiro, poder, instrução, roupas, amizades  etc., a tal ponto que não aceitam serem menos do que as melhores, as mais importantes, as que merecem todas as prioridades. Pode isso ?!
Talvez eu esteja enganado. Mas, como velejador, dou muita importância aos sinais: se as marolas estão mais altas, se os pássaros começam a ficar agitados, se o céu está ficando escuro, se o vento muda de direção... Acredito que  tudo que vai acontecer, não acontece simplesmente; sinaliza antes.
Pois bem, o fato de muitas pessoas estarem agindo como a moça que mencionei, deve ter uma razão, e sinaliza que alguma coisa vem aí na frente. Entendo que isto seja preocupante. Afinal, o que vem aí na frente?  Não cheguei a conclusão nenhuma, porém, coisa boa não deve ser, considerando o fenômeno com a consequente desumanização de uma parcela significativa de seres humanos. 
Creio que não há muito o que fazer para evitar, uma vez que se trata de uma onda, que vai vir de qualquer jeito. Resta nos proteger, e aos nossos, evitando nos deixar levar, fincando os pés no chão dos nossos princípios, deixar passar.
Porém, enquanto isso, se formos alvo, desse comportamento, no mínimo, idiota, e, no máximo doentio, como deveria ser nossa reação, nós, os pretensos normais?  Assumi uma posição: primeiro, não agir de acordo com esse modismo; segundo não aceitar nada que me desrespeite, que me subestime. Vou exigir ter meu espaço respeitado, E, se não for,  vou manifestar a minha indignação. Não pretendo abrir mão daquilo que julgue ser meu, de direito.

Mudar, ensinar alguma coisa, não vou. Apenas, vou me sentir bem melhor comigo mesmo, ao conversar à noite com meu travesseiro. Outro pensamento que me ocorreu é que, quando meus óculos ficarem prontos, talvez eu enxergue melhor o que o tal do "espelho cósmico" está refletindo, mude meu pensamento e até, quem sabe, o meu comportamento.   

Postagens mais visitadas deste blog

Grabovoi - O Poder dos Números

O Método Grabovoi  foi criado pelo cientista russo Grigori Grabovoi, após anos de estudos e pesquisas, sobre números e sua influência no nosso cérebro. Grigori descobriu que os números criam frequências que podem atuar em diversas áreas, desde sobrepeso até falta de concentração, tratamento para doenças, dedicação, e situações como perda de dinheiro. Os números atuam como uma ‘Código de desbloqueio’ dentro do nosso inconsciente, criando frequências vibratórias que atuam diretamente na área afetada e permitindo que o fluxo de informações flua livremente no nosso cérebro. Como funciona? As sequências são formadas por números que reúnem significados. As sequências podem ter  1, 7, 16, ou até 25 algarismos, e quanto mais números, mais específica é a ação da sequência. Os números devem ser lidos separadamente, por exemplo: 345682 Três, quatro, cinco, seis (sempre o número seis, não ‘meia’), oito, dois. Como praticar Você deve escolher uma das sequencias num

Thoth

Deus da lua, juiz dos mortos e deus do conhecimento e da escrita, Thoth (também Toth, ou Tot, cujo nome em egípcio é Djehuty) é um deus egípcio, representado com cabeça de íbis. É o deus do conhecimento, da sabedoria, da escrita, da música e da magia. Filho mais velho do deus do sol Rá, ou em alguns mitos nascido da cabeça de Set, era representado como um homem com a cabeça da ave íbis ou de um babuíno, seus animais sagrados.   Sendo o deus associado com o conhecimento secreto, Thoth ajudou no sepultamento de Osíris criando a primeira múmia. Era também o deus das palavras, da língua e posteriormente os gregos viam este deus egípcio como a fonte de toda a ciência, humana e divina, do Egito. O culto de Thoth situava-se na cidade de Khemenou, também referida pelos gregos como Hermópolis Magna, e agora conhecida pelo nome árabe Al Ashmunin. Inventor da escrita Segundo a tradição, transmitida também por Platão no diálogo Fedro, Thoth inventou a escrita egípc

Por que Jesus dobrou o lenço?

‘E que o lenço, que estivera sobre a cabeça de Jesus, não estava com os panos, mas enrolado num lugar à parte’.(João 20:7) Por que Jesus dobrou o lenço que cobria sua cabeça no sepulcro depois de sua ressurreição? Você já deteve sua atenção a esse detalhe? João 20:7 nos conta que aquele lenço que foi colocado sobre a face de Jesus não foi apenas deixado de lado como os lençóis no túmulo. A Bíblia reserva um versículo inteiro para nos contar que o lenço fora dobrado cuidadosamente e colocado na cabeceira do túmulo de pedra. Bem cedo pela manhã de domingo, Maria Madalena veio à tumba e descobriu que a pedra havia sido removida da entrada. Ela correu e encontrou Simão Pedro e outro discípulo, aquele que Jesus tanto amara. Disse ela: ‘Eles tiraram o corpo do Senhor e eu não sei para onde eles o levaram’. Pedro e o outro discípulo correram ao túmulo para ver. O outro discípulo passou à frente de Pedro e lá primeiro chegou. Ele parou e observou os lençóis lá,