Pular para o conteúdo principal

Anna Nery, grande símbolo da enfermagem brasileira


Sem conhecimentos técnicos, ela se forjou na Guerra do Paraguai, quando perdeu um filho e adotou seis órfãs. Morreu no dia 20 de maio, há 140 anos (1880)

Anna Nery, com cenário da guerra, em pintura a óleo de Victor Meireles, 1870


Há 140 anos, o Brasil perdia Anna Justina Ferreira Nery, 65, vítima de pneumonia, no Rio de Janeiro.

Nome bastante comentado em 12 de maio, quando da comemoração do Dia da Enfermagem no Brasil, Anna Nery tornou-se ícone da profissão de um jeito muito particular. Isso porque a baiana nascida em Porto de Cachoeiras, em 13 de dezembro de 1814, e mãe de três filhos (Justiniano de Castro Rebêllo, Isidoro Antônio Néri e Pedro Antônio Néri), chegou à profissão numa época, o século 19, em que o cuidado de enfermos era realizado, quando não dentro de casa, por religiosas, prostitutas redimidas e viúvas.

Anna Nery, que era de família abastada, encaixava-se nesta última categoria. Tanto que, em 1844, ao perder o marido, o capitão-tenente Isidoro Antônio Néri, morto aos 43 anos em serviço na Marinha, dedicou-se aos filhos, todos ligados à carreira militar. E, quando dois deles foram para a Guerra do Paraguai (1864-1870), ela deixou tudo para acompanhá-los.


Fachada da casa de Anna Nery, na rua da Matriz, nº 7, em Porto de Cachoeiras, Bahia - 1995

Primeiro, como não tinha conhecimento técnico de enfermagem, fez imersão no Rio Grande do Sul, onde aprendeu técnicas de cuidados.

Depois, foi enviada ao front de batalha e aí construiu sua reputação, que lhe rendeu o título de Mãe dos Brasileiros.

Lá, além dos conhecimentos de gestão que tinha adquirido por formação, conseguiu criar protocolos de ação dentro do hospital de campanha.

‘Primeiro, ela ficou responsável pela lavanderia do local. Então criou todo um conceito de manter limpas roupas, instrumentos de trabalho e ambiente de trabalho. Além de gerir essa higienização, inclusive das mãos, como agora, ela se importava com as pessoas, e passou também a cuidar de gente, trocando curativos e se entregando a atividades da enfermagem’, afirma Manuela Vila Nova, vice-diretora da Escola de Enfermagem Anna Nery, na Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Manuela escreveu sua tese de mestrado sobre a enfermeira, trabalho que a levou a visitar o local de nascimento da figura histórica, e a pesquisar curiosidades sobre a vida dela.

Constatou que, além da forte personalidade, Anna Nery obteve aval para estar na guerra do presidente da província da Bahia, Manuel Pinto de Souza Dantas, porque as autoridades da época detectavam no gesto, de uma dama da classe alta, um exemplo para levar outras pessoas a se alistar para a guerra - já que muitos foram contra a vontade. ‘O presidente da província, na época, até publicou a carta de pedido dela, e a autorizou rapidamente’, afirma.

Ela ainda aponta uma diferença básica entre a britânica Florence Nightingale, 1820-1910, e Anna Nery, consideradas pioneiras na enfermagem. ‘Florence tinha conhecimentos matemáticos e de física, e ditava suas condutas com base nisso. Já Anna Nery teve seu foco na atividade, ao treinar no Rio Grande do Sul, e gerenciar um hospital na guerra’.

Ao atuar na Guerra da Crimeia, 1854-1856, Florence tornou-se a 'Dama da Lâmpada'. Anna Nery, que esteve na do Paraguai, passou a ser conhecida como a 'Mãe dos Brasileiros'.

A guerra a marcou profundamente. Primeiro, por ter assistido a muitos feridos. Depois, mais doloroso, por amargar a perda de um filho (Justiniano), e de um sobrinho. Dos 140 mil brasileiros que foram à guerra, morreram cerca de 50 mil. Por fim, por ter adotado e levado para casa seis órfãs de soldados mortos.


Anna Nery posa com as seis órfãs que adotou na Guerra do Paraguai 

Seus feitos renderam homenagens e a tornaram madrinha da enfermagem no Brasil. Em uma delas, em 1919, da Liga das Sociedades da Cruz Vermelha, em Paris, foi reconhecida como pioneira da enfermagem, e precursora da Cruz Vermelha no país.

Apesar de sua história não ser tão conhecida como merecia, deixou legado de caridade, após sua morte, em 20 de maio de 1880. Em março de 1926, o governo federal deu o nome dela à Escola de Enfermeiras do Departamento Nacional de Saúde.

Hoje Escola de Enfermagem Anna Nery pertence à Universidade Federal do Rio de Janeiro. Nesse local, mais de 2000 voluntários trabalham diariamente, em meio à pandemia do coronavírus, para produzir máscaras e equipamentos de proteção individual, para entregar a hospitais, onde profissionais da saúde cuidam de pacientes com Covid-19.

Segundo Manuela, o exemplo de Anna Nery, que se apresentou voluntariamente para atuar num ambiente suscetível a muitas doenças, hoje motiva as enfermeiras, que têm sido tão demandadas contra a Covid-19, como numa guerra.



Mônica virou Ana Néri para homenagear enfermeiros - Mauricio de Sousa 




Fonte:  Cristiano Cipriano Pombo   |   FSP




(JA, Mai20)


Postagens mais visitadas deste blog

Grabovoi - O Poder dos Números

O Método Grabovoi  foi criado pelo cientista russo Grigori Grabovoi, após anos de estudos e pesquisas, sobre números e sua influência no nosso cérebro. Grigori descobriu que os números criam frequências que podem atuar em diversas áreas, desde sobrepeso até falta de concentração, tratamento para doenças, dedicação, e situações como perda de dinheiro. Os números atuam como uma ‘Código de desbloqueio’ dentro do nosso inconsciente, criando frequências vibratórias que atuam diretamente na área afetada e permitindo que o fluxo de informações flua livremente no nosso cérebro. Como funciona? As sequências são formadas por números que reúnem significados. As sequências podem ter  1, 7, 16, ou até 25 algarismos, e quanto mais números, mais específica é a ação da sequência. Os números devem ser lidos separadamente, por exemplo: 345682 Três, quatro, cinco, seis (sempre o número seis, não ‘meia’), oito, dois. Como praticar Você deve escolher uma das sequencias num

Thoth

Deus da lua, juiz dos mortos e deus do conhecimento e da escrita, Thoth (também Toth, ou Tot, cujo nome em egípcio é Djehuty) é um deus egípcio, representado com cabeça de íbis. É o deus do conhecimento, da sabedoria, da escrita, da música e da magia. Filho mais velho do deus do sol Rá, ou em alguns mitos nascido da cabeça de Set, era representado como um homem com a cabeça da ave íbis ou de um babuíno, seus animais sagrados.   Sendo o deus associado com o conhecimento secreto, Thoth ajudou no sepultamento de Osíris criando a primeira múmia. Era também o deus das palavras, da língua e posteriormente os gregos viam este deus egípcio como a fonte de toda a ciência, humana e divina, do Egito. O culto de Thoth situava-se na cidade de Khemenou, também referida pelos gregos como Hermópolis Magna, e agora conhecida pelo nome árabe Al Ashmunin. Inventor da escrita Segundo a tradição, transmitida também por Platão no diálogo Fedro, Thoth inventou a escrita egípc

Por que Jesus dobrou o lenço?

‘E que o lenço, que estivera sobre a cabeça de Jesus, não estava com os panos, mas enrolado num lugar à parte’.(João 20:7) Por que Jesus dobrou o lenço que cobria sua cabeça no sepulcro depois de sua ressurreição? Você já deteve sua atenção a esse detalhe? João 20:7 nos conta que aquele lenço que foi colocado sobre a face de Jesus não foi apenas deixado de lado como os lençóis no túmulo. A Bíblia reserva um versículo inteiro para nos contar que o lenço fora dobrado cuidadosamente e colocado na cabeceira do túmulo de pedra. Bem cedo pela manhã de domingo, Maria Madalena veio à tumba e descobriu que a pedra havia sido removida da entrada. Ela correu e encontrou Simão Pedro e outro discípulo, aquele que Jesus tanto amara. Disse ela: ‘Eles tiraram o corpo do Senhor e eu não sei para onde eles o levaram’. Pedro e o outro discípulo correram ao túmulo para ver. O outro discípulo passou à frente de Pedro e lá primeiro chegou. Ele parou e observou os lençóis lá,