Pular para o conteúdo principal

Atos Instintivos




Samuel, um pós-graduado, um executivo experiente, bem sucedido, estava fazendo compras num desses supermercados que vendem no atacado.  Os supridores do SM estavam em todos os corredores, em grupos , trabalhando, conversando. Em alguns corredores havia mais funcionários do que clientes.  

A circulação de clientes eventualmente ficava impedida porque ali os repositores dependiam de equipamento para elevar/abaixar os produtos nas respectivas gôndolas.  

Ele ficou indignado com o incômodo que estava sendo causado, e se perguntava: Por que os funcionários não faziam esse trabalho no período da noite, priorizando a circulação de clientes no horário diurno?   Afinal, o objetivo do SM era vender...

Continuou andando, fazendo seu percurso de compras. Ouvir as conversas dos funcionários era compulsório. 

De repente, percebeu que estava pensando como eles, prestes a intervir na linguagem deles, com pessoas sem poder de decisão, colocando seu ponto de vista, quando se conteve. Começou então a refletir sobre: Por que ele, sendo quem era, sentiu-se integrado, e esteve prestes a tomar uma atitude que seria mais própria de pessoas daquele grupo?


Reações emocionais



Um dos aspectos mais fascinantes da cultura humana é que ela constitui uma via muito mais rápida do que a seleção natural para promover mudanças no comportamento e, por vezes, na própria biologia. O caso paradigmático é o da tolerância à lactose entre adultos, comum só em descendentes de povos que adotaram estilos de vida pastoris. 

Normalmente, a razão prevalece sobre nossos instintos, e reagimos de acordo com as normas, de acordo com o que aprendemos e é esperado. Entretanto, nem sempre é assim.

Às vezes, principalmente nos momentos de grande estresse, instintivamente, damos vazão à reações inadequadas, geradas pela nossa emoção

Isso é natural porque as nossas reações, embora quase sempre sigam os critérios que assumimos como corretos,  podem variar, dependendo do nosso estado emocional, do ambiente – local, cultura e pessoas. Não é incomum visitar determinado país, e lá se sentir à vontade, com facilidade para entender e falar a língua, a aceitar os costumes locais. Vale inverso também. 

Outra situação é aquela em que estamos num ambiente diferente do habitual,  e começamos a ter reações, pensamentos e sentimentos, que não nos são próprios, e estranhamos. Esse sou eu mesmo?  O que explica isso? 

Essas reações são determinadas por uma energia interior, denominada  instinto. 


O que é instinto? 

O termo instinto foi usado nas primeiras traduções da obra de Freud para o inglês, a fim de traduzir o termo alemão ‘Trieb’. Esse uso do termo instinto não corresponde ao conceito psicanalítico, e foi por isso substituído pelo termo pulsão .

Em resumo, é a sabedoria inconsciente que alcançamos pelas experiências acumuladas. O instinto, dependendo da situação, nos induz a reagirmos rapidamente, independentemente da razão,  para nos protegermos.

Entretanto, quando nos questionamos sobre o motivo de termos agido de tal forma, nem sempre encontramos a resposta dentro de nós mesmos.

Supõe-se que haja uma forte base genética para definição dos nossos instintos - ideia defendida por Darwin. Os mecanismos que determinam a influência genética sobre os instintos ainda não são completamente compreendidos, uma vez que se desconhecem as estruturas que determinam sua hereditariedade. 

Mas, não é difícil acabarmos aceitando que fazemos parte de um universo bem maior do que aquele em que vivemos conscientemente, que transcende à nossa experiência real. É um universo que desconhecemos, mas ao qual, sem dúvida, estamos intimamente ligados. 




É importante aceitarmos essa possibilidade para:

  • Refletir sobre algumas ações ou sentimentos impróprios que já vivenciamos nessas condições.

  • Tentar definir o que nos levou a agir como agimos, com a proposição de se precaver para evitar.


Nem sempre nossos impulsos estão corretos e, nesse caso, para não nos arrependermos, eventualmente mudar o curso da vida que pretendemos manter, devemos agir comandados pela razão, e não pela força instintiva. Pode valer o inverso também. 


‘Antes de reagir, controlar-se, avaliar previamente a correção da ação’.


Tomando medidas para evitar atos impulsivos

>>   Examine fotos e imagens da natureza


Estudos apontam que quem recorre a esse recurso fica menos propenso a tomar decisões impulsivas. Fotos que incluam montanhas, florestas, praias etc. são úteis.

Ponha um cartão postal ou uma foto do seu ambiente natural favorito sobre ou próximo a um bloco de notas, ou à sua mesa de trabalho.

Antes de tomar uma decisão, faça uma pausa e reflita, enquanto encara a imagem do mundo natural. Assim, essa escolha provavelmente não será impulsiva.

>>  Tire um Cochilo 



Breves descansos ajudam a diminuir a impulsividade em adultos, segundo uma pesquisa publicada na Universidade de Michigan, nos Estados Unidos. O tempo de descanso estudado foi de 60 minutos. No entanto, você não precisa dormir por uma hora para se beneficiar dessa estratégia.

Cochilar também parece ajudar a manter as pessoas calmas, e menos frustradas, durante uma tarefa. Quem tem esse hábito fica mais propenso a manter o foco nas atividades que executa — até terminá-las.

Os benefícios do cochilo não se limitam às pessoas que não conseguem dormir 7-9 horas por noite. Todos os sujeitos do experimento conduzido na universidade os receberam.

>>  Faça com que agir de modo impulsivo seja mais difícil


Estabelecer limites para si próprio o protegerá de atos e decisões impensados. Por exemplo: se não conseguir evitar falar tudo o que pensa, considere escrever todos os seus comentários e perguntas em um pedaço de papel, antes de expressá-los. Dessa forma, você pode ir deixando de fazer declarações impulsivas e inadequadas.

Se tiver o impulso de gastar demais, deixe seu cartão de crédito em casa quando for às compras; use dinheiro vivo.

Deixar suas decisões ‘em banho-maria’ por 24 horas, o ajudará a evitar compras impulsivas, além de dar a você uma chance de pensar se precisa mesmo desses itens.

>>  Experimente praticar exercícios de respiração


Uma pesquisa da Universidade da Califórnia apontou que recorrer ao Sudarshan Kriya (programa de respiração baseado na yoga) gera uma redução significativa de comportamentos impulsivos entre adolescentes. Esse programa inclui quatro tipos básicos de movimentos:

  • Respiração Vitoriosa (Ujjayi) - tipo de exercício lento e intencional em que o foco fica no momento em que o ar da respiração toca a garganta.

  • Respiração de Fole (Bhastrika) - nesse exercício, o ar é forçado para fora das narinas e, depois, inspirado rapidamente. Essas ações devem ser repetidas 30 vezes por minuto.

  • Repetir ‘Om’ três vezes seguidas, o que exige uma respiração estável e controlada.

  • Respirar de modo rítmico (seja de forma lenta, média ou rápida).



Isso tudo ajudou Samuel a entender / aceitar o sentimento que sentiu no Super Mercado naquele dia, e a concluir que os impulsos são compulsórios, ao contrário das nossas ações. Ainda, serviu para reforçar o que ele já sabia: 


‘Independentemente dos nossos instintos e sentimentos, somos responsáveis por nossos atos, e sempre sofreremos as consequências de tudo o que praticarmos’.




Fontes:   Dvs  | WikiHow 





(JA, Nov19)

Postagens mais visitadas deste blog

Grabovoi - O Poder dos Números

O Método Grabovoi  foi criado pelo cientista russo Grigori Grabovoi, após anos de estudos e pesquisas, sobre números e sua influência no nosso cérebro. Grigori descobriu que os números criam frequências que podem atuar em diversas áreas, desde sobrepeso até falta de concentração, tratamento para doenças, dedicação, e situações como perda de dinheiro. Os números atuam como uma ‘Código de desbloqueio’ dentro do nosso inconsciente, criando frequências vibratórias que atuam diretamente na área afetada e permitindo que o fluxo de informações flua livremente no nosso cérebro. Como funciona? As sequências são formadas por números que reúnem significados. As sequências podem ter  1, 7, 16, ou até 25 algarismos, e quanto mais números, mais específica é a ação da sequência. Os números devem ser lidos separadamente, por exemplo: 345682 Três, quatro, cinco, seis (sempre o número seis, não ‘meia’), oito, dois. Como praticar Você deve escolher uma das sequencias num

Thoth

Deus da lua, juiz dos mortos e deus do conhecimento e da escrita, Thoth (também Toth, ou Tot, cujo nome em egípcio é Djehuty) é um deus egípcio, representado com cabeça de íbis. É o deus do conhecimento, da sabedoria, da escrita, da música e da magia. Filho mais velho do deus do sol Rá, ou em alguns mitos nascido da cabeça de Set, era representado como um homem com a cabeça da ave íbis ou de um babuíno, seus animais sagrados.   Sendo o deus associado com o conhecimento secreto, Thoth ajudou no sepultamento de Osíris criando a primeira múmia. Era também o deus das palavras, da língua e posteriormente os gregos viam este deus egípcio como a fonte de toda a ciência, humana e divina, do Egito. O culto de Thoth situava-se na cidade de Khemenou, também referida pelos gregos como Hermópolis Magna, e agora conhecida pelo nome árabe Al Ashmunin. Inventor da escrita Segundo a tradição, transmitida também por Platão no diálogo Fedro, Thoth inventou a escrita egípc

Por que Jesus dobrou o lenço?

‘E que o lenço, que estivera sobre a cabeça de Jesus, não estava com os panos, mas enrolado num lugar à parte’.(João 20:7) Por que Jesus dobrou o lenço que cobria sua cabeça no sepulcro depois de sua ressurreição? Você já deteve sua atenção a esse detalhe? João 20:7 nos conta que aquele lenço que foi colocado sobre a face de Jesus não foi apenas deixado de lado como os lençóis no túmulo. A Bíblia reserva um versículo inteiro para nos contar que o lenço fora dobrado cuidadosamente e colocado na cabeceira do túmulo de pedra. Bem cedo pela manhã de domingo, Maria Madalena veio à tumba e descobriu que a pedra havia sido removida da entrada. Ela correu e encontrou Simão Pedro e outro discípulo, aquele que Jesus tanto amara. Disse ela: ‘Eles tiraram o corpo do Senhor e eu não sei para onde eles o levaram’. Pedro e o outro discípulo correram ao túmulo para ver. O outro discípulo passou à frente de Pedro e lá primeiro chegou. Ele parou e observou os lençóis lá,