Pular para o conteúdo principal

Imponderável






Origem

Anton era uma rapaz de cerca de 17 anos, originário de uma família de classe média, morava com os pais, estudava e sonhava poder um dia conseguir um bom emprego para ganhar o que fosse necessário conseguir ascender socialmente em relação a seus pais, ser independente, constituir uma família, enfim, progredir.

Na sua relação com colegas e amigos era reservado, se posicionava em relação a todos os assuntos mas evitava assumir a liderança de qualquer causa – no máximo apoiava, contribuía dentro de suas possibilidades para o seu sucesso. Preocupava-se, principalmente, com a escalada de violência, preconceito racial e de classe, dificuldade para grande parte da população da sua cidade para ter acesso à educação, assistência médica. 

Começou a trabalhar aos 15 anos e conseguia, com seu salário, arcar com suas despesas básicas. A partir daí, para viabilizar, passou a estudar no período noturno.

Não se considerava prejudicado por dedicar praticamente todo o seu tempo em ganhar dinheiro para subsistir, para estudar, investindo assim no próprio futuro. Pelo contrário.

Considerava-se satisfeito por poder fazer isso – muitos não conseguiam, e já tinham o futuro comprometido pelas limitações, as  atuais e, previsivelmente, as futuras.

Vivia feliz nesse sua rotina, fazendo o que considerava o mais certo a fazer. Pés do chão, consciente que o seu futuro estava sendo construído hoje, e que dependia dele, do resultado do que fizesse, conseguisse superar, alcançar.

Parecia que sua vida estava devidamente encaminhada. Entretanto, contrariando as expectativas, a sua rotina seria quebrada, a sua vida sofreria uma grande mudança, tomaria um rumo totalmente inesperado.

Percepção

Anton, logo após completar 18 anos, passou a perceber que o que falava, por algum motivo que escapava à sua compreensão, era levado em conta e aceito pelos demais, ao contrário do que acontecia antes, quando era ignorado, quando ninguém prestava atenção às suas observações, sugestões, pedidos.

Testando essa facilidade começou a pleitear coisas que vinham ao encontro de seus desejos, interesses e, surpreendentemente, era sempre atendido.  O que acontecia?

Escolheu e conquistou com facilidade a namorada dos seus sonhos; seu blog passou a fazer sucesso e teve um crescimento extraordinário, atraindo muitos e importantes anunciantes e, consequentemente, alimentando substancialmente  sua conta bancária.

Observando do que estava acontecendo na sua vida, seu sucesso inédito com as pessoas, com os negócios, passou a tentar racionalizar, a definir o que estava acontecendo. Resolveu dedicar um tempo para se auto avaliar, tentar definir traços do seu perfil que pudessem estar contribuindo para isso.  Começou analisando como se sentia, pensava, e suas reações em diversas situações. O resultado o levou a estabelecer dezessete traços do seu comportamento, personalidade, que poderiam justificar o que estava acontecendo:





Diante dessas constatações, passou a prestar mais atenção no que fazia – suas causas e efeitos, e nas pessoas com quem se relacionava.  Seu objetivo era utilizar da melhor forma possível esse seu talento.  Entretanto, contrariamente ao que pretendia, observou que quanto mais observava, mais aumentava, ganhavam mais força.

Notou também que parte do que conseguia fazer, conseguia passar para aqueles que estivessem mais próximos, que começavam a pensar e a agir como ele. Pouco a pouco, foi atraindo seguidores, e todos ficavam esperando sua orientação sobre o que fazer, o próximo passo.

Tomou consciência de que havia se transformado em alguém com muito poder.  Como se comportar? Qual seria o melhor caminho a seguir?

Considerando sua formação familiar, seus sentimentos, sua preocupação com o social, legal, escolheu trilhar o caminho da Justiça.


Caminho

Prestou exame vestibular e conseguiu entrar e cursar - no período noturno, pois trabalhava durante o dia- a Faculdade de Direito. Aos 23 anos se formou, especializou-se em crimes financeiros, passou a exercer a profissão. O oportunamente, sete anos mais tarde, foi indicado a aceitou a posição de juiz federal

A corrupção era, a seu ver, uma das causas da estagnação do seu país, além de alimentar um costume arraigado na sociedade que era o de levar vantagem em tudo, independentemente das consequências. Iria bater de frente com um bando de bandidos espertalhões, que deveriam estar lutando pela melhor qualidade de vida da população, e não como acontecia. Eles procuravam apenas buscar facilidades e, gananciosamente, usufruir da riqueza fácil, benefícios e prazeres.

Como juiz federal trabalhou em casos relevantes, principalmente relacionados com órgãos públicos, e que mereceram destaque na imprensa nacional, Isso o fez se aproximar dos mandatários da Suprema Corte do país.

Anton ganhou enorme notoriedade nacional e internacional por comandar julgamento em primeira instância dos crimes identificados  como sendo o maior caso de corrupção e lavagem de dinheiro já apurado no país, envolvendo grande número de políticos, empreiteiros e empresas.


Legado

Seus admiradores e seguidores eram cada vez mais numerosos.  Organizaram-se em grupos representativos - um em cada estado da União. Tinham como propósito apoiá-lo e ajudar remover a herança cultural que levava o povo a considerar a desonestidade como sendo aceitável, normal.

Levantavam a bandeira ‘Anticorrupção’, e passaram a exigir cada vez maior atitude de  seu líder nesse sentido. Nesse período, sua candidatura à Presidência do país foi aventada em diversas ocasiões, mas Anton, agora casado com dois filhos, e ainda sem entender direito quem ele era, não pretendia seguir esse caminho.  

Continuou sua tarefa de desbaratar quadrilhas, colocar os culpados em julgamento, e contribuir com fatos e evidências que ajudasse a condená-los, conforme o caso.

Seguindo esse propósito fez inúmeros inimigos que, se se fosse possível, ficariam felizes com a sua eliminação. Várias vezes foi alvo de ações criminosas que tentavam incriminá-lo, macular a sua honra. Entretanto, devido à retidão de suas ações e palavras, sempre conseguiu se sair bem dessas situações. Por outro lado, consciente do risco que corria, procurava  andar bem protegido, e evitar exposições desnecessárias. 

Algumas de suas decisões suscitaram polêmicas por contrariarem inúmeros interesses. Porém, elas foram quase que totalmente confirmadas por todas as instâncias superiores do judiciário, do Tribunal Regional Federal ao Supremo Tribunal Federal. Em dois anos, por exemplo, dos 453 recursos das defesas em instâncias superiores, apenas 22 deles tiveram decisões favoráveis às defesas, isto é, 95,2% das suas decisões foram mantidas.

Sua vida e missão, amplamente divulgados pela mídia, fez com que seu exemplo frutificasse e servisse de modelo para a população, principalmente para a ala mais jovem, que, pouco a pouco, deixou de aceitar a desonestidade como padrão, muito pelo contrário.

Entretanto, Anton ainda se questionava sobre o seu dom:

¾        Havia feito, estava fazendo, tudo o que deveria?

¾      As pessoas que estavam mais próximas a ele, aceitavam, admiravam, quem ele era  de fato, ou o que/quem ele representava?

Ele nunca conseguiu responder a essas questões. 

Num novo governo do seu país foi convidado e aceitou, ser Ministro da Justiça.  Continuou nessa função até o fim do mandato, sempre lutando pela causa que elegera, além do aumento da eficácia do sistema penal, pela maior rapidez do julgamento e punição dos culpados.

Embora tenha sido grande a sua contribuição para a causa, ela não foi suficiente para conquistar uma vitória definitiva. Havia necessidade de manter acesa a luz que iluminou o seu caminho. E assim foi. Seus inúmeros seguidores, continuaram, mantiveram o seu propósito de vida e, ao longo dos anos seguintes, os resultados começaram a aparecer ganhar cada vez mais significado.  

A mudança de mentalidade passou a se tornar evidente, e esse foi o início de uma nova era, uma era onde o dinheiro público era aplicado para o bem público. E o povo, desde a população mais simples, passou a ter atendidas normalmente suas necessidades básicas - Segurança, Saúde, Educação. Moradia e Trabalho.

O futuro fora redefinido no sentido do bem, da prosperidade. Os dons misteriosos de Anton frutificaram, sua vida teve importante significado e, quem ele era, diante daquilo ou daquele que representou, não fazia mais diferença. 


"A lei não deve existir apenas para preservar a ordem reinante, proteger a propriedade, regular as relações sociais e garantir os privilégios estabelecidos. Além disso, tem outra função, a transformadora, que é servir de instrumento para a distribuição mais justa de direitos e oportunidades, de modo a compensar o desequilíbrio de forças entre os grupos mais fortes e os menos favorecidos da sociedade."    

Este texto lançou um conceito totalmente novo nas leis brasileiras, o de justiça social, que se tornaria um paradigma nos debates nacionais, principalmente a partir do século XX. É um resumo parcial das ideias de José Bonifácio de Andrada e Silva, em correspondência enviada a bancada paulista que representava o Brasil nas cortes portuguesas, em 1821.


Reconhecimento

Durante a sua carreira profissional, até o fim da vida, Anton recebeu várias comendas e homenagens, sendo frequentemente convidado a fazer palestras em instituições de renome, tanto no seu país como fora dele. Sempre que tinha oportunidade, relatava seus objetivos, seu trabalho, resultados. Era uma prova viva da possibilidade de superação de paradigmas estabelecidos.


‘A superação sempre é possível – basta estar preparado, ter um sonho e atitude para  ultrapassar a realidade atual e criar o futuro desejado.’






(JA, Jun19)










Postagens mais visitadas deste blog

Grabovoi - O Poder dos Números

O Método Grabovoi  foi criado pelo cientista russo Grigori Grabovoi, após anos de estudos e pesquisas, sobre números e sua influência no nosso cérebro. Grigori descobriu que os números criam frequências que podem atuar em diversas áreas, desde sobrepeso até falta de concentração, tratamento para doenças, dedicação, e situações como perda de dinheiro. Os números atuam como uma ‘Código de desbloqueio’ dentro do nosso inconsciente, criando frequências vibratórias que atuam diretamente na área afetada e permitindo que o fluxo de informações flua livremente no nosso cérebro. Como funciona? As sequências são formadas por números que reúnem significados. As sequências podem ter  1, 7, 16, ou até 25 algarismos, e quanto mais números, mais específica é a ação da sequência. Os números devem ser lidos separadamente, por exemplo: 345682 Três, quatro, cinco, seis (sempre o número seis, não ‘meia’), oito, dois. Como praticar Você deve escolher uma das sequencias num

Thoth

Deus da lua, juiz dos mortos e deus do conhecimento e da escrita, Thoth (também Toth, ou Tot, cujo nome em egípcio é Djehuty) é um deus egípcio, representado com cabeça de íbis. É o deus do conhecimento, da sabedoria, da escrita, da música e da magia. Filho mais velho do deus do sol Rá, ou em alguns mitos nascido da cabeça de Set, era representado como um homem com a cabeça da ave íbis ou de um babuíno, seus animais sagrados.   Sendo o deus associado com o conhecimento secreto, Thoth ajudou no sepultamento de Osíris criando a primeira múmia. Era também o deus das palavras, da língua e posteriormente os gregos viam este deus egípcio como a fonte de toda a ciência, humana e divina, do Egito. O culto de Thoth situava-se na cidade de Khemenou, também referida pelos gregos como Hermópolis Magna, e agora conhecida pelo nome árabe Al Ashmunin. Inventor da escrita Segundo a tradição, transmitida também por Platão no diálogo Fedro, Thoth inventou a escrita egípc

Por que Jesus dobrou o lenço?

‘E que o lenço, que estivera sobre a cabeça de Jesus, não estava com os panos, mas enrolado num lugar à parte’.(João 20:7) Por que Jesus dobrou o lenço que cobria sua cabeça no sepulcro depois de sua ressurreição? Você já deteve sua atenção a esse detalhe? João 20:7 nos conta que aquele lenço que foi colocado sobre a face de Jesus não foi apenas deixado de lado como os lençóis no túmulo. A Bíblia reserva um versículo inteiro para nos contar que o lenço fora dobrado cuidadosamente e colocado na cabeceira do túmulo de pedra. Bem cedo pela manhã de domingo, Maria Madalena veio à tumba e descobriu que a pedra havia sido removida da entrada. Ela correu e encontrou Simão Pedro e outro discípulo, aquele que Jesus tanto amara. Disse ela: ‘Eles tiraram o corpo do Senhor e eu não sei para onde eles o levaram’. Pedro e o outro discípulo correram ao túmulo para ver. O outro discípulo passou à frente de Pedro e lá primeiro chegou. Ele parou e observou os lençóis lá,