Pular para o conteúdo principal

Música natalina 'Noite Feliz'



Música de professor primário austríaco foi apresentada pela primeira vez na igreja de São Nicolau


Natal de Curitiba – Luz dos Pinhais, Palácio Avenida
‘Noite feliz’ (sol-lá-sol-mi), duas vezes; ‘o Senhor (ré-ré-si), Deus de amor’ (dó-dó-sol); ‘pobrezinho, nasceu em Belém’ (lá-lá-dó-si-lá-sol-lá-sol-mi); ‘eis, na lapa, Jesus, nosso bem’ (repetindo a melodia anterior); ‘Dorme em paz, ó Jesus!’ (ré-ré-fá-ré-si-dó-mi); ‘Dorme em paz, ó Jesus!’ (dó-sol-mi-sol-fá-ré-dó).
Com oito pequenas frases sonoras e letra traduzida para um número indefinido de idiomas —as fontes são disparatadas—, a canção ‘Noite Feliz’ completa exatos 200 anos na noite desta segunda (24).
No Natal de 1818, na pequena cidade de Oberndorf, na Áustria —perto de Salzburgo, onde Mozart havia nascido 62 anos antes—, a melodia criada por Franz Xaver Gruber foi cantada pela primeira vez, na igreja de São Nicolau. Como o órgão do templo não estava em boas condições, o coro foi acompanhado apenas por um violão.

Stille Nacht (Silent Night) - Coral         https://youtu.be/4puLybRGSAw

A conhecida adaptação para o português foi realizada em 1912 pelo frei franciscano Pedro Sinzig, músico, escritor e jornalista austríaco naturalizado brasileiro.
Com ‘silent night, holy night’, a versão em inglês mantém —ao menos nos versos iniciais— o sentido do original, mas isso não é regra: se em português a noite é ‘feliz’, em francês ela é doce (‘douce nuit’) e, em espanhol, ‘de paz’ (‘noche de paz’).
A gravação do cantor e ator americano Bing Crosby, de 1935, vendeu 30 milhões de cópias, o que a mantém como terceiro single mais vendido da história.

Bing Crosby - White Christmas (1942) Original Version  https://youtu.be/w9QLn7gM-hY

Cena do musical ‘Natal Branco’, com Bing Crosby (esq.)

A interpretação arrastada e solene de Crosby se tornou o principal modelo das gerações seguintes, mas há quem busque outras vias, como o compositor russo Alfred Schnittke (1934-1998) em seu irônico arranjo para violino e piano.
Uma primeira característica da melodia de Gruber é o salto para o agudo da terceira frase (do ‘-liz’, de ‘feliz’, para o ‘o’, de ‘o Senhor’); uma outra é o fato de o final do verso ‘pobrezinho, nasceu em Belém’ ter exatamente as notas iniciais de ‘noite feliz’ (sol-lá-sol-mi).
O mesmo salto agudo ocorre uma segunda vez, de “bem” (em ‘Jesus, nosso bem’) para ‘dorme’ (de ‘dorme em paz, ó Jesus!’), momento em que a melodia atinge o seu ponto agudo culminante, exatamente na palavra ‘paz’.
Gruber trabalhava como professor primário em Arnsdorf, a poucos quilômetros da igreja do padre Mohr. Sua melodia tem afirmação, repetição, variação, contraste, ponto culminante e conclusão, tudo em 12 compassos; o jogo de simetrias não é linear.
Ele talvez tenha pensado em compor algo simples, que pudesse ser cantado por seus alunos. Passados 200 anos, a classe do professor tem o tamanho de uma civilização.

Stille Nacht (Silent Night ) – violino e piano       https://youtu.be/pMIu5PdHqIU



Texto:  Sidney Molina   |   FSP

(JA, Deza18)


Postagens mais visitadas deste blog

Grabovoi - O Poder dos Números

O Método Grabovoi  foi criado pelo cientista russo Grigori Grabovoi, após anos de estudos e pesquisas, sobre números e sua influência no nosso cérebro. Grigori descobriu que os números criam frequências que podem atuar em diversas áreas, desde sobrepeso até falta de concentração, tratamento para doenças, dedicação, e situações como perda de dinheiro. Os números atuam como uma ‘Código de desbloqueio’ dentro do nosso inconsciente, criando frequências vibratórias que atuam diretamente na área afetada e permitindo que o fluxo de informações flua livremente no nosso cérebro. Como funciona? As sequências são formadas por números que reúnem significados. As sequências podem ter  1, 7, 16, ou até 25 algarismos, e quanto mais números, mais específica é a ação da sequência. Os números devem ser lidos separadamente, por exemplo: 345682 Três, quatro, cinco, seis (sempre o número seis, não ‘meia’), oito, dois. Como praticar Você deve escolher uma das sequencias num

Thoth

Deus da lua, juiz dos mortos e deus do conhecimento e da escrita, Thoth (também Toth, ou Tot, cujo nome em egípcio é Djehuty) é um deus egípcio, representado com cabeça de íbis. É o deus do conhecimento, da sabedoria, da escrita, da música e da magia. Filho mais velho do deus do sol Rá, ou em alguns mitos nascido da cabeça de Set, era representado como um homem com a cabeça da ave íbis ou de um babuíno, seus animais sagrados.   Sendo o deus associado com o conhecimento secreto, Thoth ajudou no sepultamento de Osíris criando a primeira múmia. Era também o deus das palavras, da língua e posteriormente os gregos viam este deus egípcio como a fonte de toda a ciência, humana e divina, do Egito. O culto de Thoth situava-se na cidade de Khemenou, também referida pelos gregos como Hermópolis Magna, e agora conhecida pelo nome árabe Al Ashmunin. Inventor da escrita Segundo a tradição, transmitida também por Platão no diálogo Fedro, Thoth inventou a escrita egípc

Por que Jesus dobrou o lenço?

‘E que o lenço, que estivera sobre a cabeça de Jesus, não estava com os panos, mas enrolado num lugar à parte’.(João 20:7) Por que Jesus dobrou o lenço que cobria sua cabeça no sepulcro depois de sua ressurreição? Você já deteve sua atenção a esse detalhe? João 20:7 nos conta que aquele lenço que foi colocado sobre a face de Jesus não foi apenas deixado de lado como os lençóis no túmulo. A Bíblia reserva um versículo inteiro para nos contar que o lenço fora dobrado cuidadosamente e colocado na cabeceira do túmulo de pedra. Bem cedo pela manhã de domingo, Maria Madalena veio à tumba e descobriu que a pedra havia sido removida da entrada. Ela correu e encontrou Simão Pedro e outro discípulo, aquele que Jesus tanto amara. Disse ela: ‘Eles tiraram o corpo do Senhor e eu não sei para onde eles o levaram’. Pedro e o outro discípulo correram ao túmulo para ver. O outro discípulo passou à frente de Pedro e lá primeiro chegou. Ele parou e observou os lençóis lá,