Pular para o conteúdo principal

Caneta esferográfica. Como surgiu, como mudou a caligrafia


Instrumento que substituiu a caneta tinteiro se difundiu a partir da década de 1940, introduziu maior praticidade e um novo estilo de escrita

Instrumento que substitui a caneta tinteiro se difundiu na década de 1940, mas a primeira patente data do fim do século 19

Se hoje muitos podem prescindir dela, fazendo suas anotações cotidianas no celular ou em outros dispositivos eletrônicos, a caneta esferográfica representou uma pequena revolução tecnológica quando se tornou mais difundida, em meados do século 20.
Até então, o instrumento titular de escrita era a caneta tinteiro, que precisava ser alimentada constantemente pelo conteúdo de um frasco de tinta, e requeria extremo cuidado para não produzir borrões na folha de papel.
Além da praticidade, a caneta esferográfica introduziu uma mudança na própria maneira de escrever – relacionada à espessura da tinta, mais grossa em relação à caneta tinteiro, e à firmeza na mão necessária para escrever com ela. 
A invenção
A criação da caneta esferográfica normalmente é creditada ao jornalista húngaro László Bíró. Antes dele, porém, o princípio da caneta esferográfica já havia sido patenteado por John Loud em 1888.
Loud era um americano que trabalhava em um curtume, e a invenção teria surgido com o propósito de marcar peças de couro, não chegando a ser explorada comercialmente.
Nas décadas que se seguiram, muitas outras patentes de canetas esferográficas de diferentes tipos foram registradas, sem tampouco chegarem a ser comercializadas.
Sua concepção mecânica funcionava, mas a tinta usada ainda era fina, como é necessário que seja para fazer fluir a escrita com a caneta tinteiro. Na caneta esferográfica, porém, a tinta fina embutida na carga da caneta acabava vazando, sujando bolsos e manchando papéis.
Com a colaboração de seu irmão, o químico György Biró, László realizou a mudança essencial para que o novo objeto fosse incorporado.
Fizeram experimentos com tintas mais grossas e de secagem rápida. Com o tempo, conseguiram chegar em uma combinação de tinta e design da ponta, e da esfera que impedia que a caneta vazasse (em grande quantidade).
A primeira patente da caneta de Biró data de 1938. Logo depois, porém, ele precisou fugir da perseguição nazista que tomou conta da Europa, e entrou com um novo pedido de patente em 1943, na Argentina, onde se estabeleceu.
No mesmo ano, a Força Aérea Britânica buscava um modelo de caneta que suportasse altitudes e pudesse ser levado nos aviões de combate sem vazamentos, e comprou 30 mil das canetas de Biró.
Em 1945, elas começaram a ser vendidas em Buenos Aires e logo depois se espalharam pelo mundo, tendo sua patente vendida para empresas europeias e americanas.
Marcel Bich, que comprou os direitos de patente da esferográfica na França, foi criador do design responsável por barateá-la: quando chegou ao mercado em meados da década de 1940, uma esferográfica custava o equivalente hoje a cerca de US$ 100. Na década seguinte, seu preço já estava na casa dos centavos de dólar nos Estados Unidos.
O impacto na cursiva
Em um artigo para a revista The Atlantic, o professor Josh Giesbrecht discute como a passagem da tinteiro para a esferográfica modificou a caligrafia. Segundo ele, a tinta mais grossa alterou a experiência física de escrever, e não necessariamente para melhor.
Escrever com tinteiro exige ter a mão leve e remover a ponta da caneta do papel nos intervalos entre palavras e frases, já que o mero contato com a superfície produzia uma gota de tinta.
Além disso, a tinteiro produzia uma caligrafia fluida, de letras conectadas, como a que é difundida pelo método Palmer, popular entre o final do século 19 e início do 20.
A mão que escreve com a esferográfica, por outro lado, necessita ser mais firme e tesa, capaz de fazer uma pressão maior no papel para que a tinta saia, em vez de apenas tocá-lo. Essa posição produz um resultado distinto, que, segundo Giesbrecht, favorece a letra de forma, não a cursiva.

Fonte:  Juliana Domingos de Lima   |   =Nexus

(JA, Dez18)

Postagens mais visitadas deste blog

Grabovoi - O Poder dos Números

O Método Grabovoi  foi criado pelo cientista russo Grigori Grabovoi, após anos de estudos e pesquisas, sobre números e sua influência no nosso cérebro. Grigori descobriu que os números criam frequências que podem atuar em diversas áreas, desde sobrepeso até falta de concentração, tratamento para doenças, dedicação, e situações como perda de dinheiro. Os números atuam como uma ‘Código de desbloqueio’ dentro do nosso inconsciente, criando frequências vibratórias que atuam diretamente na área afetada e permitindo que o fluxo de informações flua livremente no nosso cérebro. Como funciona? As sequências são formadas por números que reúnem significados. As sequências podem ter  1, 7, 16, ou até 25 algarismos, e quanto mais números, mais específica é a ação da sequência. Os números devem ser lidos separadamente, por exemplo: 345682 Três, quatro, cinco, seis (sempre o número seis, não ‘meia’), oito, dois. Como praticar Você deve escolher uma das sequencias num

Thoth

Deus da lua, juiz dos mortos e deus do conhecimento e da escrita, Thoth (também Toth, ou Tot, cujo nome em egípcio é Djehuty) é um deus egípcio, representado com cabeça de íbis. É o deus do conhecimento, da sabedoria, da escrita, da música e da magia. Filho mais velho do deus do sol Rá, ou em alguns mitos nascido da cabeça de Set, era representado como um homem com a cabeça da ave íbis ou de um babuíno, seus animais sagrados.   Sendo o deus associado com o conhecimento secreto, Thoth ajudou no sepultamento de Osíris criando a primeira múmia. Era também o deus das palavras, da língua e posteriormente os gregos viam este deus egípcio como a fonte de toda a ciência, humana e divina, do Egito. O culto de Thoth situava-se na cidade de Khemenou, também referida pelos gregos como Hermópolis Magna, e agora conhecida pelo nome árabe Al Ashmunin. Inventor da escrita Segundo a tradição, transmitida também por Platão no diálogo Fedro, Thoth inventou a escrita egípc

Por que Jesus dobrou o lenço?

‘E que o lenço, que estivera sobre a cabeça de Jesus, não estava com os panos, mas enrolado num lugar à parte’.(João 20:7) Por que Jesus dobrou o lenço que cobria sua cabeça no sepulcro depois de sua ressurreição? Você já deteve sua atenção a esse detalhe? João 20:7 nos conta que aquele lenço que foi colocado sobre a face de Jesus não foi apenas deixado de lado como os lençóis no túmulo. A Bíblia reserva um versículo inteiro para nos contar que o lenço fora dobrado cuidadosamente e colocado na cabeceira do túmulo de pedra. Bem cedo pela manhã de domingo, Maria Madalena veio à tumba e descobriu que a pedra havia sido removida da entrada. Ela correu e encontrou Simão Pedro e outro discípulo, aquele que Jesus tanto amara. Disse ela: ‘Eles tiraram o corpo do Senhor e eu não sei para onde eles o levaram’. Pedro e o outro discípulo correram ao túmulo para ver. O outro discípulo passou à frente de Pedro e lá primeiro chegou. Ele parou e observou os lençóis lá,