Pular para o conteúdo principal

O Bairro das Olarias Paulistanas – O Tatuapé




Paróquia Nossa Senhora do Bom Parto
A trajetória do Bairro do Tatuapé começa junto com Brás Cubas, fundador de Santos, no ano de 1560. O explorador, que buscava ouro, decidiu subir a Serra do Mar com seu amigo Luís Martins e um grande número de criados.

Chegando ao planalto se depararam com um grande ribeirão do Tatu-apé (que em tupi quer dizer ‘caminho do tatu’) e decidiram seguir seu curso. Contudo, ao chegar à foz deram de cara com o Rio Grande, atualmente conhecido como Tietê, e decidiram ficar por ali.

Nessa região, eles instalaram um rancho, um curral e várias casas. Por ser uma região fértil, eles começaram a desenvolver criações de gado, porcos e várias outras culturas, entre elas, a de cana e uva. Vale o destaque que a cultura de uva ficaria famosa nos anos seguintes devido a boa qualidade do vinho que era feito nessa região.

Contudo, essa ‘paz’ durou pouco tempo. Devido a invasão francesa que ocorria no Rio de Janeiro, Brás Cubas foi obrigado a deixar tudo para Rodrigo Álvares que, por sua vez, acabou deixando tudo para o seu filho.
Casa do Tatuapé

A ocupação efetiva da região, entretanto, só aconteceria a partir do século XVII, quando os herdeiros dos então donos da região venderam grande parte de suas terras ao Padre Mateus Nunes de Siqueira. Este, por sua vez, ergueu uma pequena casa na várzea do Rio Tietê, que hoje é conhecida como Casa do Tatuapé. Em 1765, o local já era identificado como bairro Tatuapé-Aricanduva, sendo o precursor da região que conhecemos hoje.

No final do século XIX começaram a chegar as primeiras levas de imigrantes  na região. Entre esses novos habitantes estavam: portugueses, italianos e espanhóis e, foram esses moradores que iniciaram as instalações de chácaras, olarias e a construção de estradas de ferro.

Estes dois primeiros itens foram o estopim para o crescimento do bairro. As olarias se formaram às margens do Rio Tietê, onde as várzeas eram ricas em argila, permitindo a exploração de areia em grande escala. Existiram aproximadamente 15 olarias e o que muitos historiadores declaram até hoje é que os tijolos e as telhas fabricados no Tatuapé ajudaram a construir a cidade de São Paulo.

Um Destaque Especial Para As Chácaras

A instalação das chácaras faze parte da grande história do Tatuapé. Com proprietários ricos e com dimensões gigantescas, elas eram as responsáveis pela produção de diversos produtos como: verduras, das mais variadas e frutas, como pêssegos, peras, caqui e uvas.

Essas últimas frutas, aliás, tiveram um importante patrocinador para que se desenvolvesse no Brasil: a família Marengo - Benedecto Marengo e seu filho Francisco foram os responsáveis pela produção das uvas do tipo Niágara no país.  A contribuição da família foi tão grande que acabou batizando logradouros do bairro, como as ruas Francisco Marengo e Emília Marengo (mulher de Francisco).

Suas propriedades eram monstruosas e a chácara da família virou ponto turístico entre o final do século XIX até meados da década de 30.

A Evolução Do Bairro

Após a colonização e o auge do bairro com as famosas uvas, novas medidas foram tomadas para a modernização da região.  Com  a construção da Estrada de Ferro do Norte, ligando São Paulo ao Rio de janeiro, em 1875, o bairro começaria a mudar. Em 1886, foi inaugurado o ramal da Penha, no Tatuapé, que implantou duas estações: a 5ª parada, próxima à R. Tuiuti e a 6ª na R. Antônio de Barros, hoje conhecida como Engenheiro Sebastião Gualberto.

E a mudança não pararia por aí. Nos primeiros anos do século XX, as tradicionais olarias vão cedendo espaço para as indústrias têxteis, entre elas: a Tecidos Tatuapé, do Grupo Santista; a Tacabow e o Cotonifício Guilherme Giorgi, no Carrão.

Além de novas oportunidades de trabalho, o bairro também recebeu novas formas de diversão. Os primeiros cinemas da região chegaram nas décadas de 20 e 30.

Entre os cinemas antigos que deixaram o sentimento de nostalgia nos moradores mais antigos, estão: o  São Luís, o Saturnio, o Aladim, o Pagé, e o São Jorge (localizado na Av. Celso Garcia; atualmente, o prédio é ocupado por uma casa de calçados). Uma curiosidade da época é que os homens só podiam entrar nos cinemas se estivessem vestidos a rigor, com terno e gravata.

Atualmente, o bairro passa por uma mudança drástica. Antes uma região que abrigava uma população pertencente às classes média e baixa, hoje o Tatuapé possui moradores de classe alta e empreendimentos imobiliários dedicados a esse tipo de consumidor. 


       
Fonte: Spinfoco



(JA, Mai18)

Postagens mais visitadas deste blog

Grabovoi - O Poder dos Números

O Método Grabovoi  foi criado pelo cientista russo Grigori Grabovoi, após anos de estudos e pesquisas, sobre números e sua influência no nosso cérebro. Grigori descobriu que os números criam frequências que podem atuar em diversas áreas, desde sobrepeso até falta de concentração, tratamento para doenças, dedicação, e situações como perda de dinheiro. Os números atuam como uma ‘Código de desbloqueio’ dentro do nosso inconsciente, criando frequências vibratórias que atuam diretamente na área afetada e permitindo que o fluxo de informações flua livremente no nosso cérebro. Como funciona? As sequências são formadas por números que reúnem significados. As sequências podem ter  1, 7, 16, ou até 25 algarismos, e quanto mais números, mais específica é a ação da sequência. Os números devem ser lidos separadamente, por exemplo: 345682 Três, quatro, cinco, seis (sempre o número seis, não ‘meia’), oito, dois. Como praticar Você deve escolher uma das sequencias num

Thoth

Deus da lua, juiz dos mortos e deus do conhecimento e da escrita, Thoth (também Toth, ou Tot, cujo nome em egípcio é Djehuty) é um deus egípcio, representado com cabeça de íbis. É o deus do conhecimento, da sabedoria, da escrita, da música e da magia. Filho mais velho do deus do sol Rá, ou em alguns mitos nascido da cabeça de Set, era representado como um homem com a cabeça da ave íbis ou de um babuíno, seus animais sagrados.   Sendo o deus associado com o conhecimento secreto, Thoth ajudou no sepultamento de Osíris criando a primeira múmia. Era também o deus das palavras, da língua e posteriormente os gregos viam este deus egípcio como a fonte de toda a ciência, humana e divina, do Egito. O culto de Thoth situava-se na cidade de Khemenou, também referida pelos gregos como Hermópolis Magna, e agora conhecida pelo nome árabe Al Ashmunin. Inventor da escrita Segundo a tradição, transmitida também por Platão no diálogo Fedro, Thoth inventou a escrita egípc

Por que Jesus dobrou o lenço?

‘E que o lenço, que estivera sobre a cabeça de Jesus, não estava com os panos, mas enrolado num lugar à parte’.(João 20:7) Por que Jesus dobrou o lenço que cobria sua cabeça no sepulcro depois de sua ressurreição? Você já deteve sua atenção a esse detalhe? João 20:7 nos conta que aquele lenço que foi colocado sobre a face de Jesus não foi apenas deixado de lado como os lençóis no túmulo. A Bíblia reserva um versículo inteiro para nos contar que o lenço fora dobrado cuidadosamente e colocado na cabeceira do túmulo de pedra. Bem cedo pela manhã de domingo, Maria Madalena veio à tumba e descobriu que a pedra havia sido removida da entrada. Ela correu e encontrou Simão Pedro e outro discípulo, aquele que Jesus tanto amara. Disse ela: ‘Eles tiraram o corpo do Senhor e eu não sei para onde eles o levaram’. Pedro e o outro discípulo correram ao túmulo para ver. O outro discípulo passou à frente de Pedro e lá primeiro chegou. Ele parou e observou os lençóis lá,