Pular para o conteúdo principal

Nonagenários paulistanos contam sobre os prazeres que os mantêm na ativa




Antonieta Biondi Assumpção, 91, moradora do Alto da Boa Vista, na zona sul

É impressionante como a história da vila italiana de seis moradas, na rua Visconde de Parnaíba, no Brás, vem, com riqueza de detalhes, à memória de Antonieta. 

Os pés de goiaba, pera, ameixa e cereja perfumavam todo o quintal. O aroma das frutas ora se misturava à fumaça dos trens, ora à neblina dos fins de noite outonais.

Do forno a lenha emanava um cheiro de pão italiano de dar água na boca. Embaixo dele, ficava o galinheiro, onde a então garotinha se punha a retirar os ovos do dia.

Quase todos os adultos dali eram de uma mesma família, imigrantes da região de Felitto, Salerno (Itália), como o avô dela, Antônio Di Dario. Eles só falavam italiano. A menina cresceu compreendendo tudo, mas o português foi imperativo, ainda mais quando, aos 21 anos, ela teve que cuidar dos quatro irmãos após a morte da mãe, Luiza.

Quem diria que, mais de 70 anos depois, esse universo italiano voltaria a fazer parte de seu dia a dia. Detalhe: por meio de grupos em redes sociais. Mãe de dois filhos e avó de quatro netos, resolveu não apelar para as crianças, ‘que não têm paciência de explicar’, e contratou um professor para ensiná-la a mexer no computador.

Conectou-se com familiares, velhos e novos amigos, inclusive de Salerno. ‘Quero me manter ocupada’, diz. ‘Não sou do tipo que fica encucada, pensando na idade’.

Segue o cantor italiano Gigi D'Alessio. Não perde a oportunidade de dar um ‘like’ nas notícias da família real. Jamais grava mensagem. ‘Meu negócio é escrever, mas nunca faço isso quando estou dirigindo’, diz. Sim, ela dirige. Vai às compras, busca as netas na escola, cozinha, costura. ‘Esta saia aqui fui eu que fiz’, orgulha-se’. ‘Sou criativa’.

Disso, dona Antonieta, ninguém duvida.  
Ático Alves de Souza, 91, morador do Bairro do Macedo, em Guarulhos


‘Aqui é o lugar onde gosto de estar, ouvir e contar histórias, que me ajudam a entender um pouquinho dessa cidade tão grande. Acho que daqui eu tento compreender o mundo. É a minha vida’, explica seu Ático, funcionário mais antigo do Grupo Fasano, no qual ele trabalha há 27 anos.

‘Minha paixão é trabalhar. Às vezes, penso: será que não chegou a hora de parar? Chegou não. Comecei aos oito anos na roça. Não consigo ficar parado em casa’, diz ele. Na cidade que vem sendo apresentada a ele desde os anos 1940, arranjou o primeiro emprego como ‘rala-pescoço’ –servente de pedreiro– na Lapa, zona oeste da capital. Logo, tornou-se garçom do antigo Ca'd'Oro. 

Foi um pulinho para virar maître. Diz, sorrindo: ‘Servi de reis a plebeus’. Nesta vida, sabe bem, nem tudo é trabalho. Seu Ático guarda um segredinho que gosta de compartilhar bem baixinho, quase ao pé do ouvido, na tentativa de explicar sua longevidade: ‘É o amor de uma mulher’, sorri, com certo constrangimento, ao referir-se à dona Dolores, a mulher com quem é casado há 60 anos. 

‘Ela nunca me disse uma palavra feia. Nem eu disse a ela’, afirma o baiano. Teve três filhos, que lhe deram cinco netos e três bisnetos. ‘Se contar, ninguém acredita: nunca brigamos’. Acha que a mãe, Francisca, que morreu em 1982 aos 92 anos, também ajudou. ‘Mais que tudo’, diz ele, ‘é não ficar parado’.

Semianalfabeto –estudou por 45 dias em sua terra natal, Monte Santo, aprendeu a memorizar as palavras no painel dos ônibus. Da avenida Faria Lima, perto do restaurante Parigi, onde trabalha, segue para o Tucuruvi. De lá, para Guarulhos, numa viagem de duas horas. Não reclama. ‘Para onde precisar ir, eu vou, me viro, pergunto e chego!’ 
Maximiano Lopez Rodriguez, 90, morador do Tucuruvi, na zona norte

Por onde anda no sobrado em que vive ‘solo’, a música o acompanha. Em volume civilizado, o iPad está sempre ligado num bolero do trio mexicano Los Panchos. Quando não, a cantoria fica sob a responsabilidade de Paquito, 4, o inseparável canário. O passarinho tomou conta do quintal depois que seu antecessor, aos seis anos de vida, decidiu permanecer calado. Na ocasião, em 2008, morria a mulher de Maximiano, Maria Del Carmen.

Paquito 1º ainda viveu mais quatro anos, sem jamais levantar um pio. Seu dono, ao contrário, segue falante. Gosta de conversar com Paquito 2º e ainda reserva um dedinho de prosa para as plantas do jardim, hábito que herdou da mulher. As conversas, é bom dizer, são sempre em espanhol com o forte sotaque madrileno que não perdeu desde 1958, quando chegou aqui. De início, trabalhou como pedreiro, antes de ter a sua própria equipe de funcionários, à qual se dedicou até os 65 anos.

Em caso de dúvida, ele sacava do infalível ‘portunhol’ e pronto: o azulejo estava assentado direitinho, do jeito que queria. Hoje, ‘tranquilo, tranquilo’, como gosta de dizer, dispensa malabarismos linguísticos. Em bom espanhol, confessa: ‘Nunca me he sentido brasileño’ ["Nunca me senti brasileiro"].

Não abre mão de uma taça de vinho, adora torcer para o Real Madrid e se emociona ao falar do amor das duas filhas e dos quatro netos –os genros, é verdade, não o empolgam tanto. Embora diga não se sentir brasileiro, seu time do coração é o Corinthians, o que o integra numa das maiores torcidas do país. ‘Não sou fanático’, avisa. Nessas horas, é de bom-tom evitar discussão. Melhor acompanhá-lo na gostosa gargalhada e voltar a ouvir a música de Los Panchos. 


Fany Corrêa Cavalcanti, 93, moradora de Anália Franco, na zona leste


Os três filhos costumam brincar e dizer que ela ‘é terrível’. O adjetivo foi a tradução que eles fizeram das palavras do pai deles, morto há 18 anos, que costumava disparar: ‘Fany, você tem coragem de mamar em onça parida’.

Para uma mulher que nos anos 1940 peitou o marido e abriu sua própria loja e, depois de ver a cria formada, pediu licença e foi estudar, formou-se em educação artística e virou professora, a onça não passava de um gatinho. Serelepe, Fany não para. Dias desses, voltou às aulas de inglês. ‘Do you like coffee?’, pergunta.

Anda bolando sua própria exposição de aquarelas. ‘Quero fazer algo que expresse o meu interior’. A prioridade é aprender.

Namoro está fora do radar. O último deles rolou três anos atrás. Antes de engatar qualquer proposta, fez questão de certificar-se de que o candidato, de dentes impecáveis, não tinha mau hálito. Mas a relação não foi adiante. ‘Me sufocava’. Mais: ‘Ele ganhava menos que eu’. ‘Será que posso falar isso?’, pergunta. ‘Ultimamente ando me policiando, porque a língua é um veneno’, ensina, com a experiência de quem sempre disse o que lhe deu na telha. ‘Eu era como uma criança sem educação’.

Mudar de personalidade está fora de cogitação. ‘Sempre fui muito espontânea. Ainda mais hoje, que sou um nova mulher’. 


Julieta Strefezza Ribeiro, 96, moradora de Higienópolis, na região central


‘Sabe o que atrai as pessoas?’, pergunta, com ar professoral, para, em seguida, ela mesma responder: ‘A alegria. Se você é triste e chato, ninguém vai te querer por perto’.

Se tem uma coisa que Julieta não suporta é passar por chata e, aí, ser ignorada. ‘Detesto solidão’, diz, fechando a cara. 

Mãe de quatro filhos, avó de dez netos e nove bisnetos, viúva há 38 anos, segue na vida ‘bailando, bailando, bela, bela’. Dona cativa da mesa 78 do Clube da Amizade, na Lapa (zona oeste), ela costuma passar os domingos, das 16h às 21h, dançando por lá.

‘Me enche de alegria. As pessoas me procuram para conversar, falar de seus problemas, para ouvir uma palavra de conforto’.

O número escolhido da mesa do baile tem um propósito: era o da casa onde ela morou no bairro do Limão, de 1980 a 2017, antes de se mudar para Higienópolis. ‘Gosto dele. É peru ou pavão no jogo do bicho?’, pergunta, dando uma longa gargalhada.

No meio da conversa, Julieta pede ao repórter que fale mais alto. ‘Nesta altura da vida, a audição não é mais a mesma’.

Nem a memória. Para evitar esquecimentos, ela toma nota de tudo de que precisa num bloco de papel, deixado ao lado do criado-mudo. Lá está o horário de tomar os remédios para pressão, para manter o colesterol equilibrado e para o coração.

Neta de italianos, não esconde a saudade de cozinhar. ‘Sinto falta. A polpetta e a berinjela recheada que eu fazia eram uma delícia, sem falar no bolo de cenoura’, gaba-se.

‘Você sairia daqui outra pessoa, bem mais feliz, se provasse da minha comida’.



Texto: Roberto de Oliveira   |   FSP

(JA, Mai18)

Postagens mais visitadas deste blog

Grabovoi - O Poder dos Números

O Método Grabovoi  foi criado pelo cientista russo Grigori Grabovoi, após anos de estudos e pesquisas, sobre números e sua influência no nosso cérebro. Grigori descobriu que os números criam frequências que podem atuar em diversas áreas, desde sobrepeso até falta de concentração, tratamento para doenças, dedicação, e situações como perda de dinheiro. Os números atuam como uma ‘Código de desbloqueio’ dentro do nosso inconsciente, criando frequências vibratórias que atuam diretamente na área afetada e permitindo que o fluxo de informações flua livremente no nosso cérebro. Como funciona? As sequências são formadas por números que reúnem significados. As sequências podem ter  1, 7, 16, ou até 25 algarismos, e quanto mais números, mais específica é a ação da sequência. Os números devem ser lidos separadamente, por exemplo: 345682 Três, quatro, cinco, seis (sempre o número seis, não ‘meia’), oito, dois. Como praticar Você deve escolher uma das sequencias num

Thoth

Deus da lua, juiz dos mortos e deus do conhecimento e da escrita, Thoth (também Toth, ou Tot, cujo nome em egípcio é Djehuty) é um deus egípcio, representado com cabeça de íbis. É o deus do conhecimento, da sabedoria, da escrita, da música e da magia. Filho mais velho do deus do sol Rá, ou em alguns mitos nascido da cabeça de Set, era representado como um homem com a cabeça da ave íbis ou de um babuíno, seus animais sagrados.   Sendo o deus associado com o conhecimento secreto, Thoth ajudou no sepultamento de Osíris criando a primeira múmia. Era também o deus das palavras, da língua e posteriormente os gregos viam este deus egípcio como a fonte de toda a ciência, humana e divina, do Egito. O culto de Thoth situava-se na cidade de Khemenou, também referida pelos gregos como Hermópolis Magna, e agora conhecida pelo nome árabe Al Ashmunin. Inventor da escrita Segundo a tradição, transmitida também por Platão no diálogo Fedro, Thoth inventou a escrita egípc

Por que Jesus dobrou o lenço?

‘E que o lenço, que estivera sobre a cabeça de Jesus, não estava com os panos, mas enrolado num lugar à parte’.(João 20:7) Por que Jesus dobrou o lenço que cobria sua cabeça no sepulcro depois de sua ressurreição? Você já deteve sua atenção a esse detalhe? João 20:7 nos conta que aquele lenço que foi colocado sobre a face de Jesus não foi apenas deixado de lado como os lençóis no túmulo. A Bíblia reserva um versículo inteiro para nos contar que o lenço fora dobrado cuidadosamente e colocado na cabeceira do túmulo de pedra. Bem cedo pela manhã de domingo, Maria Madalena veio à tumba e descobriu que a pedra havia sido removida da entrada. Ela correu e encontrou Simão Pedro e outro discípulo, aquele que Jesus tanto amara. Disse ela: ‘Eles tiraram o corpo do Senhor e eu não sei para onde eles o levaram’. Pedro e o outro discípulo correram ao túmulo para ver. O outro discípulo passou à frente de Pedro e lá primeiro chegou. Ele parou e observou os lençóis lá,