Pular para o conteúdo principal

Candidatos à Presidência do Brasil 2018 e a Moda


Roland Barthes (*)  disse que a roupa tem três funções: resguardar o pudor; proteger o corpo; portar adornos. Por dizer algo novo sobre a sociedade, toda moda nascente é uma revolta contra o vestuário em vigor.

E no Brasil? Como as três funções da moda estão em vigor, ela muda com lerdeza agoniante. Aguardou-se durante anos o novo, a moda que se insurgisse contra a mesmice. Em vão. É o que se vê no grande desfile de meia estação, o de modelos postulantes ao Planalto. 

  1. O pretinho básico de Ciro Gomes denota seriedade. A gravata vermelha lhe dá um toque de Trump à esquerda. Contra a loquacidade estouvada das camisas coloridas do passado, agora mostra previsibilidade
  2. Guilherme Boulos pensa como a esquerda clássica: a moda não significa, o que vale é a política. Devagarinho, porém, tem trocado camisetas por colarinhos. Detalhe: usa as camisas fora da calça, como nos Jardins. O PSOL debaterá se ele deve ir de terno aos debates na tevê.
  3. Marina Silva tem inspiração étnico-natureba: tons foscos, xales, túnicas desestruturadas, estampados, batom cor de amora. O coque com presilha lembra o de Frida Kahlo.
  4. Jair Bolsonaro deixa o cabelo tingido cair na testa, o que lhe confere frescura à figura sessentona. A indumentária uniforme realça o gestual bélico-buliçoso. Gargalha, bate a mão na mesa, aponta os braços como se portasse um fuzil fálico.
  5. Manuela D'Ávila é puro arejamento visual. Seu cabelo está com a cor natural, repicado e curto atrás. Ela tem umas dez tatuagens, mas não as ostenta. Usa as bijuterias e lenços mais charmosos da campanha.
  6. Geraldo Alckmin herdou o guarda-roupa de Campos Salles. São paletós lúgubres, camisas imaculadas, calças com vinco. Ele não afrouxa o nó da gravata nem para trocar dous dedos de prosa. Para não pegar friagem, porá ceroulas no inverno —como recomendava tia Maricota, lá de Pinda.
  7. Henrique Meirelles tem uma fortuna de R$ 960 milhões e os ternos mais mal cortados da República.
  8. Lula está solto nas imagens de Ricardo Stuckert, seu fotógrafo oficial. Nelas, as partes brancas ganham detalhes e as sombras são atenuadas. Velhinhas beijam, crianças apalpam, multidões cercam o patriarca messiânico, que se sacrifica e é venerado.






Imagem: Bruna Barros

Fonte:  Mario Sergio Conti   |   FSP





   
‘Sistema da Moda’, de Roland Barthes, Editora Martins Fontes

 (*)  Em 'O sistema da moda', Roland Barthes elabora uma análise semântica do vestuário a partir de artigos da imprensa, examinando a estrutura e o significado do discurso sobre a moda. Barthes desvenda um sistema de significações e a submete pela primeira vez a uma verdadeira análise semântica: como os seres humanos constroem sentido com o vestuário e a fala?   Este livro, que se tornou um clássico, é um dos exemplos mais brilhantes de aplicação da semiologia a um fenômeno cultural.







(JA, Mai18)

Postagens mais visitadas deste blog

Grabovoi - O Poder dos Números

O Método Grabovoi  foi criado pelo cientista russo Grigori Grabovoi, após anos de estudos e pesquisas, sobre números e sua influência no nosso cérebro. Grigori descobriu que os números criam frequências que podem atuar em diversas áreas, desde sobrepeso até falta de concentração, tratamento para doenças, dedicação, e situações como perda de dinheiro. Os números atuam como uma ‘Código de desbloqueio’ dentro do nosso inconsciente, criando frequências vibratórias que atuam diretamente na área afetada e permitindo que o fluxo de informações flua livremente no nosso cérebro. Como funciona? As sequências são formadas por números que reúnem significados. As sequências podem ter  1, 7, 16, ou até 25 algarismos, e quanto mais números, mais específica é a ação da sequência. Os números devem ser lidos separadamente, por exemplo: 345682 Três, quatro, cinco, seis (sempre o número seis, não ‘meia’), oito, dois. Como praticar Você deve escolher uma das sequencias num

Thoth

Deus da lua, juiz dos mortos e deus do conhecimento e da escrita, Thoth (também Toth, ou Tot, cujo nome em egípcio é Djehuty) é um deus egípcio, representado com cabeça de íbis. É o deus do conhecimento, da sabedoria, da escrita, da música e da magia. Filho mais velho do deus do sol Rá, ou em alguns mitos nascido da cabeça de Set, era representado como um homem com a cabeça da ave íbis ou de um babuíno, seus animais sagrados.   Sendo o deus associado com o conhecimento secreto, Thoth ajudou no sepultamento de Osíris criando a primeira múmia. Era também o deus das palavras, da língua e posteriormente os gregos viam este deus egípcio como a fonte de toda a ciência, humana e divina, do Egito. O culto de Thoth situava-se na cidade de Khemenou, também referida pelos gregos como Hermópolis Magna, e agora conhecida pelo nome árabe Al Ashmunin. Inventor da escrita Segundo a tradição, transmitida também por Platão no diálogo Fedro, Thoth inventou a escrita egípc

Por que Jesus dobrou o lenço?

‘E que o lenço, que estivera sobre a cabeça de Jesus, não estava com os panos, mas enrolado num lugar à parte’.(João 20:7) Por que Jesus dobrou o lenço que cobria sua cabeça no sepulcro depois de sua ressurreição? Você já deteve sua atenção a esse detalhe? João 20:7 nos conta que aquele lenço que foi colocado sobre a face de Jesus não foi apenas deixado de lado como os lençóis no túmulo. A Bíblia reserva um versículo inteiro para nos contar que o lenço fora dobrado cuidadosamente e colocado na cabeceira do túmulo de pedra. Bem cedo pela manhã de domingo, Maria Madalena veio à tumba e descobriu que a pedra havia sido removida da entrada. Ela correu e encontrou Simão Pedro e outro discípulo, aquele que Jesus tanto amara. Disse ela: ‘Eles tiraram o corpo do Senhor e eu não sei para onde eles o levaram’. Pedro e o outro discípulo correram ao túmulo para ver. O outro discípulo passou à frente de Pedro e lá primeiro chegou. Ele parou e observou os lençóis lá,