Pular para o conteúdo principal

Imagens Escritas



Recentemente, Augusto vinha dirigindo pela estrada numa manhã ensolarada, quando viu alguns bois, andando por uma trilha no campo, em fila, descendo de uma elevação. Provavelmente estavam indo em busca de água, alimento, do frescor da sombra das árvores, ou da segurança do seu estábulo.                                                                                                   
Algumas horas mais tarde, já na área urbana, estava na janela de um alto edifício de escritórios, aguardando para ser atendido. Olhou para baixo e viu o trânsito intenso na avenida de duas pistas existente em frente ao prédio -  automóveis, ônibus e motos, trafegando, nos dois sentidos; um atrás do outro, cada qual levando pessoas, seguindo para cumprir objetivos, a caminho dos seus destinos.                                                                            
Aquilo o impactou e o fez questionar qual seria a diferença entre primeiro e o segundo grupo – ambos, embora de natureza tão diferente, se moviam para cumprir o compromisso com a vida que escolheram, por opção ou compulsão. Cada grupo, no seu nível de percepção, estava fazendo o que considerava fosse o melhor a ser feito para manter a sua qualidade de vida, subsistência, razão de viver.

Uma comparação horrível, se considerar que estamos nivelando o comportamento de animais irracionais com o de seres humanos, com tudo o que isso representa.  Entretanto, pensando friamente, não há muita diferença em termos de motivação.  É claro que as pessoas têm mais alternativas do que os bois. Podem optar por seguir o caminho de todo o dia, mantendo-se no conforto e na segurança do habitual, do esperado; ou mudar, tentar seguir um caminho diferente, que poderá ser mais satisfatório - embora, eventualmente, possa implicar em mais  trabalho e riscos.  Por outro lado, os bois...

No finalmente, concluiu que não iria chegar a lugar nenhum desenvolvendo esse raciocínio.  Mas uma dúvida ainda persistia: Por que, inconscientemente, reuniu as duas cenas que visualizou em momentos, locais e com protagonistas tão diferentes?

Augusto administra alguns blogs, escreve com facilidade sobre diversos assuntos, mas  nunca foi além de crônicas e comentários. E, sobre isso,  tinha uma dúvida recorrente:   ‘Por que não tinha o impulso e a vontade de  escrever algo mais elaborado, com um enredo envolvendo muitos personagens, com idas e vindas, suspense, com um início, um meio e um fim – o fim provável ou, eventualmente, inesperado?’ 

Surpreendentemente, esse fato, e mais as duas visões que teve naquela manhã, que reuniu inconscientemente, trouxeram a luz, a resposta:

‘Os dois momentos tinham  um significado único, que sentiu, captou. Dai, não foi difícil inferir que, talvez, ele fosse um ‘pintor’. Um pintor que, ao invés de ‘imagens pintadas’, produzisse ‘imagens escritas’. Suas palavras teriam o poder de levar o leitor a pensar, a definir, o ‘quadro’ imaginado pelo autor, de acordo com própria experiência, sensibilidade’.

Essa resposta tranquilizou Augusto e, se certo ou errado –não sei, parou de se preocupar em escrever um romance, algo mais complexo. Decidiu que vai continuar compondo as suas ‘imagens escritas’, retratando aquilo que o sensibilize, que considere que mereça ser compartilhado com as outras pessoas, e, principalmente, enquanto isso lhe fizer se sentir bem comigo mesmo.  

Ou seja, neste momento, ele optou por continuar seguindo seu caminho de todo o dia, mantendo-se no conforto e na segurança do habitual, do esperado.  E você?





 (JA, Abr18)

Postagens mais visitadas deste blog

Grabovoi - O Poder dos Números

O Método Grabovoi  foi criado pelo cientista russo Grigori Grabovoi, após anos de estudos e pesquisas, sobre números e sua influência no nosso cérebro. Grigori descobriu que os números criam frequências que podem atuar em diversas áreas, desde sobrepeso até falta de concentração, tratamento para doenças, dedicação, e situações como perda de dinheiro. Os números atuam como uma ‘Código de desbloqueio’ dentro do nosso inconsciente, criando frequências vibratórias que atuam diretamente na área afetada e permitindo que o fluxo de informações flua livremente no nosso cérebro. Como funciona? As sequências são formadas por números que reúnem significados. As sequências podem ter  1, 7, 16, ou até 25 algarismos, e quanto mais números, mais específica é a ação da sequência. Os números devem ser lidos separadamente, por exemplo: 345682 Três, quatro, cinco, seis (sempre o número seis, não ‘meia’), oito, dois. Como praticar Você deve escolher uma das sequencias num

Thoth

Deus da lua, juiz dos mortos e deus do conhecimento e da escrita, Thoth (também Toth, ou Tot, cujo nome em egípcio é Djehuty) é um deus egípcio, representado com cabeça de íbis. É o deus do conhecimento, da sabedoria, da escrita, da música e da magia. Filho mais velho do deus do sol Rá, ou em alguns mitos nascido da cabeça de Set, era representado como um homem com a cabeça da ave íbis ou de um babuíno, seus animais sagrados.   Sendo o deus associado com o conhecimento secreto, Thoth ajudou no sepultamento de Osíris criando a primeira múmia. Era também o deus das palavras, da língua e posteriormente os gregos viam este deus egípcio como a fonte de toda a ciência, humana e divina, do Egito. O culto de Thoth situava-se na cidade de Khemenou, também referida pelos gregos como Hermópolis Magna, e agora conhecida pelo nome árabe Al Ashmunin. Inventor da escrita Segundo a tradição, transmitida também por Platão no diálogo Fedro, Thoth inventou a escrita egípc

Por que Jesus dobrou o lenço?

‘E que o lenço, que estivera sobre a cabeça de Jesus, não estava com os panos, mas enrolado num lugar à parte’.(João 20:7) Por que Jesus dobrou o lenço que cobria sua cabeça no sepulcro depois de sua ressurreição? Você já deteve sua atenção a esse detalhe? João 20:7 nos conta que aquele lenço que foi colocado sobre a face de Jesus não foi apenas deixado de lado como os lençóis no túmulo. A Bíblia reserva um versículo inteiro para nos contar que o lenço fora dobrado cuidadosamente e colocado na cabeceira do túmulo de pedra. Bem cedo pela manhã de domingo, Maria Madalena veio à tumba e descobriu que a pedra havia sido removida da entrada. Ela correu e encontrou Simão Pedro e outro discípulo, aquele que Jesus tanto amara. Disse ela: ‘Eles tiraram o corpo do Senhor e eu não sei para onde eles o levaram’. Pedro e o outro discípulo correram ao túmulo para ver. O outro discípulo passou à frente de Pedro e lá primeiro chegou. Ele parou e observou os lençóis lá,