Pular para o conteúdo principal

Relações





Nestor foi fazer um estágio em outro país, proporcionado pela multinacional onde trabalhava. A família, mulher e filhos, permaneceram no Brasil. Lá, teve oportunidade de conhecer e conviver com uma colega de trabalho, Anne,
Ambos tinham cerca de 40 anos, casados, com filhos. Com o tempo, como consequência de histórias de vida muito parecidas, afinidades,  foram, naturalmente, se aproximando, até que, oportunamente, se tornaram amantes.  Sua relação não era exclusivista, e nem tinha prazos ou horários pré-determinados.  Quando acontecia de terem uma oportunidade, se encontravam. Se não, tudo bem. Cada um tinha a sua vida bem estruturada, que seguia seu curso , como sempre.
Nestor não tinha problemas com a família – muito pelo contrário. Entretanto, nos últimos tempos seu casamento tinha entrado num processo de esfriamento que tornou a relação do casal mais de amizade, com cada parte cuidando de suas responsabilidades, sem dar uma atenção especial um ao outro, como acontecia no início da relação. Por conta disso e, principalmente, devido à distância que os separava, com muita frequência, ultimamente, se sentia sozinho, carente.
Anne, por sua vez, vivia um casamento que passou a ser insípido por diversas razões. Mas, a principal era que seu marido trabalhava em outra cidade, e só vinha para casa nos fins de semana. Ela aceitava essa situação principalmente pela conveniência financeira, por conta do companheirismo histórico que dedicava ao marido, e pelos seus filhos – jovens ainda, dependentes de seu apoio, orientação.
A relação entre Nestor e Anne não levou a nada concreto. Apenas lhes proporcionou alguns momentos excitantes, agradáveis, enquanto durou. Esses momentos, então, foram muito úteis para ajudá-los a suportar, a superar a fase de ‘baixa’ em que ambos estavam vivendo. Entretanto, com o tempo, por diversos motivos, principalmente profissionais - terminado o estágio, ele voltou para o Brasil-, acabaram por se afastar de uma maneira definitiva, natural, sem consequências.   
Com o término da relação, Nestor, refletindo sobre, concluiu que o seu caso foi compensador.  Não causou sofrimento a ninguém, não se sentia culpado de nada. Pelo contrário, sentia-se contente pela sua escolha acertada, por terem tido ambos um comportamento responsável durante o processo, e por todos os momentos bons que tiveram juntos.  Neste caso, o final foi feliz para todos, sem consequências negativas.
Naturalmente, essas histórias nem sempre acabam assim. Muitas vezes, na sua maioria pode-se dizer, causam efeitos colaterais, envolvendo outras pessoas - separação, sofrimento, dor... - e, portanto, não compensam o benefício obtido.
Pesquisando, Nestor ficou a par de que, em muitos casos, a infidelidade conjugal é uma forma de agressão a si mesmo, ou ao parceiro original. Em decorrência, as pessoas, homem ou mulher, podem criar um espaço e mergulhar num relacionamento ocasional, inconsequente, irresponsável, sem uma escolha e motivação emocional mais profunda. Previsivelmente, a relação é satisfatória, prazerosa só por pouco tempo. Então, insatisfeitas, partem para outras relações, de forma recorrente, tentando compensar a sua frustração. Como consequência, acabam por causar problemas para si, seus parceiros, e para os outros envolvidos.
Não são apenas os homens que têm esse comportamento, podemos dizer ‘predador’. As mulheres também podem agir assim. A infidelidade masculina é mais frequente porque os impulsos sexuais do homem são mais intensos. No caso da feminina, pode ser decorrente da emancipação emocional - que é outra característica dessa nova geração de mulheres que, mesmo estando em um relacionamento satisfatório, têm curiosidade, querem experimentar novos prazeres. É sabido que a infidelidade tem relação com o sistema de recompensa do cérebro. Esta área produz dopamina, substância responsável pelo prazer. Ela é ativada durante o ato sexual e ao comer alimentos gostosos. Ou seja, quando fazemos algo que gostamos, queremos repetir. O sistema de recompensa funciona da mesma forma em homens e mulheres.
Portanto, não é o fato de ser homem ou mulher que determina esse comportamento, mas, principalmente, as experiências de vida anterior, o seu momento atual.  Isso vale tanto para pessoas normais, para as fortes e bem sucedidas, como para as frágeis e fracassadas. A relação extraconjugal, nesse caso,  é uma forma que encontram para satisfazer uma curiosidade, sentir prazer; ou  para se auto afirmar, demonstrar o seu poder; ou para adquirirem confiança para conseguir superar a sua fragilidade.
O casal pode se distanciar basicamente por dois motivos: pelo distanciamento físico ou por fatores comportamentais. A distância física é fácil de entender.  Na falta de um parceiro, a tendência é que o vácuo seja preenchido. A outra é quando ambos, tendo perdido a atração inicial, se mantém juntos, mas sem se complementarem, sem troca de emoções, de sensações físicas, ou seja, estão juntos mas afastados.
Idealmente, a traição deve ser evitada, considerando suas consequências.  Para tanto, o recurso mais recomendável é expor suas dúvidas, medos e insatisfações, ao parceiro. É o primeiro passo para uma relação saudável. Quando sentir que seu parceiro está diferente, que o sexo não é mais a mesma coisa, coloque as cartas na mesa. Conversando, o casal pode se entender.
E foi assim que ele fez. Voltando ao Brasil, Nestor oportunamente contou à sua esposa o que sentia e, surpreso, ficou sabendo que ela sentia o mesmo que ele.  Então, procuraram ajuda psicológica e, pouco a pouco, foram se reencontrando, renovando seus laços, tratando um ao outro como alguém especial.

“Enquanto não atravessarmos a dor de nossa própria solidão, continuaremos a nos buscar em outras metades. Para viver a dois, antes, é necessário, ser um.” Fernando Pessoa,

(JA, Dez16)



Postagens mais visitadas deste blog

Grabovoi - O Poder dos Números

O Método Grabovoi  foi criado pelo cientista russo Grigori Grabovoi, após anos de estudos e pesquisas, sobre números e sua influência no nosso cérebro. Grigori descobriu que os números criam frequências que podem atuar em diversas áreas, desde sobrepeso até falta de concentração, tratamento para doenças, dedicação, e situações como perda de dinheiro. Os números atuam como uma ‘Código de desbloqueio’ dentro do nosso inconsciente, criando frequências vibratórias que atuam diretamente na área afetada e permitindo que o fluxo de informações flua livremente no nosso cérebro. Como funciona? As sequências são formadas por números que reúnem significados. As sequências podem ter  1, 7, 16, ou até 25 algarismos, e quanto mais números, mais específica é a ação da sequência. Os números devem ser lidos separadamente, por exemplo: 345682 Três, quatro, cinco, seis (sempre o número seis, não ‘meia’), oito, dois. Como praticar Você deve escolher uma das sequencias num

Thoth

Deus da lua, juiz dos mortos e deus do conhecimento e da escrita, Thoth (também Toth, ou Tot, cujo nome em egípcio é Djehuty) é um deus egípcio, representado com cabeça de íbis. É o deus do conhecimento, da sabedoria, da escrita, da música e da magia. Filho mais velho do deus do sol Rá, ou em alguns mitos nascido da cabeça de Set, era representado como um homem com a cabeça da ave íbis ou de um babuíno, seus animais sagrados.   Sendo o deus associado com o conhecimento secreto, Thoth ajudou no sepultamento de Osíris criando a primeira múmia. Era também o deus das palavras, da língua e posteriormente os gregos viam este deus egípcio como a fonte de toda a ciência, humana e divina, do Egito. O culto de Thoth situava-se na cidade de Khemenou, também referida pelos gregos como Hermópolis Magna, e agora conhecida pelo nome árabe Al Ashmunin. Inventor da escrita Segundo a tradição, transmitida também por Platão no diálogo Fedro, Thoth inventou a escrita egípc

Por que Jesus dobrou o lenço?

‘E que o lenço, que estivera sobre a cabeça de Jesus, não estava com os panos, mas enrolado num lugar à parte’.(João 20:7) Por que Jesus dobrou o lenço que cobria sua cabeça no sepulcro depois de sua ressurreição? Você já deteve sua atenção a esse detalhe? João 20:7 nos conta que aquele lenço que foi colocado sobre a face de Jesus não foi apenas deixado de lado como os lençóis no túmulo. A Bíblia reserva um versículo inteiro para nos contar que o lenço fora dobrado cuidadosamente e colocado na cabeceira do túmulo de pedra. Bem cedo pela manhã de domingo, Maria Madalena veio à tumba e descobriu que a pedra havia sido removida da entrada. Ela correu e encontrou Simão Pedro e outro discípulo, aquele que Jesus tanto amara. Disse ela: ‘Eles tiraram o corpo do Senhor e eu não sei para onde eles o levaram’. Pedro e o outro discípulo correram ao túmulo para ver. O outro discípulo passou à frente de Pedro e lá primeiro chegou. Ele parou e observou os lençóis lá,