Pular para o conteúdo principal

Como eu conheci Cauby Peixoto





Meados dos anos 60, um grupo de seis jovens de São Paulo, na faixa entre 18 e 20 anos, que estudavam num mesmo Colégio, estavam em período de férias escolares. Como sempre, tinham pouco dinheiro disponível. Então, aceitaram a sugestão do mais articulado do grupo para passarem alguns dias num colégio tradicional do Rio de Janeiro. Ele havia conseguido autorização junto aos padres que administravam o colégio para utilização das instalações pelo grupo, apenas para pernoite. Ele havia conseguido essa autorização por conhecer alguns dos administradores que, por coincidência, haviam lecionado num outro colégio da mesma ordem religiosa, onde havia estudado anteriormente.
Sugestão aceita, passagens de ônibus compradas, partiram de São Paulo rumo ao Rio, percorrendo os 410 km da velha Via Dutra até chegar lá.
Da Rodoviária, foram direto para o Colégio.  Lá chegando, surpreendentemente, já estavam sendo esperados por um grupo de alunos do colégio, que os aguardava para jogar futebol de campo. O colégio dispunha de um campo de futebol que embora fosse de terra, tinha tamanho oficial. Desfizeram as malas, se prepararam, e foram jogar.  Os jovens do Rio não sabiam, mas aquele grupo de rapazes de São Paulo, se reunia todos os sábados, há vários anos, para jogar futebol de salão, e que, quando jogavam futebol de campo, eram praticamente invencíveis. O futebol de campo proporciona muito mais espaço do que o de salão para realização de jogadas, e, além disso, tinham a rapidez própria daqueles que jogam habitualmente em espaços menores. Conheciam as características, o deslocamento um do outro,  estavam em plena forma física,...
E aconteceu o esperado: ganharam de lavada. Os cariocas foram humilhados em campo. E, para piorar, um dos paulistas perguntou o que se tinha para fazer na cidade. Os cariocas começaram a confabular, até que concluíram sobre uma sugestão. O rapaz começou dizendo que o lugar sugerido – uma danceteria - era um programa muito bom, mas tinha um inconveniente - era muito caro. Nisso, um dos paulistas, pernósticamente colocou: ‘- Nós pedimos uma sugestão de um lugar legal para ir; não perguntamos preço!’ Bem, a relação entre paulistas e cariocas, que sempre foi meio prejudicada, não ficou melhor depois desse comentário.   
Numa tarde, depois de almoçarem, saíram, tomaram um bonde, e foram conhecer a cidade. No bonde, conheceram duas moças bonitas, que se mostraram muito simpáticas com o grupo. Conversaram, e elas acabaram dizendo que eram dançarinas, contratadas para um programa de TV, e que, aliás, estavam indo para lá agora mesmo, para se apresentarem num show. Convidaram o grupo para assistir.
Eles foram. Quando o show começou, eles logo localizaram as garotas que, sorridentes, devidamente paramentadas, participavam do grupo de dançarinas que fazia a abertura. Então, foi apresentado o astro principal: Cauby Peixoto!  Ele surgiu sorridente, com uma roupa colorida e brilhante, todo estrela, senhor da plateia que o ovacionava, aplaudia – ele já era famoso então. Todos do grupo conheciam o Cauby, mas não pessoalmente. Ele tinha uma voz extraordinária, suas músicas eram especiais,  e tinha um carisma pessoal que envolvia a todos. O show foi ótimo.   
Ao final, foram cumprimentar as, agora, suas amigas e elas convidaram  o grupo para, mais tarde, irem tomar um café. Deram o endereço do apartamento delas e se despediram.
Aí começou o problema. Todos concordaram que não tinha sentido todos irem ao encontro. O mais razoável seria irem apenas dois, já que elas eram duas. Tinha lógica. Mas quem? Aquele que era o mais desinibido, que puxou a conversa inicial com elas, se julgava no direito. Sim, mas depois, cada um conversou com elas também. A mais nova deu mais atenção para esse, a mais velha para aquele... Enfim, não chegaram a nenhuma conclusão, e decidiram que o melhor então seria irem todos. E lá, no decorrer, decidiriam o que fazer.
Na hora combinada, em torno de 20h, o grupo chegou no apartamento. Tocaram a companhia e um senhor veio atender. Lá de dentro ouviram uma voz de criança e latidos de cachorro. Perguntaram pelas suas amigas, e logo elas apareceram e convidaram o grupo a entrar. A mais velha apresentou o grupo para o seu marido, dizendo que os meninos eram de São Paulo. Logo ficaram sabendo que a mais nova era filha da mais velha. Enfim, haviam sido convidados para um café mesmo, por uma acolhedora família carioca.
Quando terminou a semana, depois de conhecerem os vários pontos turísticos tradicionais da cidade, deixaram o Rio.  Mais uma vez, o mesmo que arrumou a estadia para o grupo no Colégio, conseguiu junto a um seu conhecido, autorização  para utilizarem, durante alguns dias, uma casa de veraneio no  litoral sul de São Paulo, Itanhaém.  Era uma casa bonita, bem implantada. Mas lá não havia roupa de cama, banho, louça, talheres, nada.  O tempo estava chuvoso, e fazia tanto frio que um deles, à noite, se cobriu com um colchão disponível de outra cama para se aquecer. No dia seguinte, resolveram voltar para São Paulo, e cada um foi para sua casa.
Meses mais tarde, ficaram sabendo que um dos colegas, aquele mais comunicativo, havia conseguido obter o telefone de uma das dançarinas, a mais moça, que havia ligado, que se falaram e combinaram um encontro. Os demais nunca ficaram sabendo se era verdade mesmo, se o encontro aconteceu, e  no que deu.
Com o passar dos anos esses colegas foram se afastando, cada um seguindo a sua vida e seus objetivos, até perderem completamente o contato entre si. Entretanto, certamente, a lembrança de suas (des)aventuras daquela época permanece na memória de cada um, compondo um passado comum, inesquecível e prazeroso.

"Boas lembranças, são como um tesouro, que  guardamos com muito carinho dentro do nosso peito. Nada consegue apagá-las.  Recorremos a elas de vez em quando, mas principalmente nos momentos mais difíceis. São elas que nos incentivam, dão ânimo e confiança para nos superarmos e conseguir conquistar,  o que, muitas vezes, inicialmente, parecia impossível."



(JA, Mai16)

__________
Cauby Peixoto (1931-2016)
Cauby morreu na noite de domingo (15), aos 85 anos. Ele estava internado devido a uma pneumonia desde segunda-feira passada, dia 9 de maio, no Hospital Sancta Maggiore, no Itaim Bibi, em SP.  O velório está sendo feito na Assembleia Legislativa de SP e o enterro foi marcado para ocorrer às 16h30 desta segunda feira (16), no Cemitério Congonhas, Jardim Marajoara.
Daniel D'Ângelo, marido da cantora Ângela Maria, amiga e parceira de Cauby, disse que estava no hospital ao lado de Cauby às 23h30, na hora da morte. ‘Estávamos ao lado dele na cama, eu e um grupo de amigos, fizemos uma oração, e assim que dissemos 'amém', ele morreu. Coisa de artista’, afirmou D'Ângelo.
____________


Postagens mais visitadas deste blog

Grabovoi - O Poder dos Números

O Método Grabovoi  foi criado pelo cientista russo Grigori Grabovoi, após anos de estudos e pesquisas, sobre números e sua influência no nosso cérebro. Grigori descobriu que os números criam frequências que podem atuar em diversas áreas, desde sobrepeso até falta de concentração, tratamento para doenças, dedicação, e situações como perda de dinheiro. Os números atuam como uma ‘Código de desbloqueio’ dentro do nosso inconsciente, criando frequências vibratórias que atuam diretamente na área afetada e permitindo que o fluxo de informações flua livremente no nosso cérebro. Como funciona? As sequências são formadas por números que reúnem significados. As sequências podem ter  1, 7, 16, ou até 25 algarismos, e quanto mais números, mais específica é a ação da sequência. Os números devem ser lidos separadamente, por exemplo: 345682 Três, quatro, cinco, seis (sempre o número seis, não ‘meia’), oito, dois. Como praticar Você deve escolher uma das sequencias num

Thoth

Deus da lua, juiz dos mortos e deus do conhecimento e da escrita, Thoth (também Toth, ou Tot, cujo nome em egípcio é Djehuty) é um deus egípcio, representado com cabeça de íbis. É o deus do conhecimento, da sabedoria, da escrita, da música e da magia. Filho mais velho do deus do sol Rá, ou em alguns mitos nascido da cabeça de Set, era representado como um homem com a cabeça da ave íbis ou de um babuíno, seus animais sagrados.   Sendo o deus associado com o conhecimento secreto, Thoth ajudou no sepultamento de Osíris criando a primeira múmia. Era também o deus das palavras, da língua e posteriormente os gregos viam este deus egípcio como a fonte de toda a ciência, humana e divina, do Egito. O culto de Thoth situava-se na cidade de Khemenou, também referida pelos gregos como Hermópolis Magna, e agora conhecida pelo nome árabe Al Ashmunin. Inventor da escrita Segundo a tradição, transmitida também por Platão no diálogo Fedro, Thoth inventou a escrita egípc

Por que Jesus dobrou o lenço?

‘E que o lenço, que estivera sobre a cabeça de Jesus, não estava com os panos, mas enrolado num lugar à parte’.(João 20:7) Por que Jesus dobrou o lenço que cobria sua cabeça no sepulcro depois de sua ressurreição? Você já deteve sua atenção a esse detalhe? João 20:7 nos conta que aquele lenço que foi colocado sobre a face de Jesus não foi apenas deixado de lado como os lençóis no túmulo. A Bíblia reserva um versículo inteiro para nos contar que o lenço fora dobrado cuidadosamente e colocado na cabeceira do túmulo de pedra. Bem cedo pela manhã de domingo, Maria Madalena veio à tumba e descobriu que a pedra havia sido removida da entrada. Ela correu e encontrou Simão Pedro e outro discípulo, aquele que Jesus tanto amara. Disse ela: ‘Eles tiraram o corpo do Senhor e eu não sei para onde eles o levaram’. Pedro e o outro discípulo correram ao túmulo para ver. O outro discípulo passou à frente de Pedro e lá primeiro chegou. Ele parou e observou os lençóis lá,