Pular para o conteúdo principal

Superação


Gilberto era um senhor com cerca de 40 anos. Era casado, com dois filhos em idade escolar. Tinha uma bela casa e dois carros seminovos. Até há dois anos atrás tinha um bom emprego, e um salário bem superior à média. Devido à reestruturação ocorrida na sua empresa, de repente, se viu desempregado. A única coisa de bom no que aconteceu é que fez um acordo muito satisfatório, considerando as circunstâncias de mercado, etc. e com o dinheiro recebido estava garantindo a sua subsistência e da sua família, até agora.
No início, estava confiante que iria arrumar uma recolocação num curto prazo de tempo. Afinal, era um executivo experiente, bem formado, com ótimos contatos. Não havia como duvidar que tudo daria certo.
Fez uma lista de todos os seus contatos. Falou com cada um contando sua história recente, a sua necessidade, e se colocando à disposição. Todos foram muito simpáticos e ficaram de ver o que conseguiam.
O tempo foi passando, e nada de definitivo, que fosse a solução, apareceu.  Duas ou três tentativas quase deram certo - mas não deram.
Aos poucos, ele foi perdendo a ilusão inicial. Tentou imaginar o motivo até  que chegou a algumas conclusões:
  • Seu nível de expectativa era alto, considerando o seu histórico profissional.
  • Como trabalhou ultimamente por muitos anos na mesma empresa, uma empresa nacional, e como não havia feito nenhum curso de atualização no meio tempo, estava desatualizado com os novos sistemas e termos técnicos utilizados pelas empresas, especialmente as internacionais.
  • Não aceitava ser subordinado de quem  não respeitasse, etc.
Resolveu que, a partir de então,  iria vestir um manto de humildade, e ver o que iria conseguir. Apresentava-se para o eventual contratante, colocando-se à disposição para fazer o que fosse e com o tempo, mostrar do que era capaz. Não exigia nada – nem função, nem cargo, nem salário. Só queria uma oportunidade de trabalhar, poder  aplicar o seu potencial e, quem sabe, lá na frente, poder conquistar o que julgava que merecia.  E assim fez. Mas, mesmo assim, não conseguiu nada.


Passados dois anos, se viu desesperado. Logo passou a ficar apático, sem iniciativa, a se auto enganar dizendo que tudo daria certo no final.

Um dia, estava no seu carro e, passando por uma praça, viu um indigente maltrapilho, sujo, de pé, olhando para o espaço, para o nada. 
Ele não estava indo para lugar nenhum; estava simplesmente parado na beira da calçada, junto à rua. Ele nem olhava para os carros passavam. Então, ele pensou:  
“Esse homem não tem condições para se auto conduzir. Ele se entregou, não tem condições para se levantar, conquistar seu espaço, sair dessa vida lamentável. Alguém deveria ajudá-lo.  Algum órgão do governo voltado para o social deveria identificar indivíduos desse tipo, avaliar  a sua situação, definir o que poderia ser feito para reerguê-los, motivá-los, ajudá-los a fazer o que fosse necessário. Pessoas assim certamente ainda devem ter algo de bom a oferecer para a sociedade - só falta encaminhá-las. Se nada for feito, permanecerão como um peso morto para essa mesma sociedade e, além disso, provavelmente poderão causar problemas para outras pessoas que estão vivendo a sua vida normalmente.”
Mais tarde, refletindo, percebeu que havia se identificado com o olhar daquele homem. Percebeu que também estava vencido, carente, e que esperava desesperadamente que alguém o ajudasse. Ele já não tinha mais forças para superar a situação em que se encontrava.   O que fazer?  
Ele não soube responder. Mas aquela observação lhe serviu de alerta. Se não conseguisse mudar o rumo da vida que estava vivendo, ele provavelmente iria se transformar naquele homem que havia visto.  Conscientizou-se que deveria aproveitar o restinho de forças que ainda tinha para fazer algo que, mesmo que não resolvesse, pelo menos servisse de paliativo, o ajudasse a se recompor, a ganhar mais tempo, autoestima, e quem sabe, a poder criar ou identificar e aproveitar, alguma oportunidade que passasse à sua frente.
Entretanto, pela sua experiência recente, ele tinha certeza que não poderia contar com ajuda de ninguém – nem do governo, nem de seus contatos, nem de seus amigos ou familiares.  Ele mesmo teria que promover alguma mudança na sua vida, e, dessa mudança poderia surgir algo novo.
Decidiu que o certo seria não desperdiçar o resto da sua energia lutando contra o velho, mas sim na construção de algo novo. O velho perdeu, entretanto ele ainda não sabia o que era o novo. Ele se sentia meio perdido nesse momento de transição.  O olhar daquele homem iria lhe servir de farol para iluminar e ajudá-lo a encontrar o caminho do seu melhor destino, iria lhe dar forças para lutar contra o que o estava puxando para baixo, e  iria ajudá-lo a se reerguer, a se superar.

(JA, Set15)

Postagens mais visitadas deste blog

Grabovoi - O Poder dos Números

O Método Grabovoi  foi criado pelo cientista russo Grigori Grabovoi, após anos de estudos e pesquisas, sobre números e sua influência no nosso cérebro. Grigori descobriu que os números criam frequências que podem atuar em diversas áreas, desde sobrepeso até falta de concentração, tratamento para doenças, dedicação, e situações como perda de dinheiro. Os números atuam como uma ‘Código de desbloqueio’ dentro do nosso inconsciente, criando frequências vibratórias que atuam diretamente na área afetada e permitindo que o fluxo de informações flua livremente no nosso cérebro. Como funciona? As sequências são formadas por números que reúnem significados. As sequências podem ter  1, 7, 16, ou até 25 algarismos, e quanto mais números, mais específica é a ação da sequência. Os números devem ser lidos separadamente, por exemplo: 345682 Três, quatro, cinco, seis (sempre o número seis, não ‘meia’), oito, dois. Como praticar Você deve escolher uma das sequencias num

Thoth

Deus da lua, juiz dos mortos e deus do conhecimento e da escrita, Thoth (também Toth, ou Tot, cujo nome em egípcio é Djehuty) é um deus egípcio, representado com cabeça de íbis. É o deus do conhecimento, da sabedoria, da escrita, da música e da magia. Filho mais velho do deus do sol Rá, ou em alguns mitos nascido da cabeça de Set, era representado como um homem com a cabeça da ave íbis ou de um babuíno, seus animais sagrados.   Sendo o deus associado com o conhecimento secreto, Thoth ajudou no sepultamento de Osíris criando a primeira múmia. Era também o deus das palavras, da língua e posteriormente os gregos viam este deus egípcio como a fonte de toda a ciência, humana e divina, do Egito. O culto de Thoth situava-se na cidade de Khemenou, também referida pelos gregos como Hermópolis Magna, e agora conhecida pelo nome árabe Al Ashmunin. Inventor da escrita Segundo a tradição, transmitida também por Platão no diálogo Fedro, Thoth inventou a escrita egípc

Por que Jesus dobrou o lenço?

‘E que o lenço, que estivera sobre a cabeça de Jesus, não estava com os panos, mas enrolado num lugar à parte’.(João 20:7) Por que Jesus dobrou o lenço que cobria sua cabeça no sepulcro depois de sua ressurreição? Você já deteve sua atenção a esse detalhe? João 20:7 nos conta que aquele lenço que foi colocado sobre a face de Jesus não foi apenas deixado de lado como os lençóis no túmulo. A Bíblia reserva um versículo inteiro para nos contar que o lenço fora dobrado cuidadosamente e colocado na cabeceira do túmulo de pedra. Bem cedo pela manhã de domingo, Maria Madalena veio à tumba e descobriu que a pedra havia sido removida da entrada. Ela correu e encontrou Simão Pedro e outro discípulo, aquele que Jesus tanto amara. Disse ela: ‘Eles tiraram o corpo do Senhor e eu não sei para onde eles o levaram’. Pedro e o outro discípulo correram ao túmulo para ver. O outro discípulo passou à frente de Pedro e lá primeiro chegou. Ele parou e observou os lençóis lá,