Pular para o conteúdo principal

Mundo Passado


O menino se encontrou caminhando por uma rua de uma cidadezinha desconhecida, sem saber quem era, de onde tinha vindo nem para onde estava indo. Vestia-se como os demais meninos de sua idade que via pela rua. Mas, além disso, não sabia mais nada.
Começou a observar as pessoas.  Viu uma moça de pernas grossas, baixa, meio gordinha que caminhava com os pés virados para o lado externo; um homem enorme, de barba escura, que tomava cerveja num bar, com os cotovelos apoiados no balcão, falando muito alto com todos com sua voz grossa; um padre apressado, magrinho, que cumprimentava quem encontrava, demonstrando no cumprimento sua timidez e  gagueira. Ele pensou: ‘Que pessoas estranhas... Onde vim parar?’  Depois, refletindo, considerou que todos podiam ser pessoas normais, e que apenas ele estava percebendo suas características, porque não conhecia ninguém e as estava observando. Quando estamos num meio familiar, nem notamos direito as pessoas; já sabemos como elas são fisicamente, como falam, e como agem, então... Ali não; todo mundo era estranho para ele.
Olhava os veículos que passavam soltando fumaça e fazendo muito barulho. Viu algumas pessoas pedalando um equipamento com rodas – quanto mais rápido pedalavam maior a velocidade do equipamento. Outros montavam um grande animal de quatro patas, com dois grandes e curiosos olhos e, além disso, tinham rabo.
Eventualmente viu um menino andando, carregando uma grande mochila. O menino deixou cair algo e, ele, naturalmente prestativo, apanhou e lhe entregou. O menino agradeceu. Ele perguntou aonde ele ia, e o menino respondeu que estava indo para a Escola. Ele o acompanhou. Lá encontrou uma quantidade enorme de outros meninos; foi apresentado e pediu para conhecer o local. Eles lhe levaram e lhe mostraram as salas de aula, o quadro negro, giz, quadra de esportes, etc. Ele estranhou tudo. Mas, ficou muito impressionado, com a quantidade de crianças reunidas, e com a alegria que demonstravam por estar ali, com o objetivo de aprender. Estranhou também porque, apesar de toda aquela estrutura, parecia que eles sabiam  tão pouco. Entretanto, concluiu que, para formar opinião, precisava conhecer melhor o sistema.
Já era quase perto do meio dia, e ele começou a sentir fome.  Dinheiro não tinha. O que faria?  Teve uma ideia. Iria se oferecer para o dono do bar pelo qual passara, para limpar as mesas e o chão, em troca de comida. E assim fez.
O dono do bar olhou para ele e perguntou seu nome. Ele respondeu inventando: Roberto. Perguntou sobre seus pais, e ele disse que estava viajando sozinho, indo para casa dos seus avós que moravam numa cidade próxima. Resolvera para um pouco para descansar porque vinha caminhando já há vários dias. O homem estranhou, mas concordou. Autorizou que ele se acomodasse e utilizasse um pequeno quarto que existia no depósito, pelo tempo que fosse ficar ali. Indicou onde era a cozinha, e pediu para ele se apresentar para o cozinheiro. Poderia começar de imediato. E, quando o movimento do almoço estivesse terminado, poderia comer.  
E foi assim. Ele se apresentou para o Manuel, que era como se chamava o cozinheiro, e ele orientou. Disse que, em pouco tempo, as pessoas iriam começar a chegar, deu-lhe um pano e pediu para ele limpar as mesas, e colocar pratos e talheres em cada uma. Mostrou-lhe onde ficavam guardados os utensílios.
Ele começou a trabalhar, fazendo o que lhe mandavam e o que os clientes pediam. Sempre observando. Como se sentia muito estranho ali, concluiu que precisava compreender melhor aquele povo, para poder agir adequadamente, sem contrariar nenhuma norma local.
____________
Esse rapaz não sabia ainda, mas ele veio do futuro. É por isso que, tudo o que ele vê, lhe parece familiar e, ao mesmo tempo tão distante.
Lá de onde ele veio:
  • Os humanos tem um corpo perfeito: eles nascem com uma prévia seleção de genes. Assim, raramente ficam doentes, e vivem mais do que o dobro dos humanos deste tempo em que ele estava.  
  • A Educação é aplicada com métodos personalizados para cada um, com utilização de instrumentos ainda nem imaginados nos dias em que ele estava – tudo fruto da unificação e disponibilização do conhecimento, com computadores que atingiram um nível de inteligência superior ao do homem comum, e que ‘conversam’ ente si. O ensino foca principalmente o aprimoramento dos pontos fortes e talento dos indivíduos.
  • Os espaços físicos do planeta são ocupados dentro de um planejamento estratégico que considera o todo. Os preservação dos seres humanos é priorizada, embora isso implique na preservação das características básicas da Terra.
  • A humanidade se conscientizou da necessidade e prioriza a vida em sociedade, para sua segurança e evolução. Todos se respeitam e se ajudam, no sentido de que o bem comum antecede o bem individual.
  • As fronteiras entre os povos praticamente inexistem. Todos os países são associados e se subordinam a um poder central escolhido democráticaticamente entre eles, e  que é renovado por um período determinado. Os deslocamentos pessoais e de mercadorias, são rápidos – quase instantâneos – e de baixo custo. Independem da distância e da utilização de meios de transporte. Isto foi viabilizado  pela utilização de métodos, aplicativos, e instrumentos desenvolvidos para transferência da matéria através da desintegração celular local e reintegração à distância.  
  • Quanto ao trabalho, as pessoas assumem responsabilidades perante a sociedade, definidas pelas necessidades, suas habilidades e conhecimento. O trabalho é prazeiroso e é uma fonte de motivação para aperfeiçoamento e desenvolvimento pessoal.  Eles não trabalham por dinheiro, mas sim por créditos. Quem contribui para a sociedade, recebe em troca créditos que permitem ser feliz, com tudo o que isso significa para cada um.  Quanto maior a contribuição, maior o crédito.

_______________
Passaram-se semanas e meses. Agora tudo lhe parecia familiar. E, pouco a pouco, começaram a lhe retornar, como num sonho, a lembranças de onde e do tempo originais. Até que tudo lhe ficou muito claro. Num determinado dia, na casa onde morava, estava na varanda, que ficava a muitos metros do solo, brincando com um instrumento que parecia uma pequena faca. Ele atirava essa faquinha numa superfície flexível e, se acertasse, ela penetrava e se fixava lá. Isso requeria prática e habilidade. E ele ficou fazendo isso repetidas vezes, tentando melhorar, acertar cada vez mais.  A repetição exagerada e focada devem ter criado um estado mental tal que, num determinado momento, ele, sem se dar conta, se viu transportado para uma outra dimensão, para uma outra época.
Mas agora ele se lembrou de tudo. Ao se conscientizar disso, olhou para o local onde estava no presente, como quem olha uma foto desbotoada que carrega suas lembranças mais antigas.  Aquelas pessoas, de certa forma, eram os seus antepassados. Ele sabia das suas dificuldades atuais, e de tudo o que ainda teriam que lutar para se superar, para concretizar aquele que seria o mundo do futuro.
Saiu para o trabalho e, naquele dia, tratou a todos com muito mais carinho do que antes. Sentia-se agora como nunca havia se sentido, desde que chegara. Agora ele sabia - não era um estranho, era parte deles.
__________
 Numa determinada manhã, acordou e estranhou tudo. Estava deitado na cama da sua casa original. Não estava mais no seu quartinho do bar. Tudo voltara ao que era antes. Ficou feliz e, ao mesmo tempo, lamentou. Já havia se  apegado à tudo o que existia lá. As pessoas com seus defeitos, com suas dificuldades, eram autênticas e comunicativas. Embora não demonstrassem, ou não percebessem, ajudavam a quem estivesse em necessidade – como foi o caso dele. Explicavam o que fosse necessário, quando perguntados. Davam estadia e alimento para quem não tivesse, emprego para quem quisesse trabalhar... Não sem razão conseguiram – sim eles conseguiram – construir o mundo em que ele agora vivia e desfrutava de tantas coisas.  
Aquela nostalgia lhe trouxe lágrimas nos olhos.  Agradeceu em pensamento a todos aqueles que tivera oportunidade de conhecer e de conviver naquele curto período de tempo, naquele pedaço do seu mundo passado.
_________________________________________________________________________________

          "No tempo certo, as coisas acontecem meio que de repente."
_________________________________________________________________________________

Imagem: Filho de David e Victoria Beckham, trabalhando como garçom em Londres


(JA, Jun15)

Postagens mais visitadas deste blog

Grabovoi - O Poder dos Números

O Método Grabovoi  foi criado pelo cientista russo Grigori Grabovoi, após anos de estudos e pesquisas, sobre números e sua influência no nosso cérebro. Grigori descobriu que os números criam frequências que podem atuar em diversas áreas, desde sobrepeso até falta de concentração, tratamento para doenças, dedicação, e situações como perda de dinheiro. Os números atuam como uma ‘Código de desbloqueio’ dentro do nosso inconsciente, criando frequências vibratórias que atuam diretamente na área afetada e permitindo que o fluxo de informações flua livremente no nosso cérebro. Como funciona? As sequências são formadas por números que reúnem significados. As sequências podem ter  1, 7, 16, ou até 25 algarismos, e quanto mais números, mais específica é a ação da sequência. Os números devem ser lidos separadamente, por exemplo: 345682 Três, quatro, cinco, seis (sempre o número seis, não ‘meia’), oito, dois. Como praticar Você deve escolher uma das sequencias num

Thoth

Deus da lua, juiz dos mortos e deus do conhecimento e da escrita, Thoth (também Toth, ou Tot, cujo nome em egípcio é Djehuty) é um deus egípcio, representado com cabeça de íbis. É o deus do conhecimento, da sabedoria, da escrita, da música e da magia. Filho mais velho do deus do sol Rá, ou em alguns mitos nascido da cabeça de Set, era representado como um homem com a cabeça da ave íbis ou de um babuíno, seus animais sagrados.   Sendo o deus associado com o conhecimento secreto, Thoth ajudou no sepultamento de Osíris criando a primeira múmia. Era também o deus das palavras, da língua e posteriormente os gregos viam este deus egípcio como a fonte de toda a ciência, humana e divina, do Egito. O culto de Thoth situava-se na cidade de Khemenou, também referida pelos gregos como Hermópolis Magna, e agora conhecida pelo nome árabe Al Ashmunin. Inventor da escrita Segundo a tradição, transmitida também por Platão no diálogo Fedro, Thoth inventou a escrita egípc

Por que Jesus dobrou o lenço?

‘E que o lenço, que estivera sobre a cabeça de Jesus, não estava com os panos, mas enrolado num lugar à parte’.(João 20:7) Por que Jesus dobrou o lenço que cobria sua cabeça no sepulcro depois de sua ressurreição? Você já deteve sua atenção a esse detalhe? João 20:7 nos conta que aquele lenço que foi colocado sobre a face de Jesus não foi apenas deixado de lado como os lençóis no túmulo. A Bíblia reserva um versículo inteiro para nos contar que o lenço fora dobrado cuidadosamente e colocado na cabeceira do túmulo de pedra. Bem cedo pela manhã de domingo, Maria Madalena veio à tumba e descobriu que a pedra havia sido removida da entrada. Ela correu e encontrou Simão Pedro e outro discípulo, aquele que Jesus tanto amara. Disse ela: ‘Eles tiraram o corpo do Senhor e eu não sei para onde eles o levaram’. Pedro e o outro discípulo correram ao túmulo para ver. O outro discípulo passou à frente de Pedro e lá primeiro chegou. Ele parou e observou os lençóis lá,