Pular para o conteúdo principal

Epitáfio


O Epitáfio que gostaria que fosse meu



Prezados Senhores
O momento que atravessamos toca profundamente a nossa sensibilidade. Ainda não foi possível sentir tristeza, pois o choque inicial desse lamentável passamento ainda não foi devidamente assimilado, não está superado. 
A morte é natural. Entretanto, o homem que conhecemos, e que agora já não existe mais fisicamente, não foi um homem comum. Ele foi excepcional, a seu modo. Explico.
Nós o conhecemos durante toda a sua existência, desde a infância até agora, e o nosso conceito sobre ele permaneceu sempre o mesmo - seu caráter,  sua enorme força interior, sua probidade, sensibilidade,  solidariedade, humildade e inteligência, ... Entretanto, tudo isso não o fazia ser  justo consigo mesmo. Ele não reconhecia em si nenhuma dessas qualidades, e não só isso, como também buscava incansavelmente a superação, o  aprimoramento pessoal. Talvez, só por isso já pudesse ser considerado  o melhor.
De suas ações, nenhuma há que o desmeça. Se erros cometeu, a ninguém prejudicou.  A imagem que projetava, inconscientemente, só  o dignificava, servia de exemplo, estimulava, àqueles  que tinham oportunidade de ter contato com ele, à prática das melhores atitudes. Seu total desprendimento das coisas materiais, sua humildade natural, remetia a um ser espiritual, místico, sábio, para o qual a morte nada representava  além de uma nova dimensão, uma nova e fascinante experiência. Era apenas um novo degrau na busca da superação, na busca da aproximação com o divino, da realização pessoal, que sempre almejou.  
Embora sempre afável e cordial com todos, indistintamente, buscou, sem sucesso, compreender a humanidade. A humanidade que lhe parecia frequentemente inconsequente,  priorizando  e assumindo valores equivocados. Irresponsável, fria, não socorrendo algumas de suas próprias vítimas carentes, indefensas; às vezes, muito pelo contrário.  A humanidade assim,  estava e está, por que não dizer, muito distante de onde ele chegou, de quem ele  veio a ser, a representar.
Por tudo isso, creio que este momento, independentemente da dor da perda,  nos dá a oportunidade de homenagearmos um ser humano que dignificou o sentido da vida, da existência. Seu legado é inspirador e, certamente, nos acompanhará através dos próximos anos e, de alguma forma, será passado para as nossas futuras gerações. Sua energia, agora liberada, frutificará, ajudando a todos na caminhada e no encontro de um mundo melhor. Amém.

"Nossas vidas, desde o nascer até o morrer, não nos pertencem exclusivamente. Pertencem também a outras pessoas, do nosso passado, do nosso futuro."



(JA, Mar15)

Postagens mais visitadas deste blog

Grabovoi - O Poder dos Números

O Método Grabovoi  foi criado pelo cientista russo Grigori Grabovoi, após anos de estudos e pesquisas, sobre números e sua influência no nosso cérebro. Grigori descobriu que os números criam frequências que podem atuar em diversas áreas, desde sobrepeso até falta de concentração, tratamento para doenças, dedicação, e situações como perda de dinheiro. Os números atuam como uma ‘Código de desbloqueio’ dentro do nosso inconsciente, criando frequências vibratórias que atuam diretamente na área afetada e permitindo que o fluxo de informações flua livremente no nosso cérebro. Como funciona? As sequências são formadas por números que reúnem significados. As sequências podem ter  1, 7, 16, ou até 25 algarismos, e quanto mais números, mais específica é a ação da sequência. Os números devem ser lidos separadamente, por exemplo: 345682 Três, quatro, cinco, seis (sempre o número seis, não ‘meia’), oito, dois. Como praticar Você deve escolher uma das sequencias num

Thoth

Deus da lua, juiz dos mortos e deus do conhecimento e da escrita, Thoth (também Toth, ou Tot, cujo nome em egípcio é Djehuty) é um deus egípcio, representado com cabeça de íbis. É o deus do conhecimento, da sabedoria, da escrita, da música e da magia. Filho mais velho do deus do sol Rá, ou em alguns mitos nascido da cabeça de Set, era representado como um homem com a cabeça da ave íbis ou de um babuíno, seus animais sagrados.   Sendo o deus associado com o conhecimento secreto, Thoth ajudou no sepultamento de Osíris criando a primeira múmia. Era também o deus das palavras, da língua e posteriormente os gregos viam este deus egípcio como a fonte de toda a ciência, humana e divina, do Egito. O culto de Thoth situava-se na cidade de Khemenou, também referida pelos gregos como Hermópolis Magna, e agora conhecida pelo nome árabe Al Ashmunin. Inventor da escrita Segundo a tradição, transmitida também por Platão no diálogo Fedro, Thoth inventou a escrita egípc

Por que Jesus dobrou o lenço?

‘E que o lenço, que estivera sobre a cabeça de Jesus, não estava com os panos, mas enrolado num lugar à parte’.(João 20:7) Por que Jesus dobrou o lenço que cobria sua cabeça no sepulcro depois de sua ressurreição? Você já deteve sua atenção a esse detalhe? João 20:7 nos conta que aquele lenço que foi colocado sobre a face de Jesus não foi apenas deixado de lado como os lençóis no túmulo. A Bíblia reserva um versículo inteiro para nos contar que o lenço fora dobrado cuidadosamente e colocado na cabeceira do túmulo de pedra. Bem cedo pela manhã de domingo, Maria Madalena veio à tumba e descobriu que a pedra havia sido removida da entrada. Ela correu e encontrou Simão Pedro e outro discípulo, aquele que Jesus tanto amara. Disse ela: ‘Eles tiraram o corpo do Senhor e eu não sei para onde eles o levaram’. Pedro e o outro discípulo correram ao túmulo para ver. O outro discípulo passou à frente de Pedro e lá primeiro chegou. Ele parou e observou os lençóis lá,