Pular para o conteúdo principal

Novo Universo


Oswaldo é um homem entre 30 e 40 anos, solteiro, engenheiro, que trabalha numa grande construtora onde exerce um cargo executivo, de direção.
É uma pessoa particularmente agradável, sempre muito bem informado e bem humorado. Em eventos sociais se destaca, passando alegria e interesse genuíno pelos assuntos levantados, e pelas pessoas com as quais tem oportunidade de confraternizar. Sente-se muito bem após esses momentos, feliz e relaxado.
Sua natureza é calma e reservada. Aprecia e necessita  ficar sozinho de vez em quando, refletindo sobre isso ou aquilo, ou lendo um bom livro, ou assistindo um filme que tenha despertado seu interesse. Gosta de dar longas caminhadas, observando as pessoas, suas atitudes e reações.
É um apreciador das artes em geral e, frequentemente, vai a exposições. Não é um artista, mas sente como um. Por qualquer motivo, os  ambiente culturais lhe parecem familiares, e seus comentários sobre essa ou aquela obra são procedentes e oportunos. Tem facilidade para escrever, e já participou de diversos concursos literários, tendo sido premiado algumas vezes
Uma explicação que encontrou para esse seu lado artístico, é o fenômeno que Carl Gustav Jung nomeou de ‘Arquétipo”.  É uma forma de conduta atávica, cuja origem não tem  explicação, mas que tem a ver com fatores geneticistas e energéticos. Todo ser humano carrega em si aspectos psicológicos, que inclusive influem nos físicos, que o levam a assumir uma conduta que eram comuns em ascendentes remotos. A vida psíquica de cada um tem uma ligação indefinida, não só com fatores psicológicos, mas também com elementos mais distantes no tempo e espaço; o que acontece na consciência é uma invasão desses tipos transcendentais, que ultrapassam a dimensão puramente mecânica dos fenômenos da vida.
Entretanto, o que o caracteriza e o que o levou a ser bem sucedido em tudo o que fez até hoje, é a sua empatia - uma capacidade aparentemente mágica de mapear corretamente o terreno mental das outras pessoa a partir de suas palavras, emoções e linguagem corporal . Além disso, é muito intuitivo. Essa consciência o leva a prestar atenção aos diversos sinais que detecta, manifestados tanto externa como internamente  – por exemplo, seu corpo de alguma forma sempre se manifesta, antes das coisas acontecerem. Para Oswaldo, prestar atenção às suas próprias emoções, e passar tempo observando e ouvindo outras pessoas cara a cara, sem julgar, reforça seu poder de empatia.  Também tem o hábito de prestar atenção aos seus sonhos. É a forma que encontrou para  entrar em contato com os processos de pensamento inconscientes de sua mente.
É muito exigente consigo mesmo e com os outros, organizado, perfeccionista, com opinião formada sobre tudo e, às vezes interfere em assuntos que, em princípio, não lhe dizem respeito. O fato de ser assim tem um lado negativo -   eventualmente, para quem não o conhece bem, pode passar  a imagem de arrogância, insensibilidade, o que, absolutamente, não procede.
Embora ele seja considerado alguém ‘iluminado’, pois aparenta estar sempre tranquilo, seguro, irradiando felicidade, de bem com tudo e com todos, intimamente, nos últimos tempos, passou a sentir que alguma coisa está errada na sua vida, que falta algo. Como de hábito, registrou o que está sentindo, procurou se desprender dessa emoção negativa, e ficou atento para, oportunamente, descobrir a causa e poder corrigir.  Não adiantou - aquele sentimento persistia, indefinido.
Então, depois de muito refletir sem chegar a nenhuma resposta, resolveu por em prática um plano antigo que ainda não tinha tido oportunidade de realizar: iria promover uma mudança radical na sua vida. Quem sabe, novos locais, novas pessoas, novos desafios, o ajudassem a descobrir, a superar o que estava errado. E assim fez. Demitiu-se do emprego, despediu-se dos colegas, e foi atrás do seu novo futuro.
Optou por se transferir para um país que conhecera numa de suas viagens de negócios, no velho continente europeu, e do qual gostara particularmente. É claro que não tinha nada a ver com o país tropical onde sempre viveu, mas tinha suas compensações: o povo era muito civilizado e cordial, tudo funcionava bem, sem estresse, de acordo com o planejado. Instalou-se em um hotel e começou a procurar onde morar. Logo encontrou um apartamento que lhe agradou: era antigo, mas muito bem conservado; nem muito grande, nem muito pequeno;  bem localizado, com espaço para o seu estúdio. Enfim, perfeito para o que ele pretendia.
Mudou-se para o seu novo lar, e foi levado a refletir sobre a sua situação. Sabia que o inconsciente exagera as coisas ruins - e que confrontá-lo pode ser a chave para superação  de angústia.  Esse pensamento o levou questionar sobre tudo o que tinha, do que  gostava, desgostava, suas expectativas...  Naturalmente, não chegou a nenhuma conclusão de imediato, mas o questionamento ficou registrado.
Tinha que decidir agora como seria a sua nova rotina.  Sabia que quando se muda de residência, de local de trabalho, de cidade, de país, embora estando em lugares novos, vivendo novas situações,  não se está sozinho – continuamos a carregar a nossa energia histórica. E, pouco a pouco, conforme vamos nos familiarizando com o ambiente, com as pessoas, voltamos a liberar a nossa energia tradicional e a influenciar esse novo universo.
Energia histórica é a força que carregamos dentro de nós e, aonde quer que estejamos, inconscientemente, a transmitimos para o meio ambiente.  Ela é resultante dos conhecimentos que fomos adquirindo ao longo de nossa vida, das ações que praticamos, sensações vivenciadas, experiências. Quanto maior for essa energia, mais intensa é a sua liberação, e mais intenso o  seu poder de transformação do ‘universo’ de influência, definido pelo limite de alcance da energia gerada.
Optou em relaxar um pouco, procurar conhecer melhor a cidade, seu povo e locais.  Observou que todas as pessoas aparentavam felicidade, respondiam bem aos questionamentos, e até tomavam a inciativa de fazer sugestões. A cidade era limpa e organizada. Naturalmente tinham seus hábitos característicos. Por exemplo, às 5h da tarde o comércio fechava as portas, as calçadas iam ficando vazias, e os carros que circulavam nas ruas, rareando.
Com o passar do tempo, a ansiedade, desconfiança e dificuldades operacionais iniciais, foram sendo superadas. Passou a ficar mais tranquilo, confiante, e a fazer o que pretendia com maior facilidade.  Enfim, assumiu a sua nova realidade, que agora estava se tornando familiar.
Falar um idioma diferente do nosso, de origem, com a mesma fluência dos foram criados falando a língua, é sempre muito difícil. A explicação é que, quando você pretende expressar um pensamento na sua língua nativa, seu inconsciente faz a decodificação, e a fala flui automaticamente, permitindo que você se comunique. Quando se fala um outro idioma, essa parte do inconsciente fica prejudicada pois, além de pensar alguma coisa, você precisa que pensar em como falar. Oswaldo já tinha um bom conhecimento do idioma local e, pela sua curiosidade natural com relação à cultura e instituições,  teve oportunidade de conversar, de conviver bastante com o povo. Isso facilitou a travessia da  ponte que separa a fala do estrangeiro da dos naturais da terra, e ele logo pode deixar de pensar em como falar.
Oswaldo ficou sabendo que uma universidade próxima iria promover um curso de especialização que há tempos ele pretendia fazer. Inscreveu-se e começou a frequentá-lo.
Ali se socializou com os colegas, com os professores, com a direção e,  alguns meses depois, com base na sua formação e experiência, recebeu uma proposta de emprego irrecusável.
Oportunamente foi a um evento com uma colega da universidade, Paula. Foram ficando próximos e, depois de ter ficado muitos anos sem assumir nenhum relacionamento sério, começou a namorar com ela.
Um dia, do 12º andar do prédio onde ficava a sede da empresa onde trabalhava, olhou para baixo e, observando as pessoas que andavam apressadas, os veículos naquele anda e para habitual, pensou: “Como se explica o fato de eu estar aqui, tão longe do meu país, da minha antiga casa, das pessoas, das coisas, e ambientes com as quais convivi por tantos anos, e, mesmo assim, me sentir tão parte disso, tão integrado, parecendo que sempre estive aqui?”
Concluiu que isso decorreu do fato de que, considerando as suas características, aplicou muita energia e esforço para penetrar, para passar a integrar uma nova realidade. E, quanto maior a energia e esforço, mais rapidamente nos adaptamos e/ou a interagimos com a nova realidade.  Ela é nova apenas para quem chega. Por parte de quem já está lá, há uma indiferença inicial para novato. Depois que quem chega passa a interagir, acaba por quebrar a rotina tradicional de quem estava lá, passando então a acrescentar ou a tirar algo do que já existia.  Portanto, são as ações de quem chega que fazem a diferença, como um fator positivo ou negativo, passando a agregar, a fazer parte daquele universo. E, finalmente, ao ocorrer a integração com a nova realidade, aquele que chega é levado a um maior entrosamento consigo mesmo, o que resulta numa maior satisfação, alegria de viver – há um acréscimo ao ato de ser.
Sem olhar para trás, muito pelo contrário, reconstruiu sua vida profissional e pessoal. Atualmente, é casado e tem dois filhos, é perfeitamente adaptado ao país, ao povo e aos costumes locais. Além de sentir realizado, se sente feliz, agora sem nenhum vazio a preencher.
Aquela insatisfação do passado, ocorreu porque o personagem que ele era então, por conta da sua 'história', a partir de determinado momento, passou a precisar de um novo cenário, de novas falas, novos desafios, para exercer o papel de protagonista que lhe cabia. Felizmente, percebeu, seguiu sua intuição, e redefiniu o rumo da sua vida. Encontrou, e está percorrendo, o caminho do seu melhor destino.

"Independentemente da nossa origem, dos nossos talentos naturais, do nosso poder e riqueza, somos resultado, principalmente, da nossa história."

(JA, Nov14)

Postagens mais visitadas deste blog

Grabovoi - O Poder dos Números

O Método Grabovoi  foi criado pelo cientista russo Grigori Grabovoi, após anos de estudos e pesquisas, sobre números e sua influência no nosso cérebro. Grigori descobriu que os números criam frequências que podem atuar em diversas áreas, desde sobrepeso até falta de concentração, tratamento para doenças, dedicação, e situações como perda de dinheiro. Os números atuam como uma ‘Código de desbloqueio’ dentro do nosso inconsciente, criando frequências vibratórias que atuam diretamente na área afetada e permitindo que o fluxo de informações flua livremente no nosso cérebro. Como funciona? As sequências são formadas por números que reúnem significados. As sequências podem ter  1, 7, 16, ou até 25 algarismos, e quanto mais números, mais específica é a ação da sequência. Os números devem ser lidos separadamente, por exemplo: 345682 Três, quatro, cinco, seis (sempre o número seis, não ‘meia’), oito, dois. Como praticar Você deve escolher uma das sequencias num

Thoth

Deus da lua, juiz dos mortos e deus do conhecimento e da escrita, Thoth (também Toth, ou Tot, cujo nome em egípcio é Djehuty) é um deus egípcio, representado com cabeça de íbis. É o deus do conhecimento, da sabedoria, da escrita, da música e da magia. Filho mais velho do deus do sol Rá, ou em alguns mitos nascido da cabeça de Set, era representado como um homem com a cabeça da ave íbis ou de um babuíno, seus animais sagrados.   Sendo o deus associado com o conhecimento secreto, Thoth ajudou no sepultamento de Osíris criando a primeira múmia. Era também o deus das palavras, da língua e posteriormente os gregos viam este deus egípcio como a fonte de toda a ciência, humana e divina, do Egito. O culto de Thoth situava-se na cidade de Khemenou, também referida pelos gregos como Hermópolis Magna, e agora conhecida pelo nome árabe Al Ashmunin. Inventor da escrita Segundo a tradição, transmitida também por Platão no diálogo Fedro, Thoth inventou a escrita egípc

Por que Jesus dobrou o lenço?

‘E que o lenço, que estivera sobre a cabeça de Jesus, não estava com os panos, mas enrolado num lugar à parte’.(João 20:7) Por que Jesus dobrou o lenço que cobria sua cabeça no sepulcro depois de sua ressurreição? Você já deteve sua atenção a esse detalhe? João 20:7 nos conta que aquele lenço que foi colocado sobre a face de Jesus não foi apenas deixado de lado como os lençóis no túmulo. A Bíblia reserva um versículo inteiro para nos contar que o lenço fora dobrado cuidadosamente e colocado na cabeceira do túmulo de pedra. Bem cedo pela manhã de domingo, Maria Madalena veio à tumba e descobriu que a pedra havia sido removida da entrada. Ela correu e encontrou Simão Pedro e outro discípulo, aquele que Jesus tanto amara. Disse ela: ‘Eles tiraram o corpo do Senhor e eu não sei para onde eles o levaram’. Pedro e o outro discípulo correram ao túmulo para ver. O outro discípulo passou à frente de Pedro e lá primeiro chegou. Ele parou e observou os lençóis lá,