Pular para o conteúdo principal

Trem da Vida


Num trem, no vagão de passageiros, várias pessoas estão viajando. Cada um dos que estão ali tem um destino específico.
O trem para numa estação, em outra, e outra.  Em cada uma, alguns descem outros sobem; o trem sempre segue.
Os que desceram é porque chegaram ao seu destino. Em seguida tomam outra condução, ou vão caminhando, dependendo de onde devem chegar.  Os que ficaram no trem, leem alguma coisa, se confraternizam, descansam, comem, bebem, ou ficam apenas apreciando a paisagem que passa lá fora, através das janelas. E permanecem assim,  até chegarem na estação onde devem descer, quando tudo se repete.
O trem vai seguindo, até parar na estação final. Lá, os passageiros que vieram, os remanescentes, descem. Então, sobem novos passageiros que irão fazer o percurso inverso .

Todos os que estiveram juntos no trem, apesar de terem compartilhando uma situação comum, são indivíduos com uma história, experiências e objetivos exclusivos. Uns vieram visitar familiares ou amigos, outros estão de mudança para uma nova cidade, novo emprego, casamento, à negócios. Outros vieram para completar seus estudos, fazer um tratamento médico, e outros ainda estão voltando derrotados, em busca de apoio; ou bem sucedidos, em busca de aplausos. 
Tão diferentes, mas tão iguais, no sentido de que compartilharam por um determinado período tantas coisas: o vagão, o comboio, a locomotiva, o maquinista e auxiliares, a  condição atmosférica, cumprimento de horário, a programação dos demais comboios ferroviários, o mesmo ar, o mesmo tempo.
Embora independentes, ficaram juntos. É uma situação que podemos chamar de 'individualidade coletiva'. Uma situação para a qual somos levados em vários momentos da nossa vida. Momento em que assumimos nosso espaço em determinados ‘vagões’ que escolhemos ou que nos foram determinados, nos relacionando com as diversas pessoas que também estão ali, obedecemos as mesmas normas, e compartilhamos tudo o que acontece durante 'a viagem'. 
Esse coletivo é enriquecedor. É ele que viabiliza, que nos ajuda a percorrer caminhos que, de outra forma, seria muito difícil, ou mesmo impossível. A cada “estação’ vamos recebendo e perdendo companheiros de viagem, e vamos sempre trocando experiências, conhecimentos, solidariedade, num processo evolutivo. E vamos avançando, realizando nosso destino, até a última ‘estação’, onde o ‘descer’ é compulsório.

“Aqueles que passam por nós, não vão sós; não nos deixam sós.  Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós.” (Antoine de Saint-Exupéry)





JA, Jul14

Postagens mais visitadas deste blog

Grabovoi - O Poder dos Números

O Método Grabovoi  foi criado pelo cientista russo Grigori Grabovoi, após anos de estudos e pesquisas, sobre números e sua influência no nosso cérebro. Grigori descobriu que os números criam frequências que podem atuar em diversas áreas, desde sobrepeso até falta de concentração, tratamento para doenças, dedicação, e situações como perda de dinheiro. Os números atuam como uma ‘Código de desbloqueio’ dentro do nosso inconsciente, criando frequências vibratórias que atuam diretamente na área afetada e permitindo que o fluxo de informações flua livremente no nosso cérebro. Como funciona? As sequências são formadas por números que reúnem significados. As sequências podem ter  1, 7, 16, ou até 25 algarismos, e quanto mais números, mais específica é a ação da sequência. Os números devem ser lidos separadamente, por exemplo: 345682 Três, quatro, cinco, seis (sempre o número seis, não ‘meia’), oito, dois. Como praticar Você deve escolher uma das sequencias num

Thoth

Deus da lua, juiz dos mortos e deus do conhecimento e da escrita, Thoth (também Toth, ou Tot, cujo nome em egípcio é Djehuty) é um deus egípcio, representado com cabeça de íbis. É o deus do conhecimento, da sabedoria, da escrita, da música e da magia. Filho mais velho do deus do sol Rá, ou em alguns mitos nascido da cabeça de Set, era representado como um homem com a cabeça da ave íbis ou de um babuíno, seus animais sagrados.   Sendo o deus associado com o conhecimento secreto, Thoth ajudou no sepultamento de Osíris criando a primeira múmia. Era também o deus das palavras, da língua e posteriormente os gregos viam este deus egípcio como a fonte de toda a ciência, humana e divina, do Egito. O culto de Thoth situava-se na cidade de Khemenou, também referida pelos gregos como Hermópolis Magna, e agora conhecida pelo nome árabe Al Ashmunin. Inventor da escrita Segundo a tradição, transmitida também por Platão no diálogo Fedro, Thoth inventou a escrita egípc

Por que Jesus dobrou o lenço?

‘E que o lenço, que estivera sobre a cabeça de Jesus, não estava com os panos, mas enrolado num lugar à parte’.(João 20:7) Por que Jesus dobrou o lenço que cobria sua cabeça no sepulcro depois de sua ressurreição? Você já deteve sua atenção a esse detalhe? João 20:7 nos conta que aquele lenço que foi colocado sobre a face de Jesus não foi apenas deixado de lado como os lençóis no túmulo. A Bíblia reserva um versículo inteiro para nos contar que o lenço fora dobrado cuidadosamente e colocado na cabeceira do túmulo de pedra. Bem cedo pela manhã de domingo, Maria Madalena veio à tumba e descobriu que a pedra havia sido removida da entrada. Ela correu e encontrou Simão Pedro e outro discípulo, aquele que Jesus tanto amara. Disse ela: ‘Eles tiraram o corpo do Senhor e eu não sei para onde eles o levaram’. Pedro e o outro discípulo correram ao túmulo para ver. O outro discípulo passou à frente de Pedro e lá primeiro chegou. Ele parou e observou os lençóis lá,