Pular para o conteúdo principal

Escolhas


Um  rapaz, recém casado, havia acabado de se formar. Ele  vinha trabalhando, já  há vários anos, numa multinacional, como analista de sistemas. Era um profissional com boas perspectivas de ascensão. Ocasionalmente, soube que a Marinha Brasileira estava oferendo oportunidade para jovens, com a formação e experiência como a dele, fazerem um curso de especialização nos EUA, para operação dos computadores que iriam equipar  alguns submarinos adquiridos daquele país.
Inicialmente, antes do treinamento nos EUA, era exigido que esses candidatos fizessem um treinamento básico na Marinha. Esse treinamento seria feito durante seis meses, em uma viagem internacional, como tripulantes de um veleiro escola. Ao término dessa viagem, se tudo bem, sairiam graduados como sub oficiais. Após o treinamento nos EUA, por cerca de outros seis meses, eles teriam o compromisso de servir por mais dois anos na Marinha, exercendo a atividade para a qual foram preparados. Findo esses dois anos eles poderiam optar entre continuar a carreira militar, ou não. Durante tempo em que estivessem em treinamento e prestando serviço, receberiam um soldo mensal cujo valor, na época, equivalia à 50% do salário que ele recebia onde trabalhava. 
Pensou, pensou, e, considerando, principalmente, os compromissos financeiros que já  havia assumido - a divida pela compra de um apartamento e de um veículo -, decidiu que a opção ‘Marinha’ era inviável  no momento. Não poderia reduzir a sua receita atual. Então, escolheu não tomar o caminho que se abria a sua frente. Preferiu  continuar seguindo aquele que já estava trilhando.
A pergunta que o acompanha desde então é:
 ‘Como teria sido a minha vida se tivesse seguido aquele caminho?’
A pergunta é procedente porém, na prática, irrelevante. A escolha de um caminho na vida, como a maioria das escolhas que fazemos, são definitivas. Elas, normalmente, nunca mais se repetirão. É impossível se estar novamente naquele lugar, naquelas circunstâncias.  Portanto, cada oportunidade de escolha, é única.  
Esse raciocínio pode ser estendido para todos os grandes temas: uma nova carreira, a criação de uma empresa, um novo relacionamento ...  O que acontece é que, muitas vezes não nos damos conta de que, aquele momento, aquela decisão, pode ser fundamental, pode ter o poder de redefinir o nosso destino – não só o nosso, mas também o de muitas outras pessoas: aquelas com quais já nos relacionamos, com quais vamos ou poderíamos nos relacionar.  
Esses momentos muitas vezes não sinalizam ter a importância que têm: sociedades começam num encontro casual; relacionamentos começam e terminam com a decisão de passar a mão no telefone e discar um certo número; e por aí vai.  Infelizmente, só vamos  reconhecer quais foram os períodos mais cruciais de nossas vidas e carreiras, quando eles ficarem para trás.
Apesar de cada um seguir seu caminho em uma estrada, é comum continuar olhando para trás, olhando para a estrada que não foi seguida. Ficar  imaginando como as coisas seriam mais floridas e felizes por lá.  
O  problema nesse tipo de comparação, é que a realidade e a imagem mental que compomos, são sempre diferentes entre si. Nossa mente sonha com flores e alegria. Entretanto,  na prática, muitas vezes enfrentamos buracos, lama, subidas e descidas inclinadas. Comparar a realidade atual com um caminho que "deveria" ou "poderia" ter sido seguido,  é pura perda de energia, uma fuga inconsequente.
Assim, o apropriado é estar sempre atento e observar quais caminhos se abrem hoje à sua frente. Avalie com responsabilidade, e  faça sua escolha. Feita a escolha, olhe e siga adiante. Deixe os outros caminhos ficarem definitivamente para trás
Não há melhor caminho, apenas o caminho que escolhemos seguir.

A ESTRADA NÃO TRILHADA   (Robert Frost) 
Num bosque, em pleno outono, a estrada bifurcou-se,
mas, sendo um só, só um caminho eu tomaria.
Assim, por longo tempo eu ali me detive,
e um deles observei até um longo declive
no qual, dobrando, desaparecia…
Porém tomei o outro, igualmente viável,... 
A estrada divergiu naquele bosque – e eu
segui pela que mais ínvia me pareceu,
e foi o que fez toda a diferença.

Postagens mais visitadas deste blog

Grabovoi - O Poder dos Números

O Método Grabovoi  foi criado pelo cientista russo Grigori Grabovoi, após anos de estudos e pesquisas, sobre números e sua influência no nosso cérebro. Grigori descobriu que os números criam frequências que podem atuar em diversas áreas, desde sobrepeso até falta de concentração, tratamento para doenças, dedicação, e situações como perda de dinheiro. Os números atuam como uma ‘Código de desbloqueio’ dentro do nosso inconsciente, criando frequências vibratórias que atuam diretamente na área afetada e permitindo que o fluxo de informações flua livremente no nosso cérebro. Como funciona? As sequências são formadas por números que reúnem significados. As sequências podem ter  1, 7, 16, ou até 25 algarismos, e quanto mais números, mais específica é a ação da sequência. Os números devem ser lidos separadamente, por exemplo: 345682 Três, quatro, cinco, seis (sempre o número seis, não ‘meia’), oito, dois. Como praticar Você deve escolher uma das sequencias num

Thoth

Deus da lua, juiz dos mortos e deus do conhecimento e da escrita, Thoth (também Toth, ou Tot, cujo nome em egípcio é Djehuty) é um deus egípcio, representado com cabeça de íbis. É o deus do conhecimento, da sabedoria, da escrita, da música e da magia. Filho mais velho do deus do sol Rá, ou em alguns mitos nascido da cabeça de Set, era representado como um homem com a cabeça da ave íbis ou de um babuíno, seus animais sagrados.   Sendo o deus associado com o conhecimento secreto, Thoth ajudou no sepultamento de Osíris criando a primeira múmia. Era também o deus das palavras, da língua e posteriormente os gregos viam este deus egípcio como a fonte de toda a ciência, humana e divina, do Egito. O culto de Thoth situava-se na cidade de Khemenou, também referida pelos gregos como Hermópolis Magna, e agora conhecida pelo nome árabe Al Ashmunin. Inventor da escrita Segundo a tradição, transmitida também por Platão no diálogo Fedro, Thoth inventou a escrita egípc

Por que Jesus dobrou o lenço?

‘E que o lenço, que estivera sobre a cabeça de Jesus, não estava com os panos, mas enrolado num lugar à parte’.(João 20:7) Por que Jesus dobrou o lenço que cobria sua cabeça no sepulcro depois de sua ressurreição? Você já deteve sua atenção a esse detalhe? João 20:7 nos conta que aquele lenço que foi colocado sobre a face de Jesus não foi apenas deixado de lado como os lençóis no túmulo. A Bíblia reserva um versículo inteiro para nos contar que o lenço fora dobrado cuidadosamente e colocado na cabeceira do túmulo de pedra. Bem cedo pela manhã de domingo, Maria Madalena veio à tumba e descobriu que a pedra havia sido removida da entrada. Ela correu e encontrou Simão Pedro e outro discípulo, aquele que Jesus tanto amara. Disse ela: ‘Eles tiraram o corpo do Senhor e eu não sei para onde eles o levaram’. Pedro e o outro discípulo correram ao túmulo para ver. O outro discípulo passou à frente de Pedro e lá primeiro chegou. Ele parou e observou os lençóis lá,