Pular para o conteúdo principal

João Carlos di Genio

           O professor e empresário João Carlos di Genio, fundador do grupo Unip/Objetivo

O médico e professor João Carlos di Genio, fundador do Colégio Objetivo e da Universidade Paulista (Unip) costumava dizer que a inteligência e os talentos devem ser tratados como a riqueza de um país. Ao longo de sua carreira de empreendedor, ele buscou seguir essa visão ao construir um dos maiores grupos de educação do Brasil.

Di Genio morreu no último dia 11, vítima de infarto aos 82 anos, em sua residência nos Jardins, na zona oeste de São Paulo. No próximo dia 27 de fevereiro, ele completaria 83 anos. Deixa esposa e três filhos.

Di Genio dedicou sua vida à educação. Começou sua carreira de professor quando ainda era um estudante universitário. Aprovado em primeiro lugar em duas faculdades de medicina, ele dava aulas de física em um curso pré-vestibular no Cescem (Centro de Seleção de Candidatos às Escolas Médicas).

Pouco tempo depois, em 1965, ele criou o cursinho Objetivo junto com o então estudante de medicina Dráuzio Varella, e os médicos Roger Patti e Tadasi Itto.

Com o tempo, Di Genio e seus sócios abriram mais unidades do Colégio Objetivo, e, em 1972, avançaram para o ensino superior, com a criação das faculdades Objetivo, que, em 1988, passaram a se chamar Unip.

Segundo a família, Di Genio sempre se preocupou em cuidar das crianças superdotadas ou altamente habilidosas. ‘Dizia que a inteligência e os talentos deveriam ser tratados como a riqueza de um país’, afirma o grupo, em nota. Também tinha cuidado especial com a inclusão de alunos com deficiência nas salas de aula.

Nas décadas de 1970 e 1980 foi criado um centro de pesquisa e tecnologia, e o Programa Objetivo de Incentivo ao Talento (POIT), com cursos de robótica, arte e criatividade para crianças, e um teatro-laboratório para unir palco e conhecimento científico. ‘A realização dos alunos o fazia sorrir e aplaudir’.

Ainda no início de 1990, o grupo passou a oferecer aulas por satélite a estudantes de todo o Brasil.

Aulas por telefone, via ondas de rádio e pela internet, foram recursos de ensino a distância utilizados pelo Objetivo, desde a década de 1980.

O cursinho e o Colégio Objetivo se tornaram uns dos mais respeitados em suas áreas, enquanto a Unip virou a maior universidade particular do País. Atualmente, são mais de 300 mil alunos de nível médio, e 530 mil no ensino superior. Neste ano, a Unip lançou o seu primeiro curso de medicina, com mensalidade de R$ 9 mil. Até 2017, a universidade era um negócio sem fins lucrativos.

A paixão de Di Genio pela educação, e o seu empenho nos negócios, abriu caminho para outros empreendedores e investidores, que formaram grandes grupos de educação que vieram depois dele.

Um deles foi o empresário Chaim Zaher, presidente do Grupo SEB, que começou na área como franqueado do Objetivo no interior de São Paulo. Antes de fechar a parceria, Zaher chegou a dormir no banheiro de uma escola para conseguir contato com um professor próximo de Di Genio. Conseguiu o acordo, e assumiu a administração de várias franquias do Objetivo. Em 1984, se tornou sócio de Di Genio, a quem costuma chamar de ‘o grande visionário’ do setor de educação.

‘O Brasil perde um grande brasileiro, e eu perco também um amigo e compadre, meu padrinho de casamento. Tudo o que sei sobre educação, aprendi com ele, a partir do seu exemplo. Tenho orgulho de ter sido discípulo de um mestre inovador, visionário e realizador. Di Genio fará falta na educação, e deixará saudades’, disse Zaher. 


Professor João Carlos di Genio em sala de aula

Empreendedor, estimulava o crescimento dos negócios de forma orgânica, sem depender de fusões e aquisições. Em 2008, sua empresa educacional chegou a receber uma proposta de compra pelo grupo americano Apollo por R$ 2,5 bilhões, mas Di Genio não teve interesse.

Menos de 10 anos mais tarde, em 2017, a Unip já faturava, por ano, o mesmo valor da proposta. A postura dele em relação aos negócios destoou do caminho seguido por outros grupos de educação privados, como Cogna (antiga Kroton), Yduqs (antiga Estácio) e o Grupo Ânima, que apostaram em aquisições para se consolidar e crescer no setor.

O patrimônio de Di Genio é estimado em R$ 7 bilhões pela revista Forbes. Além dos negócios educacionais e de mídia, ele era dono de cinco fazendas, e era considerado um dos maiores proprietários de imóveis de São Paulo. Ele era dono, por exemplo, da maioria dos imóveis das 30 unidades da Unip.

Amor pela educação

Uma das histórias que ilustram a paixão do empresário pela educação aconteceu em janeiro de 1977. Uma tempestade de verão alagou a cidade de São Paulo e atrasou a chegada de alunos para o vestibular da Fuvest. A prova era às 8h, mas a organização permitiu a entrada de alunos até às 11h15.

Di Genio tomou uma atitude radical para levar os alunos ilhados até os locais das provas: alugou um helicóptero para levá-los. Pelo rádio, ele emitiu um comunicado para que os interessados na carona fossem ao Campo de Marte, ou ao Clube Atlético Juventus. Após uma disputa por vagas no helicóptero, o coordenador da Fuvest, José Goldemberg, aceitou a sugestão de Di Genio, e mandou ao Campo de Marte um professor, três fiscais e 150 provas.

Di Genio também tinha uma relação forte com a cultura. Ainda em 1972, ele criou o festival de música Fico (Festival Interno do Colégio Objetivo), que já tem 50 anos de história, e revelou nomes da música como Rogério Flausino (Jota Quest), Herbert Vianna (Paralamas do Sucesso) e Dinho Ouro Preto (Capital Inicial).

‘Através da educação, ele mostrou que é possível mudar o mundo’, informou o Grupo Mix de Comunicação, composto pela Rádio Mix, fundada em 1997, a Rádio Trianon, o site de variedades Vírgula, e redes de TV, que também faz parte dos empreendimentos do empresário.

No último dia 13, empresários, educadores e políticos prestaram homenagens a João Carlos Di Genio em redes sociais. ‘Com tristeza nos despedimos do Professor Dr. João Carlos di Genio. Homem diferenciado e de honrada história. Suas contribuições para a educação brasileira permanecerão como bom legado’, disse o ministro da Educação Milton Ribeiro. Marta Suplicy, ex-ministra da cultura e do turismo, lamentou a morte do professor. ‘Di Genio era visionário, e fez muito pelo ensino em nosso país’, disse

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Gilmar Mendes, lamentou a morte, e manifestou solidariedade aos amigos e familiares de Di Gênio. ‘Manifesto profundo pesar pelo falecimento do Professor João Carlos Di Genio, um dos maiores fomentadores do ensino no país. Grande entusiasta da educação, Di Genio inspirava seus projetos na concretização dos sonhos de seus alunos. Meus sentimentos aos amigos e familiares’, disse Mendes.

A Associação Brasileira de Sistemas e Plataformas de Ensino (Abraspe) lamentou a perda de Di Gênio. ‘Um homem visionário e de grande espírito empreendedor. Sua obra trouxe profundos impactos para a educação do Brasil, e ajudou a transformar a vida de milhares de estudantes, ao longo das últimas décadas. Di Genio foi um inovador, implantando um exitoso modelo de escolas, que modernizou e apontou caminhos para a melhoria da nossa educação. O País perde um grande empresário e educador’, disse em nota o presidente da Abraspe, José Henrique del Castillo Melo. 

Linha do tempo

1939 - João Carlos Di Genio nasce em Lavínia, no interior de São Paulo

1961 - Passa em 1º lugar no vestibular para o curso de medicina em duas universidades e começa a dar aulas de física para vestibulandos

1965 - Criação do curso Objetivo, junto com Dráuzio Varella e os médicos Roger Patti e Tadasi Itto

1971 - Fundação do Colégio Objetivo

1972 - Fundação das Faculdades Objetivo e criação do festival de música FICO

1980 - Início da transmissão de aulas do Objetivo por telefone e ondas de rádios

1982 - Criação do Centro de Pesquisa e Tecnologia Objetivo (CPT), posteriormente batizado CPT - Unip/Objetivo

1988 - Junto com Dráuzio Varella, transforma Faculdades Objetivo na Universidade Paulista (Unip)

1990 - Início da transmissão de aulas via satélite para estudantes de todo o País

2009 - Criação do Colégio Objetivo Integrado

2022 - Unip abre curso de medicina


 


Fonte: Terra | FSP

 

(JA, Fev22)

 


 

Postagens mais visitadas deste blog

Grabovoi - O Poder dos Números

O Método Grabovoi  foi criado pelo cientista russo Grigori Grabovoi, após anos de estudos e pesquisas, sobre números e sua influência no nosso cérebro. Grigori descobriu que os números criam frequências que podem atuar em diversas áreas, desde sobrepeso até falta de concentração, tratamento para doenças, dedicação, e situações como perda de dinheiro. Os números atuam como uma ‘Código de desbloqueio’ dentro do nosso inconsciente, criando frequências vibratórias que atuam diretamente na área afetada e permitindo que o fluxo de informações flua livremente no nosso cérebro. Como funciona? As sequências são formadas por números que reúnem significados. As sequências podem ter  1, 7, 16, ou até 25 algarismos, e quanto mais números, mais específica é a ação da sequência. Os números devem ser lidos separadamente, por exemplo: 345682 Três, quatro, cinco, seis (sempre o número seis, não ‘meia’), oito, dois. Como praticar Você deve escolher uma das sequencias num

Thoth

Deus da lua, juiz dos mortos e deus do conhecimento e da escrita, Thoth (também Toth, ou Tot, cujo nome em egípcio é Djehuty) é um deus egípcio, representado com cabeça de íbis. É o deus do conhecimento, da sabedoria, da escrita, da música e da magia. Filho mais velho do deus do sol Rá, ou em alguns mitos nascido da cabeça de Set, era representado como um homem com a cabeça da ave íbis ou de um babuíno, seus animais sagrados.   Sendo o deus associado com o conhecimento secreto, Thoth ajudou no sepultamento de Osíris criando a primeira múmia. Era também o deus das palavras, da língua e posteriormente os gregos viam este deus egípcio como a fonte de toda a ciência, humana e divina, do Egito. O culto de Thoth situava-se na cidade de Khemenou, também referida pelos gregos como Hermópolis Magna, e agora conhecida pelo nome árabe Al Ashmunin. Inventor da escrita Segundo a tradição, transmitida também por Platão no diálogo Fedro, Thoth inventou a escrita egípc

Por que Jesus dobrou o lenço?

‘E que o lenço, que estivera sobre a cabeça de Jesus, não estava com os panos, mas enrolado num lugar à parte’.(João 20:7) Por que Jesus dobrou o lenço que cobria sua cabeça no sepulcro depois de sua ressurreição? Você já deteve sua atenção a esse detalhe? João 20:7 nos conta que aquele lenço que foi colocado sobre a face de Jesus não foi apenas deixado de lado como os lençóis no túmulo. A Bíblia reserva um versículo inteiro para nos contar que o lenço fora dobrado cuidadosamente e colocado na cabeceira do túmulo de pedra. Bem cedo pela manhã de domingo, Maria Madalena veio à tumba e descobriu que a pedra havia sido removida da entrada. Ela correu e encontrou Simão Pedro e outro discípulo, aquele que Jesus tanto amara. Disse ela: ‘Eles tiraram o corpo do Senhor e eu não sei para onde eles o levaram’. Pedro e o outro discípulo correram ao túmulo para ver. O outro discípulo passou à frente de Pedro e lá primeiro chegou. Ele parou e observou os lençóis lá,